Um modelo hermenêutico para uma história literária comparativa

Mário J. Valdes
- Comentários -

Comentário: Luís Roberto Cairo (UNESP-CNPQ)

Refletir sobre a possibilidade de uma História Literária Comparativa da América Latina é um desafio bastante estimulante e me parece um sonho sempre presente no horizonte de expectativas dos estudiosos que ao longo dos anos vêm pesquisando as literaturas do continente americano. Aliás o instinto de americanidade parece nascer juntamente com a construção da identidade nacional de cada uma das nações que constituem a América.

Voltado mais especificamente para o estudo da construção da identidade nacional da literatura brasileira, tenho observado constantemente a existência deste sentimento nos textos dos escritores e críticos românticos brasileiros, responsáveis pela formação do cânone da nossa historiografia literária. Antes de Mario J. Valdés, Ana Pizarro idealizou um projeto coletivo de História da Literatura Latino-americana, que, por conta das dificuldades enfrentadas no processo de elaboração, transformou-se em três volumes de ensaios sobre as literaturas e culturas brasileira, caribenha e hispano-americanas, dispostos em ordem cronológica. América Latina: Palavra, Literatura e Cultura , publicada em 1993, pela Fundação Memorial da América Latina, juntamente com a Editora da UNICAMP, constitui bibliografia obrigatória para os pesquisadores da área.

O texto de Mario J. Valdés refere-se a um projeto editorial intitulado Uma História Comparada das Formações Culturais: Literaturas Latino-americanas , que está sendo realizado por ele, juntamente com Djelal Kadir e Linda Hutcheon, na Universidade de Toronto, no Canadá.

Partindo do conceito de uma identidade cultural dinâmica, uma identidade que possui um centro em constante movimento, defende a idéia de uma história literária vista sob o prisma da intertextualidade cultural, isto é, uma história literária comparativa, uma rede aberta repleta de referências cruzadas, de narrativas interseccionadas que o leitor explorará como um hipertexto histórico .

Nesta história, as obras literárias seriam vistas como eventos históricos dentro de um contexto cultural dinâmico, ou seja, um contexto que rompe com a idéia de espaço e tempo únicos, uma vez que os eventos estão sempre inseridos em contextos diversos, plurais e ao mesmo tempo mutantes. O contexto estruturador do paradigma desta história não seria a narração dos eventos, mas esquemas conceituais específicos como os centros culturais de uma sociedade, as instituições determinantes da produção literária e as políticas de leitura na comunidade.

O modelo hermenêutico de uma História Literária Comparativa da América Latina de Mário J. Valdés estabelece uma tensão entre o olhar sincrônico e o olhar diacrônico do leitor que, a partir de espaços diferentes e diversos, a cada momento a reescreve. A literatura , objeto definidor desta história, não existe isolada da cultura na qual é experienciada, isto é, as culturas em que foi produzida assim como aquelas em que foi recebida .

O projeto conta com a colaboração de vários pesquisadores e prevê três volumes, estruturados da forma como se segue:

Volume Um (600 págs.)

Configurações da Cultura literária na América Latina

1. Parâmetros da Cultura Literária

Coordenadores: Beatriz Garza-Cuarón, Hervé Thery, Mario J. Valdés

1.1 Fatores geográficos e a formação de um contexto cultural para a produção literária

1.2 Demografia e a formação de centros culturais

1.3 Fatores sócio-econômicos na produção de um discurso cultural

1.4 Acesso e participação nas culturas literárias de América Latina

1.5 A diversidade lingüistica das literaturas latino-americanas

2. Nas margens duma história literária

Coordenadores: Heloisa Buarque de Hollanda, Marlyse Meyer, Beatriz Vieira de Resende, Cynthia Steele

2.1 Configurações de uma alteridade racial e étnica na história literária

2.2 Questões de gênero e orientação sexual na formação histórica do imaginário cultural

2.3 Construções culturais de pobreza na história literária

2.4 Exílio, censura e a formação do arquivo histórico

2.5 Exclusões lingüísticas

3. Pluralidade discursiva da cultura latino-americana

Coordenadores: Raúl Antelo, Eugenia Meyer, Carlos Monsiváis, Suzana M. Pick, Eneida Maria de Souza, Juan Villegas

3.1 Discursos religiosos, científicos e políticos

3.2 Oralidade e literatura

3.3 Discursos teatrais: apropriação de códigos

3.4 Transformações nas culturas populares: debutes, benefícios, despedidas

3.5 Cinema: diálogos culturais e os processos de Modernidade

Volume Dois (800 págs.)

Modelos institucionais e modalidades culturais da literatura latino-americana

1. Instituições culturais

Coordenadores: Lisa Block de Behar, Tania Franco Carvalhal

1.1 A história do livro, sua produção e difusão na América Latina

1.2 Patrocínio, censura, e instituições estatais

1.3 Escolas, colégios, universidades, museus, associações culturais, bibliotecas e academias

1.4 Crítica literária nos meios de comunicação: jornalismo cultural

1.5 Tradução como instituição cultural

2. Modelos textuais e sua transformação na América Latina

Coordenadores: Randolph Pope, Flora Süssekind

2.1 Novela e jornalismo: intercâmbios estratégicos

2.2 Atuação poética: vocações públicas e privadas

2.3 Topografia da narrativa e a imaginação novelística

2.4 O testemunho como gênero e crônica cultural

2.5 Dimensões do ensaio: aprendizagem da identidade nacional

3. Os centros culturais da América Latina

Coordenadores: Eduardo Faria Coutinho, Victoria Peralta

3.1 México setentrional e a fronteira do norte (inclui México e os Estados Unidos)

3.2 Mesoamérica (inclui México e América Central)

3.3 O Caribe e a bacia do Caribe (inclui Colômbia, Cuba, Porto Rico, República Dominicana, Venezuela)

3.4 América andina (inclui Bolívia, Brasil , Chile, Colômbia, Guianas, Peru, Venezuela)

3.5 América amazônica e as fronteiras amazônicas (inclui Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai)

3.6 Brasil oriental (inclui nordeste e sudeste)

3.7 Rio da Prata, Pampas e as fronteiras meridionais (inclui Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai)

3.8 Cone sul (inclui Argentina e Chile)

3.9 Cultura latino-americana em Nova York

3.10 Cultura latino-americana em Paris

Volume Três (600 págs.)

Cultura Literária Latino-americana: do tema à história

1. Fundações e perdas: uma visão dupla

Coordenadores: Doris Sommer, Maria Consuelo Cunha Campos

1.1 Vozes épicas: desencontros e fundações

1.2 O discurso da melancolia: uma cultura de perdas

1.3 Narrativas de legitimização, o discurso de hegemonia e a hermenêutica de globalização

1.4 A nação por entrega

2. Transculturação e discurso estatal

Coordenadores: Wander Melo Miranda, Alberto Moreiras, Iris Zavala

2.1 Mediações letradas

2.2 Povo e construção da nação

2.3 A inversão do darwinismo social

2.4 Modernização e formação de identidades

2.5 Crise da transculturação

3. A cultura literária na América Latina durante o século XX

Coordenadores: Renato Cordeiro Gomes, Djelal Kadir, Elizabeth Monasterios Silviano Santiago

3.1 A presença de culturas literárias ameríndias

3.2 Culturas literárias latinas nos Estados Unidos

3.3 Imigrações, exílio e deslocamentos

3.4 Modernidade, modernismos e seus avatares posteriores

3.5 Ideologias e o imaginário

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

* VALDÉS, Mario J. Um modelo hermenêutico para uma história literária comparativa. Poligrafías. Revista de Literatura Comparada. No. 1. México: Universidad Autónoma de Mexico, 1996, p. 9-21.

________________, HUTCHEON, Linda e KADIR, Djelal. Collaborative Historiography: a Comparative Literary History of Latin America . (ACLS Occasional Paper No. 35) New York : American Council of Learned Societies, 1996.