Unimúsica | série irreverentes


 

Depois de homenagear sete importantes artistas gaúchos na série compositores – a cidade e a música, que integrou a programação de comemoração dos 80 anos da UFRGS, o Unimúsica elege como tema para sua temporada 2015 a irreverência. Nesta segunda década do século 21, parte do mundo assiste, com assombro, a um inimaginável ressurgimento de movimentos de extrema direita e ao recrudescimento de preconceitos e sectarismos de toda ordem. Junto a isso podemos perceber também um certo desgaste da política em suas formas convencionais e uma hipermercantilização de inúmeros aspectos da vida. Tendo este cenário como pano de fundo, o Unimúsica faz uma aposta na força transgressora da arte trazendo para o seu palco músicos e compositores que, por suas atitudes e criações, trazem à cena a centelha do pensamento livre e da crítica social. Este é um ano para celebrar a inquietude, o humor e as boas provocações.

 

Lígia Petrucci

Coordenadora e curadora do Unimúsica 

 

Ser irreverente é ser ousado. Uma reação ao perceber que não se faz parte de um determinado tempo. Ser suspeito, como Arrigo Barnabé. Prestar atenção no Movimento dos Barcos, com Jards Macalé.  Punk e Brega ao mesmo tempo, como Wander Wildner. Estudar o Samba, com Tom Zé. Valer quanto Pesa, como Luiz Melodia. E não dar Pipoca aos Turistas, como faz Carlos Careqa.

Luiz Henrique Fontoura

 

 

Contra tudo isso que está aí 

A verdadeira vocação da irreverência não se esgota na derrisão: na arte, o olhar torto sobre o mundo desperta não apenas o gracejo, mas principalmente promove terremotos no terreno demasiado estável das nossas convicções - estéticas, sociais, políticas, comportamentais. A série irreverentes do projeto Unimúsica vai levar ao Salão de Atos da UFRGS neste ano seis cantores e compositores cujas trajetórias, singulares entre si, são igualmente marcadas por esse signo de contestação.

Atentos às armadilhas, nossos artistas não ficam à vontade com o confortável rótulo de "maldito", estigma encampado pelo mercado a fim de vender produtos também para quem se considera fora desse jogo. Não se interessam em corresponder a expectativas e confrontam o bom gosto: estudam o pagode e o axé, cantam o brega com fúria punk, colocam existencialismo no samba de morro e atonalismo na valsa europeia, elogiam o papa e falam de pedófilo em disco para criança. Para essa turma, até tiro no pé está valendo, só para não andar reto que nem todo mundo.

Já eu não escapei à arapuca e estou aqui contraditoriamente louvando os irreverentes. Ainda bem que eles não dão a menor pelota para salamaleques, né??

Roger Lerina

 

 

A irreverência é uma estratégia possível em tempos de fanatismos, fundamentalismos e ideias fixas, tal qual os que estamos vivendo. Ela é prima-irmã da desobediência e, juntas, zombam da cara feia e sisuda do poder.

Leo Felipe 

 

 

Não reverenciar a nada. A ninguém. Não abaixar a cabeça, aceitar o cabresto, submeter-se. Não reverenciar a nada. Ser senhor de seu destino, mesmo que ele aponte ao abismo. E tudo isso, rindo.

Arthur de Faria

 

A irreverência é esse lugar fora da zona de conforto ocupado por artistas que nos ajudam a olhar para os desconfortos todos desse mundo e convidam nossos ouvidos a experimentar suas transgressões.

Ana Laura Freitas 

 

Pelo que temos visto na "mídia", ser irreverente hoje é ser grosseiro, vulgar, brega, ignorante, ridículo, sem graça, boiola, palhaço no mau sentido, bobão, vazio. Talvez precisemos de outra palavra para classificar os "irreverentes" do Unimúsica, pois não se encaixam em nenhuma dessas. Em todos vemos inteligência, crítica com sentido político-social, visão aguda da realidade brasileira e do mundo, humor ácido - mas não desprovido do palhaço no bom sentido, divertido ma non troppo.

Juarez Fonseca

 

PROGRAMAÇÃO:  

 

ENTREVISTAS ABERTAS
sempre às 20h, com exceção do dia 05 de novembro, que será às 16h no dia do concerto.

10/06 - Arrigo Barnabé

01/07 - Jards Macalé

05/08 - Wander Wildner

02/09 - Luiz Meolodia

21/10 - Carlos Careqa

05/11 - Tom Zé

 

CONCERTOS

11/06 - Arrigo Barnabé

02/07 - Jards Macalé

06/08- Wander Wildner

03/09 - Luiz Melodia

22/10 - Carlos Careqa

05/11 - Tom Zé