• Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Youtube
  • Página inicial

Notícia


Uso da Terra para a produção alimentos no Rio Grande do Sul

13/01/2016




Em dezembro de 2015, a Médica Veterinária Tamara Esteves de Oliveira (NESPro), defendeu sua tese intitulada “Dinâmica da produção de alimentos no Bioma Pampa”, recebendo o título de doutora em Agronegócio pelo Programa de Pós-Graduação em Agronegócios (CEPAN/UFRGS).

Essa pesquisa foi orientada pelo Prof. Dr. Júlio Barcellos (coordenador do NESPro) e coorientada pelo pesquisador Vinícius Lampert (EMBRAPA Pecuária Sul).

Contribuíram também como integrantes da banca avaliadora o pesquisador Dr. Alexandre Varella (EMBRAPA Pecuária Sul), o Prof. Dr. Eduardo Dias (FURG) e o Prof. Dr. Miguelangelo Gianezini (UNESC). Nessa pesquisa foi analisada a variação espacial e em quantidade da produção de alimentos no estado do Rio Grande do Sul e suas consequências para as áreas de pastagens naturais do Bioma Pampa.

Dentre os resultados, foi confirmada a diminuição de 26% das pastagens naturais do Pampa entre 1975 e 2005.

Esses ecossistemas seminaturais são considerados originais e tem grande impacto nas características socioculturais e econômicas da região. Para esses ecossistemas a pecuária de corte é considerada a principal atividade que contribui tanto para a preservação da biodiversidade local quanto para o desenvolvimento regional.

Grande parte dos espaços que essas pastagens ocupavam passou a ser utilizado para outras atividades, como produções de soja e silvicultura, que começaram a integrar a paisagem do Pampa.

Para enfrentar o desafio de manter atividades econômicas e de conservação em biomas ameaçados, o Brasil deve investir em fiscalização, desenvolvendo sistemas de monitoramento capazes de detectar sutis alterações no uso da terra.

Além disso, serão necessárias inovações tecnológicas e políticas públicas como mecanismos de compensação e gestão do uso da terra.

No restante do Brasil, os recursos naturais já se encontram protegidos em marcos regulatórios que limitam a expansão horizontal da bovinocultura. Logo, para aumentar a produção de bovinos de corte, o setor deve investir em tecnologias para aumentar a eficiência da cadeia produtiva.

Para tanto, os produtores dispõem de um sistema de pesquisa, desenvolvimento e extensão composto por universidades, institutos e centros de pesquisa.

Também está presente uma rede de transferência e difusão de conhecimentos e tecnologias, do qual o NESPro fará parte, dando continuidade a pesquisas como essa, em que a Dra. Tamara será uma das responsáveis.

Uso da Terra para a produção alimentos no Rio Grande do Sul