Daniel Göritz e Daniel Wolff, Paulo Inda e Artur Elias Carneiro, Damas do Violão - VI Festival de Violão

Natural de Berlim oriental, Daniel Göritz graduou-se com honras na Escola Superior de Música de Berlim, onde estudou com Inge Wilczok. Posteriormente, com bolsa do British Council, cursou Mestrado em Artes no Royal Northern College of Music de Manchester (Inglaterra), onde estudou com Gordon Crosskey e John Williams. De lá, transferiu-se para Nova Iorque, onde obteve o título de Doutor em Música na Manhattan School of Music, na classe do Prof. David Starobin. De retorno a Berlim, assumiu o posto de Professor Associado da Hochschule für Musik Hans Eisler.

Daniel Göritz atuou junto a importantes orquestras e grupos de câmara europeus, tais como a Filarmónica de Berlim (com Simon Rattle e Pierre Boulez), Orquestra Sinfônica da Alemanha (com Kent Nagano) e a Orquestra Filarmônica da BBC. Em 1988, foi premiado no Concurso Internacional de Violão de Kutna Hora (República Tcheca) e em 1997 venceu em Nova Iorque a Artists International Competition, estreando a seguir no Carnegie Hall.

Como compositor, obteve a encomenda anual do Senado de Berlim para uma obra para orquestra de câmara e o Grande Prêmio no concurso de composição do Festival Internacional de Música Contemporânea de Huddersfield (Inglaterra). 

A revista Classical Guitar (Inglaterra) escreveu que “há razões de sobra para considerar que Daniel Göritz está no limiar de uma carreira de distinção”. O jornal Berliner Zeitung considerou-o “um mestre tanto no violão como na composição”.

 

Primeiro Doutor em Violão do Brasil, Daniel Wolff é formado pela Escuela Universitária de Música de Montevidéu. Agraciado com bolsas de estudo da CAPES e CNPq, Wolff cursou Mestrado e Doutorado em Música na prestigiosa Manhattan School of Music de Nova Iorque, recebendo o Helen Cohn Award, prêmio oferecido ao doutorando de melhor desempenho. 

Catedrático de violão da UFRGS, onde criou os cursos de Mestrado e Doutorado em Violão, Wolff é constantemente requisitado para ministrar cursos e masterclasses em universidades e festivais de música no Brasil, Estados Unidos, Alemanha, Uruguai e Argentina. Foi também Professor Visitante da Universidade de Arte de Berlim (UdK).

Vencedor de importantes concursos nacionais e internacionais de violão, sua carreira inclui apresentações na América do Sul, Estados Unidos e Europa, destacando-se numerosas atuações como solista de importantes orquestras e um recital no Carnegie Hall de Nova Iorque. Entre seus professores, destacam-se Abel Carlevaro, Eduardo Fernandez e Manuel Barrueco.

Como compositor e arranjador, teve suas obras tocadas e gravadas por orquestras e grupos de câmara do Brasil, Estados Unidos, Argentina, Itália, Alemanha e Inglaterra. Sua participação como arranjador em diversos discos gravados nos Estados Unidos rendeu-lhe o Grammy Awards de 2001 e duas vezes o Prêmio Açorianos de melhor arranjador. Recebeu também prémios por suas trilhas para cinema e balé. Publica suas obras pelas editoras alemãs Trekel e Verlag Neue Musik.

Lançou diversos discos no Brasil, Uruguai e Alemanha, com gravações solo, música de câmara e concertos para violão e orquestra. Além de numerosos elogios da critica internacional, receberam nominações para o Grammy Awards e venceram diversos prêmios Açorianos.

A revista britânica Classical Guitar escreveu dele: “um talento impressionante”. A revista Guitar Player o considerou “um violonista de primeira grandeza”.

 

Paulo Inda é violonista erudito e professor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre.

Realizou concertos pela América do Norte, Sul e Europa  diversas vezes nos últimos 18 anos, apresentando um amplo repertório que atravessa 5 séculos, incluindo performances solo, de câmara e concertos com orquestra.

Mestre em Guitar Performance pela Manhattan School of Music de Nova Iorque, Paulo Inda estudou com alguns dos mais importantes nomes do violão atual, como Eduardo Fernández, Mark Delpriora e David Starobin, tendo atendido masterclasses ministradas por Manuel Barrueco, John Duarte e Leo Brouwer, entre muitos outros. 

Dentre os inúmeros artistas com quem já dividiu o palco destacam-se os violinistas Cármelo de los Santos e Daniel Guedes e o violoncelista Rodrigo Silveira, além dos violonistas Paul Cesarczyk (Polônia), Jorge Caballero (Peru/EUA), Luz Maria Bobadilla (Paraguai), Marco Pereira, Fabio Zanon e Turíbio Santos (Brasil), tendo sido membro do Quarteto Ibiamon e do Manhattan Guitar Quartet.

Inda atuou como solista junto às principais orquestras do RS, sob a regência dos maestros Manfredo Schmidt, Antônio C.B. Cunha, Cláudio Ribeiro e Tiago Flores, entre outros.

Sua crescente discografia inclui os álbuns: Paulo Inda I (vencedor do Prêmio Açorianos de melhor disco erudito de 2006), Guitar Review New Music Series Volume 4 (lançado mundialmente pela Guitar Review Magazine), Convergências (com Rodrigo Silveira)  e o também premiado Brasil 2010, com a estreia mundial do Concerto para Violão e Cordas de Dimitri Cervo.

Neste momento lança seu novíssimo trabalho: Gnattali, cd inteiramente dedicado a obras de Radamés Gnattali.

 

O trio Damas do Violão é formado por Flávia Domingues Alves, Amanda Carpenedo e Fernanda Krüger. Surgiu em 2014, com o intuito de reunir mulheres violonistas de três gerações diferentes e afirmar a presença feminina no meio violonístico brasileiro O repertório prioriza a música brasileira original ou arranjada para trio de violões. 

Flávia Domingues Alves, bacharel em Violão pela Faculdade Musical Palestrina e Mestre em Violão pela UFRGS, é professora do Departamento de Música do Instituto de Artes desde o ano de 1982. Estudou com os professores Mauro Harf, Alvaro Pierri, Eduardo Castañera e Daniel Wolff. Participou de masterclasses com José Lucena Vaz, Nestor Ausqui, Abel Carlevaro, Miguel Angel Girolet, Fabio Zanon e Robert Trent. Participou da Camerata Consort de violões, criou e coordenou o Octeto de Violões do Departamento de Música. Integrou o Quarteto ComTrastos de violões desde sua formação. Atuou no Conjunto de Câmara de Porto Alegre tocando alaúde, harpa gótica e saltério de dedos. Tem participação no CD Sons Perdidos - o violão na obra musical de Bruno Kiefer – do violonista Márcio de Souza – e no CD Porto Allegro, de Daniel Wolff.

Amanda Carpenedo iniciou seus estudos musicais aos 5 anos de idade. Hoje é formanda do curso de Licenciatura em Música do Instituto de Artes da UFRGS, com ênfase em violão clássico, com orientação da Prof. Flávia Domingues Alves. Participou de diversos festivais nacionais e internacionais de música, tendo aulas com grandes nomes do violão como Álvaro Pierri (Áustria), Eduardo Fernandez (Uruguai), Eduardo Isaac (Argentina), Carlos Perez (Chile) e Paulo Martelli (Brasil), entre outros. Atualmente tem se apresentado em eventos como violonista erudita e popular. Também tem acompanhado outros artistas em diversas apresentações, além de lecionar violão, guitarra e teoria musical. 

Fernanda Krüger é bacharel em Violão pela UFRGS. É professora de violão do Projeto Prelúdio e do Curso Técnico em Instrumento Musical, ambos do Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Estudou com Luciana Prass, Paulo Inda, James Corrêa, Flávia Domingues Alves e Daniel Wolff, que foi seu orientador durante grande parte do curso. Participou de masterclasses com os violonistas Eduardo Castañera, Fabio Zanon, Eduardo Meirinhos, Fábio Shiro Monteiro,  Eduardo Isaac, Frank Bungarten e Eduardo Fernandez, entre outros. Apresentou-se  no Brasil, Argentina, Chile, Portugal e Itália, atuando tanto na música popular quanto na erudita. Seu primeiro disco, Fernanda Krüger Trio, foi indicado ao Prêmio Açorianos de Música 2012 na categoria Melhor Disco MPB. Fernanda também recebeu indicações como Melhor Compositor MPB e Melhor Intérprete MPB. Como cantora, participou dos discos de Sandro Souza, Claudio Nilson (Plural) e Daniel Wolff (Cameratas & Consorts e Canção do Porto).

Data: 22 de setembro
Horário: 22h
Local: Auditorium Tasso Correa - Rua Senhor dos Passos, 248 - Instituto de Artes da UFRGS
Entrada franca

VOLTAR AO TOPO