ANÁLISE DO SEDIMENTO URINÁRIO

 

IMPORTÂNCIA

O exame microscópico do sedimento urinário é um componente clinicamente importante da urinálise. Achados físicos e químicos anormais demandam uma avaliação cuidadosa do sedimento.

Uma avaliação apropriada do sedimento urinário inclui a identificação das células (ex. eritrócitos, leucócitos, células epiteliais), cilindros, microorganismos, e cristais. Para evitar que certos elementos (como cilindros, eritrócitos e leucócitos) se depositem no fundo do copo de coleta, todas as amostras de urina devem ser bem homogeneizadas antes da centrifugação.

O sedimento urinário normal de cães e gatos contém poucos elementos (células, cilindros, bactérias, ou cristais). Um leve aumento do número de eritrócitos e leucócitos é esperado e considerado normal quando a amostra é colhida através de micção natural ou por cateterização. Além disso, o sedimento também é afetado pela densidade urinária. Por exemplo, 10 eritrócitos por campo de maior aumento (400x) em uma urina com densidade de 1,014 pode ser comparada com 20 a 30 eritrócitos/ campo (400x) de uma urina com densidade de 1,050.

Existem vários fatores físicos e químicos que podem afetar a morfologia dos elementos do sedimento urinário. Por exemplo, uma urina concentrada em geral apresenta células crenadas; uma urina diluída em geral causa lise das células; em urinas muito alcalinas, eritrócitos, leucócitos e cilindros podem sofrer lise; e toxinas bacterianas também podem afetar os elementos do sedimento.

Algumas variáveis técnicas também desempenham papel importante na acurácia deste exame, como o volume da amostra centrifugada, a velocidade e duração da centrifugação, e quanto tempo até a realização do exame desde que a amostra foi coletada (quanto mais longo for o tempo de espera, maiores são as chances de alterações morfológicas no sedimento).

 

TÉCNICA - O exame de sedimento é da seguinte forma no LACVet:

  • Colocar 5 a 10 mL da amostra de urina em tubo cônico.

  • Centrifugar por 5 a 10 min (1000 a 1500 rpm).

  • Desprezar o sobrenadante, deixando apenas 0,5 mL a 1 mL no tubo.

  • Ressuspender o sedimento.

  • Depositar duas gotas do sedimento em uma lâmina (separadamente).

  • Colocar, em seguida, uma lamínula sobre a primeira gota para observação do sedimento a fresco não-corado.

  • Depositar uma gota do corante urinário (STERNHEIMER-MALBIN) sobre a outra gota do sedimento, homogeneizar e cobrir com lamínula para observação do sedimento urinário corado.

  • A observação do sedimento é realizada ao microscópio, com baixa intensidade de luz, utilizando primeiramente um menor aumento (100x) e depois a um maior aumento (400x).

 

No exame de sedimento são observados: células de descamação (renais, pelve, vesicais, uretrais e vaginais), hemácias, leucócitos, cilindros (hialinos, leucocitários e granulosos), cristais, bactérias, muco e espermatozóides.

Os cristais e cilindros são identificados e quantificados por campo de menor aumento (100x). A quantificação das células de descamação é feita por números por campo de maior aumento (400x) e o restante por cruzes (+,++,+++) por campo (400x).

Obs: O volume mínimo da amostra deve ser de 5 mL para garantir a qualidade do exame, principalmente para a análise do sedimento urinário.

VALORES DE REFERÊNCIA

CANINOS FELINOS
Cilindros /campo de (100x) 
Hialinos
0 a 2 0 a 2
Granulosos
0 a 1 0 a 1
Celulares
0 0
Céreos
0 0
Leucócitos /campo (400x)
Micção natural
< 10 < 10
Cateterização
< 5 < 5
Cistocentese
< 3 < 3
Eritrócitos /campo de (400x)
Micção natural
< 10 < 10
Cateterização
< 5 < 5
Cistocentese
< 3 < 3
Células epiteliais 
Tipo
Escamosa de transição Escamosa de transição
Agrupadas
Não Não
Tamanho
Variável Variável
Cristais 
Tipo
Variável Variável
Número (0, 1+, 2+, 3+)
Variável Variável
Bactérias 
Tipo (cocos, bastonetes)
Nenhum Nenhum
Número (0, 1+, 2+, 3+)
Nenhum Nenhum
 

* Até 50 eritrócitos podem estar presentes em amostras colhidas por cateterização ou cistocentese devido ao trauma da sonda ou agulha. ** Cristais de estruvita e oxalato de cálcio podem ser encontrados em urinas de animais normais. Uratos podem ser encontrados em amostras de cães da raça Dálmata. Cristais de cistina são sempre anormais. *** A presença de bactérias não é normal na urina de cães e gatos, entretanto uma pequena quantidade pode contaminar amostras colhidas através de micção natural ou cateterização. Tais microorganismos podem proliferar se a amostra é deixada à temperatura ambiente por algum tempo.

 

REFERÊNCIAS

CHEW, D.J & DIBARTOLA, S.P. Interpretation of Canine and Feline Urinalysis. St Louis: Ralston Purina Company, 1998.

 

Figura 1 e 2. Exame do sedimento urinário a fresco em lâmina de microscopia (com e sem corante).