Doença Celíaca
          A doença celíaca, também conhecida como afecção celíaca, enteropatia sensível ao glúten, sprue celíaco ou ainda sprue não tropical, é provocada pela intolerância ao glúten.
          Não sabe-se ao certo a data de sua descoberta, mas foi durante a Segunda Grande Guerra, quando houve uma escassez dos produtos farináceos, que um médico holândes verificou a melhora de crianças com essa doença.

 

O que é?
          É uma doença do intestino delgado, com menor ou maior atrofia das vilosidades da mucosa, o que causa prejuízo na absorção dos nutrientes, vitaminas, sais minerais e água. As vilosidades são dobras da camada interna do intestino delgado que servem para aumentar a superfície de absorção e sediar células com funções especializadas na digestão.

 

Qual a relação com o glúten?
           O glúten é uma proteína presente no trigo, cevada, malte, aveia e centeio (sendo em maior proporção no trigo).
Alimentos que contenham esses componentes devem ser eliminados da dieta dos celíacos pois, é ele que causa os danos no intestino, mencioados anteriormente.

Como a doença se desenvolve?
          É uma doença hereditária, mas ainda não se sabe ao certo sua forma de transmissão. Se desenvolve em cerca de 10% dos familiares de primeiro grau do doente. Dados mostram que na Europa, num grupo de 300 pessoas, uma pode desenvolver a doença. Nos Estados Unidos, é mais freqüente nos brancos do que nos negros.
          A doença pode permanecer latente ou com sintomas mínimos e ocasionais por longos períodos. É interessante que em muitos casos os sintomas identificados na infância podem desaparecer na adolescência, retornando na idade adulta.

Quais são os sintomas?
          A doença celíaca pode ser sintomática ou assintomática. No primeiro caso identifica-se:
          · diarréia;
          · distensão abdominal por cólicas, gases, náuseas e vômitos;
          · baixo nível de crescimento;
          · dificuldade em adquirir peso e facilidade em perdê-lo;
          · fraqueza;
          · anemia (deficência na absorção de ferro e vitamina B12);
          · alteração do ciclo menstrual;
          · diminuição da fertilidade;
          · osteoporose.

Como é feito o diagnóstico?
          
Quando o histórico clínico é favorável, o diagnóstico pode ser feito através de uma dieta isenta de glúten por aproximadamente três meses, se os sintomas desaparecerem a doença está diagnosticada. Em outros casos, pode ser necessária a realização de exames de sangue, urina, fezes e de imagem.

Existe tratamento?
           Uma alimentação permanentemente isenta de glúten, com reposição dos nutrientes que sabe-se estar a pessoa deficiente.

Esta página faz parte do site Como Fazer Pâo, desenvolvido por Julio Alberto Nitzke e Aline Biedrzycki
ICTA/UFRGS