Ferramentas Pessoais
Acessar

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Seções
Você está aqui: Página Inicial Seminário sobre a dimensão das relações de trabalho ocorre na Fabico

Seminário sobre a dimensão das relações de trabalho ocorre na Fabico

O evento foi realizado pelo Grupo de Pesquisa em Comunicação Organizacional, Cultura e Relações de Poder em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação
28/11/2017

O Grupo de Pesquisa em Comunicação Organizacional, Cultura e Relações de Poder (GCCOP) realizou na última quinta-feira, dia 23, o IV Seminário GCCOP – Dimensão das Relações de Trabalho, no Auditório 2 da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação (Facico) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). O evento foi realizado em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação (PPGCOM) e teve o apoio do CNPq.

Pela manhã, o painel “Trabalho e subjetividade” teve a participação das doutoras Carmem Regina Giongo, do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Saúde e Trabalho/UFRGS e Curso de Graduação em Psicologia/Feevale; e Fernanda Tarabal Lopes, da  Escola de Administração/UFRGS e Programa de Pós-Graduação em Administração/CEFET-MG. O painel foi mediado pelo doutor Basílio Sartor, docente da Fabico e integrante do GCCOP.

No painel, a fala de Fernanda incluiu reflexão sobre as exigências de excelência no contexto de alta competição da sociedade em que vivemos, bem como a instrumentalização da perversão e da injustiça nos ambientes de trabalho, especialmente exercidas e também sofridas pelos gestores de alta hierarquia. Já a fala de Carmen centrou-se em fatos e aspectos que podem gerar sofrimento e prejudicar a saúde do trabalhador: “Não adianta apenas criticar, é preciso ter pessoas dentro das empresas, agindo para mudar essas situações.”

À tarde, o painel “Gestão do Trabalho e Flexibilização” abordou a conformação do trabalho na atualidade frente às novas formas de gestão e à flexibilidade da legislação trabalhista. Participaram do debate os doutores Andrea Poleto Oltramari, do Programa de Pós-Graduação em Administração/UFRGS, e Jorge Alberto Rosa Ribeiro, do Programa de Pós-Graduação em Educação/UFRGS, com mediação da mestra Cássia Aparecida Lopes da Silva, professora substituta na Fabico e integrante do GCCOP.

Ribeiro apresentou um panorama sobre o desenvolvimento da educação no país, a precarização das condições de trabalho, e uma reflexão acerca das perspectivas frente a reforma trabalhista recentemente aprovada. Já Andrea iniciou sua fala defendendo que “a gestão não é separada do trabalho”, apesar de algumas teorias indicarem o contrário. Na sequência, a pesquisadora abordou sobre as noções de relações de trabalho e as relações de poder subentendidas entre gestores e trabalhadores, especialmente no contexto das novas relações de trabalho.

O painel “Conformações do trabalho fora das organizações e do emprego: criatividade, empreendedorismo, perspectivas” encerrou a programação, à noite, quando a doutora Luciane Cardoso Barzotto, do Programa de Pós-Graduação e Direito/UFRGS e juíza no Tribunal Regional do Trabalho – 4ª Região, e o doutor Sidinei Rocha de Oliveira, do Programa de Pós-Graduação em Administração/UFRGS, trataram sobre trabalhos informais, a noção do “eupresário” e iniciativas de fomento à inovação. A mediação foi realizada pela doutora Vera Regina Schmitz, docente da Fabico.

Oliveira comparou o desenvolvimento de modelos de organização produtiva no Brasil e nos EUA, apontando a deficiência dos modelos gerenciais como fator de insucesso nas organizações brasileiras. A respeito dos modismos em torno do empreendedorismo, o professor defendeu: “O empreendedorismo deveria ser abordado e ensinado como técnica. Criatividade também. Criatividade não vem da provisão divina!”. Na segunda parte do painel, Barzotto apresentou o Novo Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação que rege, entre outros aspectos, o repasse de recursos para o desenvolvimento empresas e negócios inovadores. A professora e juíza também abordou sobre práticas jurídicas comuns de organizações que proporcionam a prestação serviços de transporte via aplicativo móvel, como Uber, e sobre perspectivas acerca do trabalho frente a implementação de inteligência artificial, como, por exemplo os automóveis dirigidos por robôs. De acordo com tais perspectivas, conforme Luciane, as discussões sobre relações de trabalho em torno de serviços como Uber devem acabar em pouco tempo, com a criação de carros automatizados, sem necessidade de motorista: “o uso de inteligência artificial será realidade em breve” afirmou a professora.

 

Os certificados para os participantes presentes em pelo menos dois painéis serão enviados por e-mail nas próximas semanas. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail contato.gccop@gmail.com.

Painel

Painel Trabalho e Subjetividade

registrado em: