Você está aqui: Página Inicial Notícias Estudo: 1ª 'tecnologia avançada' surgiu há pelo menos 71 mil anos

Estudo: 1ª 'tecnologia avançada' surgiu há pelo menos 71 mil anos

Arqueólogos afirmam ter identificado micrólitos de 71 mil anos na África do Sul, os mais antigos conhecidos. Os micrólitos são pequenos objetos de pedra afiados com formatos bem padronizados e que seriam, por exemplo, presos a pontas de dardos e até flechas. A descoberta foi apresentada nesta quarta-feira em artigo na revista especializada Nature e pode indicar que o pensamento complexo no ser humano surgiu antes do que alguns cientistas imaginavam.

O estudo envolveu cientistas das universidade do Cabo (África do Sul), do Estado do Arizona (EUA), Wollongong (Austrália), do Museu Iziko (África do Sul) e de um instituto da Grécia. Segundo os pesquisadores, diversos registros arqueológicos foram encontrados em um sítio na África do Sul. Foram feitas várias escavações entre 2006 e 2012 - que duravam entre nove e dois meses cada - e os artefatos encontrados abarcariam um período de cerca de 10 mil anos.

Os micrólitos, afirmam os cientistas, têm até 5 cm de comprimento (o tamanho médio dos encontrados neste estudo era de 2,7 cm). Sua produção não era simples para a época: envolvia a coleta e transporte do material bruto (as pedras); coleta de madeira para fogo; aquecer a pedra a ser tratada em temperatura controlada; preparar o núcleo de pedra; produzir as lâminas; ornamentar a lâmina; prender o micrólito na ponta do instrumento a ser usado. Segundo os autores do artigo, eles são o primeiro tipo de "tecnologia avançada", com uma elaborada cadeia de produção, conhecida

Os cientistas explicam que os micrólitos eram usados em pontas de armas como dardos ou flechas. Eles aumentavam a potência da arma, que era fatal a maiores distâncias do que aquelas que não tinham esse tipo de ponta de pedra. Essa tecnologia permitia caçadas mais efetivas e pode ter sido uma grande vantagem quando o homem moderno saiu da África e encontrou o neandertal na Europa.

A cognição complexa
A discussão sobre quando o pensamento complexo surgiu no ser humano envolve diversas áreas do conhecimento, da filosofia à antropologia. Nos últimos anos, a questão virou uma das principais da arqueologia também, já que o aparecimento de objetos complexos pode responder à pergunta, já que essa tecnologia necessita que o conhecimento da produção seja transmitido com grande fidelidade e, portanto, com o uso de linguagem.

Em artigo separado da revista, a professora Sally McBrearty, da Universidade de Connecticut e que não tem relação com a pesquisa, afirma que as correntes de pensadores sobre o surgimento do pensamento complexo se dividem basicamente em duas: aqueles que acreditam que ele surgiu junto com o humano moderno (há cerca de 200 mil anos, até onde se sabe) e aqueles que acreditam que surgiu há cerca de 40 mil anos - por meio, possivelmente, de alguma mutação genética que nos levou a essa capacidade cognitiva.

O segundo grupo afirma que os registros contínuos dos micrólitos surgiram pouco mais de 40 mil anos atrás na Europa (já existiam registros com mais de 60 mil anos, mas eles são isolados e, portanto, desconsiderados por esta linha de pensamento). Já a primeira corrente argumenta que os registros de artefatos arqueológicos dificilmente são preservados na natureza. Além disso, o continente africano - o berço da humanidade - foi muito pouco explorado pela arqueologia se comparado com outros, como a Europa.

Os autores do artigo concordam com a última hipótese. Eles afirmam que hoje conhecemos apenas padrões desconexos de tecnologias de micrólitos da África e dizem ainda que os sítios bem escavados do continente são equivalentes a "apenas uma pequena fração das amostras do Paleolítico encontradas na Europa Central (...) Cada novo sítio escavado na África parece desbastar esse padrão oscilante de tecnologias avançadas" da pré-história.

FONTE: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI6281486-EI8147,00-Estudo+tecnologia+avancada+surgiu+ha+pelo+menos+mil+anos.html