Você está aqui: Página Inicial Notícias Obras da Via Expressa ameaçam sítio arqueológico, constata especialista

Obras da Via Expressa ameaçam sítio arqueológico, constata especialista

PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO AMEAÇADO

Várias peças importantes estão sendo desencavadas pelas máquinas que trabalham no Vinhais Velho, diz arqueólogo do Iphan

POR JULLY CAMILO
e OSWALDO VIVIANI

Na manhã de quinta-feira (16), a Superintendência Regional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) do Maranhão, autorizada por meio de uma portaria publicada no Diário Oficial na quarta-feira (15), enviou o arqueólogo Júlio Meirelles Steglich até a comunidade do Vinhais Velho para verificar eventuais danos causados ao sítio arqueológico existente no local, por conta das obras da chamada Via Expressa – projeto do governo estadual que interligará as avenidas Colares Moreira e Daniel de La Touche, passando por mais de 20 bairros.

O arqueólogo constatou que várias peças importantes foram encontradas nas escavações das máquinas que trabalham na obra – ao contrário do que informara o arqueólogo indicado pelo governo, que relatou não ter encontrado nenhum objeto de importância arqueológica. Um pilão, uma machadinha e cerâmicas de no mínimo 200 anos foram alguns dos objetos achados.

De acordo com Júlio Steglich, as peças remetem a culturas indígenas e gerações passadas. Ele afirmou que pretende fazer um relatório técnico sobre o que foi coletado. O relatoria também vai registrar os danos causados aos quatro hectares de sítio arqueológico no Vinhais Velho, onde há grande concentração de cerâmica. 'O documento será encaminhado para a superintendente do Iphan, Kátia Bogéa, que tomará as providências cabíveis', explicou Steglich.

Os moradores do Vinhais Velho querem que toda a vila seja chancelada como Paisagem Cultural Brasileira, no intuito de preservar os costumes e as tradições remanescentes dos índios uçaguabas, da nação tupinambá.

Segundo o vice-presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM), Leopoldo Gil Dulcio Vaz, 59 anos, que mora no Vinhais Velho há mais de 30 anos, já foram protocolados, junto ao Iphan, dois ofícios solicitando a intervenção do órgão na comunidade.

Os moradores também querem criar no bairro um Museu Comunitário, para abrigar as peças arqueológicas encontradas na comunidade. Muitas dessas peças estão sendo encontradas com a movimentação das máquinas que trabalham na construção da Via Expressa.

'Uma das premissas para a aplicação do conceito de Paisagem Cultural Brasileira é a busca pela preservação da diversidade e riqueza dos cenários urbanos e rurais, tendo em vista que os processos de massificação da vida e das paisagens têm colocado em risco e mesmo provocado o desaparecimento de contextos de vida e tradições culturais que, a rigor, não deveriam ser perdidas. Portanto, queremos construir o Museu Comunitário com o objetivo de sermos os fiéis depositários desses objetos e assim mantermos a historia viva e atualizada. Precisamos da chancela do Iphan para garantir a preservação da comunidade, uma vez que apenas a igreja é tombada pelo patrimônio público estadual', disse Leopoldo Vaz.

A chancela de Paisagem Cultural Brasileira implica no estabelecimento de um pacto, que pode envolver o poder público, a sociedade civil e a iniciativa privada, visando a gestão compartilhada da porção do território nacional assim reconhecida', disse Júlio Steglich.

Ameaças de despejo – Um dos integrantes da Comissão de Comemoração dos 400 anos do Vinhais Velho, Carlos Jacinto, 43, que reside na área há 25 anos, contou que atualmente existem quatro processos de despejo tramitando nas 3ª e 5ª varas da Fazenda Pública. Porém, dois já teriam sido suspensos por meio de liminar.

'As ações contra a Odinéia Burgos Ribeiro Diniz e o Ademir Batista Ribeiro de Assunção foram derrubadas. Mas ao menos outras cinco famílias ainda devem ser notificadas. Diante da nossa recusa em relação às indenizações oferecidas pelo governo estadual, que ficaram entre R$ 28 mil e R$ 34 mil, nos pediram um projeto alternativo para a Via Expressa. O projeto que altera a obra, prevendo a demolição de apenas duas casas, em vez das 35 propostas pelo governo, foi desenhado por três engenheiros e protocolado no Palácio dos Leões. O projeto é bom para o governo, que pode implantar a obra sem maiores impactos, e beneficia os moradores, que não terão de deixar suas casas', disse Carlos Jacinto.

FONTE: http://www.jornalpequeno.com.br/2012/2/18/obras-da-via-expressa-ameacam-sitio-arqueologico-constata-especialista-187770.htm