Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais
Acessar
Seções

FEMINICIDIO: É preciso falar sobre isso

 

A Universidade Federal do Rio Grande do Sul, numa promoção do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UFRGS, sediará o Seminário Internacional FEMINICÍDIO: Precisamos falar sobre isso nos dias 28 e 29 de setembro próximo. Trata-se da 8ª edição do evento Rotas Críticas, que integra uma série de encontros nacionais e internacionais, com foco nas violências e vulnerabilidades decorrentes de desigualdades de gênero em sua intersecção com outras categorias como raça, idade e classe social.

“FEMINICÍDIO: Precisamos falar sobre isso” centrará o foco nos assassinatos de mulheres motivados pelo fato das vítimas serem mulheres. De acordo com a Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Profª. Stela Nazareth Meneghel, que já vem estudando esse tema há algum tempo, muitas dessas mortes significam violações aos direitos humanos, como as que acontecem com mulheres migrantes, indígenas, quilombolas, prostitutas, sem-terra, militantes políticas e sociais.

Organização das Nações Unidas no Brasil, com base em dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), menciona que a taxa de feminicidios no Brasil no ano passado foi de 4,8 para 100 mil mulheres – a quinta maior no mundo, sendo que, em 2015, o Mapa da Violência sobre homicídios entre o público feminino revelou que, de 2003 a 2013, o número de assassinatos de mulheres negras cresceu 54%, passando de 1.864 para 2.875.

Os índices na América Latina e no Caribe são ainda mais alarmantes, especialmente por considerarmos que a maioria dos casos permanecem impunes, de acordo com informações do site Portal Vermelho.

A prática do feminicidio está prevista no Código Penal Brasileiro como circunstância qualificadora do crime de homicídio desde 2015, a partir da publicação da Lei nº 13.104/2015, figurando no rol dos crimes hediondos (Lei nº 8.072/1990).

O evento vai acontecer 28 de setembro no auditório da Escola de Enfermagem (manhã) e no auditório da Faculdade de Farmácia (tarde); dia 29 de setembro, o evento acontecerá manhã/tarde no auditório da Escola de Enfermagem.  Sempre no horário das 09 às 12h e 14h às 17h.

A atividade "Feminicídio: Precisamos falar sobre isso" é voltada aos estudantes, profissionais, pesquisadores, trabalhadores e operadores do campo da saúde, ciências jurídicas, sociais e humana. E tem como objetivo abrir espaço para a reflexão crítica, troca de experiências, partilha de pesquisas e construção de estratégias para enfrentamento desse problema.

O evento na Escola de Enfermagem contará com a presença de pesquisadores, coletivos de mulheres, organizações não-governamentais, alunos de graduação e pós-graduação e demais interessados.

A Coordenação desse seminário internacional é das Professoras Stela Nazareth Meneghel e Fernanda Souza de Bairros.

Outras informações podem ser obtidas com o PPGCOL através do fone 3308.5200 ou e-mail ppgsc@ufrgs.br.

 

PROGRAMAÇÃO:

28.09.17– Quinta-Feira

Manhã - Auditório da Escola de Enfermagem/UFRGS

 

09h às 09h30min - Abertura: Stela Meneghel

9h30min às 12h30min

Palestra: Fascismo social e necropolítica de gênero

Palestrante: Dra. Montserrat Sagot,  Universidade da Costa Rica

 

Tarde - Auditório da Faculdade de Farmácia/UFRGS

14h às 14h30min

Apresentação musical: Lilian Rocha

14h30 às 17h

Mesa Redonda: Feminicídios em grupos étnicos e raciais.

Participantes: Isabel Clavelin (ONU Mulheres), Betty Lozano (Colômbia)

Mediação: Fernanda Bairros

 

29.09.17 – Sexta-feira

Manhã e Tarde - Auditório da Escola de Enfermagem

 

09h às 12h

Palestra: Reconhecendo os feminicídios no Brasil: aplicação das lentes de gênero na "letra fria da lei".

Ministrante: Wânia Pasinato USP Mulheres

Mediação: Stela  Meneghel

 

14h às 17h

Painéis:

  • Mapa do Acolhimento: Carolina Soares - Coordenadora e Fundadora Minha Porto Alegre
  • Mobilização #issoéfeminicídio: Carolina Soares e Ana Lucia Gomes

Roda de conversa: O que faremos para enfrentar os feminicidios?

Mediação: Aline Blaya e Izabella Matos