Você está aqui: Página Inicial Serviços Web Transmissão Multimídia Captura USB - Linux

Captura USB - Linux

Transmissão Icecast utilizando a distribuição Lubuntu 14 remasterizada pelo CPD, com fonte de mídia USB.

Guia prático em vídeo: http://icecast.dev.ufrgs.br:8000/usb-linux.ogg

As instruções a seguir referem-se aos procedimentos básicos para a realização de uma transmissão de vídeo no serviço de web streaming Icecast2 da UFRGS, através de um método de captura por entrada USB (Placa de captura, webcam), em um dispositivo rodando o sistema operacional Lubuntu 14 remasterizado e disponibilizado pelo CPD, seja ele em modo Live ou instalado.

1. Primeiramente, abra o ícone Transmissão que está na área de trabalho.

 

 

 

 

 

 

 

2. Selecione o método de captura. Neste guia, utilizaremos uma captura USB (Placa de captura, webcam):

3. Após selecionado o método de captura, duas janelas e um botão fixo serão apresentados:

- No canto superior esquerdo, um botão de encerramento da transmissão será fixado. Este botão fecha imediatamente qualquer transmissão, seja em preparação ou já em curso.

- A janela mostrando os discos e armazenamentos disponíveis.

- E a janela principal onde são selecionadas as opções de qualidade da transmissão, gravação e as informações individuais.

4. A primeira opção é de escolha do destino:
Produção é o servidor principal e que tem visibilidade externa (http://aovivo.ufrgs.br/ENDEREÇO)
Desenvolvimento/Testes é o servidor de desenvolvimento que é utilizado para realizar os testes e seu endereço não é acessível a todos (http://icecast.dev.ufrgs.br:8000/ENDEREÇO).

5. Ponto de montagem é o endereço individual que comporá o final da URL, como por exemplo, http://icecast.dev.ufrgs.br:8000/teste

6. A senha do ponto de montagem é aquela que fora fornecida pelo CPD quando da ativação de seu ponto de montagem.

7. A opção de seleção da fonte do vídeo refere-se ao endereço de hardware do dispositivo que você deseja capturar. Em Linux, a nomenclatura dos dispositivos de entrada conectados segue uma ordem de prioridades e outras variáveis determinadas pelo kernel. Por exemplo:
Um notebook irá transmitir através de placa de captura USB. Se este notebook possui webcam integrada, geralmente, a webcam é reconhecida como /dev/video0 e o dispositivo de captura USB como /dev/video1. Isto não é uma regra, pois varia de acordo com os fabricantes, mas é um cenário bastante comum. Determinar qual “/dev/videoX” é a entrada desejada talvez não seja trivial, mas é possível após alguns testes com o seu equipamento.

8. A seleção da resolução é uma das opções mais importantes do processo, pois se esta for escolhida em desacordo com a capacidade do dispositivo de captura, possivelmente fará o procedimento todo falhar.
Certifique-se de selecionar uma resolução compatível com a saída do equipamento, podendo esta ser menor do que a resolução máxima, porém, nunca maior.
Por exemplo, a webcam utilizada em um dos testes suporta as resoluções 640x480 e 320x240 (segundo o manual do fabricante). Se selecionarmos no menu, 720x480, por exemplo, a resolução seria maior do que a máxima suportada e o vídeo não seria capturado.

9. A opção de qualidade de áudio refere-se, na verdade, à uma combinação de algumas configurações de áudio combinadas em apenas duas opções.
Mono corresponde a 1 canal mixado, 48-64kbps VBR, 22050Hz.
Stereo corresponde as configurações: 2 canais individuais, 64-92kbps VBR, 22050Hz.
(Mono, em geral, possui qualidade satisfatória à experiência de transmissões ao vivo, consumindo quase metade da banda de rede da opção Stereo)

10. A escolha da quantidade de frames por segundo é outra opção que deve ser selecionada conforme as especificações do equipamento que será utilizado. Preferencialmente, por questões de fluidez de imagem, compatibilidade dos dispositivos e adequação de velocidade, escolha uma opção entre 15 e 25 frames por segundo (conforme a capacidade suportada pelo equipamento de captura utilizado.

10. Há a opção de gravação, em arquivo local, da mídia que será transmitida. O formato utilizado na gravação é o mesmo do streaming, um container Vorbis-Theora (.OGG).
Se selecionada a opção de gravar a transmissão, utilize como auxílio a janela que mostra o estado dos discos e armazenamentos disponíveis que fora aberta junto no início do procedimento.

Certifique-se de somente gravar uma transmissão caso haja um armazenamento disponível com razoável capacidade e espaço livre que comporte toda a gravação da transmissão. A média de consumo é variável entre 400MB/s até ~2GB/h, dependendo das opções de qualidade selecionada.

 

Caso não queira gravar a transmissão, apenas deixe desmarcada esta opção.

 

11. Baseado em um local com espaço disponível, no caso do exemplo, o disco/partição identificado como /dev/sda3 foi automaticamente montado em /mnt/sda3 por um script interno desta interface de transmissão.
Vamos navegar no sistema de arquivos até o caminho /mnt/sda3.

12. Estando tudo selecionado, basta clicar em OK para iniciar a transmissão.

13. Uma janela de retorno do vídeo será aberta quando a conexão com o servidor for estabelecida.

14. Para encerrar a transmissão, a qualquer momento, pressione o botão ENCERRAR TRANSMISSÃO que está fixado no canto superior esquerdo.