Você está aqui: Linha do Tempo/


Primeiro Período: 1800 – 1947

As invenções tecnológicas da época anterior à música eletrônica como o gramofone e o telefone causaram uma mudança na relação do homem com o som. A partir de 1900 são inventados os primeiros instrumentos eletrônicos antecessores ao sintetizador.

Os pré-sintetizadores eletrônicos como o Theremin, Trautonium e Ondes Martenot são utilizados como instrumentos solo ou na produção de efeitos sonoros.

Segundo Período: 1948- 1959

Pierra Schaeffer

As correntes da música concreta e eletrônica originaram uma nova arte sônica chamada de música eletroacústica que só pode ser produzida através do uso dos meios eletrônicos. Esta música é registrada em fita magnética que é cortada e colada pelo compositor para organizar os sons sintéticos ou gravados dando origem a obra musical. Os primeiros sintetizadores não comerciais são empregados principalmente na criação de música eletroacústica por compositores eruditos. A música criada com o auxílio da tecnologia eletrônica acontece nos estúdios das rádios, universidades e centros de pesquisa. O primeiro programa de computador para síntese sonora é criado por Max Mathews.

Terceiro Período: Anos 1960

Stockhausen

Stockhausen e outros criam obras referenciais utilizando sons eletrônicos na música experimental e eletroacústica. São inventados os primeiros sintetizadores modulares comerciais como o Moog e o Buchla. A música sintetizada passa a ser divulgada para o mundo através das primeiras obras fonográficas de álbuns gravados com os sintetizadores como Silver Apples of the Moon e Switched-on-Bach.

Quarto Período: Anos 1970

Rick Wakeman

Os sintetizadores analógicos e sua sonoridade são divulgados ao mundo principalmente pelos primeiros músicos eletrônicos e tecladistas de rock progressivo. O sintetizador torna-se um dos principais instrumentos a ser utilizado no palco para apresentações multimídia com grandes platéias. Surge a industria dos instrumentos eletrônicos. Os sintetizadores portáteis analógicos como o minomoog passam a fazer parte de gravações de rock, jazz e disco. São produzidos sintetizadores comerciais polifônicos e com memória par armazenar presets. São criados centros de pesquisa em música como o IRCAM na França.

Quinto Período: Anos 1980

Microcomputador Machintosh

Os primeiros sintetizadores digitais comerciais são inventados, os primeiros microcomputadores passam a equipar estúdios de gravação e o sistema MIDI permite a comunicação entre sintetizadores e computadores. Começam a ser usados os primeiros software seqüenciadores MIDI. A orquestra de alto-falantes torna-se uma realidade em apresentações de composições acusmáticas. Os sintetizadores tornam-se polifônicos e sensíveis ao toque e passam a ser muito utilizados em publicidade e trilhas sonoras para o cinema. São comercializados sintetizadores baseados em síntese FM e reprodutores de amostras digitais. No IRCAM e criada a linguagem de programação para a música chamada Max.

Sexto Período: Anos 1990

Telas de programas de manipulação de música para computador

O editor de áudio digital equipado de plug-ins para processamento de áudio torna-se a principal ferramenta de trabalho de grande parte dos compositores eletroacústicos. Os estúdios trocam gravadores de fita por sistemas digitais e o sintetizador é integrado ao sampler e ao seqüenciador MIDI.

Os sintetizadores tornam-se computadores dedicados com telas de LCD para controle digital dos parâmetros musicais. São lançados sintetizadores comerciais com novas técnicas de síntese simulando instrumentos acústicos. Novas linguagens de programação para a música como o Pure Data são criadas.

Sétimo Período: Século XXI

Sintetizador Virtual

São criados os sintetizadores virtuais, sistemas interativos e novas interfaces musicais. O estúdio de produção musical torna-se virtual e os computadores centralizam todo o processo de criação dos músicos eletrônicos. O software sintetizador torna-se gratuíto através da comunidade que produz e distribui software livre.