Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química

O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul tem a satisfação de convidar a Comunidade Universitária para assistir a defesa pública da dissertação de mestrado da Engenheira Química PRISCILA AUAD a realizar-se:

Data: 15 de junho de 2018 – sexta-feira
Horário: 14h
Local: Sala de Reuniões – 1o. andar – Anexo III/Reitoria – Prédio 12.105 – Engenharia Química

Campus Centro/UFRGS

 

TÍTULO: COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE TANINOS VEGETAIS, CURTIMENTO E PROPRIEDADES NOS COUROS

BANCA:
Dra. Ana Rita de Araújo Nogueira – EMBRAPA/SP
Dr. Anderson Stoffels Mallmann – TANAC/RS
Dra. Juliana Tolfo da Fontoura – COTRISUL

Orientador:  Profa. Dra. Mariliz Gutterres Soares – DEQUI/UFRGS

Co-Orientador:  Dra. Franciela Spier – Pesquisadora DEQUI/UFRGS

RESUMO

O Brasil é o país que possui o maior rebanho bovino comercial do mundo, e o balanço de exportações de couro vem demonstrando ascensão no número de metros quadrados de couros exportados. No processo produtivo, a etapa de curtimento é de extrema importância para transformar a pele bovina em couros, tornando-a resistente ao ataque de microorganismos, além de conferir enchimento e garantir maior estabilidade hidrotérmica do material. O crescente apelo ambiental pela utilização de materiais renováveis na indústria levou aos taninos vegetais desempenharem papéis importantes como compostos curtentes na indústria coureira. Os taninos são estruturas fenólicas complexas, existindo uma quantidade considerável de parâmetros químicos que podem ser mensurados através de diversas técnicasanalíticas. Por outro lado, para os couros, também existem ensaios empregados no produto final, cujo desempenho pode depender do material curtenteutilizado. No presente estudo, foram empregados cinco tipos de taninos de maior uso na indústria coureira para avaliação de parâmetros químicos e posterior associação com propriedades nos couros: tanino de Acácia, Quebracho, Castanheiro, Mirabolano e tara. Inicialmente, foi realizada uma revisão bibliográfica, a fim de determinar propriedades químicas de maior relevância a serem mensuradas nos taninos no contexto de sua utilização como agentes curtentes. Nesse sentido, elencaram-se os ensaios de determinação de tanantes totais, não-tanantes, sólidos insolúveis, sólidos solúveis, sólidos totais, fenóis totais e massa molecular média para os taninos. Os parâmetros de percentual de sólidos insolúveis, sólidos solúveis não-tanantes e tanantes totais distinguiram bem os grupos de taninos que atravessaram dos que não atravessaram o couro. Assim, pela análise de insolúveis ser a mais simples e direta delas, recomendar-se-ia o seu uso para definir uma faixa de corte para distinguir o desempenho dos taninos no curtimento. A análise de FTIR-UATR foi útil na caracterização e distinção dos taninos nas famílias dos hidrolisáveis e condensados. Os ensaios de temperatura de retração e distensão da flor nos couros também mostraram associação com o atravessamento dos taninos nas peles durante o curtimento.  Por fim, a diferença total de cor após exposição à luz UV também foi avaliada para os couros curtidos com os taninos vegetais, sendo que os taninos hidrolisáveis apresentaram uma menor diferença de cor em relação aos condensados.