Ferramentas Pessoais
Acessar
Seções
Você está aqui: Página Inicial Matérias-primas Hortaliças Alcachofra Características Botânicas

Características Botânicas

A alcachofra é uma planta originária das regiões mediterrâneas e cultivada desde a antiguidade como alimento e produto dietético. Atualmente é cultivada também nas regiões do Atlântico com invernos moderados.

Apresenta folhas de cor acinzentada, constituídas de limbo e pecíolo com nervura tipo peninérvia. As folhas tem sabor amargo, de caráter forte e persistente, constituindo-se na matéria-prima de chás medicinais. Conforme o conhecimento popular, a infusão do extrato de folhas de alcachofra, que contém a substância chamada cinarina, tem poder colagogo, diurético, sendo indicado contra perturbações digestivas e nefrites.

A alcachofra floresce no verão. As flores surgem entre os pelos de coloração azul violeta e são grandes, segmentadas com corola tubular de 3 a 4 cm de largura. As inflorescências são cobertas de numerosas brácteas coriáceas na base das quais está a parte comestível delas, podendo ser consumidas frescas ou industrializadas.

Os frutos são secos, indeiscentes (aqüenios), quando de início ligados ao ‘papus’(coroa de pelos), mas dela se desprendendo após serem dispersas pelo vento. Sementes contidas nos aqüenios são pequenas e achatadas piriformes, com tegumento liso e duro.

A propagação pode se dar por sementes ou por mudas nascidas na base da planta, sendo a semeadura no outono/inverno em viveiro, consumindo em torno de 0,5 kg de sementes para cultivar um hectare (um grama de semente contém em média 30 sementes). A semeadura deverá ser na profundidade entre 0,5 a 1 cm, germinando em torno de 15 dias. No transplante das mudas para o campo, o espaçamento médio será de 1,20 m entre as linhas e 1,20 m entre as plantas. Comercialmente são usadas apenas mudas originadas dos rebentos produzidos no ano anterior, pois a partir de sementes há muita segregação genética. Para o plantio são recomendados os solos ricos em argila, férteis, profundos e bem drenados, pois apresenta um sistema radicular bastante desenvolvido.

A colheita, para fins medicinais, é feita das folhas e, para a alimentação, das inflorescências, sendo que a colheita das folhas é feita escalonadamente, à medida que estas se apresentam com o máximo crescimento. O rendimento médio é de 3000 kg de folhas frescas e 80 mil capítulos por hectare.

Já a colheita dos capítulos, para coleta de sementes, dá-se quando há um início de abertura das brácteas envoltórias, mas antes da abertura das brácteas. A colheita de sementes é feita no outono com os capítulos secos, mas antes destes cairem no solo e expulsarem as sementes.