Você está aqui: Página Inicial Notícias Livros da Editora da UFRGS em acesso aberto

Livros da Editora da UFRGS em acesso aberto

Estão disponíveis para o público mais cinco obras da editora no SciELO Livros. São publicações no formato digital e em acesso aberto. Confira!

 

 

Desde o final de 2017 a Editora da UFRGS está presente no portal SciELO Livros e nove títulos já podem ser acessados pelo público. Nos dois primeiros meses, houve 634 downloads das obras.

A maioria dos livros da editora contidos no SiELO Livros está com edição impressa esgotada ou prestes a se esgotar. Atualmente na plataforma é possível acessar os catálogos de treze editoras de universidades brasileiras e de uma colombiana e as publicações podem ser lidas em tablets, smartphones, telas de computador e em leitores de ebooks.

O SciELO Livros constitui-se em um sistema nacional de indexação de livros acadêmicos de qualidade, com mecanismos para promover a visibilidade e a disseminação das obras, bem como o acompanhamento e aferição da circulação dos materiais por lá acessados.

 

Confira os títulos da Editora da UFRGS disponibilizados recentemente no portal SciELO Livros:

 

* A página violada: da ternura à injúria na construção do livro de artista
– de Paulo Silveira

O livro de artista é um produto da arte contemporânea, construído deliberadamente a partir de um suporte preexistente, o livro, que é o seu protótipo, e ao qual louva ou faz contraposição crítica. A página e a estrutura podem ser enaltecidas ou sofrer todas as possibilidades de injúria e objeção, até alcançarem o estatuto da escultura e abandonarem a condição objetiva de livro. A página violada, de Paulo Silveira, propõe que as gradações percebidas não só podem como devem ser instrumentos da conceitualização e caracterização da obra e da categoria na qual ela se insere, desde certos exemplares do livro ilustrado até todo e qualquer livro-objeto. São apresentadas cerca de duzentas obras através de mais de seiscentas imagens, que também incluem eventos e documentos, a maioria delas coloridas e originais para este trabalho.

 

* A pluriatividade na agricultura familiarde Sergio Schneider

O livro se propõe a examinar as relações da agricultura familiar com a emergência e a consolidação das atividades não-agrícolas no espaço rural e a formação de unidades produtivas crescentemente identificadas com a pluriatividade das famílias rurais. Neste sentido, agrega-se, às pesquisas que vêm sendo realizadas para aprofundar os conhecimentos sobre a agricultura familiar e suas possibilidades de desenvolvimento social e econômico no espaço rural. A presente alinha-se às pesquisas cujo objetivo tem sido o de demonstrar os mecanismos e as estratégias que viabilizam, e em certos casos até ampliam e fortalecem, as formas familiares no campo.

 

 

* Desenvolvimentismo: o conceito, as bases teóricas, as políticasRicardo Dathein (Org.)

O livro busca contribuir na discussão teórica e de políticas sobre o desenvolvimento econômico, partindo das concepções sobre o desenvolvimentismo e o Estado desenvolvimentista, analisando suas diferentes e possíveis bases teóricas atuais, que, muitas vezes, são complementares. Assim, em seus capítulos, estudam-se as abordagens institucionalistas, as concepções evolucionárias ou neoschumpeterianas, a teoria keynesiana e a visão marxista, sempre levando em conta as experiências internacionais e a história do desenvolvimento. O desenvolvimento econômico continua sendo um desafio essencial para o Brasil, assim como para a maioria dos países. Apesar das melhorias sociais e do desempenho econômico dos últimos anos, depois de mais de duas décadas de semiestagnação, o país ainda está longe de diminuir para níveis adequados suas principais contradições. Os principais fatores estruturais que impedem o desenvolvimento continuam presentes no país, e alguns, inclusive, têm se acentuado. É por isso que o desenvolvimentismo continua atual e essencial para o futuro da sociedade brasileira. A sedução do liberalismo, com sua ideologia individualista, é muito forte, mas não é o caminho para o desenvolvimento econômico e social. A concentração de renda, a pobreza, a heterogeneidade estrutural e a inserção econômica internacional continuam em padrões longe dos apropriados.. Além disso, a existência de uma cultura conservadora entre as elites e o surgimento de evidências de desindustrialização podem significar uma perda de perspectiva de superação do subdesenvolvimento ou de adiamento para o longo prazo do catching up, ao contrário do que ocorre em alguns países que têm, em poucas décadas, superado o subdesenvolvimento.

 

* Os eleitos: representação e carreiras políticas em democracias André Marenco (Org.)

A obra é produto de uma agenda de investigações que um conjunto de pesquisadores de diferentes instituições e perspectivas metodológicas tem procurado enfrentar, ao longo dos últimos anos. Como alguém torna-se um profissional da política? Que trajetórias são percorridas por um aspirante a uma carreira política, até a conquista de postos públicos? Que atributos ou recursos são indispensáveis para o ingresso e mobilidade em carreiras políticas, diferenciando eleitores, candidatos e representantes? Partidos são relevantes na seleção de candidatos e oportunidades de carreira? Existem diferenças nos padrões partidários de seleção de candidatos? A conquista de postos executivos altera padrões partidários de recrutamento legislativo? O conjunto de textos apresentados nesta obra abrangem uma gama de questões em torno da representação, do recrutamento político e dos partidos, da discussão sobre modelos para explicar variações em padrões de carreiras políticas, processos de profissionalização em legislativos federais, contrastes estaduais nas condições de seleção e mobilidade nos postos políticos e investigações sobre carreiras em legislativos municipais.

 


*
Violência e cidadania: práticas sociológicas e compromissos sociais – José Vicente Tavares dos Santos, Alex Niche Teixeira e Maurício Russo (Org.)

O livro é resultado de uma série de estudos sociológicos realizados pelo Grupo de Pesquisa Violência e Cidadania da UFRGS, desde a década de 1990, partindo de uma conjuntura política e teórica que levou a pesquisar novas questões sociais globais, em particular as dimensões da violência, do crime e do controle social, vivenciando um movimento teórico fecundo, mundializado e inovador de uma prática sociológica na Era da Mundialização das Conflitualidades. O deslocamento do olhar sociológico para a sociedade global possibilitou a passagem para uma sociologia das conflitualidades no processo da mundialização. Os temas analisados indicam que uma sociologia das conflitualidades, no tempo atual, deve ser situada no contexto dos efeitos do processo de mundialização da sociedade e da economia, os quais produzem transformações na estrutura e no espaço social das diversas regiões do planeta, desencadeando novos conflitos sociais e novas formas de conflitualidades. A questão das conflitualidades, das formas de violência, das metamorfoses do crime, da crise das instituições de controle social configura-se pela emergência de lutas sociais protagonizadas por outros agentes sociais com diversas identidades oponentes e pautas de reivindicações. Ainda mais, o aumento dos processos estruturais de exclusão social pode vir a gerar a expansão das práticas de violência como norma social particular, vigente em vários grupos sociais enquanto estratégia de resolução de conflitos, ou meio de aquisição de bens materiais e de obtenção de prestígio social, significados esses presentes em múltiplas dimensões da violência social e política contemporânea. Estamos em presença de um social heterogêneo, no qual nem indivíduos nem grupos parecem reconhecer valores universais. Esse contexto dá origem a múltiplas lógicas de ação coletiva e a forças sociais diversas, em uma sociedade fragmentada e heterogênea.

 

* A tentação fascista no Brasil: imaginário de dirigentes e militantes integralistas de Hélgio Trindade

Embora o conteúdo deste livro esteja focado na análise das entrevistas com ex-dirigentes e militantes do integralismo, no seu “Epílogo: ainda a tentação fascista no Brasil?” discute-se a nova conjuntura mundial e brasileira. Não se pode subestimar a importância dos novos populismos de direita que, desde a década de 1980, emergiram na Europa, especialmente os partidos, movimentos e governos que tiveram uma ascensão considerável nos principais países. Hoje o Integralismo faz parte da literatura internacional sobre o fascismo. Para Stanley Payne (University of Wisconsin), “o único que alcançou real importância e que, de fato, se converteu no único grande partido latino-americano que se aproximou em quase todos os aspectos do fascismo europeu, foi a AIB de Plínio Salgado, fundada em 1932”. Para além de um trabalho acadêmico o livro traduz de forma extraordinária o que o fascismo significou para os brasileiros que se uniram ao movimento, o surgimento de Plínio Salgado, seu líder, no contexto político do início da década de 30, a organização e, o que é mais importante, o espírito e estilo do movimento. Trata-se de uma obra que nos permite salientar adequadamente temas comuns que definem um movimento como nitidamente fascista, possibilitando descobrir as variedades de fascismo dentro de sua unidade básica e aprofundar a análise das diversas famílias ideológicas no interior do fascismo.

O acesso à versão digital de A tentação fascista no Brasil: imaginário de dirigentes e militantes integralistas, tem o valor de R$ 35,00. O livro, lançado recentemente, também está disponível para compra no site da Livraria Virtual da Editora da UFRGS, em https://goo.gl/BVHUXk.

 

Publicado em 02/03/2018