Você está aqui: Página Inicial NOTICIAS Posição da CIS sobre Flexibilização da Jornada

Posição da CIS sobre Flexibilização da Jornada

 

Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico Administrativos em Educação – CIS
POSIÇÃO DA CIS SOBRE A FLEXIBILIZAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO
A Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico Administrativos em Educação – CIS vem esclarecer o que segue:
1. A CIS tem caráter institucional, seus membros são eleitos em eleição específica convocada pelo reitor e pauta sua atuação com base na análise e interpretação da legislação referente à carreira;
2. A Comissão de Flexibilização da Jornada, da qual a CIS faz parte, tem um calendário de 12 reuniões para apresentar uma proposta de flexibilização ao CONSUN;
3. Nas 3 primeiras foram feitas diversas manifestações, muitas sem embasamento legal;
4. A Comissão de Flexibilização designou que os representantes da CIS elaborassem propostas de relatório e resolução para se iniciar a discussão técnica sobre o tema,
pois, se não houvesse um texto inicial para se trabalhar, ao final dos doze encontros a Comissão de Flexibilização não teria nada para apresentar ao CONSUN;
5. Sendo assim, fizemos um trabalho de análise do material disponível: legislação, decisões de outras IFES e cobranças da CGU. A partir desta análise elaboramos um texto referência para pautar a discussão, composto de 2 documentos: um relatório da comissão e um modelo de resolução.
Conforme reunião da CIS de 11/04/2013, na qual foram escolhidos como representantes da mesma na Comissão de Flexibilização os membros Silvio Corrêa e Daniel Escouto, ficou estabelecido que o posicionamento da CIS perante a Comissão seria de extensão da normatização, ao maior número de servidores possível, garantida a legalidade da proposta e devendo ser prioritária a possibilidade de flexibilização da jornada de trabalho à Universidade como um todo. É fundamental pautar-se sempre por garantias legais para que a proposta resista a toda e qualquer fiscalização e apontamento dos órgãos de controle externo. Buscamos, assim, uma atuação responsável como representantes eleitos pela categoria dos servidores técnico-administrativos em educação.
Defendemos:
1) Que a flexibilização não seja proibida por resolução do CONSUN a nenhuma unidade/departamento/divisão ou setor;
2) Que a flexibilização se dê de forma segura, para que resista às investidas da CGU;
3) Que os conceitos do nosso Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação sejam utilizados para pautar a resolução.
CIS/UFRGS – gestão 2011/2013

 

Desenvolvido e Administrado por Silvio Roberto Ramos Corrêa