Orquestra de Mulheres no Vale Doze e Trinta

Orquestra de Mulheres 

A história da Orquestra é a de um bando de Mulheres que se uniu em torno de uma vontade, um anseio comum de manifestar-se musicalmente, de transformar discussões presentes em nosso cotidiano em arte. 

Uma data? No início de novembro de 2012, começamos a ensaiar motivadas por marcar presença nos espaços ocupados majoritariamente por homens. Nossa primeira apresentação foi durante o Festivale, festival de culturas do Centro de Vivência do campus do Vale, da UFRGS.

Por que? Alguém registrou nossa participação no Festivale com esse nome e acabou ficando assim. Somos mais um bando de vozes uivantes do que propriamente uma Orquestra. Não temos maestro ou maestra, e tampouco maestria, porém, já é assim que nos conhecem, uma orquestra sem orquestra. Ou uma orquestra da negação. Ou somos todas instrumentos da nossa ação e isso basta.

Bando de mulheres com corpos, vozes, risos, instrumentos! Nosso objetivo é espalhar, além da alegria da experimentação, momentos de reflexão - principalmente sobre a figura da mulher na sociedade.  

Cris (voz e intuição), Marina (voz e sentimento), Micha (agudos intensos, batuques e retruques) Ana Letícia (voz, guitarra, corpo e sensibilidade), Georgia (voz, percussão, malabares incendiários e graves insanos) Pamelouca (voz, percussão, violão e língua afiada), Bruna (voz, percussão do coração), Bárbara (voz, violão, percussão e devaneios) Deborah (voz, percussão e o resto é mistério), Sofia (voz, percussão e ‘ins’piração), Agnes (faztudo sem vergonha), Marília (voz, percussão, e empolgação) e outras mais. Até mesmo porque a Orquestra sempre está aberta a todas que querem levantar a sua voz! 

Vale Doze e Trinta

Data: 10 de junho- terça-feira- 12h30m

Local: Praça Central, no Campus do Vale

Fotos

VOLTAR AO TOPO