Você está aqui: Página Inicial

Genômica evolutiva e parasitismo

Trabalhamos numa área de sobreposição entre a biologia molecular, genética, bioinformática e evolução biológica.


Doenças da abelha mandaçaia

Abelhas são importantes polinizadores, e essenciais para a manutenção da integridade dos ecossistemas. Além disso, elas contribuem para aumentar a produção agrícola. A mandaçaia (Melipona quadrifasciata) é uma abelha sem ferrão nativa do Brasil, que está desaparecendo do seu ambiente natural. Utilizamos sequenciamento em larga escala para estudar a dinâmica populacional da espécie, como parte de uma iniciativa de conservação e prevenção de doenças. Nós descobrimos, em colaboração com a PUC/RS e a Faculdade de Veterinária da UFRGS, que uma doença que acomete essas abelhas anualmente pode estar sendo causada por um vírus. Estamos investigando como seria possível melhorar o manejo desta abelha sem ferrão através da meliponicultura utilizando os conhecimentos da genômica.

Genômica evolutiva de microsporídios

Microsporídios são microrganismos parasíticos que causam doenças em abelhas e outros animais, cuja biologia ainda é pouco conhecida. São difíceis de isolar, o que dificulta o seu estudo. Por não possuírem mitocôndrias, acreditava-se que eles representariam um ramo evolutivo dos eucariotos que antecedeu o evento endosimbiótico que originou esta organela celular. Em colaboração com o Illinois Institute of Technology (EUA) e o Zoological Institute, Basel University (Suiça) estamos utilizando o sequenciamento em larga escala para montar os genomas de diversas espécies. Assim, descobrimos que na verdade os microsporídios são fungos muito primitivos, os quais perderam as mitocôndrias ao longo do processo evolutivo. Para que ter mitocôndrias se você pode roubar ATP da célula do seu hospedeiro?

 

Melipona

Vista lateral da abelha mandaçaia M. quadrifasciata

Foto de Lucas Kehl