Linhas de Pesquisa

Pedagogia Teatral

Essa linha de pesquisa compreende a Pedagogia Teatral não só como um campo de investigação, mas como um movimento discursivo, como uma prática inserida em nosso meio que visa a generalizar o trabalho teatral, antes restrito ao âmbito profissional, a diferentes e crescentes espaços e tempos da vida contemporânea. É por essa razão que as pesquisa aqui empreendidas pretendem uma visão "por dentro" dos fenômenos da criação, justamente para investigar o estatuto pedagógico do teatro, entendendo o termo "pedagógico" como inerente ao ato mesmo de criação teatral. Trata-se assim de escapar das compreensões que reduzem a Pedagogia Teatral a uma aplicação do teatro a contextos "não teatrais". Trata-se de evitar uma tendência de pedagogização ou didatização do teatro, mas compreendê-lo na sua dimensão poiética, criativa, potente, construtora. Portanto, compreende-lo na sua dimensão discursiva. Com o intuito de desfazer e refazer os conceitos que temos sobre Pedagogia Teatral, essa linha de pesquisa estuda a Pedagogia do Ator, especialmente os textos mais conhecidos do século XX e, em particular, os textos prescritivos para o ator do diretor russo Constantin Stanislavski e do diretor italiano, radicado na Dinamarca, Eugenio Barba. Da mesma forma, procura desfazer a ideia da entrada do teatro na Escola de educação básica como um movimento necessário e natural e, por isso, investigamos propostas e projetos pedagógicos a partir de suas funções e práticas. Nesse caminho usa-se os aportes teóricos do filósofo francês Michel Foucault ao compreender como discursivas as práticas contemporâneas que colocam no centro dos processos de subjetivação, nomeados como promessas de transformação do humano, as práticas teatrais. As ligações entre filosofia e antropologia com o teatro aparecem nessa linha de pesquisa como ferramenta e processo de estranhamento por intermédio do qual procura-se, uma vez mais, repensar a Pedagogia Teatral nas suas idiossincrasias e, sobretudo, nas suas contradições.


Estudos da Presença

Os Estudos da Presença não configuram uma disciplina estabelecida, fixa e desenhada por intermédio de objetos e objetivos comuns. Tais investigações não consolidam um campo preciso, mas visam somente a articular um conjunto de conhecimentos e saberes capazes de embasar pesquisas nos Estudos Teatrais e, em especial, na Pedagogia Teatral. Eles são a pesquisa dos modos particulares e culturalmente constituídos de chamar a atenção do público num comportamento espetacular organizado ou numa prática cotidiana não sistemática. Essa abordagem teórico-metodológica emprega instrumentos e concepções diversas para pensar os fenômenos da presença física como experiência humana de estar aí nas suas dimensões singulares e culturais. A partir dessa perspectiva, procura alargar a ideia de presença para pensá-la como vontade de presença, problematizando a interpretação e, portanto, o significado, como modo único de apropriação do mundo. Essa linha de pesquisa procura relacionar teorias e práticas distintas como a filosofia de Hans Ulrich Gumbrecht, a Etnocenologia, os Estudos da Performance, a Antropologia Teatral e os estudos foucaultianos.