Você está aqui: Página Inicial Vestibular Vestibular 2015 Leituras Obrigatórias 2015

Leituras Obrigatórias 2015

Leituras obrigatórias para a prova de literatura de língua portuguesa do Vestibular 2015

Para o Concurso Vestibular de 2015, será exigida a leitura prévia e completa das seguintes obras:

CAETANO VELOSO, GILBERTO GIL, MUTANTES E OUTROS

Tropicalia ou panis et circensis (álbum/disco);

LÍDIA JORGE

A noite das mulheres cantoras;

TABAJARA RUAS

O amor de Pedro por João;

SERGIO FARACO

Dançar tango em Porto Alegre. Lista de contos do livro:

  1. Dois guaxos;
  2. Travessia;
  3. Noite de matar um homem;
  4. Guapear com frangos;
  5. O vôo da garça-pequena;
  6. Sesmarias do urutau mugidor;
  7. A língua do cão chinês;
  8. Idolatria;
  9. Outro brinde para Alice;
  10. Guerras Greco-Pérsicas;
  11. Majestic Hotel;
  12. Não chore, papai;
  13. Café Paris;
  14. A dama do bar Nevada;
  15. Um aceno na garoa;
  16. No tempo do trio Los Panchos;
  17. Conto do inverno;
  18. Dançar tango em Porto Alegre.

JORGE AMADO

Terras do Sem Fim;

NELSON RODRIGUES

Boca de Ouro;

MURILO RUBIÃO

Contos:

  1. O pirotécnico Zacarias;
  2. O ex-mágico da Taberna Minhota;
  3. Bárbara;
  4. A cidade;
  5. Ofélia, meu cachimbo e o mar;
  6. A flor de vidro;
  7. Os dragões;
  8. Teleco, o coelhinho;
  9. O edifício;
  10. O lodo;
  11. O homem do boné cinzento;
  12. O convidado;


LYA LUFT

As Parceiras;

GREGÓRIO DE MATOS GUERRA

Seleta:

  1. A Nosso Senhor Jesus Christo com actos de arrependimento e suspiros de amor (Ofendi-vos, Meu Deus, bem é verdade);
  2. A Jesus Cristo Nosso Senhor (Pequei, Senhor, mas não por que hei pecado);
  3. Inconstância dos bens do mundo (Nasce o sol, e não dura mais que um dia);
  4. À cidade da Bahia (2) (soneto) / (Triste Bahia! ó quão dessemelhante);
  5. A Maria dos povos, sua futura esposa (Discreta e formosíssima Maria);
  6. Epílogos (Juízo anatômico dos achaques que padecia o corpo da república...) / (Que falta nesta cidade?...................Verdade);
  7. A uma dama (Vês esse Sol de luzes coroado?);
  8. A instabilidade das cousas no mundo (Nasce o Sol, e não dura mais que um dia);
  9. A certa personagem desvanecida (Um soneto começo em vosso gabo);
  10. Aos principais da Bahia chamados caramurus (Um canção de pindoba, a meia zorra);
  11. À procissão de cinza em Pernambuco (Um negro magro em sufulié justo);
  12. Milagres do Brasil São (Um branco muito encolhido);
  13. Retrato/Dona Ângela (Anjo no nome, Angélica na cara!);
  14. Contemplando nas cousas do mundo (Neste mundo é mais rico o que mais rapa);
  15. E pois coronista sou / Se souberas falar também falaras;
  16. Ao padre Lourenço Ribeiro, homem pardo que foi vigário da freguesia do Passé (Um branco muito encolhido);
  17. Define a sua cidade (De dous ff se compõe);
  18. Descreve a vida escolástica (Mancebo sem dinheiro, bom barrete);
  19. À cidade da Bahia (2) / (A cada canto um grande conselheiro);
  20. Aos vícios (Eu sou aquele que os passados anos);
  21. Descreve a confusão do festejo do Entrudo (Filhós, fatias, sonhos, mal-assadas);
  22. Solitário em seu mesmo quarto à vista da luz...( Ó tu do meu amor fiel traslado);
  23. Aos afetos e lágrimas derramadas (Ardor em firme coração nascido);
  24. Admirável expressão que faz o poeta de seu atencioso silêncio (Largo em sentir, em respirar sucinto);
  25. Definição do amor – romance (Mandai-me, Senhores, hoje);


ALBERTO CAEIRO (heterônimo de Fernando Pessoa)

O Guardador de Rebanhos;

MANUEL ANTÔNIO DE ALMEIDA

Memórias de um Sargento de Milícias;

MACHADO DE ASSIS

Esaú e Jacó;

Nota de esclarecimento
A obra de Gregório de Matos Guerra tem muitas variantes editoriais. Assim, para evitar equívocos, disponibilizamos abaixo um arquivo que contém a Seleta do autor. Cabe esclarecer que os títulos "Inconstância dos bens do mundo" (número 3) e "A instabilidade das cousas no mundo" (número 8) referem-se a um mesmo poema, como se pode ver pelo primeiro verso, "nasce o sol e não dura mais que um dia". O mesmo ocorre com "Milagres do Brasil são" (número 12) e "Ao padre Lourenço Ribeiro, homem pardo que foi vigário da freguesia do Passé"(número 16), cujo primeiro verso é "Um branco muito encolhido".