Início | O Projeto | Módulos | Documentos | Fórum | Vídeos | Áudios | Inscrição | Contato | Login Senha:

esqueci meu login ou minha senha »
O PROJETO

Organizadores - Observatório da Cultura de Porto Alegre e Departamento de Difusão Cultural

Observatório da Cultura de Porto Alegre

MISSÃO
Ser um centro de referência para a promoção da cultura e das artes como fatores de desenvolvimento social e econômico através da produção, estudo e difusão da informação.
OBJETIVOS
• Criar e disponibilizar bancos de dados sobre as atividades e sobre os agentes da cultura local.
• Desenvolver indicadores culturais a partir da coleta e da interpretação de dados sobre a cultura.
• Fornecer subsídios para o planejamento de investimentos públicos e privados em cultura.
• Subsidiar a formulação e monitorar o impacto das políticas públicas de cultura com base em evidências.
• Apoiar a formação de gestores e empreendedores culturais.
LINHAS DE AÇÃO
Portal da Cultura - interface informativa e colaborativa para o mapeamento da cultura de Porto Alegre, que disponibilizará dados sobre: artistas, gestores, produtores, espaços e organizações culturais; patrimônio material e imaterial; centros de ensino e pesquisa. Oferecerá ainda informações sobre oportunidades de capacitação e financiamento de projetos, favorecendo a criação de redes de cooperação dos agentes locais entre si e com agentes externos (Lançamento previsto para 2012).
Apoio à Formação - através da articulação com outras organizações de ensino, pretende-se incrementar a oferta de cursos e seminários para qualificação dos agentes culturais e facilitar o acesso da comunidade às informações sobre o campo da cultura. Atualmente, acontece o primeiro curso de extensão em gestão e política na modalidade à distância, ministrado pela UNISINOS e sob demanda do Observatório, com 80 alunos dos setores público e privado da Região Metropolitana de Porto Alegre.
Pesquisas - no campo da cultura, gestores públicos e privados deparam-se com muitas lacunas de informação sobre área em que atuam. Pesquisas tem sido realizadas, mas seus resultados permanecem inéditos ou dispersos. O Observatório fomentará a troca de informação, elaborando e disponibilizando pesquisas num banco próprio, através do portal da cultura.
Monitoramento e avaliação - a escassez de recursos e a demanda crescente por transparência na gestão pública tornam imprescindível para o setor cultural o monitoramento de suas ações e programas. Nesse sentido, o principal desafio é desenvolver uma nova mentalidade no tratamento de dados e informações, passando a enxergá-los como ferramentas para a construção de indicadores capazes de verificar os resultados da ação pública, levando em conta a complexidade dos fenômenos culturais.
Incubadora Cultural - promover, fortalecer e consolidar ideias criativas em empresas e negócios culturais é um dos focos do Observatório, a ser materializado em um projeto de Incubadora Cultural, que apoiará iniciativas de empreendedorismo artístico-cultural.
PARCEIROS
Para levar adiante este projeto, a SMC pretende contar com parceiros locais, tais como instituições culturais públicas e privadas sediadas na Capital, outros órgãos municipais, prefeituras de municípios da Região Metropolitana, universidades, produtores, investidores e patrocinadores da cultura e organizações da sociedade civil.
CONTATO
Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 51-3225-0793, pelo e-mail observatoriodaculturapoa@gmail.com, ou diretamente no Memorial do Mercado Público - loja 38, 2º pavimento. Também é possível acompanhar as atividades do Observatório da Cultura através do blog http://culturadesenvolvimentopoa.blogspot.com.

Departamento de Difusao Cultural - PROREXT

O Departamento de Difusão Cultural, ciente de que as transformações na sociedade estão diretamente ligadas a fenômenos culturais, atua de forma questionadora na difusão, no diálogo e, sobretudo, na abertura de um espaço que possibilite a construção de uma forma mais orgânica de pensar a política cultural. Em 2009, o DDC realizou o Congresso Economia Cultura e Sociedade para debater as implicações sociais da Economia da Cultura no contexto das cidades. Vários dos temas centrais de tal Congresso transformaram-se em ações de extensão universitária. No ano passado, durante oito meses, refletimos com um público numeroso, as relações corpo-mente-arte no Seminário O Mal-estar na Cultura: visões caleidoscópicas da vida contemporânea. O evento reuniu vários pensadores que utilizaram, inclusive, ferramentas virtuais para ampliar o diálogo com o público participante. Tais eventos são produzidos ou articulados também considerando que a leitura da sociedade contemporânea nos exige, hoje, uma percepção bastante aguçada das tênues diferenças e das habilidades específicas para a realização da mediação entre campos de trabalho distintos – tanto do conhecimento como da atuação profissional.
O Seminário Internacional Cultura e Desenvolvimento Local traz já no título sua proposta: debater a respeito da cultura e do desenvolvimento local. Ou seja, questionar a noção que temos de cultura a partir da noção que temos de desenvolvimento. É recorrente lermos na literatura especializada e ouvirmos nos debates sobre o tema que há uma predominância do econômico, deixando o campo da cultura como episódico. O debate é complexo e o diálogo se faz necessário já que o acelerado processo de globalização acrescenta uma maior complexificação na percepção das sociedades sobre si mesmas.
O destino de todos, no planeta, são percebidos como irremediavelmente inter-relacionados, introduzindo a perspectiva de agir localmente e pensar globalmente. O mundo se torna mais complexo e mais simples, micro e macro, épico e dramático. O desenraizamento do indivíduo – que se tornou um valor de medida para todas as coisas – vem impulsionando um novo processo de busca das identidades. As tensões entre o global e o local são percebidas através do imaginário inaugural deste século que recoloca os sonhos e desejos de um futuro melhor, estimula a realização do inventário sobre os caminhos trilhados e a reflexão sobre as possibilidades da humanidade na terra. Os temas da marginalização social e da destruição do meio ambiente, que tem desafiado a modernidade e seu projeto civilizatório, mobilizam a busca compartilhada entre crescimento econômico, (des)envolvimento social e conservação ambiental.
Os fenômenos aos quais chamamos de globalização tendem a ser pensados exclusivamente a partir de seus efeitos imediatos sobre os resultados da economia. Tratam-se, porém, de processos muito complexos cujas implicações tendem a abarcar e combinar, de formas inusitadas, diversas dimensões da realidade. Memórias, saberes, artes e ofícios da escritura devem estar presentes em todos os debates propostos pelo seminário, pois o diálogo entre os indivíduos e entre as culturas contornam contextos, delimitam temporalidades e mapeiam relações sociais. Faz-se importante, então, questionar como o pensamento e as práticas culturais se interconectam.

Nos dias 25, 26 e 27, a comunidade cultural de Porto Alegre está convidada a participar de seis painéis e duas conferências, cujas discussões orientam-se pelos últimos documentos publicados no âmbito das Nações Unidas, como o PNUD e a Agenda 21; e pelo trabalho de organizações como o Ciudades y gobiernos Unidos e o Ajuntament de Barcelona; a fim de debater as experiências locais.




« voltar


agenda

28/11/2011

Material disponível

Estão disponíveis os vídeos dos paineis e conferências do Seminário,  bem como as apresentações de slides utilizadas pelos palestrantes. Confira!


Horário: 9:00 - Local: Plataforma Virtual


Departamento de Difusão Cultural • Av. Paulo Gama, 110 • Campus Central da UFRGS • Mezanino do Salão de Atos • (51) 3308.30.34 • difusaocultural@ufrgs.br