Ditadura argentina foi tema do Cine-Debate

Psicólogo falou sobre os direitos humanos e a ditadura militar argentina - Greice Gomes

O cine-debate foi uma das atividades diárias da Semana Acadêmica do DAECA. Nesta sexta-feira, 7 de outubro, o psicólogo e doutor em Educação Alfredo Jerusalinsky foi o palestrante convidado a comentar o filme argentino “O segredos de seus olhos”. Após a exibição do filme, foi aberto o debate sobre a ditadura militar argentina e direitos humanos.

Com a voz embargada, Jerusalinsky, que vivenciou de perto a ditadura, desabafou: “ingenuidade minha pensar que poderia falar com tranqüilidade sobre esse assunto”. Após relatar os crimes cometidos durante esse período, o professor destacou que “uma ditadura não é uma questão meramente política: ela interrompe a vida”.

Entre 1976 e 1983, a Argentina passou pelas mãos de vários presidentes militares. Nesse período, retratado pelo filme, Jerusalinsky ressalta que as primeiras preocupações dos ditadores eram elencar as palavras que não podiam ser pronunciadas, identificar as pessoas que não poderiam existir e evitar os acontecimentos contrários ao regime. Dessa forma, salienta o psicólogo, a ditadura conseguiu aumentar ainda mais a sensação de responsabilidade das pessoas com os outros. “Quando o discurso social esquece esse laço fundamental, torna-se um discurso brutal. Foi o aconteceu na ditadura”.

Com a chegada de Raúl Alfonsín ao poder, encerra-se oficialmente a ditadura militar no país. No entanto, conforme o professor, o presidente foi pressionado pelos setores militares a aprovar leis que, na prática, davam continuidade ao regime. Era o caso da lei do Ponto Final, que liberava os torturadores de condenações, e a lei da Obediência Devida, que isentava os torturadores da culpa pelos seus crimes, já que teriam praticado esses crimes por ordens superiores.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Notícias Relacionadas