Referências Bibliográficas
sobre Jogo e Educação

Seleção: profa. Tânia Ramos Fortuna
  1. ABERASTURY, A. A criança e seus jogos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.
  2. ABRAMOVICH, F. O estranho mundo que se mostra às crianças. São Paulo: Summus, 1983.
  3. ABRÃO, J. L. F. A história da psicanálise de crianças no Brasil. São Paulo: Escuta, 2001.
  4. ADAMS, Margaret (ed.). Collectible dolls and accessories of twenties and thirties from Sears, Roebuck and Co. Catalogs. Mineola, N.Y.: Dover Publications, Inc., 1986.
  5. ADELSIN. Barangandão arco-íris: 36 brinquedos inventados por meninos. Belo Horizonte: Adelsin, 1997.
  6. AFFONSO, R. M. L. Ludodiagnóstico. São Paulo: Plêiade, 1995.
  7. AGAMBEN, Giorgio. O país dos brinquedos: reflexões sobre a história e sobre o jogo. In: ---. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Nova ed. Aum. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005. p. 79-107.
  8. AGAMBEN, Giorgio. Profanaciones. 3. ed. Buenos Aires: Adriana Hidalgo Editora, 2009.
  9. AGUIAR, J. S. Jogos para o ensino de conceitos: leitura e escrita na pré-escola. Campinas: Papirus, 1998.
  10. AJURIAGUERRA, J. e MARCELLI, D. Psicopatologia do jogo. In: ---. Manual de psicopatologia infantil. Porto Alegre: Artes Médicas; São Paulo: Masson, 1986.p. 169-76.
  11. AIZENCANG, Noemi. Jugar, aprender y enseñar: relaciones que potencian los aprendizajes escolares. Buenos Aires: Manantial, 2005.
  12. ALBERTI, Leon Battista. Matemática lúdica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.
  13. ALBUQUERQUE, Irene de. Jogos e recreações matemáticas. Rio de Janeiro: Conquista, 1954. : v. 2 – 3a., 4a. e 5a. séries.
  14. ALENCAR, E. S. Como desenvolver o potencial criativo: um guia para a liberação da criatividade em sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1990
  15. ALENCAR, E. S. A gerência da criatividade: abrindo janelas para a criatividade pessoal e nas organizações. São Paulo: Markron Books, 1996.
  16. ALMEIDA, M. T. P. Jogos divertidos e brinquedos criativos. Petrópolis: Vozes, 2004.
  17. ALMEIDA, Marcos Teodorico Pinheiro. Brincar cooperativo: vivências lúdicas de jogos não competitivos. Petrópolis (RJ): Vozes, 2010.
  18. ALMEIDA, P. N. Educação lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola, 1994.
  19. ALMEIDA, Paulo Nunes. A explosão recreativa dos jogos. São Paulo: Editora Estrutura Ltda., 1977.
  20. ALMEIDA, E. Arte lúdica. São Paulo: Edusp, 1997.
  21. ALLUÉ, J. M. O grande livro dos jogos. Belo Horizonte: Leitura, 1998.
  22. ALTMAN, R. Z. Brincando na história. In: DEL PRIORE, M. (org.) História das crianças no Brasil. 4.ed. São Paulo: Contexto, 2004. p. 231-258
  23. ALVES, E. M. S. A ludicidade e o ensino de matemática. Campinas: Papirus, 2001.
  24. ALVES, Lynn. Game over: jogos eletrônicos e violência. São Paulo: Futura, 2005.
  25. ALVES, P. B. e outros. Brinquedo e atividades cotidianas de crianças em situação de rua: um estudo observacional em Porto Alegre. In: SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 9, FEIRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 6, 1997, Porto Alegre. Livro de resumos.  Porto Alegre: UFRGS, 1997. P. 345.
  26. ALVES, Patrícia B. O brinquedo e as atividades cotidianas de crianças em situação de rua. Porto Alegre: UFRGS, 1998. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1998.
  27. AMMANN, R. A terapia do jogo de areia. Sã Paulo: Paulus, 2002.
  28. AMADO, J. S. e HASSE, M. Jogos e brinquedos tradicionais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian – Instituto de Apoio a Criança, 1992.
  29. ANDRADE, S. G. Teoria e prática de dinâmica de grupo: jogos e exercícios. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.
  30. ANDREA, I. e ALVES, L. Brinquedos: criatividade, pedagogia e ambiente. Lisboa: ed. dos autores, 2001.
  31. ANJOS, C.; MOREIRA, J. A. e SOLANO, J. O brinquedo em Portugal. Porto: Civilização, 1997.
  32. ANTUNES, C. Manual de técnicas de dinâmica de grupo, sensibilização e ludopedagogia. Petrópolis: Vozes, [s. data]
  33. ANTUNES, C. Jogos para a estimulação das inteligências múltiplas. Petrópolis: Vozes, 1999.
  34. ANTUNES, Celso. Interações, brincadeiras e valores para a Educação Infantil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.
  35. ANZIEU, A.; PREMMEREUR, C. A. ; DAYMAS, S. El juego en psicoterapia del niño. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, 2001.
  36. ARAÚJO, V. C. O jogo no contexto da educação psicomotora. São Paulo: Cortez, 1992.
  37. ARIÉS, P. Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras. In: ---. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.
  38. ARNOLD, P. (ed.) The complete book of indoor: games. 3. ed. Czechoslovakia: Hamlyn, 1983.
  39. ARON, A. M. e MILICIC, N. Viver com os outros: programa de desenvolvimento de habilidades sociais. Campinas: Editorial Psy, 1994.
  40. ARTS, Niké. Enciclopedia de los juegos de mesa: una completa colección de todos los juegos de tablero y mesa con explicaciones, normas, trucos y consejos. Barcelona: Ediciones Robinbook, 2000.
  41. ARTS, Niké. Los mejores juegos de mesa: el ajedrez y otros juegos de tablero. Barcelona: Magna, 2005.
  42. ATZINGEN, M. C. V. História do brinquedo: para as crianças conhecerem e os adultos lembrarem. São Paulo: Alegre, 2001.
  43. AUFRAUVRE, M. R. Aprender a brincar, aprender a viver: jogos e brinquedos para a criança deficiente, opção pedagógica e terapêutica. São Paulo: Manole, 1987. [376 A918A=P]
  44. AXLINE, V. M. Ludoterapia: a dinâmica interior da criança. Belo Horizonte: Interlivros, 1980.
  45. AZEVEDO, Antonia Cristina Peluso de. Brinquedoteca no diagnóstico e intervenção em dificuldades escolares. Campinas: Editora Alínea, 2004.
  46. BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1988.
  47. BACHELARD, G. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1989.
  48. BACHMANN, Manfred e HANSMANN, Claus. Le grand livre de la poupée. Paris : Imprimerie des Arts et Manufactures, 1988.
  49. BALLY, Gustav. El juego como expresion de la libertad. México: Fondo de Cultura Economica, 1986.
  50. BANDET, J. e SARAZANAS, R. A criança e os brinquedos. Lisboa: Editorial Estampa, 1973. (Col. Técnicas de Educação, 3) [688.7  B214c]
  51. BARBOSA, L. Trabalho e dinâmica dos pequenos grupos. 2. Ed. Porto: Afrontamento, 1998.
  52. BARROS, Maria de Lourdes da C. Como fazer brinquedos. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1979.
  53. BARROS, Maria de Lourdes da C. Faça brinquedos: com arame, meias, ovos, feijão, rolhas, latas, etc. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1979.
  54. BATESON, Gregory. “Questo è un gioco”: perché non si puó mai dire a qualcuno “gioca!”. Milano: Rafaello Cortina Editore, 1996. [The message “this is play” © 1956]
  55. BAVA, L. Cuando jugar enferma: um camino de tratamiento terapéutico del jugar compulsivo. Buenos Aires: Ediciones Lumiere, 2004.
  56. BEAUCHAMP, A.  et al. Como animar um grupo. São Paulo: Loyola, 1980.
  57. BENJAMIN, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. 4. ed. São Paulo: Summus, 1984. ou Editora 34/Duas Cidades, 2002.
  58. BERGSON, Henri. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
  59. BERKENBROCK, V. I. Jogos e diversões em grupo: para encontros, festas de família, reuniões, salas de aula e outras ocasiões. Petrópolis: Vozes, 2002.
  60. BETTELHEIM, B. Uma vida para seu filho: pais bons o bastante. Rio de Janeiro: Campus, 1988.
  61. BIEDERMANN, G. (dir.) Tratado de psicoterapia infantil. Barcelona: Espaxs, 1973. V. 1
  62. BOMTEMPO, E. (coord). Psicologia do brinquedo: aspectos teóricos e metodológicos. São Paulo: EDUSP, Nova Stella, 1986. (Coleção Logos)
  63. BOMTEMPO, E. Brinquedoteca: o espaço da criança. Idéias, São Paulo, 7: 68-72, 1990.
  64. BOMTEMPO, E. Brinquedos: critérios de classificação e análise. Cadernos EDM, São Paulo, 2(2), jun. 1990. (FEUSP)
  65. BOMTEMPO, Edda; ANTUNHA, Elsa Gonçalves; OLIVEIRA, Vera Barros (org.). Brincando na escola, no hospital, na rua. 2. ed. São Paulo: WAK, 2008.
  66. BONAMIGO, E. M. R. e KUDE, V. M. M. Brincar: brincadeira ou coisa séria? Porto Alegre: Educação e Realidade, 1991.
  67. BONAMIGO, E. M. R. e KUDE, V. M. M. Ludoteca: por que não se pensou nisto antes? Revista do Professor, Porto Alegre, :5-9, jul./set.1990.
  68. BONAMIGO E. M. R. e EIZIRIK, M. F. A importância do brincar para a educação: por uma psicologia social da infância. Porto Alegre: UFRGS, Faculdade de Educação, 1990. Relatório de Pesquisa.
  69. BONDIOLI, Anna. A dimensão lúdica na criança de 0 a 3 anos e na creche. In: BONDIOLI, Ana e MANTOVANI, Susanna. Manual de educação infantil de 0 a 3 anos. 9. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.
  70. BONDIOLI, Anna. Gioco e educazione. 5. ed. Milano: Franco Angeli, 2010.
  71. BRAGA, Piera (a cura di). Gioco, cultura e formazione: temi e problemi di pedagogia dell’infanzia. Ranica (BG): Edizioni Junior, 2005. (Ricerche: Collana diretta da Susana Mantovani).
  72. BRANDÃO, H. e FROESELER, M. G. O livro dos jogos e das brincadeiras para todas as idades. Belo Horizonte: Leitura, 1997.
  73. BRANDÃO DA LUZ, J. H. A imaginação e a criatividade na teoria piagetiana do desenvolvimento da inteligência. Educação e Realidade. Porto Alegre, 19 (1): 61-70, jan./jun. 1994.
  74. BRANDES, D. e PHILLIPS, H. Manual de jogos educativos: 140 jogos para professores e animadores de grupos. Lisboa: Moraes, s. d.
  75. BRENELLI, R. P. O jogo como espaço para pensar: a construção de noções lógicas e aritméticas. Campinas: Papirus, 1996.
  76. BRIGIDANO, Dorotea Agudo e outros. Juegos de todas las culturas: juegos, danzas, música desde una perspectiva intercultural. Barcelona: Inde, 2002.
  77. BROCK, Avril et al. Brincar: aprendizagem para a vida. Porto Alegre: Artmed, 2011.
  78. BROICH, J. Jogos para crianças: mais de cem brincadeiras com movimento, tensão e ação. São Paulo: Loyola, 1996.
  79. BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: se o importante é competir, o fundamental é cooperar. Santos: Projeto Cooperação, 1998.
  80. BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Santos: Projeto Cooperação, 2001.
  81. BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez Editora, 1994 (Questões da nossa época, 43)
  82. BROUGÈRE, G. Jogo e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
  83. BROUGÈRE, G. Brinquedos e companhia. São Paulo: Cortez Editora, 2004.
  84. BROUGÈRE, Gilles; ULMANN, Anne-Lise. Aprender pela vida cotidiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. (Coleção Formação de Professores).
  85. BROWN, G. Jogos cooperativos: teoria e prática. São Leopoldo: Sinodal, 1994.
  86. BRUNER, J.; JOLLY, A.; SYLVA, K. (ed.) Play: its role in development and evolution. Harmondsworh, Middlesex, England: Peguin Books, 1976.
  87. BUJES, M. I. Criança e brinquedo: feitos um para o outro? In: COSTA, M. V. (org.) Estudos culturais em educação. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2000.P. 205-228.
  88. BULFINCH, T. O livro de ouro da mitologia: histórias de deuses e heróis. 3. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.
  89. BURGUÉS, Pere Lavega e CLIMENT, Salvador Olaso. Mil juegos y desportes populares y tradicionales: la tradición largada. Barcelona: Editorial Paidotribo, [s.d.].
  90. BUSATTO, Cléo. Contar e encantar: pequenos segredos da narrativa. Petrópolis: Vozes, 2003.
  91. CABRAL, A. Jogos populares portugueses de jovens e adultos. 3. Ed. Lisboa: Editorial Notícias, 1998.
  92. CABRAL, A. O jogo no ensino. Lisboa: Editoria Notícias, 2001.
  93. CADERNOS DA ACTIVIDADE LÚDICA. Cultura lúdica, tradição e modernidade. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, n.1, jan. 1998.
  94. CADERNOS DA ACTIVIDADE LÚDICA. Contextos lúdicos e crianças com necessidades especiais. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, n.2, jun. 1999.
  95. CAILLOIS, Roger. O mito e o homem. Lisboa: Edições 70, [s.d.] (Perspectivas do homem) (ed. orig. 1937)
  96. CAILLOIS, Roger. O homem e o sagrado. Lisboa: Edições 70, [s.d.] (Perspectivas do homem) (ed. orig. 1950)
  97. CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens. Lisboa: Cotovia, 1990. (Ensaios) (ed. orig. 1958, ed. ver. e aum. 1967)
  98. CAILLOIS, Roger. Acercamientos a lo imaginário. Santafé de Bogotá: Fondo de Cultura Econômica, 1997. © 1974
  99. CALZETA, Juan José; CERDÁ, Maria Rosa; PAOLICCHI, Graciela. La juegoteca: niñez en riesgo y prevención. Buenos Aires: Lumen, 2005.
  100. CÂMARA CASCUDO, Luís da. Dicionário do folclore brasileiro. 9. Ed. São Paulo: Ediouro, s.d.
  101. CAMARGO, L. O. L. Educação para o lazer. São Paulo: Moderna, 1998.
  102. CAMPAGNE, F. Le jouet, l'enfant, l'éducateur: rôles de l'objet dans le dévelopment de l'enfant et le travail pédagogique. Paris: Privat, 1989.
  103. CAMPOS, M. C. R. O possível e o necessário como eixo da construção do real vistos na situação de um jogo. Psicopedagogia, São Paulo, 12 ( 26 ): 16-20, set. 1993.
  104. CAMBI, Franco e STACCIOLI, Gianfranco (a cura di). Il gioco in Occidente: storia, teorie, pratiche. Roma: Armando, 2007.
  105. CAMBI, Franco e GIAMBALVO, Epifania (a cura di). Formarsi nell’ironia: un modello postmoderno. Palermo: Sellerio, 2008.
  106. CARNEIRO, Maria Ângela Barbato. O jogo e suas diferentes concepções. Psicopedagogia, São Paulo, 14(33), 1995.
  107. CARNEIRO, Maria Ângela Barbato; DODGE, Janine J. A descoberta do brincar. São Paulo: Editora Melhoramentos / Editora Boa Companhia, 2007.
  108. CARNEIRO, Maria Ângela Barbato. Cócegas, cambalhotas e esconderijos: construindo cultura e criando vínculos. São Paulo: Articulação Universidade Escola, 2010.
  109. CARSE, James P. Jogos finitos e infinitos: a vida como jogo e possibilidade. Rio de Janeiro: Nova Era, 2003.
  110. CARVALHO, Ana Maria; BERALDO, Katharina; SANTOS, Fátima; ORTEGA, Rosário. Brincadeiras de menino, brincadeiras de menina. Psicologia, ciência e profissão. Brasília, n. 13, p. 30-33, 1993.
  111. CARVALHO, A. M. e outros (org.) Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. v. 1 O Brasil que brinca; v. 2 Brincadeiras de todos os tempos.
  112. CARVALHO, A. M.; PEDROSA, Maria Isabel. Bonecos de todos os tamanhos. In: CARVALHO, A. M. e outros (org.). Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. v. 2 Brincadeiras de todos os tempos. P. 49-62.
  113. CARVALHO, Alysson e outros (organizadores). Brincar(es). Belo Horizonte: Editora UFMG, Pró-Reitoria de Extensão UFMG, 2005.
  114. CARVALHO, M. I. C. e RUBIANO, M. B. Organização do espaço em Instituições pré-escolares. In: MORAES, Z. (org.) Educação infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez, 1994.
  115. CASCO, Patrício. Tradição e criação de jogos: reflexões e propostas para uma cultura lúdico-corporal. São Paulo: Editora Peirópolis, 2007.
  116. CAVALLARI, V. R. e ZACHARIAS, V. Trabalhando com recreação. 3. Ed. São Paulo: Ícone, 1998.
  117. CAZAUX, Jean-Louis. Petite histoire des échecs. Paris: Éditions Pole, 2009.
  118. CÉLIA, R. Brincar, descobrir, aprender, criar. In: SUKIENNIK, P. B. (org.) O aluno problema: transtornos mentais de crianças e adolescentes. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1996.
  119. CHADWICK, M. e TARKY, I. Juegos de razonamiento lógico. Santiago do Chile: Editorial Andrés Bello, 1990.
  120. CHAPELA, Luz Maria. El juego en la escuela. México, D.F.: Paidós, 2002.
  121. CHATEAU, J. O jogo e a criança. São Paulo: Summus, 1987.
  122. CHRISTOPHER, Catherine. The complete book of doll making and collecting. 2. ed. Rev. New York, Dover Publications Inc., 1971.
  123. CLAVER, B. Escrever com prazer: oficina de produção de textos. Belo Horizonte: Dimensão, 1999.
  124. COELHO, B. Contar histórias: uma arte sem idade. São Paulo: Ática, 2003.
  125. COHEN, D. e MACKEITH, S. A. El desarollo de la imaginación: los mundos privados de la infancia. Barcelona: Paidós, 1993.
  126. COLLOQUE INTERNATIONAL SUR LE JOUET. JOUETS ET OBJETS LUDIQUES. Le champs de la reserche. 1997, Angoulême. Actes... Angoulême: Université Paris-Nord, Centre Universitaire de la Charente, 1997.
  127. COME giocavamo: giochi e giocattoli 1750/1960. Milano: Alinari, 1984.
  128. CONDEMARÍN, M. e MILICIC, N. Cada dia um jogo. Campinas: Editorial Psy, 1993.
  129. CONTI, L. O brinquedo em casa e na escola: a bi-direcionalidade da transmissão cultural. Porto Alegre: Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento - Instituto de Psicologia - UFRGS, 1996. Dissertação de Mestrado.
  130. CORNELL, J. Brincar e aprender com a natureza: guia de atividades para pais e monitores. São Paulo: Melhoramentos; SENAC, 1996.
  131. COSTA, I. A. e BAGANHA, F. O fantoche que ajuda a crescer. Rio Tinto/Portugal: Edições Asa, 1989. (Colecção Práticas Pedagógicas)
  132. COSTA, Adriana Teixeira da e SILVA, Rosana Padial. (coord.) Ludicidade: o resgate da cidadania através do lúdico. São Paulo: Nestlé, UNESCO, 2001.
  133. CSIKSZENTMIHALYI, M. Fluir (flow): una psicología de la felicidad. Barcelona: Editorial Kairós, 1997.
  134. CURTISS, S. A alegria do movimento na pré-escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.
  135. CUNHA, N, H. S. Brinquedo, desafio e descoberta: subsídios para utilização e confecção de brinquedos. Rio de Janeiro: FAE, 1994.
  136. CUNHA, N. H. S. Brinquedoteca: um mergulho no brincar. 3. Ed. São Paulo: Vetor, 2001.
  137. CYRULNIK, Boris. El encantamiento del mundo. 2. ed. Barcelona: Gedisa Editorial, 2003.
  138. DARBYSHIRE, L. (ed.) The collector’s encyclopedia of toy’s and dolls. London: Grange Books, 1990.
  139. DAUDT, Patrícia R.; SPERB, Tania Mara; GOMES, William B. As concepções das crianças sobre o brincar. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 91-98, 1992.
  140. DAVID, José; BLASCO, Miguel. Abriendo el juego: análisis y revisión bibliográfica de lo editado en los últimos treinta años em América Latina. Buenos Aires: Lúmen Hvmanitas, 2006.
  141. DE MASI, D. (org.) A emoção e a regra: os grupos criativos na Europa de 1850 a 1950. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.
  142. DE MASI, D. O ócio criativo. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.
  143. DE MASI, D. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.
  144. DEACOVE, J. Manual de jogos cooperativos: joguem uns com os outros e não um contra os outros. Santos: Projeto Cooperação, 2002.
  145. DECROLY, O.; MONCHAMP, E. El juego educativo: iniciación a la atividad intelectual y motriz. 4. ed. da 7ª. Edición francesa corregida y actualizada por André Michelet. Madrid: Ediciones Morata; México, D.F.: Alfaomega, 2006.
  146. DESCOMPS, D. Jouets de toujours: far lo boissonièr. Aurillac (France) : Ostal del libre, 1997.
  147. DI MAURO, Orazio. Soldaditos de plomo. Madrid : H. Klinczkowski-Onlybook, 2002.
  148. DI PIETRO, Antonio ; FRANCESCHI, Luciano. Giocare ai tavoglieri : itinerari ludici nelle culture. Faenza (Ra) : Kaleidos Edizioni, 2009.
  149. DIKER, Gabriela. ¿Qué hay de nuevo en las nuevas infancias? Buenos Aires: Biblioteca Nacional, Universidad Nacional de General Sarmiento, 2009.
  150. DINELLO, Raimundo. El juego : ludotecas. 4. ed. Montevidéu, 2003.
  151. DINELLO, Raimundo. Os jogos e as ludotecas. Santa Maria : OMEP/BR/RS/SM ; Pallotti, 2004. (Cadernos Temáticos, 3)
  152. DOHME, V. D. 32 idéias divertidas que auxiliam o aprendizado para o ensino fundamental. São Paulo: Informal, 1998.
  153. DOHME, V. D. Técnicas de contar histórias. São Paulo: Editora Informal, 2001.
  154. DOHME, V. D. Atividades lúdicas na educação: o caminho de tijolos amarelos do aprendizado. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2002. (diss. Mestrado)
  155. DOHME, V. D. e DOHME, W. Ensinando a criança a amar a natureza. São Paulo: Editora Informal, 2002.
  156. DORION-COUPAL, K. Uma brinquedoteca para você. Montréal: CIDE-OMEP, 1996. (v. 1 - Para poder brincar: a comunidade; v.2 - É hora de brincar!; v. 3 - Brincar sem gastar muito.)
  157. DUFLO, C. O jogo de Pascal a Schiller. Porto Alegre: Artmed, 1999.
  158. DUVIGNAUD, Jean. El juego del juego. 2. ed. Santafé de Bogotá: Fondo de Cultura Econômica, 1997. © 1980
  159. DURAND, Gilbert. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. 3. ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 2004.
  160. EATON, F. O grande livro das casas de bonecas. Barcelos: Civilização, 1995.
  161. ECO, Umberto. Huizinga e o jogo. In: ECO, Umberto. Sobre os espelhos e outros ensaios. São Paulo: Nova Fronteira, 1989. p. 269-285 [ed. Orig. 1985]
  162. EFRON, A. M. e outros. A hora do jogo diagnóstica. In: OCAMPO, M. L. S. e outros. O processo psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. São Paulo: Martins Fontes, 1986.
  163. EGAN, Kieran. Fantasia e imaginación, su poder en la enseñanza: una alternativa a la enseñanza y el aprendizaje en la educación infantil e primaria. 3. ed. Madrid: Ediciones Morata, 2008.
  164. EL JUEGO: debates y aportes desde la didáctica. 0 a 5: la educación en los primeros años. Buenos Aires, año 2, n. 8, enero 1999.
  165. EL JUEGO en la educación infantil: crecer jugando y aprendiendo. 2. ed. Buenos Aires: Centro de Publicaciones Educativas y Material Didáctico, 2006. (0 a 5: la educación en los primeros años, 48).
  166. ELKIND, D. Corrompendo o modo de brincar das crianças. Pátio, Porto Alegre, v. 8, n. 31, ago./out. 2004.
  167. ELKONIN, Daniil. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
  168. ERIKSON, E. Brinquedo e razões. In: ---. Infância e sociedade. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.
  169. ESPADA, José Pedro. Técnicas de grupo: recursos práticos para a educação. Petrópolis: Vozes, 2005.
  170. ESPUCHE, Albert Garcia et al. Jocs, triquets i jugadors: Barcelona 1700. Barcelona: Museu d’Història de Barcelona; Instituto de Cultura de Barcelona; Ajuntament de Barcelona, 2009.
  171. FARNÉ, Roberto (a cura di). Le case dei giochi: ludoteca, ludobus e processi formativi. Milano: Guerini Studio, 1999.
  172. FAURE, G. e LASCAR, S. O jogo dramático na escola primária. Lisboa: Editorial Estampa, 1982. (Temas Pedagógicos)
  173. FEDRIZZI, B. Paisagismo no pátio escolar. Porto Alegre: Editora da Universidade, 1999.
  174. FEIX, Eneida. Lazer e cidade na Porto Alegre do início do século XX: a institucionalização da recreação pública. Porto Alegre, UFRGS, 2003. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.
  175. FELDER, Luis Hernán Rodríguez. Los hermanos juegos. Buenos Aires: Grupo Imaginador de Ediciones, 2004.
  176. FERLAND, Francine. O modelo lúdico: o brincar, a criança com deficiência física e a terapia ocupacional. 3. ed. São Paulo: Roca, 2006.
  177. FERNANDES, F. O folclore em questão. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. (1. edição 1977)
  178. FERNANDEZ, A. A hora do jogo psicopedagógico: espaço para jogar, espaço para aprender. In:---. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990. p. 165-77.
  179. FERNANDEZ, A. Psicopedagogia em psicodrama: morando no brincar. Petrópolis: Vozes, 2001.
  180. FERRAN, P. e outros. Na escola do jogo. Lisboa: Editorial Estampa, 1979. (Colecção Técnicas de Educação).
  181. FERRARI, Maria José Fernandez. Juegos de estimulación para bebés de 0 a 24 meses. Buenos Aires: Albatros, 2006.
  182. FINK, Eugen. Le jeu comme symbole du monde. Paris: Éditions de Minuit, 1966.
  183. FIORINI, Héctor Juan. El psiquismo creador. Buenos Aires: Paidós, 1995.
  184. FORTUNA, T. R. Psicomotricidade: destaque para o papel fundamental dos jogos. Revista do Professor. Porto Alegre, v. 10, n. 39, p. 5-10, jul./set. 1994.
  185. FORTUNA, T. R.Vamos nos conhecer? Procedimentos favorecem a integração dos componentes de um grupo. Revista do Professor, Porto Alegre, v. 14, n. 53, p. 45-46, jan./mar.1998.
  186. FORTUNA, T. R. Conhecendo o grupo: jogos ajudam a estabelecer a interação na sala de aula. Revista do Professor. Porto Alegre, v. 15, n. 57, p. 46-48, jan. / mar. 1999.
  187. FORTUNA, T. R.. Sala de aula é lugar de brincar? In: XAVIER, M.L.F. e DALLA ZEN, M.I.H. Planejamento em destaque: análises menos convencionais. Porto Alegre: Mediação, 2000 (Cadernos de Educação Básica, 6) P.147-164.
  188. FORTUNA, T. R.. O jogo e a educação: uma experiência na formação do educador. IN: SANTOS, S. M. P. (org.) Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. Petrópolis: Vozes, 2000. P. 73-85.
  189. FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar. In: ÁVILA, I. S. (org.) Escola e sala de aula: mitos e ritos. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004. p. 47-59. [publicado anteriormente como FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar. Espaço pedagógico. Passo Fundo, 8 (2): 63-71, dez. 2001. e também como FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar.In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ARTE E EDUCAÇÃO, 15., 2001, Montenegro. Anais...Montenegro: FUNDARTE, 2001. p. 38-46.]
  190. FORTUNA, T. R. Formando professores na universidade para brincar. In: SANTOS, S. M. P. (org.) A ludicidade como ciência. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 115-119
  191. FORTUNA, T. R. Ensinando a montar – e manter – brinquedotecas: a experiência em assessoria universitária à criação de espaços lúdicos. Resumos da 9a. Conferência Internacional de Ludotecas: Brincar é crescer. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, Instituto de Apoio à Criança, 14 a 17 de maio de 2002. p. 115.
  192. FORTUNA, T. R. Papel do brincar: aspectos relevantes a considerar no trabalho lúdico. Revista do Professor, Porto Alegre, n. 18, v. 71, p. 9-14, jul./set. 2002.
  193. FORTUNA, T. R. Who wants to play in the university? XV Conferência Mundial da IPA (International Association for Child’s right to play): A cultura e o brincar nos espaços urbanos. São Paulo: IPA/Brasil, 04 a 08 de novembro de 2002. p. 46-47
  194.  FORTUNA, T. R. Jogo em aula: recurso permite repensar as relações de ensino-aprendizagem. Revista do Professor, Porto Alegre, v. 19, n. 75, p. 15-19, jul./set. 2003.
  195.  FORTUNA, T. R. O brincar na educação infantil. Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, v.1, n. 3, p.6-9, dez. 2003/mar. 2004.
  196. FORTUNA, T. R. A reinvenção da infância. Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, v.2, n. 6, p.18-21, dez. 2004/mar. 2005.
  197. FORTUNA, T. R. Apresentação. In: ANTUNES, H. S. (org.) Trajetória docente: o encontro da teoria com a prática. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Departamento de Metodologia do Ensino, 2005. p. 11-16.
  198.  FORTUNA, T. R. e BITTENCOURT, A. D. S. Jogo e educação: o que pensam os educadores. In: ANTUNES, H. S. (org.) Trajetória docente: o encontro da teoria com a prática. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Departamento de Metodologia do Ensino, 2005. p. 95-105. [também publicado como FORTUNA, T. R. e BITTENCOURT, A. D. S. Jogo e educação: o que pensam os educadores? Revista Psicopedagogia, v. 20, n. 63, p. 234-242, 2003.]
  199. FORTUNA, T. R. e VIEIRA, L. A. Quem quer brincar na universidade? In: MOLL, J. (org.) Múltiplos alfabetismos: diálogos com a escola pública na formação de professores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 81-91.
  200. FORTUNA, T. R. Ensinando a montar - e manter – brinquedotecas: a experiência de assessoria universitária na criação de espaços lúdicos. In: MOLL, J. (org.) Múltiplos alfabetismos: diálogos com a escola pública na formação de professores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 93-106.
  201. FORTUNA, T. R. A formação lúdica do educador. In: MOLL, J. (org.) Múltiplos alfabetismos: diálogos com a escola pública na formação de professores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 107-121.
  202. FORTUNA, T. R. O papel educativo das armas de brinquedo. Pátio Educação Infantil. Porto Alegre, IV, n. 11, p. 12-14, jul./out. 2006.
  203. FORTUNA, Tânia Ramos. Escola é lugar de LAN house? ABC Educatio: a revista da educação. São Paulo, ano 8, n. 63, fev. 2007, p. 25.
  204. FORTUNA, Tânia Ramos. Brincar, viver e aprender: educação e ludicidade no hospital. In: VIEGAS, Drauzio (org.); Associação Brasileira de Brinquedotecas. Brinquedoteca hospitalar: isto é humanização. São Paulo: Wak Editora, 2007. P. 33-44 [também publicado como FORTUNA, T. R. Brincar, viver e aprender: educação e ludicidade no hospital. Ciências e Letras: Revista da Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras. Porto Alegre, n. 35, p. 185-201, jan./jun. 2004.]
  205. FORTUNA, Tânia Ramos. O lugar do brincar. O brinquedista: informativo da Associação Brasileira de Brinquedotecas. São Paulo, n. 43, março 2007. p. 3
  206. FORTUNA, Tânia Ramos. A dimensão humana da docência. Pátio Revista Pedagógica. Porto Alegre, ano 11. n. 42, p. 8-11,  maio/jul. 2007. ISSN 1518305X
  207. FORTUNA, Tânia Ramos. Escola é lugar de brincar! Educando. Porto Alegre, ano 2, n. 11, set./out. 2007, p. 42-43. [entrevista] ISSN 1809-4295
  208. FORTUNA, Tânia Ramos. Brincando com bebês: nascimento, evolução e mediação da brincadeira com crianças de 0 a 3 anos. Revista Aprendizagem. Pinhais/Paraná, ano 2, n. 4, P. 52-53, jan./fev. 2008. ISSN 1981-5913
  209. FORTUNA, Tânia Ramos. Brincadeira na inclusão social. Pátio Educação Infantil. Porto Alegre, ano 6, n. 16, p. 14-17, mar./jun. 2008. ISSN 1677-3721
  210. FORTUNA, Tânia Ramos. Vivendo a escola pública: alguns desafios da contemporaneidade. Revista Aprendizagem. Pinhais/Paraná, ano 2, n. 5, P. 28, mar./abr. 2008. ISSN 1981-5913
  211. FORTUNA, Tânia Ramos. Uma dramatização na brinquedoteca: corpo a corpo. O brinquedista: informativo da Associação Brasileira de Brinquedotecas. São Paulo, n. 45, abr. 2008 p. 4-5 ISSN: 1982-8322
  212. FORTUNA, Tânia Ramos. A reinvenção da infância: apontamentos sobre a infância na contemporaneidade. In: TRINDADE, Iole Maria Faviero (org.). Múltiplas alfabetizações e alfabetismos. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008. p. 203-214. ISBN 978-7025-997-4 [também publicado como FORTUNA, T. R. A reinvenção da infância: apontamentos sobre a infância na contemporaneidade. Prospectiva: revista de orientação educacional. Porto Alegre, n. 29, p. 20-22,  2006/2007. FORTUNA, T. R. A reinvenção da infância: apontamentos sobre a infância na contemporaneidade. In: COELHO, Maximila T. de Q. (org.) A função da creche e da escola infantil na formação da criança de zero a seis anos. Porto Alegre: Evangraf/Verbo Projetos Educacionais, 2006. p. 13-22.ISBN 85-7727-030-0]
  213. FORTUNA, Tânia Ramos. Brinquedoteca: cabe ao educador criar, recriar e promover espaços e situações lúdicas. Revista do Professor, Porto Alegre, ano 24, n. 95, jul./set. 2008. p. 45-48. ISSN 1518-1839
  214. FORTUNA, Tânia Ramos. Para jugar al derecho. In: CORPORACIÓN DÍA DE LA NIÑEZ. Metodología naves: para jugar al derecho. Bogotá: Corporación Día de La Niñez,  2008. P. 156 (Série Ludotecas en Colombia, 1). ISBN 978-958-44-3964-2
  215. FORTUNA, Tânia Ramos. Para un modelo de ludotecas para América Latina. In: ENCUENTRO INTERNACIONAL DE LUDOTECAS, 2, 2008, Bogotá. Memorias. Bogotá, Corporación Día de la Niñez. 2008. 1 CD.
  216. FORTUNA, Tânia Ramos. Armas de brinquedo: dar ou não dar – será esta a questão? Ciências e Letras: Revista da Faculdade Porto-Alegrense, Porto Alegre, n.43, jan./jul. 2008, p. 181-194. ISSN 0102-4868
  217. FORTUNA, Tânia Ramos. O manejo de situações envolvendo limites na educação infantil. Pátio Educação Infantil. Porto Alegre, ano 8, n. 23, p. 12-15, abr./jun. 2010. ISSN 16773721
  218. FORTUNA, Tânia Ramos; BORDAS, Merion Campos. Ludobiografia: contribuições para a pesquisa (auto) biográfica em educação. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE PESQUISA (AUTO) BIOGRAFICA, 4, 2010, São Paulo. Caderno de resumos. São Paulo: FEUSP: BIOGRAFH, 2010. p. 1-10. 1 CD-ROM ISSN 2178-0676.
  219. FORTUNA, Tânia Ramos. Por uma brinquedoteca “suficientemente boa”: alguns valores para que as brinquedotecas da América Latina nos encontrem no futuro. In: OLIVEIRA, Vera Maria Barros (org.). Brinquedoteca: uma visão internacional. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 162-182. ISBN 978-85-326-4198-4.
  220. FORTUNA, Tânia Ramos. A formação lúdica docente e a universidade: contribuições da Ludobiografia e da Hermenêutica Filosófica. Porto Alegre: UFRGS, 2011. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/35091. Acesso em 02 dez. 2011.
  221. FORTUNA, Tânia. Descobertas sobre a formação lúdica docente. Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, ano X, n. 31, abr. jun./2012, p. 8-11. ISSN 16773721
  222. FORTUNA, Tânia Ramos. A importância de brincar na infância. In: HORN, Claudia Inês et al. Pedagogia do brincar. Porto Alegre: Editora Mediação, 2012. P. 13-44. ISBN 978-85-7706-075-7
  223. FORTUNA, Tânia Ramos. Por uma pedagogia do brincar. Presença Pedagógica. Belo Horizonte, ano 19, n.109, p.30-35, jan./fev. 2013. ISSN 1413-1862
  224. FORTUNA, Tânia Ramos; SILVA, Natália Souza da. Concepções sobre o brincar dos bebês. Pátio Educação Infantil. Porto Alegre, ano 11, n. 35, abr./jun. 2013, p.4-7. ISSN 1677-3721
  225. FOURNIER, Edouard. Histoire dês jouets et jeux. Paris : E. Dentu Editeur, 1989.
  226. FRANCIA, A. e MARTÍNEZ, O. Jogos e dinâmicas. Apelação (Portugal): Paulus, 2000. (Colecção Educar para valores, 2)
  227. FREIRE, J. B. O jogo: entre o riso e o choro. São Paulo: Editora Autores Associados, 2002.
  228. FREUD, A. Psicanálise de crianças. Rio de Janeiro: Imago, 1971.
  229. FREUD, Anna. Infância normal e patológica: determinantes do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Imago, 1987.
  230. FREUD, S. Escritores criativos e devaneios. Rio de Janeiro: Imago, 1976. (Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 9) p.147-158.
  231. FREUD, S. Além do princípio do prazer. Rio de Janeiro: Imago, 1976. (Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 18 ) p. 23-9.
  232. FREUD, Sigmund. O interesse científico da psicanálise (1913). In: ---. Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1976c. V. XIII. p. 199-226.
  233. FREUD, Sigmund. O estranho. (1919) In: ---. Uma neurose infantil e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1976. ( Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 17) p. 275-318.
  234. FREUD, S. O humor (1927). In: ---. O futuro de uma ilusão, o mal estar na civilização e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1974. (Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 21). P. 187-194.
  235. FRIEDMANN, Adriana. O desenvolvimento da criança através do brincar. São Paulo: Moderna, 2006.
  236. FRIEDMANN, A. Dinâmicas criativas: um caminho para a transformação de grupos. Petrópolis: Vozes, 2004.
  237. FRIEDMANN, A. A arte de brincar. Petrópolis: Vozes, 2003.
  238. FRIEDMANN, A. (org.) O direito de brincar. São Paulo: Scritta, 1992.
  239. FRIEDMANN, A. Brincar, crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.
  240. FRITZEN, S. J. Jogos dirigidos para grupos, recreação e aulas de educação física. Petrópolis: Vozes, 1981.
  241. FRITZEN, S. J. Exercícios práticos de dinâmica de grupo. Petrópolis: Vozes, 1981. v. 1 e 2
  242. GALLINO, Tilde Giani. O mundo imaginário das crianças: no princípio era o ursinho. Porto: Civilização, 1996.
  243. GALLINO, Tilde Giani. Il bambino e i suoi doppi: l’ombra e i compagni immaginari nello sviluppo del Sé. Torino: Bollati Boringhieri, 1993.
  244. GARFELLA, P. R. e MARTIN, R. L. El juego como recurso educativo: guía antológica. Valencia: Tirant lo Blanch, 1999.
  245. GARVEY, Catherine. Il gioco: l’attività ludica come apprendimento. (Nuova edizione). Roma: Armando Editore, 2009.
  246. GILLIG, Jean-Marie. El cuento en pedagogía y en reeducación. México: Fondo de Cultura Económica, 2001.
  247. GIMENES, Beatriz Piccolo; TEIXEIRA, Sirlândia Reis de Oliveira. Brinquedoteca: manual em educação e saúde. São Paulo: Cortez Editora, 2011.
  248. GIORGI, M. e SOMALVICO, H. Bambole: conoscerle e collezionarle (i marchi e le valutazioni). Rimini: Idea Libri, 1999.
  249. GODOY, L. Os jogos olímpicos na Grécia Antiga. São Paulo: Editora Nova Alexandria, 1996.
  250. GOLBERT, C. S. Jogos Athurma 2: matemática nas séries inicias - o sistema decimal de numeração. Porto Alegre: Mediação, 2000.
  251. GOTTFRIED, A. e BROWN, C. C. Play interactions: the contribution of play materials and parental involvement to children's development. Massachusetts: Lexington Books, 1986. (Proccedings of the eleventh Johnson & Johnson Pediatric Round Table)
  252. GRANATO, M. A. G.; ROTELLI, M. R. T.; BATISTA, E. L.El juego en el proceso de aprendizaje: capacitación y perfeccionamiento docente. Buenos Aires: Editorial Stella; Ediciones La Crujía, 2004.
  253. GREEN, André. Jugar con Winnicott. Buenos Aires: Amorrortu, 2007.
  254. GREENFIELD, P. M. O desenvolvimento do raciocínio na era da informática: os efeitos da tv, computadores e videogames. São Paulo: Summus, 1988.
  255. GROS, Begoña (coord.). Pantallas, juegos y educación: la alfabetización digital en la escuela. Bilbao: Editorial Desclée de Brouwer, 2004.
  256. GRÜSNPUM, H. Distúrbios da sociabilidade: o jogo. In: ---. Distúrbios neuróticos da criança. 4. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1985.p. 296- 8.
  257. GRÜSNPUM, H. Psicoterapia lúdica de grupos com crianças. São Paulo: Atheneu, 1997.
  258. GUERRA, M. Recreação e lazer. 5. ed. Porto Alegre: Sagra DC Luzzatto, 1996.
  259. GUILLARMÉ, J. J. Educação e reeducação psicomotoras . Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.
  260. GUILLEN, E. Manual de jogos. São Paulo: Flamboyant, 1962.
  261. GULARTE, Daniel. Jogos eletrônicos: 50 anos de interação e diversão. Teresópolis, RJ: Novas Ideias, 2010. (Série Ludo)
  262. GUTTFREIND, Celso. O terapeuta e o lobo: a utilização do conto na psicoterapia da criança. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.
  263. GUTTON, Philippe. Le jeu chez l’enfant. Paris: Librairie Larrouse, 1973.
  264. GUTTON, Philippe. O brincar da criança: estudo sobre o desenvolvimento infantil. Petrópolis, RJ, 2013. (Coleção Clássicos do Jogo)
  265. HARTMANN, H. O livro das bonecas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.
  266. HARRIS, Paul. El funcionamiento de la imaginación.Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2005.
  267. HARROP, Jane. Toys and games: dolls house do-it-yourself. Devon, UK: David and Charles Book, 2003.
  268. HENRIOT, Jacques. Le jeu. Paris: Presses Universitaires de France, 1969.
  269. HENRIQUES, A. C. Jogar e compreender: propostas de material pedagógico. Lisboa: Instituto Piaget, s.d.
  270. HERLOCHER, Dawn. 200 years of dolls: identification and price guide. 4th. Ed. Iola (Wi): Krause Publications, 2009.
  271. HEYWOOD, C. Uma história da infância. Porto Alegre: Artmed, 2004.
  272. HIGUCHI, K. K. RPG: o resgate da história e do narrador. In: CITELLI, A.(coord.) Outras linguagens na escola: publicidade, cinema e TV, rádio, jogos, informática. São Paulo: Cortez, 2000. (Col. Aprender e Ensinar com textos, v. 6) p. 175-211.
  273. HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1993.
  274. HOLZMANN, M. E. Jogar é preciso: jogos espontâneo-criativos para famílias e grupos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
  275. HOMO LUDENS. Buenos Aires: Instituto para la Investigación del Juego y la Pedagogia del Juego – Sede Sudamérica; Embajada de Austria en Argentina, v. 1, 1996. Tema do fascículo: El hombre que juega.
  276. HORN, C. I.; HARRES, J. S.; POTHIN, J. (org.) Atividades lúdicas para crianças na faixa etária de 0 a 10 anos: uma proposta com materiais de baixo custo. Lajeado: UNIVATES, 2003.
  277. HUBER, J. Ocupaciones infantiles. Buenos Aires: Editorial Kapeluz, 1963.
  278. INHELDER, B. et al. Das estruturas cognitivas aos procedimentos de descoberta. In: LEITE, L. B. (org.) Piaget e a Escola de Genebra. São Paulo: Cortez, 1987. p. 75-91.
  279. IPA – INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR THE CHILD’S RIGHT TO PLAY. El juego: necesidad, art y derecho: compilación de artículos sobre juego. Buenos Aires: Editorial Bonum, 1996.
  280. ISAACS, Susan. A natureza e a função da fantasia. In: KLEIN, Melanie e outros. Os progressos da psicanálise. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986. p. 79-135.
  281. JACQUIN, G. A educação pelo jogo. São Paulo: Flamboyant, 1960.
  282. JALOWITZKI, M. Manual comentado de jogos e técnicas vivenciais. Porto Alegre: Sulina, 1998.
  283. JANOT, Jaume Bantulà; VERDENY, Josep Maria Mora. Juegos multiculturales: 255 juegos tradicionales para um mundo global. Barcelona: Editorial Paidotribo, 2002.
  284. JOGOS e brincadeiras para fazer e brincar. São Paulo: Textonovo, Centro de cultura Asiática da UNESCO, 1999.
  285. JOGOS de cartas. São Paulo: Editora Abril, 1978.
  286. JONES, G. Brincando de matar monstros: porque as crianças precisam de fantasia, videogames e violência de faz-de-conta. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.
  287. JORDÃO, Vera Pacheco. A imagem da criança na pintura brasileira. Rio de Janeiro: Salamandra, 1980.
  288. KAMII, C. e DEVRIES, R. Jogos em grupo na educação infantil: implicações da teoria de Piaget. São Paulo: Trajetória Cultural, 1991.
  289. KAISER, Anna. Genius ludi: il gioco nella formazione umana. Roma: Armando, 2001.
  290. KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogos tradicionais infantis: o jogo, a criança, a Educação. Petrópolis: Vozes, 1993.
  291. KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a Educação Infantil. São Paulo: Pioneira, 1994.
  292. KISHIMOTO, Tizuko Morchida (org.). Jogo, Brinquedo, Brincadeira e Educação. São Paulo: Cortez, 1994.
  293. KISHIMOTO, Tizuko Morchida. (org.) O brincar e suas teorias. São Paulo Pioneira, 1998.
  294. KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Brincadeiras e narrativas infantis: contribuições de J. Bruner para a pedagogia da infância. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia et al. (org.). Pedagogia(s) da infância: dialogando com o passado, construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007. p. 249-275.
  295. KLEIN, M. Psicanálise da criança. São Paulo: Mestre Jou, 1981.
  296. KLEIN, M.A psicanálise de hoje: aproximação moderna aos problemas humanos. Rio de Janeiro: Imago, 1970.
  297. KLEIN, M. Personificação do brincar das crianças (1929). In: KLEIN, M. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos - 1921-1945. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Obras completas de Melanie Klein, v. 1) p. 228-239.
  298. KLEIN, M. A técnica psicanalítica através do brincar: sua história e significado. In: ---. Inveja e gratidão e outros trabalhos (1946-1963). Rio de Janeiro: Imago, 1991. P. 149-168. (Obras Completas de Melanie Klein, v. 3)
  299. KNAPE, P. Mais do que um jogo: teoria e prática do jogo em psicoterapia. São Paulo: Agora, 1998.
  300. LAFARGUE, P. O direito à preguiça. São Paulo: Claridade, 2003.
  301. LARA, Isabel Cristina Machado de. Jogando com a matemática. Catanduva - SP: Editora Rêspel, 2005.
  302. LEBOVICI, S. e DIATKINE, R. Significado e função do brinquedo na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
  303. LEBOVICI, S. e SOULÉ, M. El conocimiento del niño a través del psicoanálisis. México: Fondo de Cultura Economica, 1986.
  304. LEEMING, J. N Como contruyo yo mismo mis juguetes: 101 juguetes ingeniosos que los niños puedem construirse. Barcelona: José Montesó Editor, 1947.
  305. LEGENDRE, A. Effects of spatial arrangement on child/child and child/ caregivers interactions: na ecological expriment in day care center. Anais da 16. Reunião Anual de Psicologia da Sociedade de Psicologia de Ribeirão Preto, 1986, pp. 131-142.
  306. LEGENDRE, A. Appropriation par les enfants de l'environnement architectural: ses modalités et ses effets sur les activités dans les grandes sections de crèches. Enfance, 3,: 389-395, 1983.
  307. LEGENDRE, A. Transfformation de l'espace d'activités et echanges. Psychologie française, 32 (1/2): 31-43, juin 1987.
  308. LEIF, J. e BRUNELLE, L. O jogo pelo jogo: a atividade lúdica na educação de crianças e adolescentes. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
  309. LEMOS, G. S. e RAVANELLO, J.C. Educação física escolar: do lúdico ao agonístico. Revista do professor, Porto Alegre, 9(35):24-8, jul./set.1993.
  310. LEONTIEV, A. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKY, L. S. e outros. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1988. p. 119-42.
  311. LIMA, E. C. A. S. O jogo e a criança. In: IDÉIAS. A pré-escola e a criança hoje. São Paulo: FDE -Fundação para o Desenvolvimento da Educação, 1988. N.2, 1988.
  312. LIMA, E. C. A. S. A atividade da criança na idade pré-escolar. In: IDÉIAS. O jogo e a construção do conhecimento na pré-escola. São Paulo: Fundação para o Desenvolvimento da Educação - FDE, 1990.
  313. LINDQUIST, I. A criança no hospital: terapia pelo brinquedo. São Paulo: Scritta, 1993.
  314. LOPES, M. G. Jogos na Educação: criar, fazer, jogar. 2. Ed. rev. São Paulo: Cortez, 1999.
  315. LOPES, N. Brinquedos infantis: características etárias orientam escolha. Revista do professor, Porto Alegre, 9(35):5-9, jul./set.1993.
  316. LOPES, N. Brinquedos e jogos: bases para uma escolha adequada à faixa etária de 0 a 6 anos. Revista do professor, Porto Alegre: 9(34):7-12, abr./jun.1993.
  317. LORENZINI, M. Brincando a brincadeira com a criança deficiente: novos rumos terapêuticos. Barueri: Manole, 2002.
  318. LORO, Alexandre Paulo. Formação de professores e representações sobre o brincar. São Paulo: Ícone, 2010. (Coleção Conhecimento e Vida).
  319. Mc GONIGAL, Jane. A realidade em jogo. Rio de Janeiro: BestSeller, 2012.
  320. Mc GREGOR, C. 150 jogos não-competitivos para crianças: todo mundo ganha. São Paulo: Madras, s.d.
  321. MACEDO, Lino de; PETTY, Ana Lúcia Sícoli; PASSOS, Norimar Christe. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005.
  322. MACEDO, L. Para uma psicopedagogia construtivista. In: ALENCAR, E. M. S. (org.)Novas contribuições da psicologia aos processos de ensino e aprendizagem. São Paulo: Cortez, 1992. p. 119-140.
  323. MACEDO, L. e outros. Quatro cores,  senha e dominó: oficinas de jogos em uma perspectiva construtivista e psicopedagógica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.
  324. MACEDO, L. Para um discurso das regras na escola ou na psicopedagogia: uma análise construtivista. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, (87): 13-9, nov.1993.
  325. MACEDO, L. e outros. Aprender com jogos e situações-problema. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
  326. MACHADO, M. M. O brinquedo-sucata e a criança. São Paulo: Loyola, 1994.
  327. MACHADO, M. M. A poética do brincar. São Paulo: Loyola, 1998.
  328. MACRUZ, F. M. S. e outros. Jogos de cintura. 4. Ed. Petrópolis: Vozes, 2000.
  329. MALUF, Ângela Cristina Munhoz. Brincadeiras para sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2004.
  330. MALUF, A. M. Brincar: prazer e aprendizado. Petrópolis: Vozes, 2003.
  331. MAJEM, Tere; ÓDENA, Pepa. Descobrir brincando. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.
  332. MANSON, M. História do brinquedo e dos jogos: brincar através dos tempos. Lisboa: Editorial Teorema, 2002.
  333. MARCELLINO, N. C. (org.)  Lúdico, educação e educação física. Ijuí: Editora Unijuí, 1999.
  334. MARCELLINO, N. C. Pedagogia da animação. 4. ed. Campinas: Papirus, 2002. (1. ed. 1989)
  335. MARCELLINO, N. C. (org.) Repertório de atividades de recreação e lazer. Campinas: Papirus, 2002. (Coleção Fazer Lazer)
  336. MARTÍNEZ, Francesc Martin. Recicla juego: como dar juego al material de desecho. Barcelona: Editorial Paidotribo, 2007.
  337. MASETTI, M. Soluções de palhaços: transformações na realidade hospitalar. São Paulo: Palas Athena, 1998.
  338. MARÍN, Imma; PENÓN, Silvia; MARTÍNEZ, Maite. El placer de jugar: aprende y diviértete jugando com tus hijos. Barcelona: Ediciones CEAC, 2008.
  339. MARIOTTI, F. R. O jogo e os jogos. Porto Alegre: Alves Editores, [s.d.]
  340. MATTALLANA, Maria López e VILLEGAS, Jesús. Organizacion y animación de ludotecas. 4. ed. Rev. E Ampl. Madrid: Editorial CCS, 2005.
  341. MATURANA, H. e VERDEN-ZÖLLER, G. Amor y juego: fundamentos olvidados de lo humano. Santiago do Chile: Instituto de Terapia Cognitiva, 1993.
  342. MEDRANO, Carlos Alberto. Do silêncio ao brincar: história do presente, da saúde pública, da psicanálise e da infância. São Paulo: Vetor Editora, 2004.
  343. MEIRA, Ana Marta. A cultura do brincar: a infância contemporânea, o brincar e a cultura no espaço da cidade. Porto Alegre: UFRGS, 2004. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004.
  344. MELO, José Pereira de. (org.). Livro didático 1: o ensino de artes e educação física na infância. Natal: Paidéia, 2005.
  345. MELO, Veríssimo de. Folclore infantil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1980.
  346. MELLO, C. O A interação social na brincadeira de faz-de-conta: uma análise da dimensão metacomunicativa. Porto Alegre: UFRGS, 1994. Dissertação (Mestrado) -  Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1994.
  347. MELLO, Vitor Andrade e ALVES JÚNIOR, Edmundo Drummond. Introdução ao lazer. Barueri: Manole, 2003.
  348. MENDES, Cláudio Lúcio. Jogos eletrônicos: diversão, poder e subjetivação. Campinas: Papirus, 2006 (Coleção Fazer/Lazer).
  349. MERKH, D. 101 idéias criativas. Campinas: JUMOC, 1995.
  350. MICHELET, A. Los útiles de la infancia. Barcelona: Herder, 1977.
  351. MILITÃO, R. e A. Jogos, dinâmicas e vivências grupais. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.
  352.  MIRANDA, D. S. (org.) O parque e a arquitetura: uma proposta lúdica. Campinas: Papirus, 1996.
  353. MIRANDA, H. T.; MENEZES, L. C. (org.) Almanaque de criação pedagógica: a aventura da explicação. Petrópolis: Vozes, 2002.
  354. MIRANDA, N. 210 jogos infantis. Belo Horizonte: Itatiaia, 1992.
  355. MIRANDA, S. 101 atividades recreativas para grupos em viagens de turismo. Campinas: Papirus, 2001.
  356. MIRANDA, S. Escrever é divertido: atividades lúdicas de criação literária. Campinas: Papirus, 1999.
  357. MORAIS, Maria de Lima Salum e CARVALHO, Ana Maria. Brincar: uma revisão de algumas concepções clássicas. Boletim de Psicologia, 37(86):1-23, 1987.
  358. MORENO, Inês. El juego y los juegos. Buenos Aires: Lúmen, 2005.
  359. MORENO, Inês. Todos teremos tiempo: nueva práctica del tiempo libre en el siglo XXI. Buenos Aires: Lúmen, 2005.
  360. MORENO, Víctor. El deseo de escribir: propuestas para despertar y mantener el gusto por la escritura. Pamplona – Iruña (ES): Editorial Pamiela Argilaletxea, 1995.
  361. MOYLES, J. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.
  362. MOYLES, Janet e col. A excelência do brincar. Porto Alegre: Artmed, 2006.
  363. MOYLES, Janet e col. Fundamentos da educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2010 (Consultoria, supervisão e revisão técnica da tradução: Tânia Ramos Fortuna).
  364. MÜLLERS, Fabian. Les jeux au moyen age. Reed. [Espalion (FR)]: Editions La Muse: 2009.
  365. MUNARI, B. Fantasia: invenção, criatividade e imaginação na comunicação visual. 2. ed. Lisboa: Perspectiva, 1987. (Col. Dimensões, 9)
  366. MUSARRA, A. Fabricacion de articulos de cotillon, chascos y fiestas infantiles. Buenos Aires: Editorial Hobby, 1949.
  367. MUSARRA, A. Fabricacion de juguetes de madera. Buenos Aires: Editorial Hobby, 1947.
  368. NEGRINE, A. Aprendizagem e desenvolvimento infantil: simbolismo e jogo. Porto Alegre: Prodil, 1994. v. 1
  369. NEW DIRECTIONS FOR CHILD PLAY. Children's play. Massachusetts: Jossey-Bass Inc., Publishers, n.9, 1980.
  370. NOVAES, Luiza Helena Vinholes Siqueira. Brincar é saúde: o alívio do estresse na criança hospitalizada. Pelotas: EDUCAT, 1998.
  371. NUNES, Ângela. No tempo e no espaço: brincadeiras de crianças A’uwê-Xavante. In: SILVA, Aracy Lopes; MACEDO, Ana Vera Lopes da Silva; NUNES, Ângela (org.) Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002.
  372. ODIN, Samy. Les poupées: les carnets du chineur. Paris : Éditions du Chêne, 2001.
  373. OFELE, M. R. Miradas lúdicas. Buenos Aires: Editorial Dunken, 2004.
  374. OLIVEIRA, P. S. O que é brinquedo? São Paulo: Brasiliense, 1984
  375. OLIVEIRA, P. S. (org.) O lúdico na cultura solidária. São Paulo: HUCITEC, 2001. (Coleção Paidéia, 6)
  376. OLIVEIRA, Vera Barros de. O símbolo e o brinquedo. Petrópolis: Vozes, 1994.
  377. OLIVEIRA, Vera Barros de. A brincadeira e o desenho da criança de 0 a 6 anos: uma avaliação psicopedagógica. In: --- e BOSSA, Nádia A. ( org. ) Avaliação psicopedagógica da criança de zero a seis anos. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 21-56.
  378. OLIVEIRA, Vera Barros de. (org.) O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Petrópolis: Vozes, 2000.
  379. OLIVEIRA, Vera Barros de. Jogos de regras e solução de problemas. Petrópolis: Vozes, 2004.
  380. OLIVEIRA, Vera Barros de. Rituais e brincadeiras. Petrópolis: Vozes, 2006.
  381. OLIVEIRA, Vera Barros; SOLÉ, Maria Borja; FORTUNA, Tânia Ramos. Brincar com o outro: caminho de saúde e bem-estar. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. (Coleção Brinquedo, Educação e Saúde). ISBN 978-85-326-4037-7
  382. OLIVEIRA, Vera Maria Barros (org.). Brinquedoteca: uma visão internacional. Petrópolis: Vozes, 2011. ISBN 978-85-326-4198-4
  383. OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. Jogo de papéis: um olhar para as brincadeiras infantis. São Paulo: Cortez, 2011.
  384. OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. e KISHIMOTO, T. M. (org.) Formação em contexto: uma estratégia de integração. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2002.
  385. OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia; KISHIMOTO, Tizuko M.; PINAZZA, Mônica Apezzato. (org.). Pedagogia(s) da Infância: dialogando com o passado, construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007.
  386. OSHO. Criatividade: liberando sua força interior. São Paulo: Cultrix, 1999.
  387. OSMANDO, José; RODRIGUES, Jader. Com dinâmicas de grupo também se aprende. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.
  388. ORBETTI, Daniela; SAFINA, Rossela; STACCIOLI, Gianfranco. Raccontarsi a scuola: tecniche di narrazione autobiografica. Roma: Carocci Faber, 2005.
  389. ORTEGA, A. C. O raciocínio da criança no jogo de regras: avaliação e intervenção psicopedagógica. Psicopedagogia , São Paulo: 12 (27): 27-30, dez. 1993.
  390. OUTEIRAL, J. O . A criança normal e o brinquedo: um estudo de Psicologia Evolutiva. In: ---. (org.) Clínica Psicanalítica de Crianças e Adolescentes: desenvolvimento, psicopatologia e tratamento. Rio de Janeiro: Revinter, 1998. P. 24-39.
  391. OVÍDIO. As metamorfoses. Rio de Janeiro: Ediouro, 1983 (trad. David Jardim Júnior)
  392. PADILLA, R.; SLAVUTSKY, A.; BURD, P. Jogo: uma paixão. Porto Alegre: Solivros, 1995.
  393. PAÍN, S. Diagnóstico do problema de aprendizagem: hora do jogo. In: ---. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
  394. PAIS, N.; SANTOS, L.; VIEGAS, F. (ed.) Contexto lúdicos e crianças com necessidades especiais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian – Instituto de Apoio à Criança, 1999. (Cadernos da Atividade Lúdica, 2)
  395. PASINI, Maria Marta (aut. e comp.). La infancia em juego. Buenos Aires: Maria Marta Pasini, 2001.
  396. PARKER, Sue Taylor. Playing for keeps: an evolutionary perspective on human games. In: SMITH, Peter K. (ed.). Play in animals and humans. Oxford: Basil Blackwell, 1984. p. 271-293.
  397. PASSOS, A. Bonecos de Santo Aleixo: as marionetas em Portugal nos séculos XVI a XVIII e a sua influência nos títeres alentejanos. CENDREV-Centro Dramático de Évora: Évora, [1999]
  398. PATE, Alan Scott. Japanese dolls: the fascinating world ningyó. Vermont: Tuttle Publishing, 2008.
  399. PAVIA, Victor. El patio escolar: el juego em libertad controlada. Buenos Aires: Ediciones Novedades Educativas, 2005.
  400. PAVIA, Victor (coord.). Jugar de un modo lúdico: el juego desde la perspectiva del jugador. Buenos Aires: Novedades Educativas - Centro de Publicaciones Educativas y Material Didáctico, 2006.
  401. PAVÍA, Victor; RUSSO, Fernando; SANTANERA, Javier; TRPÍN, María. Juegos que vienen de antes: incorporando el patio a la Pedagogía. Buenos Aires: Grupo Editorial Lumen, 2007.
  402. PAVLOVSKY, Eduardo e KESSELMAN, Hernán. Espacios y creatividad. Buenos Aires: Galerna, 2007.
  403. PELLEGRINI, Anthony D. (ed.) The future of play theory: a multidisciplinary inquiry into the contributions of Brian Sutton-Smith. New York: SUNY, 1995.
  404. PETIT Larousse des jeux. Paris: Larousse, 2005.
  405. PETOT, J. M. A descoberta da técnica do brincar e suas conseqüências. In: ---. Melanie Klein I. São Paulo: Perspectiva, 1991. P. 79-132.
  406. PETRIGNANI, Sandra. Catálogo de juguetes. Buenos Aires: La Compañía de los Libros, 2009
  407. PHILLIPS, F. J. Play. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.
  408. PIAGET, J. A formação do símbolo: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
  409. PIAGET, J. O juízo moral na criança. 2. ed. São Paulo: Summus, 1994. (ed. orig. 1932)
  410. PIAGET, J. e INHELDER, B. A função semiótica ou simbólica. In: ---. A psicologia da criança. Lisboa: Moraes, 1979.
  411. PIMENTEL, F. e RABELO, V. 268 jogos infantis. Belo Horizonte, Rio de Janeiro: Villa Rica, 1991.
  412. PISANO, J. C. Manual de juegos para jovenes y no tan jovenes. Buenos Aires: Bonum, 1990.
  413. POÇAS, I. M. Jogos estimulam a aprendizagem. Revista do professor, Porto Alegre, 8 (29): 23, jan./mar. 1992.
  414. POÇAS, I. M. Brincando se aprende: o fascínio dos jogos. Revista do professor, Porto Alegre, 9(33):19, jan./mar. 1993.
  415. PORTO, C. L. Brinquedo e brincadeira na brinquedoteca. In: KRAMER, S. e LEITE, M. I. (org.) Infância e produção cultural. Campinas: Papirus, 1998. P. 171-198.
  416. PORTO, M. B. e BORGES, J. D. Brincando com o tempo: um resgate divertido. Porto Alegre: Movimento Tradicionalista Gaúcho, 2003.
  417. PUIG, M. J. e TRILLA, J. A pedagogia do ócio. 2. edição. Porto Alegre: Artmed, 2004.
  418. RAMIREZ, J. L. R.; MARTINEZ, J. M. (coord.) Diversas miradas sobre el juego. México: Editorial Tierra Firme, 2000.
  419. RAMOS, J. R. S. Dinâmicas, brincadeiras e jogos educativos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
  420. RAMOS, T. El joc. Revista Infància: Revista de La Associación de Maestros Rosa Sensat, Barcelona, 127: 6-14, jul./ago. 2002
  421. RAMOS, T. El juego. Revista Infància: Revista de La Associación de Maestros Rosa Sensat, Barcelona, 77: 4-10, enero/feb. 2003.
  422. RECASENS, M. Como jogar com a linguagem. Lisboa: Plátano, s. d.
  423. REDIN, E. O espaço e o tempo da criança: se der tempo a gente brinca! Porto Alegre: Mediação, 1998. (Cadernos de Educação Infantil, v. 6)
  424. RETSCHITZKI, J. et al. Étude cognitive et genétique des styles de jeu et des stratégies des jouers d'awélé. Archives de Psychologie, Genéve, (54): 307-340, 1986.
  425. RIBEIRO, M. M. Saber brincar. Belo Horizonte: Dimensão, 1997.
  426. RICE, Chris e Melanie. As crianças na história: modos de vida em diferentes épocas e lugares. 2. Ed. São Paulo: Ática, 1999.
  427. RIGOL, P. N. El ocio y las edades: estilo de vida y oferta lúdica. Barcelona: Hacer, 1993.
  428. RIPOLL, Oriol; CURTO, Rosa María. Jogos de todo o mundo. São Paulo: Ciranda Cultural, 2011.
  429. RIPOLL, Orion; MARTÍN, Fracesc; CUXART, Bernadette. Como construir seus Brinquedos. São Paulo: Ciranda Cultural, 2009.
  430. RITSCHER, Penny; STACCIOLI, Gianfranco. Viure l’escola. Barcelona: Associació de Mestres Rosa Sensat, 2006. (Col.lecció “Temas d’infància, 54).
  431. RIZZO, G. Jogos inteligentes: a construção do raciocínio na escola natural. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1996.
  432. ROBLES, Alfredo López de Sosoaga López de. El juego: análises y revisión bibliográfica. Bilbao: Servicio Editorial de la Univesidade del País Vasco, [2003].
  433. ROCHA, Brasilda dos Santos. Brinkando com o corpo: técnicas de terapia corporal com crianças e adolescentes. 2. ed. São Paulo: Editora Arte e Ciência, 2005.
  434. ROCHA, Brasilda dos Santos. Brinkando na escola: o espaço escolar como criação e crescimento. São Paulo: Editora Arte e Ciência, 2003.
  435. ROCKWELL, R.; WILLIAMS, R.; SHERWOOD, E. Todos têm um corpo: ciências da cabeça aos pés. Lisboa: Instituto Piaget, s. d.
  436. RODARI, G. Gramática da fantasia. São Paulo: Summus, 1982.
  437. RODRIGUES, R. P. (org.) Brincalhão: uma brinquedoteca itinerante. Petrópolis: Vozes, 2000.
  438. RODULFO, R. O brincar e o significante: um estudo psicanalítico sobre a constituição precoce. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.
  439. ROLIM, L. C. Educação e lazer. São Paulo: Ática, 1989.
  440. ROSAMILHA, N. Psicologia do jogo e aprendizagem infantil. São Paulo: Pioneira, 1979.
  441. ROZA, E. S. E agora eu era o herói: o brincar na teoria psicanalítica. In: ROZA, E. S e REIS, E. S. Da análise da infância ao infantil na análise. Rio de Janeiro: Contracapa Livraria, 1997.
  442. ROZA, E. S. Um desafio às regras do jogo: o brincar como proposta de redefinição do tratamento da criança hospitalizada. In: ROZA, E. S e REIS, E. S. Da análise da infância ao infantil na análise. Rio de Janeiro: Contracapa Livraria, 1997.
  443. ROZA, E. S. Quando brincar é dizer: a experiência psicanalítica na infância. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 1999.
  444. ROZENTAL, Alicia. El juego, historia de chicos: función y eficácia del juego en la cura. Buenos Aires: Centro de Publicaciones Educativas y Material Didáctico, 2005.
  445. ROVATTI, Píer Aldo e ZOLETTO, David. La scuola dei giochi. Milano: Tascabili Bompiani, 2005.
  446. RUBIANO, M. R. B. Suportes ambientais e organização social de crianças em creche. 1990. Tese (Doutorado em Ciências - Psicologia) Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.
  447. RUBINSTEIN, E. Utilização do jogo e da brincadeira em psicopedagogia: uma abordagem clínica . Psicopedagogia, São Paulo, 10 (21): 15-19, jan./jul. 1991.
  448. RUÍZ, Jorge Fernando. Teoria de los juegos: su aplicación en la economía. México: El Colegio de México, 2002.
  449. KUSHKOFF, D. Um jogo chamado futuro: como a cultura dos garotos pode nos ensinar a sobreviver na era do caos. Rio de Janeiro: Revan, 1999.
  450. RUSSEL. B. O elogio ao ócio. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.
  451. SÁ, E. Psicologia dos pais e do brincar. 2. Ed. Lisboa: Fim de Século, 1995.
  452. SÁ, Neusa Maria Carlan. O lúdico na ciranda da vida adulta. Porto Alegre, UNISINOS, 2005. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale dos Sinos, 2005.
  453. SAGER, Fábio e SPERB, Tania M. O brincar e os brinquedos nos conflitos entre crianças. Psicologia: reflexão e crítica. Porto Alegre, v. 11, n.2, p. 309-326.
  454. SALIS, V. D. Ócio criador, trabalho e saúde. São Paulo: Editora Claridade, 2004.
  455. SÁNCHEZ-CUENCA, Ignacio. Teoría de juegos. 2. ed. rev. e ampl. Madrid: Centro de Investigaciones Sociológicas, 2009.  (Cuadernos Metodológicos, 34)
  456. SANTA ROSA, N. S. Brinquedos e brincadeiras. São Paulo: Moderna, 2001. (Coleção Artes e Raízes)
  457. SANTIN, S. Educação física: da alegria do lúdico à opressão do rendimento. 3a. ed. rev.e ampl. Porto Alegre: EST Edições, 2001.
  458. SANTIN, S. Temas malditos. Porto Alegre: EST Edições, 2002.
  459. SANTOS, Elder Cerqueira. Um estudo sobre a brincadeira entre crianças em situação de rua. Porto Alegre: UFRGS, 2004. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004.
  460. SANTOS, V. L. B. Brincadeira e conhecimento: do faz-de-conta à representação teatral. Porto Alegre: Mediação, 2002. (Coleção Educação e Arte, 1)
  461. SANTOS, S. M. P. (org.) O lúdico na formação do educador. Petrópolis: Vozes, 1997.
  462. SANTOS, S. M. P. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis: Vozes, 1997.
  463. SANTOS, S. M. P. Brinquedoteca: sucata vira brinquedo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
  464. SANTOS, S. M. P. Brinquedo e infância: um guia para pais e educadores em creches. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.
  465. SANTOS, S. M. P. O brincar na escola: metodologia lúdico-vivencial, coletânea de jogos, brinquedos e dinâmicas. Petrópolis (RJ): Vozes, 2010.
  466. SANTOS, A. Aspectos psicopedagógicos da atividade lúdica. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, 1991. (Cadernos IAC, 3)
  467. SANTOS, L.; JORGE, A.; ANTUNES, I. (ed.) Comentários à carta da criança hospitalizada. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, 2000.
  468. SARLÉ, Patrícia M. Juego y aprendizaje escolar : los rasgos del juego en la educación infantil. Buenos Aires: Ediciones Novedades Educativas, 2001.
  469. SARLÉ, Patricia; ROSAS, Ricardo. Juegos de construcción y construcción del conocimiento. Buenos Aires: Miño y Dávila srl, 2005.
  470. SARLÉ, Patrícia M. Enseñar el juego y jugar la enseñanza. Buenos Aires: Paidós, 2006.
  471. SARLÉ, Patricia M. (coord.) Enseñar en clave de juego: enlazando juegos y contenidos. 1. reimpr. Buenos Ares: Centro de Publicaciones Educativas y Material Didáctico, 2010.
  472. SARLÉ, Patricia M. (coord.). Lo importante es jugar…Cómo entra el juego en la escuela. Buenos Aires: Homo Sapiens Ediciones, 2010.
  473. SAUTOT, Jean-Pierre. Jouer à l’école : socialisation, culture, apprentissages. Grenoble : CRDP de l’académie de Grenoble, 2006.
  474. SCHEINES, G. Juegos inocentes, juegos terribles. Buenos Aires: Editorial Universitária de Buenos Aires, 1998.
  475. SCHILLER, Pam e ROSSANO, Joan. 100 coisas maravilhosas para manter as crianças ocupadas e diverti-las. São Paulo: Paulus, 1997.
  476. SCHILLER, Pam e ROSSANO, Joan. Ensinar e aprender brincando: mais de 750 atividades para a educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2008.
  477. SCHWARTZMAN, G. M. Dinâmica lúdica: novos olhares. Barueri: Manole, 2004.
  478. SCHWARTZMAN, Helen B. Transformations: the antropology of children's play. New York, Plenum, 1978.
  479. SEGAL, Hanna. Sonho, fantasia e arte. Rio de Janeiro: Imago, 1993.
  480. SHERIDAN, M. D. Brincadeiras espontâneas na primeira infância: do nascimento aos seis anos. São Paulo: Manole, 1990.
  481. SILVA, D. N. H. Como brincam as crianças surdas. São Paulo: Plexus Editora, 2002.
  482. SILVA, M. A.; GARCIA, M. A. L; FERRARI, S. M. Memória e brincadeiras na cidade de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. São Paulo: Cortez; CENPEC, 1989.
  483. SIMPÓSIO RPG E EDUCAÇÃO,1., 2002, São Paulo. Anais. São Paulo: Ludus Culturallis; Devir Livraria, 2002.
  484. SINGER, Dorothy G. e SINGER, Jerome. Imaginação e jogos na era eletrônica. Porto Alegre: Artmed, 2007.
  485. SINKER, M. e outros. Children’s concept of play. Sweden: WRP International (Women Researchers in Play and Disability), 1993.
  486. SLADE, P. O jogo dramático infantil. São Paulo: Summus, 1978.
  487. SMITH, Peter K. O brincar e os usos do brincar. In: MOYLES, Janet (org.). A excelência do brincar. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 25-38.
  488. SNYDERS, Georges. A escola pode ensinar as alegrias da música? 3. ed. São Paulo: Cortez Editora, 1997. © 1991.
  489. SOLÉ, Maria de Borja i. El juego infantil (organización de las ludotecas). Barcelona: Oikos-tau, 1980.
  490. SOLÉ, Maria de Borja i. El joc, eina pedagógica a Catalunya. 2. ed. Barcelona: Colleció Nadal, [s. d]
  491. SOLÉ, Maria de Borja i. Les ludoteques: joguines i societat. Barcelona: Rosa Sensat, 1982. (Estudis, 62).
  492. SOLÉ, Maria de Borja i e GRAS, Montserrat Fortune i. El sexisme a les joguines. Barcelona: Instituto Català de la Dona, 1993.
  493. SOLÉ, Maria de Borja e MARTÍNEZ, Mireia Martín. La intervención educativa a partir del juego: participación y resolución de conflictos. Barcelona: Publicacions i Edicions Universitat de Barcelona, 2007. (Textos docents, 335)
  494. SOTO, Claudia; VIOLANTE, Rosa. Pedagogía de la crianza: un campo teórico en construcción. Buenos Aires: Paidós, 2008.
  495. SOUZA, R. P. (coord.) Brinquedos. In: ---. Nossos filhos: a eterna preocupação. Porto Alegre: Globo, 1978.
  496. SPERO, James (ed.). Collectible toys and games of Twenties and Thirties from Sears, Roebuck and Co. Catalogs. Mineola, N.Y.: Dover Publications, Inc., 1988.
  497. STACCIOLI, Gianfranco. Il gioco e il giocare. Roma: Carocci, 1998.
  498. STACCIOLI, Gianfranco. Culture in gioco: attività ludiche per l’apprendimento. Roma: Carocci Faber, 2004.
  499. STACCIOLI, Gianfranco. I giochi che fanno crescer: analise e proposte di giochi di pedine per uma didattica ludica. Pisa: Edizioni ETS, 2009.
  500. STAREPRAVO, Ana Ruth. Jogos para ensinar e aprender matemática. Curitiba: Coração Brasil Editora, 2006.
  501. STAREPRAVO, Ana Ruth. Jogando com a matemática: números e operações. Curitiba: Aymará, 2009.
  502. STEINBERG, S. e KINCHELOE, J. (org.) Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
  503. STEVENS, J. Tornar-se presente: experimentos de crescimento em gestalt- terapia. São Paulo: Summus, 1977.
  504. STOPPA, E. A. Acampamento de férias. Campinas: Papirus, 1999.
  505. SPODEK, B. e SARACHO, O. N. A aprendizagem por meio da brincadeira. Ensinando crianças de três a oito anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. P. 209-229.
  506. SUTTON-SMITH, Brian. The ambiguity of play. Cambridge: Harvard University Press, 1997.
  507. TANDÉN Didáctica de la Educación Física. Barcelona: Editorial Graó, v.10, enero-marzo 2003. Tema do fascículo: El placer de jugar, el placer de educar.
  508. TAVARES, R. M. M. Brinquedos e brincadeiras: patrimônio cultural da humanidade. Campinas: Pontes, UNESCO, 2004.
  509. TERR, L. El juego: por qué los adultos necesitan jugar. Barcelona: Paidós, 2000.
  510. TOCA, Manuel Gutiérrez. Juegos ecológicos con piedras y palos. Barcelona: Inde, 2004.
  511. TODD, Lubart. Psicologia da criatividade. Porto Alegre: Artmed, 2007.
  512. TONUCCI, Francesco. La ciudad de los niños: un modo nuevo de pensar la ciudad. Buenos Aires: Losada, 2007. © 1997.
  513. TOSA, M. Effetto bambola: storia, técnica, collezionismo. 2. ed. Milano: Idealibri, 1992.
  514. TOSA, M. Bambole: la collezioni. Milano: Frabri Rizzoli Grande Opera, 1993.
  515. TOSA, Marco. Barbie: i mille volti di um mito. Milano: Mondatori, 1997.
  516. TRILLA, Jaume. A pedagogía da felicidade: superando a escola entediante. Porto Alegre: Artmed, 2006.
  517. UNESCO. El niño y el juego: planteamientos teóricos y aplicaciones pedagógicas. Paris, 1980. (Estudios y documentos de educación, 34 )
  518. VALLARDI, A. Guide Miller di antiquariato: Bambole. Hong Kong: Garzanti Editore, 1993.
  519. VANNI, Carlos Felício e MARCHEZI, Suely R. Psicogênese das regras do jogo. Estudos cognitivos, Araraquara, UNESP - FFCL, Araraquara, 1 (2) dez. 1976.
  520. VALENTIM, M. G.; BOMTEMPO, E. Representação das bonecas Barbie em meninas de 6-8 anos de diferentes estratos sociais: um estudo preliminar. Boletim de Psicologia, XLIX (110), 1999, p. 39-52.
  521. VALEROS, J. El jugar del analista. Buenos Aires: Fondo de Cultura Economica, 1997. (Colección de Psicologia)
  522. VASCONCELLOS, V. M. R. Casinha de boneca: espaço coletivo como ambiente de desenvolvimento infantil. P. 221-228 [s.d.t.]
  523. VASCONCELOS, Paulo A. C. O jogo e Piaget.  São Paulo : Editora Didática Suplegraf, 2003.
  524. VENÂNCIO, Silvana e FREIRE, João Batista (org.). O jogo dentro e fora da escola. Campinas : Autores Associados, 2005.
  525. VIAL, J. Jeu et éducation: les ludothèques. Paris: Presses Universitaires de France, 1981.
  526. VICTORIA, L. A. Dicionário básico de mitologia: Grécia, Roma, Egito. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000.
  527. VIEIRA, A. G. O brinquedo simbólico como narrativa. Porto Alegre: Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento - Instituto de Psicologia - UFRGS, 1997.
  528. VILA, L. Ecojuegos: actividades recreativas y educativas con la ecología. Buenos Aires: Bonum, 2001.
  529. VILLA, G. e MÜLLER, M. Manual de juegos: para los más pequeños (de 6 meses a 6 anos). Buenos Aires: Bonum, 1986.
  530. VITELLESCHI, S. G. Aprender jugando desde las actitudes sociales. Buenos Aires: Bonum, 1993.
  531. VITELLESCHI, S. G. Aprender jugando con la naturaleza. Buenos Aires: Bonum, 2001.
  532. VILLA, Roberto Secades e CANAL, Ana Villa. El juego patológico: prevención, evaluación y tratamiento en la adolescencia. Madrid: Pirámide, 1998.
  533. VISALBERGHI, Aldo. Esperienza e valutazione. 2. Ed. Firenze: La Nuova Italia, 1966.
  534. VOLODARSKI, Graciela. Nivel inicial juego-trabajo en red: ideas y propuestas renovadoras para aplicar en la sala. Buenos Aires: La Crujía; Editorial Stella, 2006.
  535. VON FRANZ, Marie-Louise. A sombra e o mal nos contos de fadas. São Paulo: Paulus, 1985.
  536. VYGOTSKY, L. S. O papel do brinquedo no desenvolvimento. In: ---. A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991. p. 105-118
  537. WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. São Paulo: Cortez, 1995. (Coleção Questões da Nossa Época, v.48)
  538. WAICHMAN, P. Tempo livre e recreação. São Paulo: Papirus, 1997.
  539. WASSERMANN, S. Brincadeiras sérias na escola primária. Lisboa: Instituto Piaget, s.d.
  540. WATTS, Alan. La vida como juego. Barcelona: Kairós, 1994.
  541. WIERTSEMA, H. Cem jogos de movimento. Porto: Edições Asa, 1999. (coleção Práticas Pedagógicas)
  542. WILLIANS, A. Temas proibidos: ações estratégicas para grupos. São Paulo: Agora, 1998.
  543. WINNICOTT, D. W. A criança e o seu mundo. 6. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.
  544. WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.
  545. YOZO, R. Y. 100 jogos para grupos. São Paulo: Ágora, 1996.
  546. ZASLAVSKY, C. Jogos e atividades matemáticas do mundo inteiro: diversão multicultural para idades de 8 a 12 anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
  547. ZASLAVSKY, C. Mais jogos e atividades matemáticas do mundo inteiro: diversão multicultural para a partir dos 9 anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 2009.
  548. ZINGALE, Salvatore. Gioco, dialogo, design: uma ricerca semiotica. Milano: ATì Editore, 2009.
  549. ZOLETTO, Davide. Il gioco duro dell’integrazione: l’intercultura sui campi da gioco. Milano: Rafaello Cortina Editore, 2010.
  550. ZULLIGER, Hans. Fundamentos de psicoterapia infantil: un enfoque práctico. 2. ed. Madrid: Ediciones Morata, 1981.