Unimúsica | Poesia, então

 

Em outubro de 2016, a canção viu-se no centro de um amplo debate de proporções globais. O estopim foi o anúncio do Prêmio Nobel de Literatura para o cancionista norte-americano Bob Dylan. A rapidez com que o rastilho da polêmica se espalhou envolvendo escritores, compositores e intelectuais de boa parte do mundo demonstra não só que não há qualquer acordo tácito no que diz respeito ao estatuto da canção – literatura? poesia? arte menor? –, como também deixa muito clara a dificuldade (a relutância mesmo) em se reconhecer, nessas pequenas peças sonoras que compõem nossa trilha musical cotidiana, a milenar tradição da palavra cantada. Nas entrelinhas da discórdia, abre-se ainda mais o espaço para a reflexão sobre a especificidade desse gênero muito próprio de poesia e sua particular relação com a palavra. Em 2017, o Unimúsica, dá continuidade à forma de militância adotada pelo projeto desde 2015 com a série irreverentes, e que teve prosseguimento no ano passado com a série sobre a palavra futuro, apostando agora na força da palavra poética, na capacidade de escuta, na delicadeza contundente da poesia – a melhor forma de dar peso e leveza às nossas tão desgastadas, desencantadas palavras. 

E mais: em tempos sombrios,

poesia, então.

Lígia Petrucci

Coordenação e curadoria Projeto Unimúsica

Design gráfico: Dudu Sperb