Resumos - 2005 a 2006
Início
Assuntos
Autores
Orientadores
Títulos
Universidades
3735
Ano 2005
IES PUC/SP
Programa COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA

Titulo

Estética, Pragmatismo & Semiótica: bases para uma filosofia da arte pierceana.
Resumo A Tese é uma reflexão sobre a obra de arte, baseando-nos em Charles Sanders Peirce. Buscamos aplicar os conceitos extraídos da sua Fenomenologia, Estética, Semiótica, e Pragmatismo, para a construção dos fundamentos de um modelo teórico sobre arte, não desenvolvido pelo próprio autor, mas que se encontra potencialmente na sua vasta obra.Fundamentamo-nos, principalmente, nos textos do próprio autor, sobre esses quatro campos teóricos. E em especial, buscando um caminho de pesquisa traçado por Santaella (1994a; 1992), e já desenvolvido por nós em Dissertação anterior, naquilo que o autor postula como o crescimento da Razoabilidade: um processo gradual que envolve a realização de idéias na consciência dos homens e em suas obras, e que ocorre graças à capacidade humana de aprendizado através da experiência. O que seria essa Razoabilidade da arte exatamente, e como ocorreria? Encontramos nas disciplinas citadas e no método pragmático, de Peirce, uma trama conceitual capaz de oferecer uma tentativa de resposta a essas e outras perguntas – as quais ficaram merecendo, de nossa parte, anteriormente, um maior tempo de e tudo. Tais como: a Qualidade estética, o Prazer estético, o Objeto estético, e a relação da arte com o conhecimento e a conduta. Questionamentos que compõem uma Filosofia da Arte implícita nos texto do autor. Nos três capítulos da Tese, a seguir, procuramos tornar isso evidente. Na fenomenologia da Arte a questão da natureza da obra artística ganha corpo através de uma discussão sobre o papel das qualidades, o sentimento, a sensação, e a cognição na experiência estética.Na semiótica da Arte discute-se a relação do signo artístico com o objetivo que aparece através desse signo, como uma representação. O lugar da obra artística na formação e transmissão de idéias, as quais podemos perceber numa obra, é apresentado, numa aplicação a algumas pinturas, pondo em relevo o seu caráter sígnico-comunicativo. O julgamento, de acordo com uma Filosofia do Criticismo. Na pragmática da Arte mostramos, através de uma análise dos interpretantes do signo, ou os seus efeitos significados, como a função dos signos, segundo Peirce é comunicar idéias. A maneira como a obra de arte pode participar do processo de crescimento da Razoabilidade é cumprindo com essa função. Esse ponto representa nossa maior contribuição para a área de pesquisa Signo e Significação nas mídias, em que se insere o trabalho.
Autor MARQUES, Lauro José Maia
Orientador BRAGA, Maria Lucia Santaella
Nivel D
Palavra chave Estética,  Semiótica,  Artes,  Filosofia,  Signos