Você está aqui: Página Inicial Parceiros

Parceiros

O Laboratório de Estudos da Antiguidade Oriental (LEAO) busca o diálogo com diferentes especialistas no cenário acadêmico brasileiro e internacional e tem como parceiros os seguintes pesquisadores e grupos de pesquisa:

College of Archaeology of Mosul University - Iraq

The University of Mosul, established in 1967, is a public university and one of the largest educational and research centers in the Middle East and the second largest in Iraq. The University offers accredited Bachelor's, Master's, and Doctorate degrees in more than 100 scientific specializations.

The importance of the development of the college  means the Archaeology of the civilization of wadi Alrafdeen has adopted the University of Mosul this experience to be the first in Iraq after that the establishment of the college of Archaeology at the University of Mosul in the academic year 2008 - 2009, the aim of preparing scientific group specialized in the field of labor Archaeological all divisions and branches. The total included the first three scientific departments, including the Department of Archaeology and the second section inscriptions and ancient languages ​​Iraqi and civilization Department.

Coordenação: Prof. Dr. Ali Aljuboori - Decano do Colégio de Arqueologia da Universidade de Mossul e atua como conselheiro sênior de patrimônio cultural para o Iraque com ASOR CHI.

Publicações:

ALJUBOORI, Ali. A Reflection on Three Years of Occupation by ISIL. ASOR, 2017.

ALJUBOORI, Ali. Recently Discovered Neo-Assyrian Royal Inscriptions from the Review Palace and Nergal Gate of Nineveh. The British Institute for the Study of Iraq, 2017.

Laboratório de Estudos sobre a Cerâmica Antiga – LECA/UFPel

O Laboratório de Estudos sobre a Cerâmica Antiga (LECA), criado no final de 2011, visa aprofundar e difundir pesquisas sobre a cerâmica antiga a partir de abordagens de estudo distintas e complementares, como por exemplo, estilísticas, formais, técnicas, tipológicas e iconográficas. A equipe do LECA é integrada por pesquisadores, professores, alunos e técnicos que desenvolvem estudos sobre a cerâmica antiga enquanto documento material para o conhecimento das sociedades antigas por meio das diferentes linhas de pesquisa contempladas pelo projeto temático do laboratório.

Coordenação: Prof. Dr. Fábio Vergara Cerqueira

Cátedra UNESCO Archai: as origens do pensamento ocidental – Archai/UnB

Com a intenção de uma correta compreensão do processo de formação da filosofia e do pensamento ocidental em suas origens, o problema que orienta a pesquisa da Cátedra UNESCO Archai é de ordem historiográfica e nasce do mal-estar experimentado diante de uma historiografia de cunho excessivamente racionalista que pensa a filosofia como saber, de alguma forma, estanque, independente de seu contexto, de maneira especial em seu período formativo.

A proposta de trabalho historiográfico-filosófico da Cátedra UNESCO Archai: as origens do pensamento ocidental tem como intenção, portanto, lançar um diferente olhar na história e nas origens do pensamento ocidental, em busca de novos caminhos de interpretação que permitam compreender as origens da filosofia como um processo enraizado no solo da cultura grega antiga, em contraposição às lectiones maiores de uma historiografia filosófica racionalista que pensa a filosofia antiga como algo “outro” ou “contrário” ao complexo e variado mundo da sophía e da cultura antiga em geral.

A questão se torna relevante em virtude das conseqüências que a “narrativa” sobre as origens do pensamento ocidental acarreta na compreensão da própria epistême ocidental. A ciência ocidental lança mão, genealogicamente e, às vezes, quase que etiologicamente, na tentativa de justificar sua pretensão de verdade absoluta e universal, de um mito das origens que está fundamentado numa visão demasiadamente racionalista e asséptica da filosofia clássica em suas origens.

Coordenação: Prof. Dr. Gabriele Cornelli

Grupo de estudos e pesquisas sobre Antiguidade Clássica e suas conexões Afro-Asiáticas – Heródoto/UNIFESP

Grupo de pesquisa dividido em três linhas de pesquisa:

- A Grécia Antiga e suas conexões

- Roma, África e Ásia: contatos

- História da história da África

Coordenação: Prof. Dr. Glaydson José da Silva

Grupo de Estudos sobre o Mundo Antigo Mediterrânico – GEMAM/UFSM

No âmbito da pesquisa acadêmica, o grupo se dedica aos temas ligados à Antiguidade Clássica e Oriental e ao período de transição da Antiguidade para o Medievo (Antiguidade Tardia). Visa, no entanto, discutir, especialmente, temas ligados às construções identitárias e aos processos de integração na Antiguidade Mediterrânica, repensando, desta forma, tais períodos na perspectiva da existência de outras Antiguidades. Tal proposta significa buscar novos olhares histórico-antropológicos para diferentes sociedades antigas em contato e troca, almejando perceber construções de identidades/alteridades em fronteiras culturais.

Coordenação: Profa. Dra. Semíramis Corsi Silva

Núcleo de Estudos da Antiguidade – NEA/UERJ

Centro de pesquisa histórica que reúne pesquisadores de diferentes áreas de saber em Antiguidade, tem como objetivo estabelecer  o dialogo e a interação  entre  as universidades com pesquisas em sociedades antigas de forma a demonstrar a efetiva possibilidade de realização de estudos sobre História Antiga no Brasil assim como reafirmar o  compromisso com a democratização do saber produzido na academia.

Coordenação: Profa. Dra. Maria Regina Cândido

Centro de Humanidades – CHAM/UNL

O CHAM — Centro de Humanidades é uma unidade de investigação inter-universitária vinculada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e à Universidade dos Açores, financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e classificada com “Excelente” no último exercício de Avaliação e de Financiamento das Unidades de I&D (2013-2014).

Em Setembro de 2013, o CHAM passou a integrar investigadores provenientes das seguintes unidades de investigação: do antigo Centro de História de Além-Mar, do Centro de História da Cultura (CHC), do Centro de Estudos Históricos (CEH) e do Instituto Oriental (IO), convertendo-se num dos maiores centros de investigação portugueses na área da História.

As “fronteiras” são o tema central do projecto estratégico do CHAM para o período de 2015 a 2020. Assente numa sólida base historiográfica, este projecto multidisciplinar irá estudar a fronteira enquanto linha que separou, ao longo da história, uma pluralidade de sociedades e de culturas mas, também, enquanto uma construção social e cultural que promoveu a comunicação e a interacção. Este tema central organiza-se em torno de três problemas estruturantes: a fronteira como uma divisão espacial; a fronteira como uma demarcação intelectual; e a fronteira e a construção de identidades.

Coordenação: Prof. Dr. Francisco José Gomes Caramelo

Laboratório de História Antiga – LHIA/UFRJ

O Laboratório de História Antiga (LHIA) é uma unidade de pesquisa-ensino-extensão ligada ao Departamento de História da UFRJ, legalmente formalizada em 1993. O LHIA visa desenvolver a pesquisa, o ensino e a divulgação do conhecimento em História da Antigüidade Clássica através de um centro de estudo especializado na UFRJ. Produzir conhecimento em História Antiga Clássica, dialogar com os pesquisadores da área das Ciências Humanas e difundir o estudo da Antigüidade são as metas do LHIA, um grupo de especialistas em História Antiga comprometido com a sociedade atual. O LHIA congrega alunos da Graduação e da Pós-Graduação, professores do Setor de História Antiga da UFRJ e pesquisadores de outras instituições que colaboram nas suas múltiplas atividades. Sua filosofia de trabalho está fundamentada em três princípios: equipe, integração ensino/pesquisa e interdisciplinaridade.

Coordenação: Profa. Dra. Marta Mega

Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos - SBEC

A Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos, fundada em 13 de julho de 1985, é uma entidade civil, de caráter científico-cultural, autônoma, sem fins lucrativos, que congrega instituições, profissionais e estudiosos do Brasil e do Exterior, além de outros interessados nas culturas da Antiguidade e em outras culturas com elas relacionadas. A Sociedade mantém, igualmente, uma página no Facebook e está vinculada ao Grupo InfoClassicas, que aborda temas relacionados aos Estudos Clássicos e divulga diversas informações de interesse dos classicistas do Brasil e do Exterior. Além disso, mantém contatos constantes com instituições congêneres do exterior para realização de eventos conjuntos e intercâmbio de publicações. É filiada à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e à Fédération Internationale des Associations d'Études Classiques (FIEC).

Coordenação: Profa. Filomena Yoshie Hirata - Universidade de São Paulo, USP

Centro de Estudos Interdisciplinares da Antiguidade (CEIA-UFF)

O Centro de Estudos Interdisciplinares da Antiguidade (CEIA), fundado em 1998, é um grupo de pesquisa / núcleo de estudo interdepartamental, reunindo professores, alunos e pesquisadores do Departamento de História e do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da UFF (ou seja, possui uma vinculação bidepartamental), e também de outras universidades do Grande Rio e de outros estados. Sua sede é a sala 310 do bloco C do Campus do Gragoatá da UFF (Niterói, RJ). Com o intuito de proporcionar uma formação integrada e o intercâmbio de pesquisadores, constituíram-se grupos de estudo e núcleos, abertos a todos os interessados, e reunidos em torno de diferentes temáticas tendo como horizonte o estudo do mundo antigo. No momento estão em atividade o “Nauis” de Estudos de História do Cristianismo (NEHC), o Grupo de Estudos Kemet: História e Arqueologia do Egito Antigo (GEKEMET), o Grupo de Estudos de História Militar (GEHM), CONCINNITAS (Grupo de Estudos de Tradução, Texto e Literatura Latina), o GEHJA (Grupo de Estudos de História do Japão Antigo), o GECOM (Grupo de Estudos de Comédia Antiga) e o Grupo de Estudos sobre Mitologia Comparada (MYTHOS). Desejamos deixar registrada aqui a nossa eterna homenagem ao Prof. Dr. CIRO FLAMARION SANTANA CARDOSO (in memoriam), um dos fundadores do laboratório, seu coordenador pela História e líder deste grupo de pesquisa do início até o seu falecimento, nosso patrono.

CirceA - Círculo de Estudos da Antiguidade

O CirceA – Círculo de Estudos da Antiguidade é um grupo de pesquisa certificado pelo CNPq, formado em 2012. Sediado na UFJF, o grupo é atualmente liderado pelas professoras Fernanda Cunha Sousa e Charlene Martins Miotti. Seu objetivo é aproximar e promover o trabalho conjunto entre professores, pós-graduandos e graduandos da área de Estudos Clássicos de diferentes Instituições de Ensino Superior. Com isso, estreitam-se laços profissionais entre aqueles que estão vinculados à habilitação específica na área e aqueles que atuam em outras habilitações, compartilhando diferentes realidades e fortalecendo a atuação de seus integrantes dentro e fora de seus cursos de origem. Os resultados almejados são atividades conjuntas, como organização e participações em eventos itinerantes nas instituições de origem de cada um dos participantes, tais como congressos, semanas, jornadas e seminários de pesquisa e ainda publicações de livros, artigos, participações em bancas de conclusão de curso, mestrado e doutorado.

ERA – Estudos Retóricos e Argumentativos

A linguagem, por sua natureza polissêmica, possui dimensões argumentativas, dialéticas, semânticas e hermenêuticas. Persuadir e convencer estão no cerne da dimensão argumentativa e, nesse sentido, há, também, uma dimensão retórica fundamental para a interação verbal. A partir dessa constatação, o Grupo de Estudos Retóricos e Argumentativos objetiva abordar, a partir dos conceitos estudados pela retórica, os efeitos persuasivos obtidos por meio da articulação da linguagem no discurso. Paralelamente, cumpre ao grupo um processo de síntese e integração das idéias dos vários estudiosos da retórica contemporânea.

Estudos da Tradição Clássica

A História da Arte vem passando por mudanças epistemológicas, que colocaram em escrutínio as construções discursivas da disciplina, levando-a a rever as práticas interpretativas que norteiam seu estudo e escrita e a adotar novas abordagens e metodologias, conduzindo-a a novos objetos de estudo, como os processos de circulações e transferências. Nesse contexto, tornam-se renovadoras as pesquisas sobre a Tradição Clássica, focadas sobre a recepção da Antiguidade Greco-Romana por culturas posteriores.

Coordenação: Cássio da Silva Fernandes e José Geraldo Costa Grillo

Gêneros poéticos na Grécia Antiga: tradição e contexto

O grupo tem como objetivo principal investigar as condições de produção e disseminação da poesia poesia grega arcaica e clássica, ou seja, seu contexto de performance e reperformance. Como segundo objetivo afim, discute-se até que ponto faz sentido se manter alguma noção de gênero na descrição dessas condições. Embora o objeto de pesquisa principal da maioria dos membros pesquisadores do grupo seja a poesia hexamétrica, desde o início procurou-se discuti-la no contexto maior, sincrônico e diacrônico, da cultura musical grega, de sua teorização em sentido cada vez mais técnico a partir do século V a.C e de sua recepção antiga e moderna.

Coordenação: Christian Werner e Fernando Rodrigues Junior

GPEL Grupo de Pesquisa sobre Ensino de Latim

O GPEL foi fundado e registrado no CNPq no ano de 2009 sob o nome Elaboração de Método de Ensino de Latim. Os objetivos do Grupo na época eram aprimorar e ampliar a parte já concluída de uma proposta de método, denominado De Romanorum Litteris, que surgiu e foi preliminarmente elaborado durante disciplina de Estágio do curso de Letras do IEL-Unicamp em 2008, e fazer sua divulgação em eventos especializados da área de Estudos Clássicos.

Coordenação: Patrícia Prata e Fábio da Silva Fortes

Grupos subalternos e práticas populares na Antiguidade

Este grupo de pesquisa tem por objetivo congregar professores, pesquisadores e estudantes de História e áreas afins, como Arqueologia, Letras, Economia e Ciências Sociais, do Brasil e do exterior, para o desenvolvimento de pesquisas e atividades relacionadas ao estudo dos grupos subalternos e das práticas populares na Antiguidade Greco-Romana. Pretende-se, com isso, estimular e sustentar a reflexão teórica e metodológica sobre a experiência dos grupos subalternos, suas práticas, formas de expressão e modos de ação, e sobre os problemas específicos colocados à investigação desses temas no estudo das sociedades antigas. As atividades desenvolvidas pelo grupo se desdobram em três linhas de pesquisa: Domínios da Política Popular; Tradições e Culturas Populares; e Estratégias Sociais Subalternas. As três linhas de pesquisa visam discutir, sob diferentes aspectos, os problemas e possibilidades de se escrever uma história mais plural do mundo antigo.

IAC – Imagens da Antiguidade Clássica

A principal preocupação do grupo estudos é a visão que temos sobre a Antiguidade Clássica. Nesse sentido, as pesquisas realizadas operam a princípio dois vetores:  a observação e análise das imagens não-verbais e verbais pelo que as artes plásticas e pictóricas são essenciais, bem como os mecanismos poéticos e retóricos que produzem visualização, entre os quais a écfrase e a phantasía. O grupo também têm atenção na tradução e na análise de textos antigos greco-latinos que versem acerca da produção imagética ou que operem representações imagéticas na Antiguidade Clássica, de sorte que, de um lado, autores como Plínio, o velho, os dois Filóstrato(s), Calístrato, Luciano de Samósata e Pausânias nos são relevantes e, de outro lado, autores como Catulo, Propércio, Virgílio, Horácio e Ovídio são centrais. Por outro lado, entendendo que qualquer texto traz consigo visões, o grupo trabalha também com questões específicas observadas nesses textos. Outro aspecto observado nesse grupo é a confinidade das artes ou das téchnai no mundo antigo, isto é, em quais aspectos podemos associar o modus operandi de uma e de outra arte.
O trabalho do grupo é dessa maneira interdisciplinar, pois que congrega preocupações que podem e devem ser observadas não só no âmbito das Letras Clássicas, como também, no âmbito da Arqueologia, da História Antiga, da Filosofia da Arte, da Estética, da Semiótica e da Iconologia.

Coordenação: Paulo Martins

Laboratório de História Antiga e Medieval (LABHAM)

O Laboratório de História Antiga e Medieval (LABHAM) é um grupo de pesquisa que pretende refletir sobre o uso de fontes escritas e não-escritas na educação básica. Ao contrário de pensar o ensino de História Antiga por meio de uma versão única ou neutra do passado, consideramos importante a apresentação de uma Antiguidade construída pela historiografia, antes que uma História dada, acabada, a ser decorada pelo aluno, posicionamento que nos conduz à reflexão sobre os usos do passado. Isso posto, destacamos o relacionamento entre a Antiguidade e o mundo contemporâneo em que vivemos por conceber que a própria narrativa histórica antiga nos remete a acontecimentos significativos para a invenção de nossa sociedade contemporânea.

Laboratório OUSIA de Estudos em Filosofia Clássica

O Laboratório OUSIA , desde 1998, desenvolve estudos de conceitos e problemas fundamentais de filosofia clássica , em autores Pré-Socráticos, em Platão e sobretudo em Aristóteles. Os filósofos clássicos marcaram com seu pensamento todos os campos de conhecimento da civilização Ocidental. Na filosofia, nas ciências, nas artes, na política temos contribuições fundamentais vindas de suas reflexões. Este Sítio Eletrônico OUSIA é uma base de estudos para compartilhar suas reflexões e seus textos em língua portuguesa. É um trabalho de pesquisa e reflexão dos professores de filosofia antiga e estudantes de graduação e pós-graduação em Filosofia da UFRJ.

Coordenação: Prof. Dr. Fernando Santoro

Limes Fronteiras Interdisciplinares da Antiguidade e suas Representações

LIMES - Fronteiras interdisciplinares da Antiguidade e suas Representações é um grupo que congrega pesquisadores interessados na compreensão dos lugares da Antiguidade Clássica na história. O LIMES tem a interdisciplinaridade como uma de suas linhas de força, bem como a reflexão teórica, com aparato antigo e contemporâneo, sobre as práticas e as discursividades da Antiguidade e sua apropriação em outras temporalidades.

Coordenação: Dra. Leni Ribeiro Leite e Dr. Fábio da Silva Fortes

PROAERA – Programa de Estudos em Representações da Antiguidade

É um grupo que congrega projetos de pesquisa que contribuam para a compreensão aprofundada dos lugares da Antiguidade Clássica no imaginário acerca do Ocidente. São também acolhidos pelo PROAERA os projetos que abordem as releituras dos textos e imagens da Antiguidade a partir do aparato teórico contemporâneo, voltado principalmente para os estudos das práticas discursivas.

Coordenação: Profa. Emérita Doutora Nely Maria Pessanha

República das Letras – Estudo de Textos Renascentistas em Latim

O Grupo de Pesquisa República das Letras dedica-se ao estudo de autores renascentistas, os quais, produzindo eles mesmos prioritariamente em latim, recuperaram e imitaram os modelos da Antiguidade clássica latina. A questão da imitatio, portanto, era fundamental naquela época em que a referência principal na oratória era Cícero e, na poesia, Marcial, Ovídio e Virgílio. Entre os nomes importantes da época, destacam-se humanistas da relevância de Petrarca e Erasmo, entre tantos outros.

Rhetor  Grupo de Estudos de Retórica e Oratória Antiga

O RHETOR, Grupo de Estudos de Retórica e Oratória Grega, iniciou suas atividades em 2009 na Universidade de Brasília e obteve credenciamento junto ao CNPq em 2011, sob a coordenação da Prof. Sandra Rocha. Em 2016, o Grupo expandiu-se para a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), onde a Professora Priscilla Gontijo Leite passou a atuar como vice-líder do RHETOR, desenvolvendo pesquisas juntamente com o professor Marco Valério Classe Colonnelli sobre os oradores áticos, especialmente a oratória de Iseu, em nível de IC e PG naquela universidade.  Em 2018, o “nome completo” do RHETOR foi alterado para Grupo de Estudos de Retórica Antiga para contemplar a expansão do Grupo não só para a área de retórica latina, como também trabalhos de recepção em geral.

SBP – Sociedade Brasileira de Platonistas

A Sociedade Brasileira de Platonistas (SBP) é uma associação científica, sem fins lucrativos, que tem como missão a articulação das pesquisas sobre Platão e o Platonismo no Brasil. A SBP está associada à International Plato Society. São objetivos da SBP a organização de simpósios e outros eventos acadêmicos, a publicação de revistas e obras de divulgação e/ou de caráter técnico-científico, a união dos pesquisadores interessados nos estudos de Platão e o Platonismo e a manutenção de fecunda parceria institucional com a International Plato Society.