A EXTINÇÃO DA FUNDAÇÃO PIRATINI É LUTO PARA A COMUNICAÇÃO PÚBLICA 

A comunicação pública é indicador de qualidade das democracias. E hoje é um dia de lamentos sobre a democracia no Rio Grande do Sul, quando o governo engaveta, através do decreto no 54.089, tantas conquistas culturais, artísticas, jornalísticas, comunicacionais e profissionais permitidas nos espaços da Fundação Piratini, à qual pertenciam a TVE e da Rádio FM Cultura. 
   
O governador José Ivo Sartori contribui, decisivamente, para a diminuição da qualidade do Estado e da democracia, na sua sanha por enxugamento financeiro dirigido particularmente a instituições com autonomia e identidade para além da política, como FEE, Fundação Zoobotânica e Fundação Piratini. Enxugamento questionável, quando comparamos os valores expostos pelo movimento em defesa da TVE. Mas esse governo se mostrou impermeável a todas as mobilizações, abaixo-assinados, reuniões e manifestações. E assim deixa seu legado: próximo das cifras e distante do interesse público. 
 
O propalado enxugamento, associado a um conceito ultrapassado denominado Plano de Modernização do Estado, não leva em conta nenhum tipo de investimento para a melhoria das instituições e de seus profissionais. Assim, a extinção da Fundação Piratini atesta, também, a incompetência em lidar com a coisa pública de uma gestão submetida ao capitalismo. 
 
Acabar com esse privilegiado espaço de informação pública e transformá-lo em órgão governamental é facilitar a propaganda no lugar do jornalismo; é abrir espaço para promover a cultura e a educação sob interesses privados; é excluir um espaço diferenciado de ver a sociedade, sua cultura e a sua história e, finalmente, é amplificar a comunicação de governos, geralmente o objetivo único de uma secretaria estadual de comunicação. É emblemático que isto aconteça em um ano eleitoral, quando há especial urgência por informações produzidas com a autonomia que o interesse público requer.
 
Que o acervo desta importante instância não seja jogado ao lixo, porque ali estão os registros do trabalho diferenciado e inovador que marcou a história da radiodifusão no país. Ali está o trabalho dos seus Conselhos Deliberativos, que tanto lutaram pela autonomia da Fundação independentemente dos governos, e fizeram história. Como homenagem a todos que construíram a Fundação Piratini, citamos Daniel Herz, que lutou incansavelmente pela democratização da comunicação neste país e pelo funcionamento do Conselho da TVE.  
 
Porto Alegre, 30 de maio de 2018.

Histórico de Editoriais
14 de ABRIL de 2020
30 de DEZEMBRO de 2019
11 de ABRIL de 2019
27 de AGOSTO de 2017
19 de DEZEMBRO de 2016
13 de SETEMBRO de 2016
24 de MAIO de 2016
15 de ABRIL de 2016
27 de AGOSTO de 2015
Compartilhe:

Campanhas de Interesse Público

Notícias

Textos e Opiniões

  Atualizar Código