Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química

O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul tem a satisfação de convidar a Comunidade Universitária para assistir a defesa pública da dissertação de mestrado da Engenheira Química PAOLA DEL VECCHIO a realizar-se:

Data: 12 de abril de 2019 – sexta-feira
Horário: 10:00 horas
Local: Auditório 1 – Prédio 22.201 – FABICO – Rua Ramiro Barcelos, 2.705 – Campus Saúde/UFRGS

TÍTULO: DEGRADAÇÃO DE CONTAMINANTES DE DIFERENTES CLASSES POR PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS: 03, O3/UV e O3/Al2O3

BANCA:
Profa. Dra. Aline Schilling Cassini – DEQUI/UFRGS

Prof. Dr. Élvis Caríssimi – UFSM
Profa. Dra. Fernanda Siqueira Souza – LA SALLE

Orientadores: Profa. Dra. Liliana Amaral Féris – DEQUI/UFRGS
Prof. Dr. Oscar William Perez Lopez – DEQUI/UFRGS

RESUMO

A contaminação de matrizes ambientais é um problema de crescente preocupação científica. Diferentes poluentes, oriundos de atividades antropogênicas distintas, têm sido cada vez mais relacionados a prejuízos à saúde humana e animal, como toxicidade, aumento de DQO e DBO em corpos hídricos e indução à resistência bacteriana. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é estudar a eficiência de degradação e mineralização de compostos de diferentes classes poluentes pelos processos oxidativos avançados O3, O3/UV e O3/Al2O3. Os poluentes escolhidos foram o corante Acid Green 25 (AG25), o fármaco de ação antibiótica ampicilina (AMP), e o surfactante cloreto de benzalcônio (BZK). Os ensaios de ozonização simples e combinada à radiação UV foram realizados com a variação do pH (3, 7 e 11) e tempo (0 – 30 minutos), a fim de se estudar as reações predominantes envolvidas nos processos, e no caso da ozonização heterogênea catalisada por alumina, em meio neutro. Testes de fotólise com radiação UV e de adsorção em alumina foram feitos com os três compostos, a fim de se avaliar a influência destes agentes na eficiência de ozonização e possíveis mecanismos. Nos ensaios de ozonização simples (O3), o AG25 apresentou uma degradação completa (100%) em todas as condições em menos de 10 minutos, sendo o processo mais rápido em meio ácido, por reação direta com ozônio molecular. A AMP foi completamente degradada em toda a faixa de pH em até 3 minutos, enquanto o BZK apresentou uma lenta e incompleta degradação em meio ácido (80%), mas total na faixa neutra-básica após 3 minutos. A mineralização dos três compostos foi favorecida em pH 11, por ação radicalar, onde foram atingidos os resultados de 43%, 37% e 68% para os compostos AG25, AMP e BZK, respectivamente. A ozonização combinada ao UV (O3/UV) atingiu uma degradação mais eficiente de todos os compostos em tempos menores, se comparada ao ozônio puro. A radiação UV influenciou inclusive na degradação do composto BZK em meio ácido, que chegou a 95%. As mineralizações obtidas para o AG25 e a AMP foram, respectivamente, 50%,e 42%, superiores aos resultados do processo O3, e no caso do BZK, obteve-se 60% de mineralização, sem diferença estatística para o O3. Nos experimentos de fotólise, verificou-se que a AMP foi mais sensível à radiação UV, sendo mineralizada em 16%, enquanto os demais compostos tiveram apenas 4% de redução de carbono orgânico total.Os índices de sinergia calculados para os compostos foram 1,16 (AG25),0,65 (AMP) e 1,77 (BZK), indicando que somente para a ampicilina os efeitos sinergéticos entre O3 e UV foram negativos. Por fim, nos ensaios de ozonização catalítica heterogênea (O3/Al2O3),obteve-se valores de mineralização superiores aos do Oem meio neutro, totalizando 38% para o AG25, 46% para a AMP e 34% para o BZK. O único composto que adsorveu em alumina foi o corante, indicando que esta etapa participou do processo de catálise heterogênea na degradação do mesmo. De forma geral, foi verificado que a ozonização e seus processos combinados se mostraram efetivos na degradação e mineralização parcial de contaminantes de diferentes classes. Desta forma, as tecnologias estudadas apresentam grande potencial de aplicação no tratamento avançado de efluentes de naturezas distintas.

Palavras-chave: Acid Green 25; ampicilina,cloreto de benzalcônio, ozônio, processos oxidativos avançados.