ES PT EN

El Observatorio de Economía Creativa de Rio Grande do Sul desarrolla acciones de investigación y extensión en Economía Creativa promoviendo el debate y la formación de una masa crítica sobre el sector en Brasil, teniendo en cuenta su impacto en la dinámica social y económica del país. Su principal objetivo es proponer, aplicar y consolidar un espacio académico y práctico de estudios e investigaciones que involucre, en red nacional e internacional, universidades, centros de investigación e innovación, académicos, expertos, funcionarios gubernamentales y representantes de los importantes sectores relacionados a las Industrias Creativas.

Leandro Valiati
UFRGS
André Cunha
UFRGS
Débora Wobeto
UFRGS
Gustavo Möller
UFRGS
Pedro Cezar Dutra Fonseca
UFRGS
Marco Aurélio Chaves Cepik
UFRGS
Evelise Anicet
UFRGS
Cristiano Max
Feevale
Daniela Callegaro
UFRGS
Hélio Henkin
UFRGS
Lisiane Closs
UFRGS
Eduardo Filippi
UFRGS
Stefano Florissi
UFRGS
Claudia Boettcher
UFRGS
Messias Bandeira
UFBA
Marcelo Milan
UFRGS
Cassio Calvete
UFRGS
Ronaldo Herrlein Jr.
UFRGS
Glaucia Campregher
UFRGS
Sandro Ruduit Garcia
UFRGS
Carla Ten Caten
UFRGS
Aline Gazola Hellmann
UFRGS
Vanessa Valiati
FEEVALE
Henrique Morrone
UFRGS
Marcos Tadeu Caputi Lélis
UNISINOS
Carlos Schonerwald
UFRGS
Camila Lohmann Cauzzi
UFRGS
Joana Búrigo Vaccarezza
UFRGS
Artur Weissmann
UFRGS
Camila Laux Kern
UFRGS
Eduardo Marquezin Faustini
UFRGS
Eduardo Rodrigues Sanguinet
UFRGS
Luiz Henrique Apollo
UFRGS
Pedro Perfeito da Silva
UFRGS
Mariana Willmersdorf Steffen
UFRGS
Natália Rava
UFRGS

Los proyectos llevados a cabo por el Observatorio de Economía Creativa de la Universidad Federal de Rio Grande do Sul se dividen en iniciativas de extensión e y de investigación. El comercio internacional, las industrias creativas, economía de la cultura, la financiación de la cultura brasileña, los flujos internacionales y la globalización de bienes creativos, los mercados tradicionales de cultura, gestión pública y privada y la Economía Creativa son foco de estos estudios desarrollados en OBEC.

Diálogos en Economía Creativa 2017

La comprensión de la cultura y de la creatividad como promovedores del desarrollo económico impulsó el crecimiento de reflexiónes sobre la Economía Creativa y de la Cultura. En este sentido, el proyecto "Diálogos en Economía Creativa" promueve discusiones debates en estas cuestiones, trayendo en cada edición expertos nacionales e internacionales con el objectivo de contribuir para el desarrollo de agendas de investigación en áreas de Economía Creativa y Cultura. 

 

A lo largo de 2017, el proyecto entra en una nueva fase, que combina el fortalecimiento de la internacionalización, prioridad del OBEC y de la Universidad Federal de Rio Grande do Sul, con la reflexión de las siguientes cuestiones contemporáneas: 

  • Valor cultural y valor económico de la cultura y del arte; 
  • Digitalización: los cambios en el proceso de producción y las nuevas formas de consumo.

 

Conexiones Creativas II

Entre 16 y 19 de noviembre de 2015, tuvo lugar el evento Conexiones Creativas II, resultado del proyecto de extensión sobre la Economía Creativa y de la Cultura. Uno de los enfoques del evento fue la economía Creativa en medio a un mercado en el que predomina la homogeneización de bienes y servicios y la percepción de la creatividad como una fuerza impulsora para la diferenciación de productos. En Brasil, es percibido, en los últimos años, un aumento en el debate académico y la construcción de las políticas públicas y la formación del área. Por lo tanto, el espacio propuesto para la reflexión sobre este tema durante el evento fue un importante intercambio de conocimientos entre la UFRGS y la Universidad de Valencia, con la realización también de un workshop para el aprendizaje de métricas para medir el sector creativo, para los investigadores y profesionales actuantes en el campo.

Conexiones Creativas I

En el año de 2014, con el fin de calificar el debate sobre la Economía Creativa en el ámbito local y contribuir para la formación de los estudiantes y de los administradores, el Observatorio de Economía Creativa de la UFRGS llevó a cabo un curso de extensión sobre el tema. A través de la explicación de los conceptos teóricos, con una serie de debates y presentaciones de casos concretos, se demostró la importancia de la economía creativa y la economía de la cultura para el desarrollo de nuestra sociedad. El evento, resultado del proyecto de extensión, se insertó en el aumento del debate académico sobre el tema en Brasil y en la construcción de políticas públicas y del área.

Diálogos en Economía Creativa

Dada la demanda de profundizar los debates sobre la Economía Creativa y de la Cultura, el proyecto "Diálogos sobre la Economía Creativa" tiene como objetivo actuar en la promoción de un espacio cualificado para la discusión con investigadores nacionales e internacionales del área.

El proyecto propone la realización de siete conferencias a lo largo del año académico de la UFRGS, tratando de discutir tres temas centrales en el debate contemporáneo de la Economía Creativa:

- Los flujos internacionales y la globalización de los bienes creativos;

- Nuevas perspectivas para los mercados tradicionales de la cultura;

- Gestión pública y privada para la promoción de la Economía de la Cultura.

 

www.obec.br/dialogos

 

Inicio: 2016

ATLAS ECONÓMICO DE LA CULTURA BRASILEÑA

El estudio tiene como objetivo desarrollar e implementar métricas de medición del impacto de las industrias culturales en la economía brasileña. Este proyecto está organizado en torno de cuatro ejes: (i) el comercio internacional; (ii) el mercado de trabajo; (iii) las políticas públicas de fomento; y (iv) el valor añadido. En tales dimensiones, la investigación adicionará la literatura teórica y empírica existente y desarrollará nuevas estrategias, adecuadas a las características específicas de la realidad brasileña. Por último, se pondrá a disposición de los administradores y del público en general una plataforma interactiva.

 

Proyecto realizado con la Secretaría de la Economía Creativa (SEC) del Ministerio de la Cultura – 2016-2018.

 

Objetivos específicos:

1. Localizar las industrias culturales brasileñas en la situación actual de las industrias creativas en Brasil y en el mundo;

2. Proporcionar una visión general de los estudios teóricos y empíricos sobre la economía de la cultura;

3. Presentar una metodología para medir el impacto económico del comercio internacional, del mercado de trabajo, el desarrollo de las políticas y el valor añadido de la economía de la cultura en Brasil;

4. Sistematizar las contribuciones en formato de publicación y plataforma de acceso público.

CONSUMO AUDIOVISUAL EN BRASIL: TENDENCIAS NACIONALES Y DINÁMICAS REGIONALES

El estudio tiene como objetivo desarrollar e implementar métricas de evaluación de la demanda por productos audiovisuales. Este esfuerzo se organiza en torno a tres ejes: (a) el nivel de análisis; (b) las modalidades de consumo; (c) los enlaces de la cadena de valor. En el primer, son observados los mercados regionales y nacional en Brasil. En el segundo, se analizan las características específicas de consumo de contenido audiovisual en salas de cine, televisión y vídeo bajo demanda. En el tercero, son destaque las cuestiones como distribución, exhibición y consumo.

 

Proyecto realizado con la Secretaría del Audiovisual (SAV) del Ministerio de la Cultura – 2016-2018.

 

Objetivos específicos:

1. Localizar el sector audiovisual en la situación actual de las industrias creativas en Brasil y en el mundo;

2. Proporcionar una visión general de los estudios teóricos y empíricos sobre la economía audiovisual;

3. Presentar una metodología para medir la demanda por productos audiovisuales en Brasil y en sus regiones;

4. Sistematizar las contribuciones relativas a las estructuras de oferta y de demanda por productos audiovisuales en el debate.

NUEVOS MODELOS DE NEGOCIOS EN LAS INDUSTRIAS CREATIVAS: TRANSICIÓN TECNOLÓGICA Y MODELO INSTITUCIONAL

Análisis de los modelos de negocios contemporáneos en el campo de la Economía Creativa, a partir de la dinámica de innovación institucional y de la iniciativa empresarial local. Destaca la investigación de diferentes territorios creativos y su diversificación sectorial en Brasil (artesanías, música, patrimonio material, danza, teatro, design, moda, juegos, entre otros). Es destacada la elaboración de estudios temáticos sobre el mercado de trabajo, sectores y ocupaciones creativas, grado de adaptación de las empresas en el sector de la innovación, los cambios regulatorios y las políticas públicas en cada sector.

 

Principales realizaciones en el eje:

 

1. Plan de Desarrollo del Arranjo Produtivo Local do Audiovisual en RS. Gobierno del Estado de RS – 2013.

2. Soporte teórico y metodológico al Programa de Incubadoras Brasil creativo. Ministerio de la Cultura – 2014;

3. Modelo marco para los APL y Territorios Creativos. Ministerio de la Cultura – 2014.

4. Iniciativa empresarial, nuevos modelos de negocio y transición tecnológica en las Industrias Creativas. CNPQ – Brasil – 2015.

 

Presentación:

Music in Porto Alegre EPEC II.

ESTUDIOS SECTORIALES EN ECONOMÍA CREATIVA E INDUSTRIAS CREATIVAS

Realización de un diagnóstico de los mercados brasileño y mundial de bienes y servicios de las Industrias Creativas. Análisis de las diferentes cadenas productivas de estos sectores a partir de indicadores y estudios de impacto sobre el PIB. En el ámbito del análisis de la estructura de la cadena productiva, es priorizado el mercado de trabajo, la evolución de la acción de las empresas, el comercio internacional, los patrones de desarrollo regional y el impacto económico del financiamiento y de las políticas públicas para el sector.

 

Principales realizaciones en el eje:

1. Modelo metodológico de la Conta Satélite de Cultura. Ministerio de la Cultura de Brasil – 2014/2015.

2. Estudio de la Cadena Productiva de la Música en Brasil. Ministerio de la Cultura de Brasil – 2016.

3. Digitalización en el mercado de la música y su impacto en Brasil y en Francia. UFRGS y Universidad París 13 – 2016.

4. La cultura como estrategia de Desarrollo Económico – indicadores. UFRGS y Universidad de Valencia – 2015/2016.

 

Presentación:

Sectoral Studies Music Industry in Brazil EPEC II.

Public Funding of Music EPEC II.

Brazil Database EPEC II.

Joint Research ICCA LabEx and PPGE UFRGS.

FOMENTO DE LA CULTURA BRASILEÑA: POLÍTICAS E INDICADORES

Mapear las diversas formas de promoción y fomento de la cultura brasileña, tanto en el lado de la oferta como la demanda con el fin de conocer la composición y distribución de la promoción federal de la cultura del país. El trabajo es comprender los patrones de distribución internos para cada forma de fomento y como conforman el modelo de promoción de la cultura federal en el país a partir de los indicadores de concentración y distribución, y su adhesión a las cuestiones regionales.

 

Principales realizaciones en el eje:

1. Plataforma de indicadores de fomento a la cultural. Ministerio de la Cultura – 2015/2016.

2. Sistematización de bases de datos (FNC, Vale Cultura y Ley Rouanet). Ministerio de la Cultura – 2015/2016.

3. Relatoría analítica sobre financiamiento de la cultura en Brasil. Ministerio de la Cultura – 2016.

 

Presentación:

Culture Funding Plataform SEFIC.

Labor Market PIFC.

COMERCIO INTERNACIONAL, INDUSTRIAS CREATIVAS Y ECONOMÍA DE LA CULTURA

Estudio de las dinámicas económicas y geopolíticas del comercio internacional contemporáneo con énfasis en las industrias creativas y en las cadenas globales de servicios. La investigación ocurre por la aplicación de herramientas prácticas para analizar y proponer políticas y mecanismos para la internacionalización de las industrias creativas. Reflexiones teóricas y aplicadas también se construyen en la investigación, a partir de bases de datos de comercio internacional y de tecnologías de proceso de evaluación de impacto y de acceso a nuevos mercados contemporáneos.

 

Principales realizaciones en el eje:

1. Cooperación Brasil-China: Posibilidades de fortalecimiento de las relaciones culturales bilaterales. Ministerio de la Cultura – 2015.

2. Metodologías de medición de los impactos económicos de los sectores culturales y creativos. Ministerio de la Cultura – 2014/2015.

3. Soporte especializado para la construcción de la política de difusión de la cultura brasileña. Ministerio de la Cultura – 2015/2016.

4. Banco de datos mundiales sobre el comercio internacional de Industrias Creativas. Ministerio de la Cultura – 2016.

 

Aquí están las publicaciones y los videos de eventos por promovidos por el OBEC de la Universidad Federal do Rio Grande do Sul

Boletim n. 01 - Trabalho Criativo em Foco: O mercado de trabalho da Economia da Cultura e da Economia Criativa

Este é o primeiro boletim do Observatório de Economia Criativa da UFRGS que se apresenta com a proposta de acompanhar periodicamente a evolução conjuntural do mercado de trabalho da Economia da Cultura e da Economia Criativa e também compará-los com a evolução do Mercado de Trabalho Geral. Os boletins terão como objetivos sistematizar informações, dados e indicadores, bem como realizar análises conjunturais para subsidiar órgãos e instituições públicas e privadas para ações relacionadas à Economia da Cultura e Economia Criativa. Ano: 2016 Tipo de Publicação: Relatório.

Publicação de Resultados - Objetivo 1
Consolidação Teórico-Metodológica da Conta Satélite Nacional de Cultura, referente ao Termo de Cooperação do Projeto Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Conta Satélite de Cultura, Comércio Internacional de Bens e Serviços em Economia Criativa Ano: 2016 Tipo de Publicação: Relatório
Publicação de Resultados - Objetivo 2
Desenvolvimento Metodológico e Mensuração da Corrente de Comércio Exterior do Brasil com os países da América do Sul e do Brasil com o "Resto do Mundo", com recorte específico para os serviços culturais/criativos, referente ao Termo de Cooperação do Projeto Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Conta Satélite de Cultura, Comércio Internacional de Bens e Serviços em Economia Criativa. Ano: 2016 Tipo de Publicação: Relatório
ECONOMIA CRIATIVA, CULTURA E POLÍTICAS PÚBLICAS

A publicação Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas, parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia, do CEGOV/UFRGS, é o resultado dos esforços contínuos, individuais e coletivos, dos projetos desenvolvidos no âmbito do Grupo de Trabalho do CEGOV/UFRGS. 

A partir da produção de subsídios teóricos, avaliações aplicadas e estratégias de políticas para demarcar, busca-se compreender e propor formas de desenvolvimento do campo da economia da cultura, no escopo da economia e indústrias criativas. Nesse sentido, o livro busca refletir as experiências e expertises desenvolvidas no GT por meio de seus projetos de pesquisa e extensão. Ele conta com a participação de professores da UFRGS e parceiros, nacionais e internacionais, que estiveram ativamente envolvidos nas atividades do GT e que de alguma maneira contribuíram para a sua consolidação.

EPEC II - PRODUTO 1 - ETAPA 1 - 1º RELATÓRIO TRIMESTRAL

1º Relatório Trimestral (Abril 2015), referente à Etapa 1 do Produto 1 - Desenvolvimento Metodológico para o Monitoramento e Sistematização das Etapas de Implantação do Programa Incubadoras Brasil Criativo. O Produto faz parte do Macroeixo 1 - Programa Incubadoras Brasil Criativo (PIBIC), do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 1 - ETAPA 1 - 2º RELATÓRIO TRIMESTRAL

2º Relatório Trimestral (Junho 2015), referente à Etapa 1 do Produto 1 - Desenvolvimento Metodológico para o Monitoramento e Sistematização das Etapas de Implantação do Programa Incubadoras Brasil Criativo. O Produto faz parte do Macroeixo 1 - Programa Incubadoras Brasil Criativo (PIBIC), do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 1 - ETAPA 1 - 3º RELATÓRIO TRIMESTRAL

3º Relatório Trimestral (Novembro 2015), referente à Etapa 1 do Produto 1 - Desenvolvimento Metodológico para o Monitoramento e Sistematização das Etapas de Implantação do Programa Incubadoras Brasil Criativo. O Produto faz parte do Macroeixo 1 - Programa Incubadoras Brasil Criativo (PIBIC), do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 1 - ETAPA 1 - RELATÓRIO FINAL

Relatório Final, referente à Etapa 1 do Produto 1 - Desenvolvimento Metodológico para o Monitoramento e Sistematização das Etapas de Implantação do Programa Incubadoras Brasil Criativo. O Produto faz parte do Macroeixo 1 - Programa Incubadoras Brasil Criativo (PIBIC), do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 3 - ETAPA 1 - 1º RELATÓRIO ANALÍTICO

1º Relatório Analítico: Resultado da Aplicação dos Modelos Referenciais na Incubadora Bahia Criativa, referente à Etapa 1 do Produto 3 - Suporte Técnico para a Elaboração e Execução da Política de Formação no Contexto do Programa Incubadoras Brasil Criativo. O Produto faz parte do Macroeixo 1 - Programa Incubadoras Brasil Criativo (PIBIC), do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 3 - ETAPA 1 - 2º RELATÓRIO ANALÍTICO

2º Relatório Analítico: Resultado da Aplicação dos Modelos Referenciais na Incubadora Rio Criativo, referente à Etapa 1 do Produto 3 - Suporte Técnico para a Elaboração e Execução da Política de Formação no Contexto do Programa Incubadoras Brasil Criativo. O Produto faz parte do Macroeixo 1 - Programa Incubadoras Brasil Criativo (PIBIC), do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 3 - ETAPA 1 - 3º RELATÓRIO ANALÍTICO

3º Relatório Analítico: Resultado da Aplicação dos Modelos Referenciais na Incubadora RN Criativo, referente à Etapa 1 do Produto 3 - Suporte Técnico para a Elaboração e Execução da Política de Formação no Contexto do Programa Incubadoras Brasil Criativo. O Produto faz parte do Macroeixo 1 - Programa Incubadoras Brasil Criativo (PIBIC), do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 8 - ETAPA 1 - 1º RELATÓRIO

1º Relatório: Caracterização dos APLs com base em seus Planos de Desenvolvimento, referente à Etapa 1 do Produto 8 - Monitoramento da Execução e Evolução dos 27 Planos de Desenvolvimento para APLs intensivos em Cultura pactuados em parceria com o MDIC. O Produto faz parte do Macroeixo 4 - Arranjos Produtivos Locais e Territórios Criativos, do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 8 - ETAPA 1 - 2º RELATÓRIO

2º Relatório: Custeio e Financiamento das Ações nos Planos de Desenvolvimento dos APLs de Economia Criativa, referente à Etapa 1 do Produto 8 - Monitoramento da Execução e Evolução dos 27 Planos de Desenvolvimento para APLs intensivos em Cultura pactuados em parceria com o MDIC. O Produto faz parte do Macroeixo 4 - Arranjos Produtivos Locais e Territórios Criativos, do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 8 - ETAPA 1 - 3º RELATÓRIO

3º Relatório: Acompanhamento da Execução das Ações previstas nos Planos de Desenvolvimento, referente à Etapa 1 do Produto 8 - Monitoramento da Execução e Evolução dos 27 Planos de Desenvolvimento para APLs intensivos em Cultura pactuados em parceria com o MDIC. O Produto faz parte do Macroeixo 4 - Arranjos Produtivos Locais e Territórios Criativos, do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

EPEC II - PRODUTO 8 - ETAPA 1 - 4º RELATÓRIO

4º Relatório: Apoio Técnico à Realização do I Encontro Nacional de Territórios Culturais e Participação na 7ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais (Brasília, 8 a 10 de dezembro de 2015) - Avaliação do I Encontro e Proposições para um II Encontro, referente à Etapa 1 do Produto 8 - Monitoramento da Execução e Evolução dos 27 Planos de Desenvolvimento para APLs intensivos em Cultura pactuados em parceria com o MDIC. O Produto faz parte do Macroeixo 4 - Arranjos Produtivos Locais e Territórios Criativos, do Termo de Cooperação Estudos e Pesquisas em Economia Criativa: Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa.

Atlas Económico de la Cultura Brasileña - vol. I

O projeto Atlas Econômico da Cultura Brasileira busca, principalmente, mensurar o impacto dos setores culturais e criativos (SCC) sobre a evolução da economia brasileira. A coleção cumpre um papel precedente à mensuração, dado que busca apresentar e desenvolver metodologias do ponto de vista teórico e empírico para viabilizar o objetivo principal do projeto. Tendo isso em vista, o primeiro volume da coleção orienta-se em torno da exposição de marcos teóricos e conceitos fundamentais, bem como de exemplos de estudos regionais e setoriais.

Atlas Económico de la Cultura Brasileña - vol. II

O projeto Atlas Econômico da Cultura Brasileira busca, principalmente, mensurar o impacto dos setores culturais e criativos (SCC) sobre a evolução da economia brasileira. A coleção cumpre um papel precedente à mensuração, dado que busca apresentar e desenvolver metodologias do ponto de vista teórico e empírico para viabilizar o objetivo principal do projeto. Tendo isso em vista, o segundo volume da coleção orienta-se em torno da exposição de esforços de pesquisa focados nos quatro eixos temáticos do projeto: empreendimentos culturais, mercado de trabalho, políticas públicas e comércio internacional.

Institucional
Diálogos en Economía Creativa
Las transmisiones de eventos
NOTÍCIA
Revista do Arquivo Nacional abre chamada para publicação de trabalhos
16/08/2017

A revista Acervo, publicação semestral do Arquivo Nacional, tornou pública chamada de trabalhos para seu volume 31, número 1, a ser publicado em 2018. Serão aceitos trabalhos para as seções: dossiê temático, artigos livres, resenhas e documentos.

Para esta edição, a revista traz como tema “Diversidades e(m) Arquivos”, sendo dedicada às diversidades culturais, com o intuito de debater sobre a importância da preservação, proteção, processamento técnico, acesso e difusão do patrimônio documental dos diferentes grupos, povos e culturas que formam o Brasil.

Os organizadores Diego Barbosa da Silva e Leonardo Augusto Silva Fontes, professores do Arquivo Nacional, pretendem questionar como as instituições arquivísticas (públicas e privadas) conservam, tratam e divulgam os documentos a respeito dos povos indígenas e afro-brasileiros, imigrantes, ciganos, LGBTQIs, grupos com necessidades especiais, a cultura popular, o hip-hop e o funk, entre outros.

Interessados em publicar trabalhos devem enviar suas submissões até dia 15 de setembro por meio do portal da revista Acervo. Os textos devem estar de acordo com o foco e o escopo da revista e seguir suas normas editoriais.

Com informações de IBRAM.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
UNESCO e Banco Mundial defendem cultura e turismo como ferramentas para o desenvolvimento sustentável
14/08/2017

No mês de julho, Banco Mundial e a UNESCO firmaram uma nova parceria para promover o crescimento econômico sustentável por meio de políticas culturais e de desenvolvimento urbano. O acordo de cooperação prevê ações para os próximos seis anos, ao longo dos quais os dois organismos internacionais buscarão formas de usar a indústria criativa e do turismo para promover a prosperidade compartilhada.

“Esse compromisso renovado por uma parceria de longa data entre a UNESCO e o Banco Mundial traz para o primeiro plano da discussão global o papel crítico que a cultura desempenha em apoiar os países no alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e da Nova Agenda Urbana”, disse a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, sobre o acordo.

Ao lembrar que o patrimônio cultural e o turismo responsável se tornaram motores econômicos fundamentais para a redução da pobreza e para a criação de empregos, especialmente para mulheres e jovens, Sameh Wahba, diretor de Prática Global de Resiliência Social, Urbana e Rural do Banco Mundial, enfatizou que “assuntos de cultura para o desenvolvimento urbano sustentável são essenciais para a construção de cidades e comunidades inclusivas, resilientes, produtivas e sustentáveis para todos”.

O organismo financeiro e a agência da ONU atuarão lado a lado na orientação de políticas comuns para abordar o patrimônio cultural e as indústrias criativas como recursos para responder a situações pós-desastre e pós-conflito. O acordo prevê ações estratégias nas áreas de Paisagens Urbanas Históricas e Regeneração Urbana, Indústrias Criativas e Culturais, Resiliência e Gerenciamento de Risco de Desastres.

A UNESCO lembra que a assinatura da parceria coincide com o Ano Internacional para o Turismo Sustentável. Até 2030, o setor deve gerar 1,8 bilhão de dólares em receitas.

As indústrias criativas também são promissoras para a geração de renda e emprego. Receitas do segmento são estimadas em 2,25 bilhões de dólares. Atualmente, o setor cria 29,5 milhões de postos de trabalho em todo o mundo.

O acordo, em inglês, está disponível no site da Unesco.

Com informações de Nações Unidas.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Conheça os serviços prestados pela Casa de Rui Barbosa
03/08/2017

A Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC), oferece um espaço reservado ao trabalho intelectual, à consulta de livros e documentos e à preservação da memória nacional. Inaugurada em 1930 como o primeiro museu-casa do Brasil, a Fundação homenageia seu patrono tendo como principal atividade manter, preservar e difundir o acervo bibliográfico e documental e seu jardim histórico. O espaço está situado no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro.

Os trabalhos de Rui Barbosa nas áreas jurídica, política e jornalística estão reunidos em uma coleção de obras completas, com 137 tomos, disponíveis para pesquisa. As obras também estão digitalizadas e podem ser consultadas on-line no site da FCRB.

Entre os serviços oferecidos pela FCRB estão ainda o Mestrado profissionalizante, a série Palavra por Palavra e o projeto Memória & Informação. Neste momento, estão abertas até 16 vagas para o curso de mestrado em memória e acervos, e os pesquisadores interessados podem apresentar seus projetos até o dia 11 de agosto.  

No local, o público também pode visitar a casa, hoje museu, em que o escritor Rui Barbosa viveu entre 1895 e 1923, ano de sua morte. No ano seguinte, o espaço foi adquirido pelo governo brasileiro com todo seu acervo. Em 1930, tornou-se o Museu Casa de Rui Barbosa, que, além da biblioteca, conserva móveis e objetos da família. 

Conheça mais sobre Rui Barbosa.

Com informações de MinC.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Dossiê da Revista de Estudios Brasileños sobre cinema brasileiro está disponível
01/08/2017

Está disponível o número especial da Revista de Estudios Brasileños dedicado ao cinema brasileiro, organizado em colaboração com o IV Congresso Internacional de História, Arte e Literatura no Cinema em Espanhol e Português. A REB é uma publicação semestral e de formato eletrônico, resultado de la colaboração acadêmica entre a Universidade de Salamanca e a Universidade de São Paulo, em conjunto com a Universia, por meio de sua plataforma de publicações online. O objetivo da revista é a publicação de estudos originais sobre todos os diversos aspectos que configuram a identidade do Brasil, com conteúdos nas áreas de Humanidades, Ciências Sociais e Jurídicas.

É possível acessar ao dossiê na plataforma de revistas da Universidade de São Paulo, no site GREDOS, no repositório da Universidade de Salamanca e também no perfil da REB no Academia.edu.

O número conta com artigos sobre adaptações cinematográficas de obras como Vidas Secas, Lavoura Arcaica e Até o dia em que o cão morreu, sobre a cidade de Recife no cinema brasileiro e sobre o papel da sétima arte para relembrar a história.

A REB está com chamada aberta para o envio de trabalhos até o dia 04 de setembro, para o número 9 da revista, com publicação para janeiro de 2018. O tema do dossiê a ser publicado será o atual contexto político brasileiro, considerando a crise política, relação entre o Congresso e o Supremo Tribunal Federal, transparência e papel das instituições. A informação completa está disponível aqui.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
UFBA e MinC lançam edital para produzir livros da Coleção Cultura e Pensamento
31/07/2017

A Universidade Federal da Bahia, por meio do Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (CULT) do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, e o Ministério da Cultura, através da Fundação Casa de Rui Barbosa, lançam edital público visando a seleção de trinta textos para serem publicados em três livros: Direitos Culturais; Políticas Culturais para as Cidades e Políticas para as Artes.

A Coleção tem por objetivo estimular a reflexão contemporânea sobre temas da cultura nacional e internacional, potencializando a discussão sobre cultura e políticas culturais. Ela busca apoiar iniciativas da sociedade e da comunidade cultural, por meio da publicação de estudos existentes e do incentivo ao aparecimento de novos trabalhos.

Cada um dos livros reunirá dez textos selecionados por três comissões editoriais específicas, compostas por três estudiosos de cultura reconhecidos. Nas escolhas dos membros das comissões editoriais foram consideradas suas trajetórias acadêmicas, bem sua diversidade regional.

O período de inscrições de textos é de 01 de agosto a 30 de setembro de 2017. O acesso ao edital e mais informações sobre a Coleção Cultura e Pensamento estão disponíveis no site.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Nova seleção para bolsista - Educação a distância
31/07/2017

Está aberta a seleção de bolsista para atuar nos projetos de educação a distância do NECCULT junto ao Núcleo de Apoio Pedagógico à Educação a Distância (NAPEAD) da UFRGS. Entre os requisitos da vaga estão o domínio dos softwars After effects, Premiere e Illustrator, e estar matriculado em curso de graduação ou pós-graduação na UFRGS.

Os interessados devem enviar o histórico da faculdade, o portfólio Behance ou equivalentes e a solução de dois testes (sobre filmagem e edição de vídeos, e animações, disponíveis no link do site do NAPEAD) para o e-mail gabriela.perry@ufrgs.br.

O valor da bolsa é de R$ 850 para 20h semanais.

 

Cronograma das seleções

Até 02 de agosto – Inscrições mediante envio do histórico, portfólio e resolução dos testes

03 de agosto – Seleção de currículos e divulgação dos selecionados para a fase de entrevista

04 de agosto – Realização das entrevistas

05 de agosto – Divulgação do resultado final 

 

 

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Inscrições abertas para o Diálogos em Economia Criativa
15/07/2017

Durante os dias 26 e 27 de julho, ocorre o Diálogos em Economia Criativa, promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura, da UFRGS. Serão três conferências ministradas por especialistas nacionais e internacionais sobre os temas de políticas públicas na área da economia criativa, valor cultural e valor econômico da cultura e gênero e vulnerabilidade social. 

As inscrições estão abertas e podem ser realizadas no site do Diálogos. Confira a programação e participe! 

O evento é realizado pela parceria entre o NECCULT, o Observatório de Economia Criativa do Rio Grande do Sul, a Catavento, o Departamento de Difusão Cultural da UFRGS, a Pró Reitoria de Extensão da Universidade e o Ministério da Cultura

O Diálogos 
O projeto de extensão Diálogos em Economia Criativa vem promovendo, desde 2016, diversas discussões-debate sobre a compreensão da cultura e da criatividade como motores do desenvolvimento econômico. Nesse sentido, o Diálogos traz, em cada edição, especialistas nacionais e internacionais com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento das agendas de pesquisa nas áreas de Economia Criativa e da Cultura. Ao longo de 2017, o projeto entra em uma nova etapa, conciliando o fortalecimento da internacionalização com a reflexão sobre temas contemporâneos na área de economia criativa e da cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Divulgada lista de selecionados da seleção NECCULT
13/07/2017

CANDIDATOS SELECIONADOS

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura está selecionando cinco bolsistas para vagas de Assessor de Conteúdo, Assistente de Pesquisa, Assistente de Comunicação, e Assistente de TI. A lista de selecionados pode ser acessada aqui

 

Cronograma das seleções

03 a 10 de julho – Inscrições mediante envio de currículo para o e-mail neccult@ufrgs.br

11 de julho – Seleção de currículos e divulgação dos selecionados para a fase de entrevista

12 de julho – Realização das entrevistas

13 de julho – Divulgação do resultado final no site do NECCULT

 

Candidatos homologados

Candidatos selecionados para entrevista

 

Termo de Referência – Assessor de Conteúdo

Termo de Referência – Assistente de Comunicação

Termo de Referência – Assistente de Pesquisa I (graduação)

Termo de Referência – Assistente de Pesquisa II (graduação ou pós-graduação)

Termo de Referência – Assistente de TI (Desenvolvedor Web- front end

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Divulgada lista de candidatos selecionados para entrevista da seleção do NECCULT
11/07/2017

CANDIDATOS HOMOLOGADOS

CANDIDATOS SELECIONADOS PARA ENTREVISTA

 

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura está selecionando cinco bolsistas para vagas de Assessor de Conteúdo, Assistente de Pesquisa, Assistente de Comunicação, e Assistente de TI. A lista de homologados para a seleção pode ser acessada aqui. A lista de candidatos selecionados para a fase de entrevista pode ser acessada aqui

As entrevistas do turno da manhã serão realizadas na Sala dos Professores da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS. As entrevistas do turno da tarde serão realizadas no NECCULT, localizado no Anexo da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS.

 

Cronograma das seleções

03 a 10 de julho – Inscrições mediante envio de currículo para o e-mail neccult@ufrgs.br

11 de julho – Seleção de currículos e divulgação dos selecionados para a fase de entrevista

12 de julho – Realização das entrevistas

13 de julho – Divulgação do resultado final no site do NECCULT

 

Termo de Referência – Assessor de Conteúdo

Termo de Referência – Assistente de Comunicação

Termo de Referência – Assistente de Pesquisa I (graduação)

Termo de Referência – Assistente de Pesquisa II (graduação ou pós-graduação)

Termo de Referência – Assistente de TI (Desenvolvedor Web- front end

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Abertas as incrições para o seminário do Fórum Brasileiro Pelos Direitos Culturais
11/07/2017

Fórum Brasileiro Pelos Direitos Culturais realiza o seminário "O Valor da Cultura", que vai ocorrer no dia 25 de julho, a partir das 8h30, no MASP - Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand. O British Council e o NECCULT são parceiros na iniciativa. O evento é gratuito e as inscrições estão abertas, pelo e-mail fbpelosdireitosculturais@gmail.com ou clicando aqui.

O evento abordará os impactos econômicos no setor cultural, num diálogo entre brasileiros e britânicos, colocando a Economia da Cultura no centro do palco para inspirar reflexões sobre o seu potencial no desenvolvimento econômico do país.

A programação está disponível no Facebook do Fórum e conta com a presença do coordenador do NECCULT, prof. Leandro Valiati, Claudio Lins de Vasconcelos (Lins de Vasconcelos Advogados Associados), Lucas Pêssoa (MASP) , Carla Vidal (Expomus), Martin Dowie (British Council), Geoffrey Crossick (Universidade de Londres), Ana Carla Fonseca (Garimpo de Soluções), Andy Pratt (Universidade de Londres), Rosalind Gill (Universidade de Londres) e Luciana Modé (Itaú Cultural).

O Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais foi criado em junho de 2016, reunindo mais de cem organizações, instituições, coletivos, gestores e associações representativas do setor cultural, além de museus, galerias, orquestras, instituições culturais e bibliotecas. O grupo busca atuar no diálogo com as diferentes instâncias de governo, classe política e com a sociedade para estabelecer diretrizes e ampliar o desenvolvimento do setor.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
MinC lança Programa Nacional de Fomento ao Audiovisual com a abertura de cinco editais
10/07/2017

O Ministério da Cultura (MinC) lançou no dia 07 de julho o Programa Nacional de Fomento ao Audiovisual (Proav), composto por cinco editais, conforme publicado no Diário Oficial da União. Criado pela Secretaria do Audiovisual (SAv) do MinC, o novo programa destina mais de R$ 8,6 milhões para 135 projetos do setor e contempla, pela primeira vez, projetos para canais web e aplicativos, além de festivais e mostras de audiovisual. Desde 2011, o MinC não lançava com recursos próprios um pacote de editais tão amplo para o setor de audiovisual. As inscrições já estão abertas e seguem até 21 de agosto, por meio do sistema SalicWeb.

O lançamento oficial foi transmitido ao vivo e contou com apresentação e entrevista coletiva com participação da secretária do Audiovisual do MinC, Mariana Ribas, e das coordenadoras de Intercâmbio, Programas e Projetos, Ana Clarissa, e de Novas Mídias, Lina Távora.  

Durante a apresentação, a secretária destacou que o principal objetivo ao lançar o Proav foi assegurar o fomento ao setor. "Entendemos a dificuldade enfrentada pelos produtores no momento da captação de recursos para a execução de seus projetos. A primeira fase foi a criação dos editais, quando pensando os conceitos, como delimitar o escopo dentro da verba que tínhamos disponível. O segundo momento trata-se da abertura das inscrições, processo de seleção, o resultado dos projetos selecionados e o repasse da verba, que, acreditamos, será feito ainda este ano", destacou.

A secretária afirmou que a democratização de todo o processo também foi um dos critérios levados em consideração no momento da elaboração dos editais, permitindo a inscrição pessoas físicas. Com a criação de editais inéditos, Mariana ressaltou que o Ministério da Cultura buscou estar em sintonia com as demandas atuais da sociedade.

Veiculação na internet

Para incentivar a produção de novas mídias, o Programa Nacional de Fomento ao Audiovisual vai apoiar a criação de 16 canais de veiculação gratuita na internet por meio de dois editais. O edital direcionado à juventude vlogueira reservará R$ 50 mil cada um dos contemplados, que deverão postar vídeos periodicamente. Pelo edital App Pra Cultura, 40 aplicativos e jogos eletrônicos culturais serão agraciados com R$ 20 mil cada, sendo que 20 aplicativos devem ser voltados especificamente para o cinema.

De acordo com a secretária, a criação de um edital voltado exclusivamente para novas mídias tem como uma de suas metas a renovação do mercado. "O jovem hoje tem sua primeira experiência com o audiovisual por meio da internet. Com uma câmera de celular, é possível produzir conteúdo voltado para o setor de audiovisual. Nós, do Ministério da Cultura, sabemos que muitos estão trabalhando por conta própria. Por essa razão, decidimos criar um incentivo para que esses jovens continuem produzindo conteúdos e possam imprimir ao setor um novo ritmo", destacou.

Diretoras mulheres e novos roteiristas

O Programa contempla também editais já tradicionais da SAv, como o de curtas-metragens e o de roteiro. O Edital de Apoio à Produção de Curta-Metragem selecionará e apoiará a produção de 45 obras audiovisuais, de 10 a 15 minutos. Serão duas modalidades, uma de temática e público livres, contemplando 30 obras, e uma voltada às diretoras mulheres, com temática livre, configurando-se como a segunda edição do edital Carmen Santos, realizado em 2013. O valor do apoio a cada projeto é de R$ 80 mil.

 O Edital de Desenvolvimento de Roteiros Cinematográficos - Novos Roteiristas selecionará 12 projetos de roteiros cinematográficos de longa-metragem, com o valor de apoio, por projeto, de R$ 40 mil.

Mostras e festivais

O apoio a mostras e festivais, por meio de edital, além de uma demanda antiga do setor audiovisual, é outra novidade do Programa. O incentivo a esse tipo de evento só se tornou possível após publicação da Portaria do MinC Nº 27/2017, que criou o Programa Nacional de Apoio a Festivais e Mostras Audiovisuais.  

Este é o primeiro edital para mostras e festivais depois da publicação da portaria. Ele foi dividido em três modalidades, que levam em consideração o número de festivais e a quantidade de edições realizadas anteriormente. A primeira categoria, que reserva R$ 80 mil por projeto, selecionará 10 festivais ou mostras audiovisuais que tenham, no mínimo, duas edições realizadas. A segunda categoria terá R$ 150 mil por projeto e beneficiará oito festivais ou mostras audiovisuais com no mínimo cinco edições promovidas. Por último, serão pagos R$ 250 mil por projeto para quatro festivais ou mostras audiovisuais que já tenham pelo menos 10 edições já executadas.

Com informações de MinC.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Casa de Cultura Mario Quintana promove seminário de produção e estratégias de inovação cultural
06/07/2017

A Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ), com o apoio do Curso Superior de Produção Cênica, das Faculdades Monteiro Lobato (FATO), promove nos dias 11, 12 e 13 de julho o Seminários Produtivos – Uma Cartografia da Produção Cultural. Os encontros são gratuitos e vão ocorrer sempre às 19h, na Sala A2B2 – 2º andar da CCMQ.

Os interessados em participar do Seminários Produtivos devem se inscrever e enviar currículo pelo e-mail seminariosprodutivosccmq@gmail.com. Ao final do evento, os participantes que tiverem mínimo de 75% de presença irão receber um certificado.

De acordo com Jessé Oliveira, diretor da CCMQ, o evento busca discutir as ferramentas adotadas pela produção cultural como estratégia criativa para o desenvolvimento do mercado da cultura e do trabalho em arte. Também procura delimitar conceitos da produção cultural contemporânea por meio da contribuição de experiências inovadoras de artistas, produtores e gestores culturais.

No dia 11 de julho, o filmmaker e pesquisador cultural, autor dos livros “O Poder da Cultura” e “Mercado Cultural”, Leonardo Brant (São Paulo), faz uma reflexão bem-humorada de mais de uma dezena de empreendimentos voltados para arte, cultura e indústrias criativas no Brasil. Fala das armadilhas, dos nós a serem desatados, apresenta o cenário brasileiro e global e explica, em sete passos, aquilo que acredita ser as ferramentas mais avançadas para desenvolver negócios atualmente.

Com o tema “Gestão de espaços culturais: a experiência do Galpão Cine Horto”, no dia 12 de julho, o ator, diretor e gestor cultural Chico Pelúcio (Minas Gerais) discute a gestão e as formas de contribuição de um centro cultural no fomento, difusão, formação e pesquisa do teatro e artes afins, a partir da experiência do Centro Cultural Galpão Cine Horto de Belo Horizonte.

Na noite de encerramento com os produtores Adriana Donato, Cida Herok e Bruno Melo apresentam o painel “Produção Cultural – Estratégias para Inovação”.

PROGRAMAÇÃO
11 de julho | 19h – “Os 7 Passo do Empreendedor Criativo”.
Palestrante: Leonardo Brant (SP).
Local: Sala A2B2 – 2º andar da CCMQ.

12 de julho | 19h – “Gestão de espaços culturais: a experiência do Galpão Cine Horto”.
Palestrante: Chico Pelúcio (MG).
Local: Sala A2B2 – 2º andar da CCMQ.

13 de julho | 19h – “Produção Cultural – Estratégias para Inovação”.
Palestrantes: produtores culturais Adriana Donato, Cida Herok e Bruno Melo.
Local: Sala A2B2 – 2º andar da CCMQ.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais realiza seminário sobre o valor da Cultura
04/07/2017

O Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais está organizando o seminário O Valor da Cultura, a ocorrer no dia 25 de julho, a partir das 8h30, no Museu de Arte de São Paulo (Av. Paulista, 1578). O British Council e o NECCULT são parceiros na iniciativa. O evento será gratuito e as inscrições estarão abertas a partir do dia 11 de julho, na página do Fórum no Facebook.

O evento abordará os impactos econômicos no setor cultural, num diálogo entre brasileiros e britânicos, colocando a Economia da Cultura no centro do palco para inspirar reflexões sobre o seu potencial no desenvolvimento econômico do país.

O Fórum Brasileiro pelos Direitos Culturais foi criado em junho de 2016, reunindo mais de cem organizações, instituições, coletivos, gestores e associações representativas do setor cultural, além de museus, galerias, orquestras, instituições culturais e bibliotecas. O grupo busca atuar no diálogo com as diferentes instâncias de governo, classe política e com a sociedade para estabelecer diretrizes e ampliar o desenvolvimento do setor.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
NECCULT seleciona cinco bolsistas
03/07/2017

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura está selecionando cinco bolsistas para vagas de assessor de conteúdo, assistente de pesquisa, assistente de comunicação, e assistente de TI, até o dia 10 de julho.

A vaga para Assessor de Conteúdo tem como requisitos estar matriculado em curso de pós-graduação na UFRGS, ter experiência na elaboração de apostilas, guias e manuais, bem como com eventos e cursos, conhecimento de pacote Office e boa capacidade de comunicação. As atribuições da vaga estão disponíveis no Termo de Referência, bem como informações de carga horária e remuneração.

A vaga para Assistente de Comunicação tem como requisitos estar matriculado em curso de graduação na UFRGS, experiência com eventos e cursos, familiaridade com Facebook, Instagram, Twitter e Wordpress, boa capacidade de comunicação e desejável habilidade com produção de fotografia e vídeo, bem como edição em softwares específicos. As atribuições da vaga estão disponíveis no Termo de Referência, bem como informações de carga horária e remuneração.

A vaga para Assistente de Pesquisa I (graduação) tem como requisitos estar matriculado em curso de graduação na UFRGS, fluência em inglês, conhecimento de pacote Office, boa capacidade de comunicação e interesse na área de economia criativa e da cultura. As atribuições da vaga estão disponíveis no Termo de Referência, bem como informações de carga horária e remuneração.

A vaga para Assistente de Pesquisa II (graduação ou pós-graduação) tem como requisitos estar matriculado em curso de graduação ou pós-graduação na UFRGS, conhecimento dos pacotes SPSS e R, experiência com extração de dados, boa capacidade de comunicação e interesse na área de economia criativa e da cultura. As atribuições da vaga estão disponíveis no Termo de Referência, bem como informações de carga horária e remuneração.

A vaga para Desenvolvedor Web (front end) tem como requisitos estar regularmente matriculado em curso técnico, de graduação ou pós-graduação da UFRGS, conhecimento intermediário de HTML5, CSS3 e Javascript, e familiaridade com UX Design, Design Responsivo e Web Standards. É desejável experiência com pré-processadores (LESS, Sass) e automatizadores de tarefas (Grunt, Gulp), e familiaridade com uma linguagem back end e sistema de versionamento de código (Git). As atribuições da vaga estão disponíveis no Termo de Referência, bem como informações de carga horária e remuneração.

Os interessados devem enviar currículo atualizado para o e-mail neccult@ufrgs.br até o dia 10 de julho, especificando a vaga para qual desejam participar, de acordo com o Termo de Referência.

Termo de Referência – Assessor de Conteúdo

Termo de Referência – Assistente de Comunicação

Termo de Referência – Assistente de Pesquisa I (graduação)

Termo de Referência – Assistente de Pesquisa II (graduação ou pós-graduação)

Termo de Referência – Assistente de TI (Desenvolvedor Web- front end)

 

Cronograma das seleções

03 a 10 de julho – Inscrições mediante envio de currículo para o e-mail neccult@ufrgs.br

11 de julho – Seleção de currículos e divulgação dos selecionados para a fase de entrevista

12 de julho – Realização das entrevistas

13 de julho – Divulgação do resultado final no site do NECCULT

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
NECCULT participa do BIG Festival, em São Paulo
31/12/1969

Nessa semana, a equipe NECCULT participa do BIG Festival, em São Paulo. O festival é o maior evento de jogos independentes da América Latina, considerado decisivo para o crescimento da indústria brasileira de games. Na edição de 2016, 18 mil pessoas circularam pelo festival, o que possibilitou um contato direto entre os desenvolvedores com o público e com compradores de grandes empresas do setor, garantindo a entrada e o sucesso de games no mercado.  

Ao longo das cinco edições, o evento cresceu: “Temos empresas mais profissionais, já temos casos de sucesso incontestáveis, temos mais game designers e especialistas e o ensino também evoluiu, andando positivamente lado a lado a esse crescimento da indústria”, aponta Alê McHaddo, diretor executivo do BIG Festival. No evento de 2017, o BIG conta com 768 games inscritos, 45 jogos em exposição e uma programação com mais de 200 palestrantes. Com competidores de 54 países diferentes, a competição possui 10 categorias da premiação: melhor jogo, jogo brasileiro, jogo da América Latina, jogo educacional ou de impacto social, jogo de realidade virtual, melhor arte, melhor narrativa, prêmio Inovação, melhor som e melhor gameplay.

O festival tem ainda o Business Forum, que inclui atividades para profissionais e empreendedores da área, conectando desenvolvedores independentes com players e compradores de grandes empresas internacionais do setor. Entre os dias 28 e 30 de junho, ocorrem rodadas de negócios, com o objetivo de fortalecer a indústria brasileira de jogos digitais, capacitando e criando novas oportunidades de parcerias. Na edição de 2016, o contato dos desenvolvedores indie e empresas nacionais e internacionais garantiu uma movimentação de mais de US$ 3 milhões em negócios.

O BIG Business Forum é uma das ações do BGD, Projeto Setorial de Exportação Brazilian Game Developers, uma parceria entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, Apex-Brasil, e a Associação Brasileira das Desenvolvedores de Jogos Digitais, Abragames.

Com informações de IGN.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Seleção para bolsista - Educação a distância
03/07/2017

Está aberta a seleção de bolsista para atuar nos projetos de educação a distância do NECCULT junto ao Núcleo de Apoio Pedagógico à Educação a Distância (NAPEAD) da UFRGS. Entre os requisitos da vaga estão o domínio dos softwars After effects, Primiere e Illustrator, e estar matriculado em curso de graduação ou pós-graduação na UFRGS.

Os interessados devem enviar o histórico da faculdade, o portfólio Behance ou equivalentes e a solução de dois testes (sobre filmagem e edição de vídeos, e animações, disponíveis no link do site do NAPEAD) para o e-mail gabriela.perry@ufrgs.br.

O valor da bolsa é de R$ 850 para 20h semanais.

Os selecionados para a bolsa foram Marcelo Simões de Souza e Lorenzo Silveira Stello.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Dia Nacional do Cinema
20/06/2017

Ontem, 19 de junho, foi comemorado o Dia Nacional do Cinema, em referência à data em que foi realizada a primeira filmagem no país, pelo italiano Alfonso Segreto, em 1889. De acordo com o Ministério da Cultura, das primeiras e rudimentares imagens rodadas ainda no final do século XVIII às superproduções com bilheterias milionárias, o cinema nacional viveu as mais diversas fases, chegando mesmo a quase desaparecer. Para celebrar a data, os cineastas brasileiros João Batista de Andrade, ministro interino da cultura, Cacá Diegues, membro do Conselho Superior de Cinema, e Carla Camurati fazem uma retrospectiva da evolução da sétima arte no Brasil, e são unânimes ao afirmar que há muito a comemorar, considerando o bom momento da área.

Em um esforço contínuo da Secretaria do Audiovisual (SaV) e da Agência Nacional do Cinema (Ancine), o MinC vem propondo políticas públicas e linhas de fomento e incentivo à produção cinematográfica no país, fato decisivo para o crescimento do mercado nacional.  De editais ao Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), o Ministério, por meio de suas secretarias e entidades vinculadas, vem possibilitando a realização de curtas e longas, independentes e comerciais.  

O ministro da Cultura interino e cineasta, João Batista de Andrade, acredita que o Dia do Cinema Brasileiro coincide com o excelente momento vivido pelo cinema brasileiro. Para Andrade, “estamos falando de um cinema que não para de avançar”, considerando a importância da garra dos cineastas frente às dificuldades aparentemente intransponíveis, como a ocupação do mercado por produções estrangeiras, disse, relembrando ainda de movimentos como a Chanchada e o Cinema Novo.

Para Cacá Diegues, do Conselho Superior de Cinema, o cinema brasileiro vive hoje seu melhor momento: “nunca se filmou tanto no país”, com 143 longas no ano de 2016. Para o cineasta, uma das principais características do cinema produzido no Brasil é a sua diversidade, com filmes que conquistam tanto o público, quanto o respeito de críticos. O cineasta, que fundou ao lado de Glauber Rocha o Cinema Novo relembrou ainda as dificuldades enfrentadas para a realização de um filme. “No final dos anos 60, éramos apenas seis cineastas trabalhando dentro do Cinema Novo. Fazer um filme demandava um esforço imenso. Hoje, os incentivos são muito maiores”, declarou.

Responsável pela chamada “retomada do Cinema Brasileiro” em meados dos anos 90, com o lançamento do filme Carlota Joaquina, a diretora Carla Camurati, destaca o crescimento do mercado cinematográfico nacional dos últimos anos e seus desafios.  “O cinema brasileiro cresce a cada dia, se produz muito e com uma variedade muito grande. As políticas públicas têm caminhado no sentido de fortalecer o cinema e a produção interna, o que é outro ponto positivo. Mas, a distribuição ainda é um fator muito delicado, que precisa ser visto com mais atenção”, ponderou.

No site da Ancine, está disponível parte da história do cinema brasileiro.

Com informações de Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Ministério da Cultura tem editais abertos
14/06/2017

Vinte e seis processos seletivos no campo cultural estão em andamento, com editais abertos pelo Ministério da Cultura (MinC) e instituições vinculadas. São editais, chamadas públicas, premiações, concursos e convocatórias, com critérios objetivos e transparentes, sendo uma maneira eficaz e direta de implementar políticas públicas, de acordo com o órgão.

O público que pode se inscrever vai de consultores em patrimônio a núcleos criativos da área audiovisual. Há temas como direção de museus; literatura musical; aplicativos e jogos voltados à poesia; acessibilidade e inclusão em bibliotecas; tradução e publicação de obras de autores brasileiros no exterior; e culturas populares. 

Seguem as oportunidades disponíveis e não perca os prazos: 

Convocatória para Consultor em Patrimônio Cultural Imaterial (prazo: 14/6)

O Departamento de Promoção Internacional da Secretaria de Articulação e Desenvolvimento Institucional (Sadi) do MinC, em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), oferece seleção de consultor especializado. O objetivo é desenvolver um trabalho técnico para subsidiar a candidatura dos Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) ao Registro de Melhores Práticas de Salvaguarda da Convenção da Unesco para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial. O consultor deverá ter graduação em antropologia, história ou ciências sociais e especialização nas áreas de preservação e/ou gestão do patrimônio cultural, preferencialmente de natureza imaterial. Interessados deverão acessar o edital nº 01/2017, relativo ao Projeto 914BRZ4013. O prazo para envio de currículos é até 14 de junho de 2017. Acesse o link do edital.

Edital de Credenciamento de Jurados em Audiovisual (prazo: 16/6)

Estão abertas, até o dia 16 de junho de 2017, as inscrições para o Credenciamento de Jurados em Audiovisual. Os selecionados formarão o banco de especialistas da Secretaria do Audiovisual (SAv) do MinC e poderão fazer parte de comissões de seleção de editais, programas de capacitação, tutorial de produção de roteiro, entre outras atividades. A convocação está condicionada às demandas da Secretaria do Audiovisual, a qual observará a representatividade regional e a diversidade racial e de gênero na composição das comissões. Acesse o edital.

Edital de Coprodução Brasil-Uruguai (prazo: 20/6)

A Ancine, vinculada ao MinC, oferece oportunidade para a Chamada Pública Prodecine 09/2017 - Coprodução Uruguai-Brasil, em parceria com o Instituto de Cinema y Audiovisual (ICAU), do Uruguai. Com inscrições abertas até o dia 20 de junho de 2017, o edital irá selecionar um projeto de obra cinematográfica de longa-metragem em coprodução Uruguai-Brasil, do gênero ficção, documentário ou animação, com destinação inicial prioritária para o mercado de salas de exibição, apresentado por produtora brasileira independente registrada na Ancine. Serão disponibilizados 200 mil dólares para o projeto selecionado. Acesse o edital.

Chamamento Público para Diretor do Museu da Inconfidência (prazo: 24/6)

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), vinculado ao MinC, está com inscrições abertas – até o dia 24 de junho de 2017 – para um Edital de Chamamento Público. O objetivo é selecionar candidato para ocupar o cargo comissionado de diretor do Museu da Inconfidência, administrado pelo Ibram. O candidato deverá apresentar um plano de trabalho para um período de quatro anos, detalhando ações que pretende implantar no exercício da direção do museu. O cargo será correspondente ao Grupo-Direção e Assessoramento Superiores de nível DAS 101.4, no valor bruto de R$ 9.476,47. Acesse o edital.

Edital de Coprodução Brasil-Portugal (prazo: 27/6)

A Ancine e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) têm inscrições abertas para a Chamada Pública Prodecine 08/2017 - Coprodução Portugal-Brasil, do Programa Brasil de Todas as Telas. O edital binacional, lançado em parceria com o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA-IP), de Portugal, prevê investimentos equivalentes a 600 mil dólares em quatro projetos de longas-metragens de ficção, documentário ou animação. No Brasil, concorrem os projetos apresentados por produtoras brasileiras que participem na condição de coprodutoras minoritárias. Os projetos com participação majoritária brasileira devem ser apresentados por seus parceiros portugueses ao edital a ser lançado pelo ICA-IP, em Portugal. As inscrições estão abertas até o dia 27 de junho de 2017 neste link

Chamamento Público para Diretor do Museu Solar Monjardim (prazo: 30/6)

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) abre inscrições, até o dia 30 de junho de 2017, para um Edital de Chamamento Público. O objetivo é selecionar candidato para ocupar o cargo comissionado de diretor do Museu Solar Monjardin, administrado pelo Ibram. O candidato deverá apresentar um plano de trabalho para um período de quatro anos, detalhando ações que pretende implantar no exercício da direção do museu. O cargo será correspondente ao Grupo-Direção e Assessoramento Superiores de nível DAS 101.3, no valor bruto de R$ 5.194,01. Acesse o edital.

Concurso Itamaraty de Composição Musical (prazo: 30/6)

Vinculada ao MinC, a Fundação Nacional de Artes (Funarte), em parceria com o Ministério das Relações Exteriores (MRE), abre inscrições – até o dia 30 de junho de 2017 – para o I Concurso Itamaraty de Composição Musical. O objetivo da seleção é incentivar a produção de nova literatura musical. Serão premiadas duas obras, uma na categoria "fanfarra", no valor de R$ 15 mil; e uma na categoria "dobrado", no valor de R$ 20 mil. As obras vencedoras serão incorporadas ao Banco de Partituras de Música Brasileira da Academia Brasileira de Música e comporão a Coleção Itamaraty de Composição Musical. Podem se candidatar compositores brasileiros, natos ou naturalizados, residentes ou não no Brasil. O edital ainda presta homenagem aos 50 anos do Palácio do Itamaraty, sede do MRE. Acesse o edital.

Prêmio Literário Ferreira Gullar (prazo: 30/6)

Até o dia 30 de junho de 2017, estudantes dos ensinos fundamental e médio das redes pública e privada de ensino podem inscrever jogos eletrônicos ou aplicativos que incentivem a leitura e, sobretudo, o conhecimento da obra do poeta maranhense Ferreira Gullar. A iniciativa do MinC, por meio do Departamento de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB), distribuirá R$ 30 mil em prêmios. Os três primeiros colocados receberão troféu, diploma e os seguintes prêmios financeiros: R$ 10 mil para o primeiro lugar, R$ 7.142,86 para o segundo e R$ 4.285,72 para o terceiro. O prêmio integra o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL). Além de estimular a leitura, o prêmio ainda presta homenagem ao escritor Ferreira Gullar, morto em dezembro de 2016. Acesse o edital.

Edital Núcleos Criativos (prazo: 3/7)

A Ancine abre inscrições para a quinta edição do edital Prodav 03/2017 – Núcleos Criativos, no valor de R$ 14 milhões. Serão selecionadas 14 novas propostas de núcleos criativos, projetos que reúnem profissionais de criação e roteiristas com o objetivo de desenvolver roteiros de filmes, séries, programas e formatos para televisão. As inscrições vão até 3 de julho de 2017. Acesse o link das inscrições

Edital de Jogos Eletrônicos (prazo: 3/7)

A Ancine abre inscrições para a Chamada Pública Prodav 14/2017, segunda edição da iniciativa do Programa Brasil de Todas as Telas que seleciona propostas de produção de jogos eletrônicos para exploração comercial em consoles, computadores ou dispositivos móveis. O edital disponibiliza R$ 10 milhões, em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), e estima a seleção de 22 projetos de games. O prazo de inscrições vai até o dia 3 de julho de 2017. Podem participar do edital empresas produtoras audiovisuais e desenvolvedoras de jogos eletrônicos registradas e classificadas na Ancine como agente econômico brasileiro independente. Acesse o edital.

Edital para credenciamento de pareceristas externos (prazo: 4/7)

A Ancine abre inscrições para o edital de credenciamento de profissionais do mercado audiovisual. Eles irão atuar como pareceristas na avaliação das propostas inscritas em Chamadas Públicas do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). As inscrições ficam abertas até o dia 4 de julho de 2017. Os credenciados ficarão responsáveis por emitir parecer detalhado que expresse opinião sobre aspectos relevantes do projeto avaliado. As notas deverão estar de acordo com as normas e critérios estabelecidos nas chamadas públicas do FSA, observando as orientações e modelos de avaliação fornecidos pela Ancine ou pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). Acesse o edital

Chamada Pública para Cinema da Cidade (prazo: 5/7)

A Ancine abre inscrições para governos estaduais manifestarem seu interesse em ação conjunta dirigida à construção e à implantação de complexos cinematográficos em municípios desprovidos desse serviço. Os interessados deverão apresentar proposta de ação para a seleção dos municípios a serem contemplados com projetos de salas de cinema, em concordância com os termos deste chamamento, em especial as contrapartidas exigidas. Serão priorizados os municípios com mais de 20 mil habitantes sem salas de cinema em operação, nem projeto anunciado para implantação. Serão comprometidos recursos financeiros no valor total de R$ 8,3 milhões, do FSA. Os governos estaduais interessados deverão comprometer-se com uma contrapartida mínima de R$ 2,075 milhões. As propostas estão abertas até o dia 5 de julho de 2017. Saiba mais

Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade 2017 (prazo: 5/7)

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), entidade vinculada ao MinC, abre inscrições, até o dia 5 de julho de 2017, para a 30ª edição do prêmio. O edital irá selecionar oito trabalhos representativos de ações preservacionistas relativas ao Patrimônio Cultural. A seleção de iniciativas de excelência é feita a partir de quatro grandes categorias relativas ao Patrimônio Cultural: técnicas de preservação, processos de salvaguarda, promoção e gestão compartilhada. Cada iniciativa será contemplada com R$ 30 mil. Poderão concorrer ao prêmio pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, que tenham desenvolvido ou estejam desenvolvendo ações voltadas para a preservação do patrimônio cultural brasileiro em qualquer lugar do território nacional. A edição 2017 ainda celebra os 80 anos do Iphan, comemorados este ano. Acesse o link.

Chamada Pública para Suporte Automático Desempenho Comercial (prazo: 14/7)

Até o dia 14 de julho de 2017, estão abertas inscrições para habilitar obras na linha de desempenho comercial do Sistema de Suporte Automático do Programa Brasil de Todas as Telas, a Chamada Pública Prodav 06/2017. Por meio de um sistema estruturado em três módulos (produção, distribuição e programação), serão disponibilizados R$ 100 milhões, em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual, para empresas produtoras brasileiras independentes, distribuidoras brasileiras atuantes no mercado de salas exibição e programadoras de televisão atuantes no serviço de acesso condicionado ou de radiodifusão. O edital é da Agência Nacional do Cinema (Ancine), vinculada ao MinC. Saiba mais

Processo seletivo para estágio do Programa Iberbibliotecas (prazo: 21/7)

Bibliotecários de bibliotecas públicas de todo o Brasil têm até o dia 21 de julho de 2017 para se inscrever na 2ª edição do estágio do Programa Iberbibliotecas, que será realizado, neste ano, entre os dias 6 e 10 de novembro, em São Paulo. O estágio é voltado a bibliotecários de bibliotecas públicas e comunitárias que estejam trabalhando na área de acessibilidade e inclusão, nos países e cidades integrantes do Iberbibliotecas: Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Espanha, México, Paraguai, Buenos Aires (Argentina) e Medellín (Colômbia). Durante uma semana, os bibliotecários selecionados farão visitas, contatos e intercâmbios com instituições do setor. O objetivo da ação é fortalecer ações conjuntas para a democratização do acesso à leitura, compartilhando boas práticas, informações e conhecimentos e contribuir no desenvolvimento de capacidades dos profissionais participantes do estágio. Acesse o edital.

Edital de Coprodução Brasil-Chile (prazo: 27/7)

A Ancine abre edital, até o dia 27 de julho, para a seleção de um projeto de obra cinematográfica de longa-metragem em regime de coprodução Brasil-Chile. A produção independente, do gênero ficção, documentário ou animação, terá destinação inicial prioritariamente para o mercado de salas de exibição. A chamada pública Prodecine 10/2017 conta com investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) – serão disponibilizados US$ 100 mil. Acesse o edital.

Edital Culturas Populares: Edição Leandro Gomes de Barros (prazo: 28/7)

O MinC, por meio da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural (SCDC), abre inscrições para o Edital Culturas Populares. Serão premiadas 500 iniciativas que fortaleçam as expressões culturais populares brasileiras. Exemplos dessas iniciativas são o Cordel, a Quadrilha, o Maracatu, o Jongo, o Cortejo de Afoxé e o Bumba-meu-boi, entre outros – só não estão incluídas Culturas Indígenas, Culturas Ciganas, Hip Hop e Capoeira, por já serem objeto de editais específicos lançados pelo ministério. Das 500 premiações, 200 serão destinadas a pessoas físicas, outras 200 a coletivos culturais sem constituição jurídica, 80 a pessoas jurídicas sem fins lucrativos e com natureza ou finalidade cultural e 20 a herdeiros de mestres já falecidos (In Memorian). Cada iniciativa selecionada receberá R$ 10 mil. As inscrições seguem até 28 de julho de 2017. Acesse o edital.

Edital de Apoio à Tradução e à Publicação 2015-2017 (prazo: 12/6/18)

O edital Programa de Apoio à Tradução e à Publicação de Autores Brasileiros no Exterior, da Fundação Biblioteca Nacional (FBN), vinculada ao MinC, contempla editoras estrangeiras e de países de língua portuguesa (CPLP) que desejam traduzir e publicar obras de autores brasileiros. O objetivo é difundir a cultura e a literatura brasileiras no exterior. A FBN concederá apoio financeiro de até US$ 8 mil para projetos de tradução e/ou publicação inéditos ou de nova tradução e de até US$ 4 mil para projetos de reedição. O apoio é voltado para literatura e humanidades, com foco nos seguintes gêneros: romance, conto, poesia, crônica, infantil, juvenil, história em quadrinhos, teatro, obra de referência, ensaio literário, ensaio social, ensaio de vulgarização científica e antologias de poemas e contos, integrais ou em parte. As inscrições poderão ser realizadas até 12 de junho de 2018. Acesse o edital.

Chamada Pública para Arranjos Financeiros Estaduais e Regionais (prazo: 7/7)

Seguindo com a proposta de nacionalização do audiovisual, estão abertas as inscrições para a Chamada Pública Ancine/FSA 01/2017 - Arranjos Financeiros Estaduais e Regionais. Com o edital da Agência Nacional do Cinema (Ancine), vinculada ao MinC, o programa se propõe a financiar, de forma complementar, com recursos do Fundo Setorial do Audiovisual, projetos audiovisuais independentes selecionados em editais promovidos por órgãos e entidades da administração pública estadual, do Distrito Federal e das capitais das Regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sul e dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Para esta linha estão previstos investimentos na ordem de R$ 70 milhões. Acesse o edital.

 

Modalidades de Fluxo Contínuo (Ancine)

Chamada Pública BRDE/FSA Prodecine 03/2016

A Chamada Pública destina-se à seleção de projetos de comercialização de obras cinematográficas brasileiras de produção independente de longa-metragem de ficção, documentário ou animação, para exploração em todos os segmentos de mercado, com destinação inicial ao mercado doméstico de salas de exibição. São disponibilizados recursos financeiros no valor total de R$ 45 milhões. Acesse o edital.

Chamada Pública BRDE/FSA Prodav 13/2016

A Chamada Pública destina-se à seleção de propostas para renovação de Núcleos Criativos contemplados em editais anteriores da linha Prodav 03, para o desenvolvimento de Carteira de Projetos de obras audiovisuais seriadas, de obras audiovisuais não seriadas de longa-metragem e de formatos de obra audiovisual brasileiros de produção independente. São disponibilizados recursos financeiros no valor de até R$ 28 milhões. Acesse o edital.

Chamada Pública BRDE/FSA Prodecine 02/2016

A Chamada Pública destina-se à seleção de projetos de produção de obras cinematográficas de longa-metragem (ficção, documentário ou animação) apresentados por meio de distribuidoras brasileiras independentes. São disponibilizados recursos financeiros no valor total de R$ 165 milhões. Confira o edital.

Chamada Pública BRDE/FSA Prodav 02/2016

A Chamada Pública destina-se à seleção de propostas de projetos de produção de conteúdos brasileiros independentes e projetos pré-selecionados para as grades de programação dos canais de televisão aberta e por assinatura. São disponibilizados recursos financeiros no valor total de R$ 90 milhões. Acesse o edital.

Chamada Pública BRDE/FSA Prodecine 06/2015

Esta Chamada Pública destina-se à seleção de projetos de produção independente de obras cinematográficas brasileiras de longa-metragem com destinação e exibição inicial prioritariamente no mercado de salas de exibição, nos gêneros de ficção, documentário ou de animação, em regime de coprodução com países da América Latina. São disponibilizados recursos financeiros no valor total de R$ 15 milhões. Acesse o edital.

Chamada Pública BRDE/FSA Prodecine 4/2013

A Chamada Pública destina-se à seleção de projetos de produção independente de obras cinematográficas brasileiras de longa-metragem de ficção e animação, na modalidade de complementação de recursos, visando a contratação de operações financeiras, exclusivamente na forma de investimento. São disponibilizados recursos financeiros no valor total de R$ 90 milhões. Acesse o edital.

Chamada Pública BRDE/FSA Prodav 01/2013

A Chamada Pública destina-se à seleção de projetos de produção independente de obras audiovisuais brasileiras, destinadas ao mercado de televisão, no formato de obra seriada de ficção, documentário e animação e de telefilmes documentários, visando a contratação de operações financeiras, exclusivamente na forma de investimento. São disponibilizados recursos financeiros no valor total de R$ 326 milhões. Acesse o edital.

 

Com informacoes de Assessoria de Comunicação do Ministério da Cultura

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Conta Satélite da Cultura Portuguesa
09/06/2017

A cultura vale 1,7% do Valor Acrescentado Bruto (VAB) da economia portuguesa, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística e com matéria veiculada no jornal português Observador. Esta é uma das principais conclusões do projeto Conta Satélite da Cultura 2010 – 2012: em termos de riqueza, o mercado cultural português chega a valer quase tanto quanto as empresas de telecomunicações, superando as indústrias alimentares, agricultura e seguros.

No que diz respeito ao VAB, isto é, valor bruto da produção após serem deduzidos os custos do processo produtivo, a contribuição da cultura a nível nacional é de em média 2,7 mil milhões de euro por ano (1,7%). A Conta Satélite foi desenvolvida pelo INE, em parceria com o Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais (GEPAC). O desafio foi lançado pelo secretário de Estado Jorge Barreto Xavier em 2013, na sequência de uma recomendação da União Europeia para que os Estados membros conhecessem de forma mais concreta o impacto da cultura na economia e no emprego. Ao todo, foram analisadas contas de mais de 66 mil entidades.

Em 2011, o então Ministério da Cultura teve 0,4% (215,5 milhões de euros) do orçamento de Estado. Para 2013, coube à secretaria de Estado uma fatia de 0,11%, contrariando pedidos de que o orçamento passasse a destinar 1% da riqueza produzida no país. Com a publicação dos valores da cultura no país, é possível que a cultura tenha a possibilidade de melhorar seu orçamento para ser compatível com o desenvolvimento cultural português.

Outra informação relevante sobre a temática é que as atividades econômicas relacionadas com a cultura reúnem 2,2% do total de remuneração nacional e 2% do emprego, cerca de 88 mil pessoas. “Em termos práticos, a remuneração na área da cultura é, em média, superior à média da remuneração da economia portuguesa“, sublinhou Xavier, com base do documento do INE. No entanto, verificam-se valores muito díspares, consoante a área. É no audiovisual e multimídia que se recebe mais (50,9% acima da média nacional), enquanto que no extremo oposto, encontram-se as artes visuais, onde se aufere um salário 12,5% inferior à média.

É o setor dos livros e publicações que emprega mais pessoas, 36,6% do total, e que gera mais riqueza, 33,2%. Segue-se o audiovisual e multimídia (11,7% e 22,6% pela mesma ordem). Apenas 13,9% das unidades culturais eram do setor livreiro e 5,1% são do audiovisual e multimédia. Um terço do total as 66 mil entidades culturais analisadas são das artes e do espetáculo.

A quantificação da cultura tem “elementos negativos e positivos”, alertou Barreto Xavier. Por um lado deve-se “contrariar falar da cultura como sendo essencialmente um bem de mercado. Não podemos confundir a quantificação com a mercantilização”, disse. Por outro lado, os dados são relevantes para a construção de políticas públicas, ressalvando que “o modo como usamos os números depende muito da visão que queremos extrair deles”, avisou.

Portugal é o quinto país europeu a ter uma Conta Satélite da Cultura, juntando-se à Polónia, Finlândia, República Checa e Espanha.

Com informações de Observador

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
NECCULT participa do Seminário Desenvolvimento Internacional do AHRC
08/06/2017

Na quarta-feira, 07 de junho, a equipe NECCULT participou do Seminário Desenvolvimento Internacional do Conselho de Pesquisa em Artes e Humanidades do Reino Unido, em Londres.  O Conselho é o órgão responsável por distribuir financiamento do governo britânico a projetos de pesquisa acadêmicos, cada vez mais ligados a objetivos de desenvolvimento. Nesse sentido, o evento que teve como objetivo ajudar acadêmicos a discutir como aproveitar os recursos fornecidos pelo AHRC, melhorando suas pesquisas sobre o impacto do desenvolvimento e influenciando no debate científico sobre o tema, por meio de parcerias externas.

A abertura do evento contou com as falas do professor Andrew Thompson, Chefe executivo do AHRC, e da Baronesa Valerie Amos, diretora da Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres, antiga Secretária Geral Adjunta para Assuntos Humanitários das Nações Unidas, antiga Alta Comissária Britânica para a Austrália e ex-líder da Câmara dos Lordes. Amos, que foi a primeira mulher negra a liderar uma universidade no país, expôs sobre os desafios do desenvolvimento e ações sociais e culturais, dando destaque à pesquisa como fundamental para dar voz a parcelas da população.

O coordenador do NECCULT, professor Leandro Valiati, participou do evento no workshop Economia Criativa e Desenvolvimento Internacional, mediado pelo professor Paul Heritage (Queen Mary University of London), contanto ainda com a presença de Maíra Gabriel (Redes de Desenvolvimento da Maré), Marcus Faustini (Agência de Redes para a Juventude), Steve Vickers (Contact Theatre – The Agency), Afreena Azaria (Contact Theatre), Liz Moreton (Battersea Arts Centre), Kyronne Parkes (Freelance Artist – Battersea Arts Centre) e André Piza (People’s Palace Project).

Leandro Valiati, e os pesquisadores do NECCULT, Gustavo Möller e Mariana Willmersdorf Steffen, estiveram presentes no Workshop Mobilização de ONGS e Parcerias, com mediação dos professores Naomi Sykes (Universidade de Nottinghan) e Charles Forsdick (Universidade de Liverpool); na plenária Prioridades e Oportunidades para Pesquisas, mediada pela prof. Karen Salt (Universidade de Nottingham), com Juliano Fiori, secretário de Assuntos Humanitários no projeto Save the Children; Stuart Taberner, diretor de Pesquisa Internacional e Interdisciplinar no Research Councils UK; e Julie McLaren, diretora associada no AHRC. Ainda, a equipe assistiu ao painel de discussão sobre a relação entre Desenvolvimento e Segurança, mediado por Rana Mitter, professor na Universidade de Oxford, e que contou com as falas do professor Sir Mike Aaronson, ex-diretor do programa Save the Children e atual diretor do Centro para Intervenção Internacional na Universidade de Surrey; Mike Adamson, secretário-executivo da Cruz Vermelha Britânica; Judith Macgregor, antiga Alta Comissária para A África do Sul; e Jo Beall, diretora de Educação e Sociedade no Conselho Britânico.

Acompanhe as atividades da equipe NECCULT na viagem ao Reino Unido em nosso Instagram e no Twitter.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Seminário Desenvolvimento Internacional do AHRC
07/06/2017

No dia de hoje, 07 de junho, ocorre o Seminário Desenvolvimento Internacional do Conselho de Pesquisa em Artes e Humanidades do Reino Unido, em Londres.  A organização é responsável por distribuir financiamento do governo britânico a projetos de pesquisa acadêmicos, cada vez mais ligados a objetivos de desenvolvimento. Nesse sentido, o evento que tem como objetivo ajudar acadêmicos a discutir como aproveitar os recursos fornecidos pelo AHRC, melhorando suas pesquisas sobre o impacto do desenvolvimento e influenciando no debate científico sobre o tema, por meio de parcerias externas.

O coordenador do NECCULT, professor Leandro Valiati, e a equipe do Núcleo participam do evento no workshop Economia Criativa e Desenvolvimento Internacional, mediado pelo professor Paul Heritage (Queen Mary University of London), contanto ainda com a presença de Maíra Gabriel (Redes de Desenvolvimento da Maré), Marcus Faustini (Agência de Redes para a Juventude), Steve Vickers (Contact Theatre – The Agency), Afreena Azaria (Contact Theatre), Liz Moreton (Battersea Arts Centre), Kyronne Parkes (Freelance Artist – Battersea Arts Centre) e André Piza (People’s Palace Project).

Os palestrantes trazem as experiências de trabalho dos projetos financiados pelo AHRC e pela Academia Britânica, frutos da colaboração entre Rio de Janeiro, Londres e Manchester, como A Moeda de Troca (Xingu), A Arte do Intercâmbio Cultural, Valores Relativos, The Agency, Violência contra Mulheres e Meninas e Lab Criativo. Além dos projetos, serão tratados temas como a medição do valor da cultura no contexto de desenvolvimento internacional, bem-estar social em comunidades urbanas com altos níveis de violência, empreendimentos culturais de jovens como parte do desenvolvimento internacional, financiamento sob o critério da OCDE de Assistência Oficial ao Desenvolvimento (ODA), e a experiência do Centro de Artes Battersea.

Abertura

A abertura do evento contou com as falas do professor Andrew Thompson, Chefe executivo do AHRC, e da Baronesa Valerie Amos, diretora da Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres, antiga Secretária Geral Adjunta para Assuntos Humanitários das Nações Unidas, antiga Alta Comissária Britânica para a Austrália e ex-líder da Câmara dos Lordes. Amos, que foi a primeira mulher negra a liderar uma universidade no país, expôs sobre os desafios do desenvolvimento e ações sociais e culturais, dando destaque à pesquisa como fundamental para dar voz a parcelas da população.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Atlas Econômico da Cultura Brasileira é lançado no 7º Fórum Nacional de Museus
31/05/2017

Entre os dias 30 de maio até o dia 04 de junho, ocorre o 7º Fórum Nacional de Museus, no Centro de Eventos da PUCRS. A equipe NECCULT participa dos seis dias do evento, que tem como objetivo refletir, avaliar e delinear diretrizes para a Política Nacional de Museus e consolidar as bases para a implementação de um modelo de gestão integrada representado pelo Sistema Brasileiro de Museus.

Na noite de abertura, Mansur Bassit, secretário de Economia Criativa do Ministério da Cultura lançou os dois primeiros volumes do Atlas Econômico da Cultura Brasileiro, apresentando a discussão sobre os subsídios teóricos e empíricos na construção de metodologias de impacto de avaliação de setores criativos e culturais.

O volume I e o volume II estão disponíveis para download na aba Publicações do site do OBEC. Os dois exemplares pretendem oferecer subsídios teóricos e empíricos à construção de metodologias de avaliação do impacto dos setores culturais e criativos (SCC) sobre a evolução da economia brasileira, considerando a cultura como condição e caminho para o desenvolvimento econômico.

O Fórum é realizado pelo Instituto Brasileiro de Museus.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Equipe NECCULT realiza entrevistas no Rio de Janeiro
29/05/2017

Na última semana, entre os dias 23 e 26 de maio, a equipe NECCULT esteve na cidade do Rio de Janeiro, para uma série de eventos e para a realização de entrevistas ligadas ao projeto “A Moeda do Intercâmbio Cultural: repensando modelos de desenvolvimento indígena”, realizado pela Queen Mary University of London e pelo NECCULT, junto ao Conselho de Pesquisa em Artes e Humanidades do Reino Unido. A pesquisa propõe novas formas de explorar, articular e estimular o intercâmbio cultural entre povos indígenas brasileiros contemporâneos e sociedades não-indígenas, considerando formas de desenvolvimento econômico e social mais equitativas.

A proposta foi elaborada graças à iniciativa da Associação Indígena Kuikuro do Alto Xingu (AIKAX) de criar um programa regular de residência para artistas e pesquisadores na aldeia de Ipatse, no Alto Xingu. Nesse sentido, uma rede de parceiros apoiará a Associação para medir impacto e demonstrar maneiras pelas quais a cultura indígena pode estimular o desenvolvimento econômico e o bem estar das comunidades de uma forma sustentável, preservando suas práticas e línguas. Ao realizar um experimento controlado de intercâmbio cultural, o projeto de pesquisa tem como objetivo construir novas conexões entre a cultura indígena e as indústrias culturais no Brasil, trazendo ainda conhecimento sobre os impactos econômicos e sociais da atividade cultural indígena.

Na terça-feira, a equipe participou do Seminário Xingu: Arte, Tecnologia, Preservação, realizado pelo Lab Criativo, no Museu do Amanhã. O evento trouxe a experiência do intercâmbio entre a organização People's Palace Projects do Reino Unido e a Associação Indígena Kuikuro do Alto Xingu. Tratando sobre temas de tecnologia para recriar e preservar o patrimônio e a produção artística indígena brasileira, o evento levantou ainda questões sobre o papel da cultura das comunidades nos debates contemporâneos sobre desenvolvimento, tanto econômico quanto social, como resistência e sustentabilidade. Participaram da mesa Adam Lowe, da Factum Foundation, o cineasta Takumã Kuikuro e o artista visual e designer Gringo Cardia, com mediação do professor Paul Heritage, da Queen Mary University of London.

Na quarta-feira, foram realizadas três entrevistas como parte do projeto. Na primeira delas, com o cineasta Tukumã Kuikuro, foi destacada a produção artística das comunidades indígenas brasileiras, considerando a iniciativa do projeto, que ao estimular o intercâmbio cultural entre as comunidades indígenas e os não-indígenas busca construir uma rede que pensa o desenvolvimento de maneira mais sustentável. Takumã é membro da comunidade indígena Kuikuro, do Alto Xingu, e tem destaque internacional por filmes como As Hiper-Mulheres e Karioka.

Ainda na quarta-feira, a equipe NECCULT entrevistou Gringo Cardia, no contexto do projeto sobre intercâmbio cultural e desenvolvimento indígenas, tratando da pesquisa colaborativa iniciada, tendo a aldeia como local de treinamento e intercâmbio com artistas não indígenas. Gringo Cardia é artista visual, designer, cenógrafo, arquiteto, diretor artístico, diretor de vídeos, teatro, ópera e moda, atuando em diversas organizações como Afroreggae, Cufa e Spectaculu.

Durante a tarde, foi realizada a entrevista com Mércio Pereira Gomes, sobre os modelos de desenvolvimento indígena. Mércio é antropólogo, tendo atuado como administrador público no governo do Rio de Janeiro e na Fundação Nacional do Índio, onde foi presidente, entre 2003 e 2007, e como professor em diversas instituições de ensino superior. Atualmente, Mércio leciona na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Ainda na quarta-feira, a equipe visitou a Spectaculu Escola de Arte e Tecnologia, que atua no Cais do Porto do Rio de Janeiro, oferecendo capacitação profissional para jovens de 17 a 21 anos, moradores de regiões de vulnerabilidade social. A instituição busca inserir os jovens no mundo dos espetáculos, com cursos que como Adereços de Cena, Beleza, Contrarregragem & Camarim, Costura e Figurino, Fotografia, Iluminação Cênica, Montagem de Cenários e Tratamento de Imagem, também estimulando o desenvolvimento da consciência crítica. A Spectaculu foi fundada em 1999 por Gringo Cardia e Marisa Orth, e conta com a colaboração de artistas como Vik Muniz e a consultora Malu Barretto.

Na quinta-feira, o NECCULT visitou as instalações da Redes da Maré, iniciativa que, desde 1997, desenvolve ações, pesquisas, reflexões e projetos nas temáticas de educação, arte e cultura, mobilização social, segurança pública, desenvolvimento local, comunicação, combate à violência e geração de trabalho e renda. O projeto foi formado por um grupo de moradores e ex-moradores das 16 favelas que formam a Maré, participantes de movimentos sociais e comunitários organizados para reivindicar direitos básicos. Nesse sentido, a estratégia fundamental da Redes da Maré é que os próprios moradores sejam estimulados a formular e implementar os projetos propostos, valorizando diferentes experiências de viver a cidade em uma troca constante de experiências.

Na quinta-feira, o NECCULT apresentou e debateu a importância do estudo da economia criativa no espaço do Lab Criativo, iniciativa curada por Batman Zavareze e Paul Heritage e produzida pelo Festival Multiplicidade e pelo People’s Palace Projects (Queen Mary University of London), em parceria com o Creative Works London. O projeto conta ainda com o suporte da Oi Futuro e da Redes da Maré, e a colaboração da Agência de Redes para Juventude, do Olabi, da Unirio, da UFRJ e da Casa Rio.

Na tarde de quinta-feira, a entrevista com Ilana Strozenberg teve como plano de fundo o projeto, considerando sua formação em Ciências Sociais com foco em Antropologia, Literatura e Comunicação. Atualmente, atua como professora na Escola de Comunicação da UFRJ e no Programa Avançado de Cultura Contemporânea da mesma universidade, pesquisando temas relativos às diferenças culturais no contexto urbano brasileiro contemporâneo.

Na sexta-feira, a equipe esteve na Agência de Redes para Juventude, para entrevista com o diretor teatral e documentarista Marcus Faustini, coordenador da iniciativa. A proposta, implementada em seis comunidades pacificadas do Rio de Janeiro por meio de estúdios de criação de arte e pensamento, destinados a jovens, tem como objetivo desenvolver projetos de intervenção no território. Aliada à Petrobras, a Redes para a Juventude agrega aprendizagem, potencial criativo, abrindo um espaço para que os jovens expressem sua realidade e aspirações, transformando-se em transmissores de cidadania e protagonistas.

Ainda pela manhã, ocorreu a entrevista com o geógrafo e educador Jailson de Souza e Silva, um dos fundadores do Observatório de Favelas, sediado na Maré no Rio de Janeiro. A organização promove pesquisa, consultoria e ação pública para a produção de conhecimento e de proposições políticas sobre as favelas e os fenômenos urbanos. Um dos focos da iniciativa é a ressignificação das favelas, considerando também políticas públicas voltadas à superação das desigualdades sociais. Criado em 2001, o Observatório tem atuação nacional na elaboração de conceitos, metodologias, projetos, programas e práticas para a formulação e avaliação de políticas públicas.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Seminário Xingu: Arte, Tecnologia, Preservação
23/05/2017

Na tarde de hoje, 23 de maio, a equipe NECCULT participa do Seminário Xingu: Arte, Tecnologia, Preservação, realizado pelo Lab Criativo, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro.

O evento traz a experiência do intercâmbio entre a organização People's Palace Projects do Reino Unido e a Associação Indígena Kuikuro do Alto Xingu. Tratando sobre temas de tecnologia para recriar e preservar o patrimônio e a produção artística indígena brasileira, o evento levanta ainda questões sobre o papel da cultura das comunidades nos debates contemporâneos sobre desenvolvimento, tanto econômico quanto social, como resistência e sustentabilidade.

Participam da mesa Adam Lowe, diretor da organização da Factum Foundation, o cineasta Takumã Kuikuro, o artista visual e diretor Gringo Cardia, com mediação do professor Paul Heritage.

O Seminário apresenta os frutos do projeto de residência artística internacional que ocorreu entre os dias 8 e 18 de maio na aldeia Ipatse, no Xingu. Durante os dez dias, o intercâmbio entre especialistas em arte digital e a comunidade kuikuro permitiu a criação de mapas 3D dos territórios indígenas, bem como a digitalização de diversos aspectos culturais da comunidade, como imagens, sons, grafismos, artefatos e arquitetura.

“Trazer artistas de calibre da Factum Foundation para uma colaboração com os artistas Kuikuros legitima a importância da produção artística indígena brasileira no mundo contemporâneo. Essa colaboração artística acontece em um momento crucial em que o país questiona o papel da cultura das comunidades indígenas no desenvolvimento econômico e social. A arte é uma ferramenta essencial de resistência e sustentabilidade desses povos frente aos desafios do terceiro milênio” diz Paul Heritage, diretor da People’s Palace Projects, centro de pesquisa britânico da Queen Mary University of London, que há 20 anos desenvolve projetos de arte para a justiça social no Brasil e no Reino Unido.

O intercâmbio é uma realização da People’s Palace Projects, da Queen Mary University of London, em parceria com a Associação Indígena Kuikuro do Alto Xingu (AIKAX), e financiado pelo Conselho de Pesquisa em Artes e Humanidades, como parte extensão do financiamento Social Change through Creativity.

Com informações de Sopa Cultural.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Projeto de Pesquisa Centros Criativos e Metas de Desenvolvimento Urbano
23/05/2017

Centros Criativos e Metas de Desenvolvimento Urbano (Reino Unido/Brasil) é um projeto de pesquisa em andamento realizado pela Queen Mary University of London, em parceria com a organização Impact Hub, com o People’s Palace Projects e com o Governo do Estado de São Paulo. O projeto pretende contribuir para o desenvolvimento internacional, aglutinando esforços de parceiros governamentais, acadêmicos e da indústria criativa em São Paulo, para compreender o papel, design e operação, dos novos centros criativos com financiamento público no estado.

O investimento em instalações de tecnologias da informação, com o objetivo de incluir digitalmente comunidades menos favorecidas, foi reconhecido como insuficiente para que o estado de São Paulo atingisse seus objetivos de desenvolvimento. Nesse sentido, com a proposta, busca-se uma reformulação dessas instalações como Centros Criativos, com o intuito de promover a inclusão digital, apoiar a atividade empresarial, facilitar o trabalho em rede e a colaboração entre pequenas e médias empresas, e gerar resultados econômicos positivos para as comunidades menos favorecidas de São Paulo.

O projeto baseia-se na pesquisa de hubs criativos realizada pela organização Creativeworks London (CWL), entre 2012 e 2016 e financiada pelo Conselho de Pesquisa em Artes e Humanidades. A pesquisa, amplamente divulgada internacionalmente, conta com uma metodologia para fortalecer as redes de colaboração em centros criativos. O projeto liderado pela Universidade Queen Mary pretende ir além da pesquisa da CWL, enfocando em como seus resultados podem auxiliar no desenvolvimento de políticas públicas em outras cidades, especialmente no Sul Global. A proposta busca contribuir com os objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, apoiando economias, práticas e pólos criativos emergentes, além de catalisar o intercâmbio de conhecimento entre instituições de ensino superior, governo estadual e pequenas e médias empresas criativas em São Paulo.

O Governo de São Paulo se baseará na pesquisa da CWL para moldar sua abordagem com o objetivo de estabelecer um novo pólo criativo em São Paulo e desenvolver métodos que permitam a colaboração dentro desse hub. Nesse sentido, facilitará o acesso às PME na economia criativa e formulará uma proposta de investimento em grande escala em pólos criativos em São Paulo. Outra iniciativa do projeto é a utilização de vouchers criativos para construir parcerias colaborativas focadas nas necessidades empresarias da economia criativa do estado.

No dia 03 de maio, a equipe do NECCULT participou da apresentação de cases do projeto, como parcerias entre pesquisadores acadêmicos e start-ups que foram desenvolvidas nos hubs. O evento, ocorrido na Biblioteca Parque Villa-Lobos, buscou explorar as metodologias que possibilitam a colaboração criativa, com a apresentação dos métodos de pesquisa pelos coordenadores Morag Shiach e Davi Nakano, e dos resultados alcançados, expostos pelos assistentes Tarek Virani e Karina Poli. A participação do NECCULT se deu pelo interesse na metodologia da pesquisa da organização Creativeworks London aplicada no Brasil, o que inspira ainda outros estudos, utilizando técnicas como a dos vouchers criativos.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Conheça a Vitrine Tecnológica da UFRGS
19/05/2017

A Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico da UFRGS (SEDETEC) criou em outubro de 2016 a Vitrine Tecnológica da UFRGS, onde as tecnologias da universidade são divulgadas para a comunidade acadêmica e empresarial, buscando a transferência de tecnologia e a pesquisa e desenvolvimento conjunto com empresas ou entidades.

A SEDETEC gerencia a Propriedade Intelectual da Universidade, que consiste de Patentes, Marcas, Direitos Autorais, Software, Know-How e demais contratos de interação com a sociedade. As Tecnologias da UFRGS, apresentadas na Vitrine Tecnológica, constituem os ativos intangíveis da Universidade, tais como patentes recentemente depositadas no INPI, e demais tecnologias passíveis de transferência.

A Propriedade Intelectual apresentada no site está disponível para licenciamento ou desenvolvimento conjunto com empresas ou instituições interessadas. No site, disponível em português e inglês, você também encontra um questionário de Avaliação para Divulgação e Transferência de Tecnologia para a promoção da sua tecnologia, nacional e internacionalmente.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Lançamento do Atlas Econômico da Cultura Brasileira ocorre na FGV
17/05/2017

No dia 19 de maio, a partir das 9h30, ocorre o debate e lançamento do Atlas Econômico da Cultura Brasileira na Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro. O evento é promovido pela Secretaria da Economia da Cultura do Ministério da Cultura e pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (NECCULT-UFRGS).

A mesa de abertura contará com a presença do secretário de Economia da Cultura, Mansur Abunasser Bassit, do professor e coordenador do NECCULT, Leandro Valiati, e da gerente do Departamento de Economia da Cultura do Banco Nacional de Desenvolvimento Social, Patrícia Zendron, com mediação de Silvia Finguerut, coordenadora de projetos da FGV.

O lançamento e o debate ocorrem na sede da Fundação, na Rua Candelária, n. 6, no bairro Centro.

As inscrições para o evento, gratuito e aberto ao público, podem ser realizadas aqui.

 

O Atlas

Os primeiros volumes da coleção Atlas Econômico da Cultura Brasileira estão disponíveis para download na aba Publicações do site do Observatório de Economia Criativa da UFRGS. Lançados em abril, em São Paulo, os dois exemplares pretendem oferecer subsídios teóricos e empíricos à construção de metodologias de avaliação do impacto dos setores culturais e criativos (SCC) sobre a evolução da economia brasileira, considerando a cultura como condição e caminho para o desenvolvimento econômico.

Com o intuito de compreender a situação atual dos setores culturais e criativos no Brasil, identificando suas potencialidades e limites, bem como sua distribuição regional e setorial, os objetivos dos dois primeiros volumes da coleção são (i) justificar a importância de um esforço de pesquisa como o Atlas, localizando-o na discussão teórica nacional e internacional e apontando especificidades setoriais; e (ii) formular modelos metodológicos voltados aos quatro eixos temáticos do Atlas Econômico da Cultura Brasileira: empreendimentos culturais, mercado de trabalho, políticas públicas e comércio internacional.

Nesse sentido, o primeiro volume da coleção orienta-se em torno da exposição de marcos teóricos e conceitos fundamentais, bem como de exemplos de estudos regionais e setoriais, os quais serão objeto dos próximos volumes da coleção. Quanto ao segundo volume, este tem como objetivo principal a elaboração de modelos metodológicos a serem aplicados na formulação do Atlas Econômico da Cultura Brasileira.

A elaboração do Atlas está sendo realizada pelo MinC em parceria com a UFRGS, com a colaboração de instituições como a Organização das Nações Unidades para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Banco Nacional de Desenvolvimento e Econômico e Social (BNDES), a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Serviço: Debate e lançamento no Rio dos volumes I e II da Coleção Atlas Econômico da Cultura Brasileira

Horário: 9h30

Data: 19 de maio de 2017

Local: Fundação Getúlio Vargas

Endereço: Rua Candelária, 6 - Centro, Rio de Janeiro (RJ)

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
I Fórum FCE ocorre no dia 30 de maio
16/05/2017

No dia 30 de maio de 2017, a Faculdade de Ciências Econômicas será palco de debates sobre temas contemporâneos de economia e política do Brasil e do mundo no evento I Fórum FCE. Professores da Faculdade e convidados irão desenvolver três painéis e oito oficinas ao longo do dia, terça-feira, garantindo uma programação diversificada sobre temas relevantes para o país.

Os painéis terão como foco a recessão brasileira, sob diferentes enfoques, sendo conduzidas na forma de apresentações de estudos e achados de pesquisa sobre os temas. Os palestrantes Fernando Ferrari Filho, Marcelo Savino Portugal, Flávio Fligenspan, Carlos Águedo Nagel Paiva, João Frois Caldeira, Carlos Henrique Horn, André Moreira Cunha, Ronald Otto Hillbrecht e Maria de Lurdes Furno serão responsáveis por análises sobre as origens, os determinantes e as condições de saída da recessão.

As oficinas terão caráter mais específico, com discussões focalizadas em assuntos como Reforma Previdenciária, Reforma Política, Reforma Tributária, Reforma Trabalhista, Crescimento e Produtividade, Juventude e recessão, Política Externa e Evasão Fiscal com duração de 1 hora de duração.

Todas as atividades ocorrerão no prédio da FCE (Av. João Pessoa, nº 52, Centro Histórico de Porto Alegre).

O Fórum é uma atividade de Extensão da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS com apoio do Núcleo de Economia Criativa (NECCULT), do Centro Estudantil de Relações Internacionais (CERI) e do Diretório Acadêmico de Economia, Contábeis e Atuariais (DAECA). Todas as atividades estarão vinculadas ao Programa de Extensão da Universidade, sendo oferecido certificado aos participantes. As inscrições para as atividades e a consulta da programação completa pode ser realizadas na página do I Fórum FCE.  

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
OBEC Bahia promove encontro internacional de Economia Criativa
16/05/2017

Entre os dias 08 e 10 de novembro ocorre o III Encontro Internacional da Economia Criativa, em Salvador e Santo Amaro. O evento tem por objetivo conectar o debate teórico com as práticas da economia criativa para refletir sobre tendências contemporâneas e sustentabilidade, visando promover o fortalecimento de redes de atores criativos.

O encontro é organizado pelo Observatório Estadual da Economia Criativa da Bahia (OBEC-BA) e nesta terceira edição tem como tema Áfricas Criativas para discutir o sistema cultural e os elos das cadeias produtivas das artes e da cultura de matriz africana na Bahia, no Brasil, no continente africano e nas mais diversas diásporas negras no mundo. Espera-se que o evento possa contribuir para a reflexão acerca das influências históricas e contemporâneas da cultura africana na produção artística e na economia da cultura, principalmente no estado da Bahia.

Acompanhe o OBEC-BA nas redes sociais para mais informações sobre as chamadas para apresentação de trabalho.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Econcult apresenta mapa dos Setores Culturais e Criativos em Valência
10/05/2017

O Econcult, Unidade de Investigação em Economia Criativa, do Departamento de Economia Aplicada da Universidade de Valência, disponibilizou os resultados do Projeto de mapeamento e geração de indicadores: os setores culturais e criativos em Valência. O estudo, que mapeia e analisa os SCC na cidade nos últimos dez anos, foi realizado pelo Econcult e apresentado pelos professores Rafael Boix e Pau Rausell ainda no mês de abril.

Considerando a crescente centralidade das indústrias culturais e criativas em estratégias de desenvolvimento urbano, o objetivo geral do projeto foi conceber um sistema de informação e localização desses setores na cidade de Valência. O Econcult realizou um trabalho aprofundado de análise de dados territoriais a partir das informações disponíveis em diferentes fontes.

Sobre a dinâmica geral na província de Valência, entre outros achados, o estudo constatou que a crise causou mais danos aos setores culturais e criativos do que no restante da economia, sendo o setor mais afetado o audiovisual. Comparado a 2007, apenas três setores culturais e criativos tiveram um aumento de mais de 50% de empregos em 2016. Atualmente, o setor criativo de maior dimensão corresponde a serviços de pesquisa e de desenvolvimento. Além de uma visão geral da província, o estudo fornece avaliações específicas para cada dos 19 distritos da cidade e sua área metropolitana.

Durante o evento de apresentação, estiveram presentes, além do público em geral, gestores de projetos e agentes culturais do curso “On cultural economics and numbers for cultural agentes” realizado por Econcult, e autoridades, como o Secretário de Cultura, Albert Girona; a diretora da Cátedra Ciutad de València, Julia Salom; o vice-reitor de Relações Internacionais da UV, Jorge Hermosilla; o diretor do Instituto Valenciano de Cultura (IVC) e diretor do espaço Las Naves, Rafael Monterde.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Atlas Econômico da Cultura Brasileira será lançado na UFRGS
09/05/2017

Em convênio com o Ministério da Cultura, o Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura da UFRGS desenvolveu o Atlas Econômico da Cultura Brasileira. O trabalho será publicado em um total de dez volumes, pela Editora da UFRGS.

O professor Leandro Valiati e o gestor-executivo Gustavo Möller estiveram, no dia 08 de maio, em reunião com o reitor Rui Vicente Oppermann para apresentar o projeto. O lançamento dos dois primeiros volumes do levantamento ocorrerá no próximo mês de julho, no ciclo Diálogos em Economia Criativa.

O volume I e o volume II estão disponíveis para download na aba Publicações do site do OBEC. Os dois exemplares pretendem oferecer subsídios teóricos e empíricos à construção de metodologias de avaliação do impacto dos setores culturais e criativos (SCC) sobre a evolução da economia brasileira, considerando a cultura como condição e caminho para o desenvolvimento econômico.

Com o intuito de compreender a situação atual dos setores culturais e criativos no Brasil, identificando suas potencialidades e limites, bem como sua distribuição regional e setorial, os objetivos dos primeiros volumes da coleção são (i) justificar a importância de um esforço de pesquisa como o Atlas, localizando-o na discussão teórica nacional e internacional e apontando especificidades setoriais; e (ii) formular modelos metodológicos voltados aos quatro eixos temáticos do Atlas, a listar empreendimentos culturais, mercado de trabalho, políticas públicas e comércio internacional.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
BID e Miami Dade College lançam chamada para startups
05/05/2017

O Banco Interamericano de Desenvolvimento e o Miami Dade College lançaram chamada para selecionar as startups mais inovadoras da América Latina, do Caribe e do sul da Flórida em cinco setores das indústrias criativas e culturais: design, gastronomia, multimídia, moda e música.

As inscrições ocorrem até o dia 14 de maio. No total, serão selecionadas as 17 startups mais criativas da América Latina, Caribe e sul da Flórida, para participar do Idear Soluções Miami. O BID ainda oferecerá passagem aérea e hospedagem para as 12 startups mais criativas da América Latina e Caribe, que vão competir por prêmios de até US$ 30 mil no Demand Solutions.

Os participantes devem ser maiores de 18 anos e ser fundadores ou cofundadores da startup, que deve estar ligada à resolução de um desafio que melhora vidas. A startup deve ter no mínimo um ano e não mais que três anos desde que começou a operar e deve estar legalmente registrada. As aplicações podem ser feitas pelo site da convocatória, com preenchimento do formulário em qualquer dos idiomas do BID (espanhol, inglês, português e francês). Para a candidatura, são necessários um vídeo, de 2 minutos sobre a estrutura da startup, e uma carta de recomendação de um colaborador externo, cliente ou instituição que conheça o trabalho.

Confira os requisitos e demais informações no site da convocatória.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Divulgada lista de selecionados para vagas do NECCULT
02/05/2017

Está disponível a lista de selecionados para as vagas de apoio administrativo e assistente de pesquisa do Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura, vinculado ao Observatório de Economia Criativa do Rio Grande do Sul e ao Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS).

A vaga para assistente de pesquisa (pós-graduação) para o projeto The Currency of Cultural Exchange: re-thinking models of indigenous development tem como requisitos estar matriculado no curso de pós-graduação em Antropologia Social ou Sociologia da UFRGS. As vagas para apoio administrativo (graduação PRAE) têm como atribuições auxiliar no gerenciamento e acompanhamento dos projetos de pesquisa do NECCULT. As demais informações sobre as vagas estão disponíveis nos Termos de Referência: 

Termo de Referência - Assistente de Pesquisa (Pós-Graduação)
Termo de Referência - Apoio Administrativo (Graduação PRAE) 

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
MinC promove encontros sobre novas regras sobre Lei Rouanet
02/05/2017

O Ministério da Cultura (MinC) está realizando uma série de encontros com produtores culturais para apresentar a nova versão do Sistema de Apoios às Leis de Incentivo à Cultura (Salic) e esclarecer dúvidas sobre as regras trazidas pela Instrução Normativa nº 1/2017 para o incentivo fiscal da Lei 8.313/91, a Lei Rouanet. Na semana passada, o MinC promoveu a reunião em Brasília, no dia 28 de abril. Nos dias 03 e 04 de maio, ocorre o encontro com os produtores culturais do Rio de Janeiro, no Centro Cultural Banco do Brasil.

Gratuita e aberta ao público, a iniciativa percorrerá o país com encontros nas cinco regiões. Os próximos encontros com os proponentes ocorrem em Belo Horizonte, no dia 16 de maio; no Rio de Janeiro, em 22 de maio; em Porto Alegre, no dia 29 de maio; em Recife, no dia 12 de junho; em Belém, em 19 de junho; e em São Paulo, no dia 26 de junho.

Com a publicação, em março, das novas regras para o uso do incentivo fiscal da Lei Rouanet, o apoio a projetos culturais ganhou mais transparência e novo fluxo de análise dos projetos. Uma nova versão do Salic trouxe alterações no processo de cadastro das propostas, principalmente nas etapas do plano de distribuição e planilha orçamentária. A ferramenta ainda está disponível em aplicativo para smartphones e tablets pelos sistemas Android e IOS.

Com informações de Ministério da Cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Divulgada lista de candidatos selecionados para entrevista da seleção do NECCULT
28/04/2017

Está disponível a lista de candidatos selecionados para entrevista das vagas de apoio administrativo e assistente de pesquisa do Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura, vinculado ao Observatório de Economia Criativa do Rio Grande do Sul e ao Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS).

As entrevistas serão realizadas no NECCULT, Av. João Pessoa, 52 – Anexo da Faculdade de Ciências Econômicas. Quaisquer dúvidas sobre a localização, ligar para 3308 4718.

A vaga para assistente de pesquisa (pós-graduação) para o projeto The Currency of Cultural Exchange: re-thinking models of indigenous development tem como requisitos estar matriculado no curso de pós-graduação em Antropologia Social ou Sociologia da UFRGS. As vagas para apoio administrativo (graduação PRAE) têm como atribuições auxiliar no gerenciamento e acompanhamento dos projetos de pesquisa do NECCULT. As demais informações sobre as vagas estão disponíveis nos Termos de Referência: 

Termo de Referência - Assistente de Pesquisa (Pós-Graduação)
Termo de Referência - Apoio Administrativo (Graduação PRAE) 

 

Cronograma das seleções

Até 27 de abril - Envio de currículos via e-mail (neccult@ufrgs.br)

28 de abril - Divulgação da lista de candidatos selecionados para entrevista

02 de maio - Realização das entrevistas

02 de maio, após as 18h - Divulgação do resultado da seleção

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
NECCULT seleciona três bolsistas
24/04/2017

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura, vinculado ao Observatório de Economia Criativa do Rio Grande do Sul e ao Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS) está selecionando três bolsistas para uma vaga de assistente de pesquisa e duas vagas de apoio administrativo.

A vaga para assistente de pesquisa (pós-graduação) para o projeto The Currency of Cultural Exchange: re-thinking models of indigenous development tem como requisitos estar matriculado no curso de pós-graduação em Antropologia Social ou Sociologia da UFRGS, conhecimento de pacote office e de língua inglesa, disponibilidade para trabalhos de campo e para viagens e experiência na área de economia da cultura. As atividades estão disponíveis no Termo de Referência, bem como informações de carga horária, período de atuação e remuneração.

As vagas para apoio administrativo (graduação PRAE) têm como atribuições auxiliar no gerenciamento e acompanhamento dos projetos de pesquisa do NECCULT, com atividades como realização de resumos de matérias, participação em reuniões, elaboração de documentos, organização de agendas e atualização de informações sobre os projetos. Os requisitos estão disponíveis no Termo de Referência, bem como informações de carga horária, período de atuação e remuneração.

Os interessados devem enviar currículo atualizado e histórico escolar para o e-mail neccult@ufrgs.br até o dia 27 de abril (prazo prorrogado), especificando a vaga para qual desejam participar, de acordo com o Termo de Referência.

Termo de Referência - Assistente de Pesquisa (Pós-Graduação)
Termo de Referência - Apoio Administrativo (Graduação PRAE) 

 

Cronograma das seleções

Até 27 de abril - Envio de currículos via e-mail (neccult@ufrgs.br)

28 de abril - Divulgação da lista de candidatos selecionados para entrevista

02 de maio - Realização das entrevistas

02 de maio, após as 18h - Divulgação do resultado da seleção

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Giba Assis Brasil ministra aula no curso Inovação
19/04/2017

Ontem, 18 de abril, ocorreu a penúltima aula do curso Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas, ministrada por Giba Assis Brasil. O palestrante é professor, diretor, roteirista e vem atuando na montagem de filmes brasileiros, além de séries televisivas. 

A aula teve como tema principal as políticas públicas de fomento à cultura, considerando assuntos como a importância da preservação cultural e os sistemas de financiamento a projetos (seleção estatal, de mercado e pública). 

O curso é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE). A proposta é capacitar empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento.

Foto: Alejandro Reyes

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Christiano Braga, da Apex-Brasil, ministra aula no curso Inovação
13/04/2017

No dia 12 de abril, ocorreu a segunda aula do módulo V no curso Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas, ministrada por Christiano Braga, gerente executivo de exportações da Apex-Brasil e economista com especialização nas áreas de comércio exterior e promoção de bens e serviços culturais no exterior.

O palestrante trouxe um panorama teórico do comércio internacional de bens e serviços culturais e criativos, além de temas relacionados à internacionalização das indústrias criativas brasileiras, considerando as motivações dos empreendedores, os pré-requisitos e as políticas públicas brasileiras na área.

O curso é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE). A proposta é capacitar empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento.

Para mais informações sobre o curso, acesse o site do curso.

Foto: Alejandro Reyes

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Direitos autorais são tema do quinto módulo do curso Inovação
31/12/1969

No dia 11 de abril, Claudio Lins de Vasconcelos ministrou a primeira aula do do módulo V no curso Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas. Vasconcelos foi secretário nacional de Economia da Cultura do Ministério da Cultura e tem formação na área jurídica, atuando há mais de 20 anos especialmente em questões regulatórias sobre direitos de propriedade intelectual.

Considerando o tema de internacionalização das indústrias criativas brasileiras, a aula teve como assunto principal os direitos autorais de expressões artísticas e literárias, considerando questões como conceito, aplicação e legislação.

O curso é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE). A proposta é capacitar empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento.

Para mais informações sobre o curso, acesse o site do curso.

Foto: Alejandro Reyes

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Volumes I e II do Atlas Econômico da Cultura Brasileira estão disponíveis para download
10/04/2017

Os primeiros volumes da coleção Atlas Econômico da Cultura Brasileira  estão disponíveis para download na aba Publicações do site do OBEC. Os dois exemplares pretendem oferecer subsídios teóricos e empíricos à construção de metodologias de avaliação do impacto dos setores culturais e criativos (SCC) sobre a evolução da economia brasileira, considerando a cultura como condição e caminho para o desenvolvimento econômico.

Com o intuito de compreender a situação atual dos setores culturais e criativos no Brasil, identificando suas potencialidades e limites, bem como sua distribuição regional e setorial, os objetivos dos primeiros volumes da coleção são (i) justificar a importância de um esforço de pesquisa como o Atlas Econômico da Cultura Brasileira, localizando-o na discussão teórica nacional e internacional e apontando especificidades setoriais; e (ii) formular modelos metodológicos voltados aos quatro eixos temáticos do Atlas Econômico da Cultura Brasileira, a listar empreendimentos culturais, mercado de trabalho, políticas públicas e comércio internacional.

Nesse sentido, o primeiro volume da coleção orienta-se em torno da exposição de marcos teóricos e conceitos fundamentais, bem como de exemplos de estudos regionais e setoriais, os quais serão objeto dos próximos volumes da coleção. A primeira parte do volume I foca em aspectos teóricos e conceitos, apresentando capítulos acerca da taxonomia da economia da cultura e da economia criativa, do debate sobre a conta satélite da cultura no Brasil e no mundo e da proposição de um método de mapeamento para as cadeias produtivas das artes. Na segunda parte, são apresentados estudos regionais e setoriais, os quais expõem discussões iniciais a respeito do mapeamento em nível estadual e de setores como audiovisual, editorial, jogos digitais, museus, e música.

Quanto ao segundo volume, este tem como objetivo principal a elaboração de modelos metodológicos a serem aplicados na formulação do Atlas Econômico da Cultura Brasileira. Assim, reúne autores nacionais e internacionais organizados em quatro partes que correspondem aos eixos temáticos do Atlas, apresentando esforços de pesquisa oriundos das experiências espanhola e holandesa, contribuições da sociedade civil organizada, de institutos federais de pesquisa e de universidades públicas, conformando assim uma multiplicidade de saberes a serviço da compreensão do impacto econômico da cultura na realidade brasileira e mundial.

Como critério editorial, foram escolhidos aqueles estudos cujas decisões metodológicas apontam potenciais caminhos para a mensuração a ser procedida no âmbito do Atlas. Tais contribuições reúnem pesquisas independentes, realizadas por diversos autores no âmbito de organizações da sociedade civil, universidades públicas e institutos federais de pesquisa, sendo algumas já publicadas nacional e/ou internacionalmente. Ainda que tais pesquisas não tenham sido desenvolvidas no âmbito do Ministério da Cultura, elas compõem o estado da arte nos diversos temas de interesse do campo da economia da cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Relatório As indústrias criativas em Londres
10/04/2017

Em 2015, foi lançado relatório sobre as indústrias criativas de Londres, pela gestão do então prefeito Boris Johnson. O relatório As indústrias criativas em Londres busca fornecer uma visão abrangente do impacto que este setor tem sobre a economia londrina, com uma análise sobre as características das indústrias criativas e da economia criativa de forma mais ampla, incluindo temas como valor econômico, força de trabalho e dinâmica de emprego.

Alguns dos destaques do estudo revelam que esse setor gera quase £35 bilhões para a economia em valor acrescentado bruto, com um forte crescimento, e fornece quase 800 mil empregos na capital inglesa, o que equivale a 16,3% do total de ocupações. Pode-se afirmar que as indústrias criativas conseguiram contornar a crise de melhor forma em comparação com outros setores em Londres: desde 2009, o valor acrescentado bruto do setor aumentou 16,4%, em comparação com o aumento de 15,4% na economia da capital como um todo, experimentando ainda um crescimento ligeiramente mais rápido. O relatório também aponta para proporção de empregos existentes em diferentes grupos, como serviços de informática, audiovisual, música e publicidade, com um salário médio por hora quase 19% mais alto em comparação a um salário na economia não criativa.

O apoio da prefeitura de Londres para as indústrias criativas inclui o financiamento de cadeias produtivas como moda, design, cinema, música, arte visual e jogos digitais. Os setores criativo e cultural como um todo também foram ativamente encorajados a recorrer ao incentivo da prefeitura, que enfatiza a importância da área que torna a  cidade de Londres inovadora, dinâmica e adaptável.

Com informações de Prefeitura de Londres.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Lançamento de Coleção Atlas Econômico da Cultura Brasileira
07/04/2017

Na última quarta-feira, 05 de abril, foi lançada a Coleção Atlas Econômico da Cultura Brasileira, no Itaú Cultural, em São Paulo, resultado do projeto do Ministério da Cultura em parceira com a UFRGS, por meio do NECCULT. Durante o evento, foram divulgados dois volumes metodológicos que antecedem e preparam a construção do Atlas Econômico da Cultura Brasileira, enquanto ferramenta de valorização da Cultura como um importante segmento na economia nacional. O coordenador, professor Leandro Valiati, e a equipe técnica do NECCULT estiveram presentes durante o lançamento, que contou com a participação do Ministro Roberto Freire e de Mansur Bassit, secretário de Economia da Cultura do MinC.

Nesse sentido, os primeiros volumes da Coleção Atlas apresentam o referencial teórico e metodológico para a etapa de mensuração, objetivo principal do Altas Econômico da Cultura Brasileira. Tal esforço empírico será organizado em torno de quatro eixos temáticos: empreendimentos culturais; mercado de trabalho; políticas públicas de fomento à cultura; e comércio internacional. Ao lado da Conta Satélite de Cultura, o conjunto de pesquisas associadas ao Atlas pretende estabelecer um sistema unificado e padronizado para avaliar a participação da Cultura na economia brasileira, com dados construídos periodicamente para possíveis comparações, bem como cadeias produtivas definidas como prioritárias para análise.

O Volume I do Atlas traz estimativas do Banco Mundial que situam a cultura como responsável por 7% do PIB do planeta no ano de 2008. No caso brasileiro, dependendo da forma de cálculo, os setores culturais podem chegar a cerca de 4% do PIB anual em 2010, sendo considerado um eixo estratégico de desenvolvimento socioeconômico pelo MinC.

De acordo com as pesquisas publicadas no segundo volume da Coleção Atlas, é possível mensurar aproximadamente a importância dos processos econômicos a partir de organizações e agentes culturais em 2,64% do PIB de 2016, contribuindo com R$ 155,6 bilhões de produção, apresentando um crescimento acumulado de quase 70% nos últimos 10 anos e constituindo 3,5% da cesta de exportação brasileira (segundo dados da Firjan). Além de mapear e sistematizar o grande impacto do setor cultural na economia do país, que se compara a setores como mineração e turismo, o Atlas servirá como uma ferramenta importante para o Governo brasileiro na priorização de políticas públicas nessa área, inclusive em momentos de crise.

Os resultados referentes aos quatro eixos temáticos do Atlas serão lançados a cada trimestre, tendo como previsão a entrega da completa para abril de 2018, durante a realização do evento Mercado de Indústrias Culturais do Sul - MICSUL. Concomitantemente, as informações de cada eixo também estarão disponíveis em uma plataforma digital, na qual a sociedade brasileira poderá acessar os conteúdos, dados e indicadores, além de um repositório com as pesquisas e produtos resultantes de parcerias com universidades, CNPQ e consultorias contratadas pelo MinC. Além disso, a Coleção, lançada a partir desses dois primeiros volumes, seguirá em paralelo com a publicação de cadernos setoriais, a realização de seminários para avaliação dos eixos.

Elaborado pelo Ministério da Cultura em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), por meio do NECCULT, o Atlas conta ainda com a colaboração de instituições como a Organização das Nações Unidades para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Banco Nacional de Desenvolvimento e Econômico e Social (BNDES), a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), entre outros.

Os dois primeiros volumes da Coleção Atlas estarão disponíveis no portal do MinC e no NECCULT até julho.

Mais informações em Ministério da Cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
O caso da Espanha é tema do quarto módulo do curso Inovação
04/04/2017

Nos dias 03 e 04 de abril, ocorreram as aulas do módulo IV do curso de extensão Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas, ministradas por Pau Rausell Köster, professor da Universidade de Valência e diretor do Núcleo de Pesquisa em Economia da Cultura (Econcult).

Durante o curso, foi trazida a experiência espanhola na área de inovação, economia criativa e da cultura, dando ênfase no desenvolvimento local e na cultura como motor da inovação. Na segunda aula, o professor deu seguimento ao tema, apresentando os tipos de empreendimentos culturais e criativos no país, cases de sucesso e instrumentos para a avaliação do impacto econômico e social de empreendimentos.

O curso é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE). A proposta é capacitar empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento.

Para mais informações sobre o curso, acesse o site.

Fotos: Alejandro Reyes

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Estratégia, gestão e processos são tema de aula do curso Inovação
31/03/2017

Ontem, 30 de março, o professor Cláudio Müller, da Faculdade e Engenharia, ministrou a segunda aula do módulo 3 do curso de extensão Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas. O professor tratou sobre o diferencial do empreendedor criativo enfocando nos temas de estratégia de negócios, gestão e processos.

Foi dado destaque ao Modelo de Estratégia, Indicadores e Operações, o MEIO, proposta de Müller em sua tese (disponível no repositório da UFRGS). O modelo de gestão atua como forma de integração entre planejamento estratégico, mapeamento de processos e avaliação de desempenho.

O curso ocorre em seis módulos, com 30h de aula ao longo dos meses de março e abril e é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE). A proposta é capacitar empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento.

Para mais informações sobre o curso, acesse o site.

Fotos: Alejandro Reyes

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Diferencial do empreendedor criativo é tema do curso Inovação
30/03/2017

Ontem, 29 de março, Marcos Oliveira e Ivana Beltrão ministraram a primeira aula do módulo 3 do curso de extensão Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas, com o tema "O Diferencial do Empreendedor Criativo: Inovação em Processos e na Relação com o Território".

Marcos Oliveira é Assessor de Gestão de Negócios da Inova Metrópole, do Instituto Metrópole Digital na UFRN, e foi Gerente de Fomento ao Empreendedorismo do Porto Digital. O palestrante trouxe a experiência do parque tecnológico, um dos maiores do Brasil, com atividades ligadas aos setores de tecnologia da informação e da comunicação e à economia criativa (em áreas como games, cinema, animação, música, design e fotografia).

Ivana Beltrão é Diretora de Incubação da Rio Criativo e co-fundadora da Escola Startup. A palestrante falou sobre a experiência pioneira da Rio Criativo, formada pela incubadora de empresas (que a cada 18 meses incuba 16 empresas), um espaço de coworking (onde atuam 20 empresas em ciclos de seis meses), e uma escola para empreendedores culturais com ideias no estágio inicial. Ivana trouxe ainda cases de sucesso de empresas incubadas na Rio Criativo.

O curso ocorre em seis módulos, com 30h de aula ao longo dos meses de março e abril e é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE). A proposta é capacitar empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento.

Para mais informações sobre o curso, acesse o site.

Fotos: Alejandro Reyes

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Lançamento de Coleção Atlas Econômico da Cultura Brasileira
07/04/2017

Na última quarta-feira, 05 de abril, foi lançada a Coleção Atlas Econômico da Cultura Brasileira, no Itaú Cultural, em São Paulo, resultado do projeto do Ministério da Cultura em parceira com a UFRGS, por meio do NECCULT. Durante o evento, foram divulgados dois volumes metodológicos que antecedem e preparam a construção do Atlas Econômico da Cultura Brasileira, enquanto ferramenta de valorização da Cultura como um importante segmento na economia nacional. O coordenador, professor Leandro Valiati, e a equipe técnica do NECCULT estiveram presentes durante o lançamento, que contou com a participação do Ministro Roberto Freire e de Mansur Bassit, secretário de Economia da Cultura do Ministério da Cultura.

Nesse sentido, os primeiros volumes da Coleção Atlas apresentam o referencial teórico e metodológico para a etapa de mensuração, objetivo principal do Altas Econômico da Cultura Brasileira. Tal esforço empírico será organizado em torno de quatro eixos temáticos: empreendimentos culturais; mercado de trabalho; políticas públicas de fomento à cultura; e comércio internacional. Ao lado da Conta Satélite de Cultura, o conjunto de pesquisas associadas ao Atlas pretende estabelecer um sistema unificado e padronizado para avaliar a participação da Cultura na economia brasileira, com dados construídos periodicamente para possíveis comparações, bem como cadeias produtivas definidas como prioritárias para análise.

O Volume I do Atlas traz estimativas do Banco Mundial que situam a cultura como responsável por 7% do PIB do planeta no ano de 2008. No caso brasileiro, dependendo da forma de cálculo, os setores culturais podem chegar a cerca de 4% do PIB anual em 2010, sendo considerado um eixo estratégico de desenvolvimento socioeconômico pelo MinC.

De acordo com as pesquisas publicadas no segundo volume da Coleção Atlas, é possível mensurar aproximadamente a importância dos processos econômicos a partir de organizações e agentes culturais em 2,64% do PIB de 2016, contribuindo com R$ 155,6 bilhões de produção, apresentando um crescimento acumulado de quase 70% nos últimos 10 anos e constituindo 3,5% da cesta de exportação brasileira (segundo dados da Firjan). Além de mapear e sistematizar o grande impacto do setor cultural na economia do país, que se compara a setores como mineração e turismo, o Atlas servirá como uma ferramenta importante para o Governo brasileiro na priorização de políticas públicas nessa área, inclusive em momentos de crise.

Os resultados referentes aos quatro eixos temáticos do Atlas serão lançados a cada trimestre, tendo como previsão a entrega da completa para abril de 2018, durante a realização do evento Mercado de Indústrias Culturais do Sul - MICSUL. Concomitantemente, as informações de cada eixo também estarão disponíveis em uma plataforma digital, na qual a sociedade brasileira poderá acessar os conteúdos, dados e indicadores, além de um repositório com as pesquisas e produtos resultantes de parcerias com universidades, CNPQ e consultorias contratadas pelo MinC. Além disso, a Coleção, lançada a partir desses dois primeiros volumes, seguirá em paralelo com a publicação de cadernos setoriais, a realização de seminários para avaliação dos eixos.

Elaborado pelo Ministério da Cultura em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), por meio do NECCULT, o Atlas conta ainda com a colaboração de instituições como a Organização das Nações Unidades para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Banco Nacional de Desenvolvimento e Econômico e Social (BNDES), a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), entre outros.

Os dois primeiros volumes da Coleção Atlas estarão disponíveis no portal do MinC e no NECCULT até julho.

Mais informações em Ministério da Cultura

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Samira Almeida ministra aula no curso Inovação
29/03/2017

Na última quinta-feira, 23 de março, ocorreu a segunda aula do módulo 2 do curso de extensão Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas, ministrada por Samira Almeida.

A palestrante é co-fundadora e editora-chefe da StoryMax, publicadora de app books, livros digitais interativos para tablets e smartphones. Durante a aula, Samira trouxe a experiência empreendedora da StoryMax, fundada em 2012: participou do programa de aceleração de startups do Governo de Minas Gerais (SEED), possui conteúdos utilizados em sala de aula em escolas do Brasil e dos Estados Unidos e já recebeu diversos prêmios, entre eles o Prêmio Jabuti no ano de 2015, pela adaptação digital trilíngue do soneto XIII de Via Láctea, de Olavo Bilac.

O curso ocorre em seis módulos, com 30h de aula ao longo dos meses de março e abril e é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE). A proposta é capacitar empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento.

Para mais informações sobre o curso, acesse o site.

Fotos: Alejandro Reyes

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
I Seminário Ibero-americano sobre Economia da Cultura ocorre em agosto
28/03/2017

O Grupo de Pesquisa “Economia, Cultura e Políticas”, da Faculdade de Ciências Humanas e Econômicas da Universidade Nacional da Colômbia Sede Medellín, está promovendo o I Seminário Ibero-americano sobre Economia da Cultura, a ocorrer entre os dias 22 e 24 de agosto, em Medellín.

O objetivo do encontro é reunir acadêmicos e pesquisadores ibero-americanos atuantes no campo da Economia da Cultura, promovendo um espaço de discussão e reflexão teórica, de intercâmbio de experiências de pesquisa e de divulgação de trabalhos. De acordo com a organização, este intercâmbio pode servir aos setores público e privado como referência para melhorar seus processos, compartilhar realizações, planejar ações conjuntas e, acima de tudo, construir uma rede de pesquisadores que tornem esses encontros periódicos um espaço natural para executar suas agendas, confrontar visões e ajustar suas linhas de trabalho de acordo com as mudanças sociais, econômicas e políticas na área cultural nos países ibero-americanos.

Serão recebidos trabalhos em espanhol, inglês ou português, inscritos de acordo com a linha de pesquisa, levando ainda em consideração a originalidade, o rigor teórico ou a aplicação prática, e a coerência com os objetivos do seminário. Algumas das linhas sugeridas são Mercados de Arte, Criatividade e Empreendimentos Culturais, Turismo Cultural, Cultura e Desenvolvimento, Valor Econômico de Bens Culturais e Política Cultural.

Para realizar a aplicação, é preciso enviar o resumo ao e-mail economycult_med@unal.edu.co, com o máximo de 250 palavras, com objetivos, metodologia e resultados principais (parciais ou finais) e palavras chave, em documento word ou pdf, acompanhado de um curriculum vitae resumido. O prazo para o envio do resumo é 12 de maio, com divulgação do resultado em 1º de junho. Quando da notificação da seleção, os autores devem enviar seus trabalhos completos para o e-mail até o dia 20 de julho. Os trabalhos completos devem ter de 3 a 5 mil palavras (com bibliografia, notas, quadros, gráficos e anexos), sendo recomendado seguir as normas editoriais do Journal of Cultural Economics.

Mais informações sobre o Seminário podem ser obtidas junto a Dra. Nora Elena Espinal Monsalve, membra do Comitê Acadêmico e Organizador Local, pelo e-mail economycult_med@unal.edu.co.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Programa Observatório Itaú Cultural de Pesquisa em Economia da Cultura 2017
27/03/2017

O Itaú Cultural  está promovendo o programa Observatório Itaú Cultural de Pesquisa em Economia da Cultura 2017, dedicado a fomentar a produção de reflexões sobre o setor cultural e a compartilhar as experiências e os conhecimentos resultantes.

De abrangência internacional, o programa premiará projetos ligados a universidades ou centros de pesquisa no Brasil e no exterior. O objetivo é reunir estudos da economia da cultura em vários aspectos, como sistemas de informação, indicadores, financiamento, internacionalização, mercado de trabalho, demanda e desenvolvimento territorial.

Serão contemplados até dez projetos, abrangendo Pesquisas em Andamento (voltadas para o incentivo a projetos de pesquisa sobre o campo amplo da economia da cultura, com apoio financeiro no valor máximo de 24 mil reais) e Pesquisas Concluídas (voltadas para a divulgação de pesquisas não publicadas por editora comercial, monografias, dissertações, teses, análises e estudos comparados cujo tema esteja relacionado ao campo amplo da economia da cultura, nas quais a cada autor contemplado será oferecido apoio financeiro no valor de 5 mil, 10 mil ou 15 mil reais, proporcionalmente ao tempo, à metodologia e à complexidade de realização da pesquisa).

Os proponentes deverão ter nível de graduação ou pós-graduação nas áreas de ciências humanas, ciências sociais aplicadas ou de linguística, letras e artes. 

As inscrições são gratuitas e poderão ser efetuadas de 13 de março a 30 de abril de 2017, exclusivamente no site do Itaú Cultural, onde também está disponível o regulamento.

Com informações de Itaú Cultural.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
I Conferência do Diálogos tratou sobre os impactos da digitalização
22/03/2017

A I edição do Diálogos em Economia Criativa de 2017 ocorreu ontem, 21 de março, no Salão de Festas da Reitoria da UFRGS, com o tema "Digitalização: Impactos sobre Produção e Consumo".  

A conferência abordou os efeitos da digitalização sobre as indústrias criativas e as mudanças de hábitos de consumo e os desafios dos formuladores de políticas públicas na regulação desses setores.

O palestrante François Moreau, professor da Universidade Paris XIII, expôs sobre a relação entre a digitalização, a pirataria e a qualidade musical, além de números do setor na França. Ana Letícia Fialho, Diretora do Departamento de Estratégia Produtiva, trouxe ainda a experiência da Secretaria de Economia da Cultura do Ministério da Cultura na atuação junto aos setores culturais e produtivos.

O evento é realizado pela parceria entre o Observatório de Economia Criativa do Rio Grande do Sul, o Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS), a Catavento, o Departamento de Difusão Cultural da UFRGS, a Pró Reitoria de Extensão da Universidade e o Ministério da Cultura.

A transmissão do evento está disponível no canal do CEGOV no YouTube.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Prof. Milan ministra segunda aula do curso de inovação
31/12/1969

Na última quinta-feira, 16 de março, ocorreu a segunda aula do módulo 1 do curso de de extensão Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas, no Prédio Centenário da Escola de Engenharia, ministrada pelo professor Marcelo Milan.

Foi dado seguimento à discussão sobre o escopo da Economia Criativa, destacando os critérios de delimitação de atividades com características específicas. Foram apresentadas as classificações e mapeamentos utilizados pela UNCTAD, pela UNESCO, pelo IBGE e pelo Brasil Firjan. Ainda, alguns números da Economia Criativa no Brasil foram frisados: são cerca de 850 mil profissionais formais na área, que corresponde a 2,64% do PIB (2015). Algumas experiências de empreendedorismo criativo também foram trazidas pelo professor durante a aula, bem como uma reflexão sobre os trade-offs na área de criatividade e inovação.

O curso ocorre em seis módulos, com 30h de aula ao longo dos meses de março e abril e é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE). A proposta é capacitar empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento.

Para mais informações sobre o curso, acesse o site em http://obec.ufrgs.br/inovacao.

Fotos: Alejandro Reyes

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Curso Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas começa
16/03/2017

No dia 16 de março, ocorreu a abertura do curso de extensão Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas, no Prédio Centenário da Escola de Engenharia. A abertura contou com a presença dos professores Marcelo Milan, Leandro Valiati e Carlos Henrique Horn.

O coordenador do curso, Marcelo Milan, destacou o papel do curso como forma de relacionamento entre a Universidade e a comunidade, contribuindo para o empreendedorismo na área da Cultura em Porto Alegre e na região. O coordenador do OBEC, Leandro Valiati, ressaltou o interesse dos inscritos no projeto, que ampliou suas vagas até 110 participantes. O diretor da Faculdade de Ciências Econômicas, Carlos Horn, enfatizou ainda o histórico da Faculdade no tema da Economia Criativa e da Cultura, durante a abertura.

O curso ocorre em seis módulos, com 30h de aula ao longo dos meses de março e abril e é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT) da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE). A proposta é capacitar empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento.

Para mais informações sobre o curso, acesse o site.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Resultado final do processo seletivo para o Curso Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas
13/03/2017

O resultado final do processo seletivo para o Curso de Extensão Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas está disponível no site do curso.

Tendo em vista a grande procura pelo curso e a alta qualificação dos inscritos, as vagas foram ampliadas para 110. Todavia, não foi possível contemplar todos os inscritos e a seleção foi feita com base nas normas estabelecidas no Termo de Referência do curso de Extensão em Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas – Modalidade presencial. Acesse a lista completa no site do projeto e confira!

O curso é promovido pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT), vinculado ao Observatório de Economia Criativa da Faculdade de Economia da UFRGS, e inicia no dia 15 de março.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Indústrias Criativas e Desenvolvimento: Análise das Dimensões Estruturadoras
10/03/2017

Análises do desenvolvimento econômico e seus fatores de influência, considerando a economia criativa como uma alternativa, são tema do capítulo oito do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas, parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia do CEGOV, publicado em parceria com a Editora da UFRGS. O artigo, intitulado “Indústrias Criativas e Desenvolvimento: Análise das Dimensões Estruturadoras”, foi escrito pelo coordenador do OBEC, professor Leandro Valiati, e pela assistente de pesquisa Camila Cauzzi.

O texto parte das concepções de que a economia criativa é uma alternativa para o desenvolvimento econômico no contexto de progresso nas tecnologias de comunicação e de comércio internacional (UNCTAD, 2012), e de que economias desenvolvidas têm uma performance mais dinâmica nesse âmbito, em comparação às economias em desenvolvimento. Nesse sentido, os autores analisam indicadores que se relacionam a diversas dimensões do desenvolvimento econômico baseado na criatividade, de forma a enfocar os pontos fracos das economias emergentes, que necessitam de políticas públicas mais consistentes.

O artigo traz, então, uma seção de revisão bibliográfica de índices pré-existentes, como o Índice Global de Criatividade, o Índice Composto de Economia Criativa e o índice do programa CreativeMed, que procuram comparar e mensurar a economia criativa. Na seção seguinte, as variáveis e indicadores de avaliação são aplicadas a países selecionados – Brasil, China, Colômbia, Índia, Canadá, Espanha, Estados Unidos e Reino Unido –, de forma a diagnosticar os pontos fortes e fracos de cada economia. Essa análise é realizada por meio de quatro dimensões consideradas importantes para o diagnóstico do ambiente criativo das economias: desenvolvimento socioeconômico, ambiente de negócios, mercado e recursos culturais.

Para ler o estudo completo, faça o download, na aba Publicações do site do OBEC, do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Divulgada a lista de horário para entrevistas - Seleção de assessor de conteúdo
08/03/2017

Divulgada hoje a lista de horários de entrevista do processo seletivo para a vaga de Assessor de Conteúdo, para atuar no desenvolvimento de conteúdo e na revisão de materiais.  As entrevistas serão realizadas no dia 09 de março de 2017, na Sala de Videoconferência do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (Av. João Pessoa, 52 – Anexo). 

 

Horários de Entrevista

Termo de Referência

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Digitalização é tema da primeira conferência do Diálogos em Economia Criativa de 2017
07/03/2017

A I edição do Diálogos em Economia Criativa de 2017 ocorre no dia 21 de março, a partir das 19h, no Salão de Festas da Reitoria da UFRGS, com o tema Digitalização: Impactos sobre Produção e Consumo. A conferência visa abordar os efeitos da digitalização sobre as cadeias produtivas e a consequente mudança dos hábitos de consumo, promovendo o debate sobre o panorama das indústrias da música e do livro, bem como os desafios dos formuladores de políticas públicas na regulação desses setores.

Os palestrantes François Moreau, professor da Universidade Paris XIII, e Mansur Bassit, secretário de Economia da Cultura do Ministério da Cultura, debaterão sobre os setores da música e do livro, considerando ainda a redução dos custos de produção, a diminuição das vendas físicas e novas questões sobre propriedade intelectual.

O evento é realizado pela parceria entre o Observatório de Economia Criativa do Rio Grande do Sul, o Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS), a Catavento, o Departamento de Difusão Cultural da UFRGS, a Pró Reitoria de Extensão da Universidade e o Ministério da Cultura.

A inscrição pode ser realizada no site do Diálogos. Participe!

 

O Diálogos

O projeto de extensão Diálogos em Economia Criativa vem promovendo, desde 2016, diversas discussões-debate sobre a compreensão da cultura e da criatividade como motores do desenvolvimento econômico. Nesse sentido, o Diálogos traz, em cada edição, especialistas nacionais e internacionais com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento das agendas de pesquisa nas áreas de Economia Criativa e da Cultura.

Ao longo de 2017, o projeto entra em uma nova etapa, conciliando o fortalecimento da internacionalização, prioridade do OBEC e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
GT Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas seleciona bolsista
03/03/2017

O Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS) está selecionando um assessor de conteúdo para atuar no desenvolvimento de conteúdo e na revisão de materiais do projeto Observatório de Economia Criativa, durante o Curso de Extensão em Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas.

Os interessados devem estar regularmente matriculados em curso de pós-graduação, ter experiência na elaboração de guias e com eventos e cursos, bem como ter conhecimento do pacote Office e boa capacidade de comunicação. 

Os candidatos devem enviar currículo atualizado para o e-mail gtecocriativa@cegov.ufrgs.br até o dia 07 de março.

As informações sobre as atividades a serem realizadas, a remuneração e o período de atuação podem ser acessadas no Termo de Referência, disponível no portal do CEGOV.


Cronograma das seleções

Até 07 de março - Envio de currículos e histórico escolar via e-mail (gtecocriativa@cegov.ufrgs.br)

08 de março - Seleção de currículos e divulgação dos selecionados para fase de entrevista

09 de março - Realização de entrevistas

09 de março, após as 18h - Divulgação do resultado da seleção no site do CEGOV.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Impactos Econômicos da Economia Criativa com Ênfase no Comércio Internacional: Conceitos, Métricas e Estimativas para o caso do Brasil
24/02/2017

Metodologias de mensuração de impactos econômicos dos setores culturais e criativos brasileiros são tema do quarto capítulo do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas, parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia do CEGOV, publicado em parceria com a Editora da UFRGS.

O artigo, intitulado “Impactos Econômicos da Economia Criativa com Ênfase no Comércio Internacional: Conceitos, Métricas e Estimativas para o caso do Brasil”, foi escrito pelos professores André Moreira Cunha (UFRGS), Daniela Magalhães Prates (Unicamp), Julimar da Silva Bichara (Universidade Autônoma de Madrid) e Leandro Valiati (UFRGS).

O texto traz como base para discussão as formas de ampliação dos potenciais competitivos dos agentes econômicos relacionados aos setores culturais e criativos (SCC). Nesse sentido, métodos de estimação das atividades desses setores, com ênfase no caso brasileiro, entre o período 2003 a 2014, são o foco do capítulo. A primeira sessão traz as metodologias existentes e as estimativas dos impactos dos setores culturais e criativos na geração de renda, empregos e exportações (em termos globais), analisando as classificações setoriais mais utilizadas, construídas a partir de modelos específicos (DCMS, Textos Simbólicos, Círculos Concêntricos, Unesco, WPO, Americano, UNCTAD e EUROSTAT). A partir dessa observação, pode-se destacar um importante trade-off entre a atenção às especificidades de um país e a capacidade de padronização e de comparabilidade dos dados.

A segunda sessão discorre sobre os dados e metodologias utilizados pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), aprofundando a análise por meio dos dados de comércio internacional. O foco da sessão recai sobre a experiência brasileira em dois momentos, de crescimento da economia e do comércio mundial e de baixo dinamismo econômico após a eclosão da crise financeira mundial de 2008. Os resultados permitiram avançar, ainda que de forma sintética, na reflexão sobre a formulação de políticas setoriais de estímulo aos setores criativos. Para os autores, essas políticas podem e devem ser abrangentes, envolvendo iniciativas de diferentes órgãos do governo, dentre os quais os Ministérios da Cultura e da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior, a Apex, a Finep, e o BNDES, nos segmentos de bens e serviços.

Para ler o estudo completo, faça o download, na aba Publicações do site do OBEC, do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Seminário Econcult: A Lei Rouanet de Financiamento da Cultura e o “Vale Cultura” no Brasil, com Leandro Valiati
20/02/2017

O Econcult, Unidade de Pesquisa em Economia da Cultura, do Departamento de Economia Aplicada da Universitat de València, está promovendo o Seminário A Lei Rouanet de Financiamento da Cultura e o “Vale Cultura” no Brasil, a ocorrer no dia 21 de fevereiro, em Valência. O evento conta com a presença do professor Leandro Valiati, coordenador do OBEC e do GT Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do CEGOV, ligados à Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Entre os processos de planejamento cultural, nas últimas décadas, a experiência brasileira chama a atenção: já desde o início dos anos 1990, o governo federal implantou um modelo inovador de mecenato denominado Lei de Incentivo à Cultura, popularmente conhecida como Lei Rouanet. A iniciativa parte da ideia de que gestores culturais (empresas ou pessoas físicas) apresentem projetos ao Ministério da Cultura, que, por sua vez, avalia e identifica o valor cultural dos projetos, para determinar se eles podem ir a público captar recursos passíveis de dedução no imposto de renda. No caso de aprovação, os gestores têm dois anos para buscar financiadores privados que podem se beneficiar de isenções fiscais.

Além da Lei Rouanet, o Vale Cultura também se apresenta como uma ferramenta de “bônus cultural”, proposta pelo governo de Dilma Rousseff em 2013. O mecanismo consiste no benefício de R$ 50 mensais, concedido pelo empregador a seus funcionários, garantindo o acesso dos trabalhadores à cultura e benefícios fiscais para a empresa. Os beneficiários são todos os trabalhadores com emprego formal em empresas que participam do Programa. O valor é cumulativo, sem prazo de validade e é utilizado exclusivamente na compra de produtos ou serviços culturais. A ideia do Vale-Cultura é permitir maior usufruto de produtos ou serviços culturais por trabalhadores com remuneração de até cinco salários mínimos.

Nesse sentido, as duas propostas, inovadoras no contexto europeu de incentivo à cultura, serão analisadas criticamente pelo professor Valiati, um dos maiores especialistas brasileiros sobre Economia da Cultura. O seminário organizado pelo Econcult é parte do processo de análise do programa de política cultural da administração municipal de Valência, a Generalitat Valenciana, por meio do “Fes Cultura”, com o intuito de proporcionar um espaço para perspectivas diferentes em termos de política cultural comparada.

Para mais informações, acesse o site do Econcult.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
ANCINE publica acompanhamento de indicadores do Plano de Diretrizes e Metas para o Audiovisual
20/02/2017

A Agência Nacional do Cinema (ANCINE) disponibilizou em seu Portal a aferição dos indicadores propostos para o cumprimento de metas aprovadas no Plano de Diretrizes e Metas para o Audiovisual – PDM.  O documento aprovado pelo Conselho Superior do Cinema em 2012 estabelece as bases para o desenvolvimento do mercado audiovisual brasileiro entre 2010 e 2020. Formulado pela ANCINE, o Plano funciona como um guia para as ações do poder público para o setor. Partindo de um diagnóstico detalhado, definiu as diretrizes para o fortalecimento da indústria, com destaque para a ocupação do mercado interno e atenção para a inserção internacional de conteúdos brasileiros. Em suas diretrizes e indicadores, o PDM apresenta metas e situações parametrizadas para o meio (2015) e o final do período (2020).

Com base em informações de mercado coletadas pela Agência, o trabalho apresenta um monitoramento da situação dos indicadores em 2015 comparando-os com as metas pactuadas pelo PDM, com o objetivo de avaliar a efetividade das políticas públicas adotadas e seu impacto em relação a cada um dos indicadores previstos, a fim de permitir subsídios para possíveis ajustes nas ações regulatórias e de fomento da Agência.

Além de uma planilha que apresenta as metas e indicadores previstos para cada diretriz ao lado dos dados relativos ao monitoramento dos indicadores em 2015 e aos percentuais de cumprimento da meta e de crescimento previsto e alcançado, também estão sendo disponibilizadas notas explicativas relativas a cada uma das diretrizes do Plano. As notas trazem análises que contextualizam os dados e explicam fatores que influenciaram no alcance das metas.

Por conta do volume e da complexidade do conjunto dos indicadores do Plano de Diretrizes e Metas para o Audiovisual, a ANCINE optou por realizar a sua aferição em lotes. Neste primeiro momento estão sendo disponibilizadas as aferições dos indicadores relacionados às diretrizes 1 e 2: "Ampliar e diversificar a oferta de serviços de exibição e facilitar o acesso da população ao cinema"; e "Desenvolver e qualificar os serviços de TV por assinatura e de vídeo por demanda oferecidos em todos os ambientes, e ampliar a participação de programadoras nacionais e do conteúdo brasileiro nestes segmentos de mercado".

No site da ANCINE, é possível acessar a aferição de resultados dos indicadores das diretrizes do Plano de Diretrizes e Metas para o Audiovisual.

Com informações de ANCINE.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
As Indústrias Criativas na China: Panorama e Oportunidades para Cooperação Brasil-China
17/02/2017

O setor de indústrias criativas chinês e as possibilidades de cooperação com o Brasil nessa área são tema do sexto capítulo do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas, parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia do CEGOV, publicado em parceria com a Editora da UFRGS. O artigo, intitulado “As Indústrias Criativas na China: Panorama e Oportunidades para Cooperação Brasil-China”, foi escrito por Marcelo Scalabrin Müller, Pedro Perfeito da Silva e Debora Wobeto, pesquisadores do Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas no CEGOV.

O texto destaca trajetória da China no que concerne à produção cultural, chegando a meados dos anos 2000, quando a cultura passa a ser reconhecida como recurso de desenvolvimento, com a formalização do termo indústria culturais. Desde então, a institucionalização da economia criativa na administração chinesa vem se consolidando, tanto nos governos municipais, quanto no governo central e seus órgãos setoriais. O Plano Quinquenal de 2011 chegou a mencionar as indústrias criativas como pilar da economia nacional e o Partido Comunista determinou que a inovação assumiria papel central para o desenvolvimento no Plano de 2016, em um contexto de modernização econômica.

Nesse sentido, o capítulo busca identificar, a partir da análise das políticas chinesas recentes, a evolução das Indústrias Culturais e Criativas (ICC) no país, traçando considerações sobre as oportunidades de cooperação junto ao Brasil. Em seis seções, o capítulo traz um panorama geral da ascensão chinesa; uma apresentação das indústrias culturais e criativas como saída para um novo modelo de crescimento para o país; aspectos e pontos de convergência no relacionamento entre Brasil e China, com crescente dinamismo no comércio, investimento e na cooperação científico-tecnológica e educacional; as potencialidades de cooperação entre os países para um conjunto de setores selecionados das indústrias culturais e criativas – audiovisual, música, design, arquitetura, artesanato e teatro; e as considerações finais.

Para ler o estudo completo, faça o download, na aba Publicações do site do OBEC, do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Inscrições abertas para o Curso de Extensão Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas
31/12/1969

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT), vinculado ao Observatório de Economia Criativa da Faculdade de Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, está promovendo o Curso de Extensão Inovação e Empreendedorismo em Indústrias Criativas.

O curso tem por objetivo destacar a importância do olhar econômico para criatividade, propagando-o para além da academia. Com o público-alvo voltado aos pequenos empreendedores culturais e criativos, a extensão pretende capacitar empreendedores quanto a inputs da teoria da economia criativa, relacionando-os a casos reais e sublinhando o papel da inovação para o sucesso de projetos. Ainda, visa contextualizar o empreendedor quanto a seu papel no território, apresentando, por um lado, background de atuação, e por outro, possibilidades e oportunidades para inovação.

O curso tem duração de 6 semanas, com dois encontros semanais de 2h30, totalizando 30h, em 6 módulos, descritos abaixo.

As inscrições podem ser realizadas até o dia 10 de março, no site www.ufrgs.br/obec/inovacao. Serão oferecidas 60 vagas para empreendedores culturais que desenvolvam trabalhos criativos nas diversas áreas do conhecimento, com avaliação curricular. O resultado final do processo seletivo será homologado pelo Coordenador do NECCULT e publicado no site do projeto, no dia 13 de março.

Para cursar as disciplinas é essencial que o aluno tenha condições de participar de pelo menos 75% dos encontros presenciais na sede do curso, situada na Faculdade de Ciências Econômicas, Campus Centro da UFRGS (Av. João Pessoa, 52, Porto Alegre).

Não serão cobradas mensalidades. Será cobrada uma taxa, ao final do curso, no valor de R$ 4 para emissão do certificado da Pró-Reitoria de Extensão da UFRGS, considerando a frequência mínima.

As informações completas estão disponíveis no Termo de Referência do curso. Outras informações sobre o curso podem ser obtidas pelo e-mail gtecocriativa@cegov.ufrgs.br.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Metodologia de Avaliação de Feiras – o caso da Feira Internacional do Livro de Guadalajara 2015
10/02/2017

Métodos para mensurar os resultados de feiras internacionais na promoção e difusão de bens culturais no exterior são tema de artigo no livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas, parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia do CEGOV, publicado em parceria com a Editora da UFRGS. O capítulo 5, intitulado “Metodologia de Avaliação de Feiras e Apresentação dos Resultados: O caso da Feira Internacional do Livro de Guadalajara 2015”, foi escrito pelos pesquisadores Mariana Willmersdorf Steffen (mestranda no PPG Políticas Públicas da UFRGS), Marcos Tadeu Caputi Lélis (professor do PPG em Economia da Unisinos) e Tiago Wickstrom Alves (professor do PPG em Economia da Unisinos).

Considerando a crescente especialização e evolução das políticas culturais no Brasil desde a década de 2000, a avaliação dessas políticas públicas destaca-se como ferramenta importante de controle e de produção de informações para planejamento, reformulação, comparação e escolha entre alternativas. Nesse sentido, o capítulo apresenta o desenvolvimento de uma metodologia de avaliação da política de participação em eventos internacionais de promoção de negócios culturais executada pelo Ministério da Cultura brasileiro.

Em específico, o artigo apresenta o caso da Feira Internacional do Livro de Guadalajara de 2015. O texto está dividido em uma seção de breve contextualização dos desafios e especificidades relacionados à avaliação de políticas culturais, partindo, na sequência, para a descrição da metodologia de avaliação desenvolvida. Nesse sentido, foi destacada avaliação da política de intensificação da internacionalização proposta pelo MinC, por meio de editais de apoio à participação de agentes e empreendimentos culturais em eventos internacionais. O instrumento utilizado abrange técnicas de coleta e análise de dados a partir da aplicação de questionários, nas etapas pré e pós-evento.

O texto ainda apresenta os resultados obtidos com a aplicação desse procedimento em uma avaliação pré-FIL, com os 24 agentes e empreendimentos brasileiros participantes. Por fim, conclui-se o capítulo com uma análise sintética do processo de avaliação.

Para ler o estudo completo, faça o download, na aba Publicações do site do OBEC, do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Programa Observatório Itaú Cultural de Pesquisa em Economia da Cultura 2017
08/02/2017

O Itaú Cultural  anunciou, no fim de 2016, a criação do programa Observatório Itaú Cultural de Pesquisa em Economia da Cultura 2017, dedicado a fomentar a produção de reflexões sobre o setor cultural e a compartilhar as experiências e os conhecimentos resultantes.

De abrangência internacional, o programa premiará projetos ligados a universidades ou centros de pesquisa no Brasil e no exterior. O objetivo é reunir estudos da economia da cultura em vários aspectos, como sistemas de informação, indicadores, financiamento, internacionalização, mercado de trabalho, demanda e desenvolvimento territorial.

Serão contemplados até dez projetos, abrangendo Pesquisas em Andamento (voltadas para o incentivo a projetos de pesquisa sobre o campo amplo da economia da cultura, com apoio financeiro no valor máximo de 24 mil reais) e Pesquisas Concluídas (voltadas para a divulgação de pesquisas não publicadas por editora comercial, monografias, dissertações, teses, análises e estudos comparados cujo tema esteja relacionado ao campo amplo da economia da cultura, nas quais a cada autor contemplado será oferecido apoio financeiro no valor de 5 mil, 10 mil ou 15 mil reais, proporcionalmente ao tempo, à metodologia e à complexidade de realização da pesquisa).

Os proponentes deverão ter nível de graduação ou pós-graduação nas áreas de ciências humanas, ciências sociais aplicadas ou de linguística, letras e artes. 

As inscrições são gratuitas e poderão ser efetuadas de 13 de março a 30 de abril de 2017, exclusivamente no site do Itaú Cultural, onde também está disponível o regulamento.

Com informações de Itaú Cultural.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Bilheteria cresce e filmes brasileiros batem recorde de lançamentos em 2016, aponta Ancine
31/12/1969

A Agência Nacional do Cinema (ANCINE) publicou, junto ao Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual (OCA), o Informe Preliminar de Acompanhamento de Mercado, contendo os números do segmento de exibição em 2016. O ano foi positivo para o mercado, com crescimento no total de bilhetes vendidos, e especialmente marcante para o cinema brasileiro.

A quantidade de filmes lançados, 143 filmes com 97 obras de ficção, é uma marca recorde para a história do cinema brasileiro.  Já o total de ingressos vendidos, que atingiu a marca de 30,4 milhões, é o melhor resultado desde 1984. A participação de público dos filmes nacionais chegou a 16,5%, contra 13% no ano anterior.

O principal destaque do ano é o crescimento do mercado de cinema no Brasil, que mostra forte resiliência frente a crise econômica. Os 184,3 milhões de bilhetes vendidos em 52 semanas cinematográficas representam crescimento real pelo oitavo ano consecutivo com taxas expressivas nos dois últimos anos . As receitas de bilheteria superaram R$2,6 bilhões em 2016.

Entre os principais fatores desse crescimento, estão a expansão e a modernização do parque exibidor brasileiro. O ano encerrou com 3.168 salas em funcionamento, com novas cidades incorporadas ao serviço de cinema, mantendo expansão acima da média dos últimos 5 anos. 2016 foi também o primeiro ano de operação do parque exibidor quase integralmente digitalizado, o que ajudou a elevar a bilheteria e a participação dos pequenos cinemas.

“Desde 2009, temos crescimento real do mercado de salas de cinema, apesar das oscilações da conjuntura econômica do país. Isso mostra a força do cinema na vida dos brasileiros, e o empenho das distribuidoras e dos exibidores. O audiovisual brasileiro mantém seu vigor ao longo dos anos graças ao talento dos nossos profissionais. A ANCINE mantém uma política pública sólida para apoiar e desenvolver esse trabalho, sempre em diálogo com o setor. Seguem fortes os investimentos em produção, distribuição e na expansão do parque exibidor”, analisa o diretor-presidente da ANCINE, Manoel Rangel.

 

Números do cinema brasileiro em 2016:

- Os 143 longas-metragens brasileiros lançados no ano passado foram produzidos por 134 empresas produtoras de todas as regiões do País.

- Os filmes de ficção são maioria entre os lançamentos -  97 ficções; 45 documentários e 1 animação.

- Entre os filmes brasileiros, 23 tiveram mais de 100 mil espectadores, 13 mais de 500 mil e 7 venderam mais de 1 milhão de bilhetes.

- Mesmo tendo estreado no final de dezembro, a comédia “Minha mãe é uma peça 2” alcançou a segunda posição no ranking dos filmes brasileiros mais vistos em 2016. Em apenas duas cine semanas, o filme foi o 13º com maior público do ano, com 4 milhões de ingressos vendidos. O filme segue em cartaz, já tendo superado os 8 milhões de bilhetes vendidos.

- A diversidade de gêneros marcou o ranking dos 20 longas nacionais mais vistos no ano. Os filmes para o público infanto-juvenil, "Carrossel 2 - O Sumiço de Maria Joaquina" e "É fada!", ficaram na terceira e quarta posições, com 2,5 milhões e 1,7 milhões de espectadores, respectivamente. Merecem destaque também o premiado drama "Aquarius", com 354 mil espectadores; a ação “Reza a lenda”, com 377 mil, e as cinebiografias "Elis”, com 536 mil espectadores; “Mais forte que o mundo - a história de José Aldo", com 565 mil, e “Nise – o coração da loucura”, com 153 mil espectadores.

- O número de filmes nacionais dirigidos exclusivamente por mulheres também aumentou: 29 obras, o que representa 20,3% das obras brasileiras lançadas. Esse percentual é 5,6% maior se comparado ao ano de 2015, quando foi de 14,7%, e o segundo maior da série histórica, iniciada em 2009.

- Com relação à distribuição dos filmes brasileiros, as distribuidoras nacionais acumularam 96,4% dos bilhetes vendidos.

 

Novas salas de cinema no País: 

- A região Nordeste, com 10%, e Centro-Oeste, com 7%, apresentaram as maiores taxas de crescimento no número de salas. O Nordeste, especialmente, mantém forte expansão de mais de 4 dezenas de salas anuais há quatro anos consecutivos. 

- 2016 foi um ano de aumento da interiorização dos cinemas: cerca de 80% das salas incorporadas ao circuito foram abertas no interior.

- 21 novos municípios receberam seu primeiro cinema.

- A digitalização atinge praticamente todo o parque exibidor brasileiro.

 

Com informações de Ancine

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Avaliação de atividades econômicas culturais e criativas
03/02/2017

Indicadores para avaliar os resultados e impactos de políticas públicas na área da Economia Criativa e da Cultura são tema de artigo no livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas, parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia do CEGOV, publicado em parceria com a Editora da UFRGS. O capítulo 1, intitulado “Indicadores para Avaliação de Atividades Econômicas Culturais e Criativas: uma síntese”, foi escrito por Marcelo Milan, professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais da UFRGS.

 O capítulo busca tratar sobre a avaliação de políticas públicas culturais e criativas para o desenvolvimento socioeconômico e territorial no Brasil. Considerando que a implementação dessas atividades é relativamente recente no país, o autor aponta para a necessidade de instrumentos e metodologias de avaliação que permitam identificar gargalos e experiências bem-sucedidas a ser replicadas. No sentido de aprimorar tais políticas, se faz importante a construção de indicadores de avaliação dos processos e de seus resultados e impactos.

Vale salientar as características específicas das atividades culturais e criativas, que, pela dimensão qualitativa e não mensurável, dificultam métricas precisas. Ainda, o autor destaca a dificuldade em isolar os efeitos das políticas públicas, ainda mais os impactos indiretos. Mesmo com as ressalvas, Milan afirma a importância da construção de indicadores, ainda que incompletos e imperfeitos, que permitam avaliar em que medida ações de estímulo à cultura são efetivas.

O artigo está dividido em uma seção sobre os apontamentos metodológicos para a construção de indicadores, em geral, e para as atividades culturais e criativas, em particular, utilizando trabalhos da OCDE, Unesco e CreativeMed; uma seção sobre os indicadores de processos e de impactos propostos no projeto Programa Incubadoras Brasil Criativo, trabalho conjunto desenvolvido pelo CEGOV/UFRGS e a Secretaria de Políticas Culturais do MinC; e uma seção de discussão, sobre as vantagens e limitações dos indicadores.

Para ler o estudo completo, faça o download, na aba Publicações do site do OBEC, do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Cultura, Criatividade e Sistemas de Diagnóstico Territorial
27/01/2017

Sistemas de diagnóstico territorial e o caso do CreativeMED Toolkit são tema de artigo no livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas, parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia do CEGOV, publicado em parceria com a Editora da UFRGS. O capítulo 7, intitulado “Cultura, Creatividad y Sistemas de Diagnóstico Territorial: el caso del CreativeMED Toolkit”, foi escrito por Pau Raussel-Köster e Raúl Abeledo Sanchis, professores do Departamento de Economia Aplicada da Universidade de Valência e diretores da Área de Pesquisa em Economia da Cultura e Turismo (Econcult).

Em espanhol, o texto busca apresentar os resultados de pesquisa levada pelo grupo Econcult tendo como marco o projeto europeu CreativeMed. O projeto teve como objetivo a criação de sinergias entre projetos, a sistematização de conhecimento e sua difusão por meio de indicadores, modelos e ferramentas, assim como a criação de redes de cooperação transnacional entre os participantes. Em específico, o Econcult verificou em sua pesquisa o projeto Interreg Med “Sostenuto: Cultura como Factor de Innovación Social y Económica”, vigente entre 2009 e 2012. O resultado do projeto foi a uma ferramenta telemática que permite aos responsáveis técnicos e políticos integrar os setores culturais e criativos no desenho e na execução de estratégias regionais (na Europa mediterrânea) de especialização inteligente: o RIS3.

Para os autores, tendo em conta as transformações na visão do campo cultural e criativo nos processos de desenvolvimento, cada vez mais há evidências de que a dimensão dos setores culturais e criativos tem uma influência maior na capacidade de gerar conhecimento nas regiões, provocar notáveis incrementos na produtividade global do sistema econômico, constituir uma das mais rápidas vias de saída de crises e conformar um dos vetores mais plausíveis de especialização europeia frente à competitividade global.

Para ler o estudo completo, faça o download, na aba Publicações do site do OBEC, do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
UniRitter promove curso de extensão sobre Indústrias Criativas
26/01/2017

A UniRitter está promovendo o curso de extensão Indústrias Criativas, na Escola de Verão - Negócios e Comunicação, durante os dias 06 a 09 de fevereiro.

O curso tem por objetivo apresentar o conceito de indústrias criativas, voltado ao domínio da economia criativa, tendo como sua principal característica a busca por geração de valor a partir de atividades cuja base é a inovação, em diversos âmbitos (tecnológico, social, cultural, econômico, urbanístico). Abarca setores como mídia, audiovisual, editorial, publicidade, moda, arquitetura, design, desenvolvimento de jogos, tecnologia, informação e conhecimento, artes e espetáculos, produção fonográfica, patrimônio, entre outros. Nesse sentido, as indústrias criativas são um desdobramento da sociedade do conhecimento.

São 15 vagas para 16 horas/aulas ministradas por Ivan Bomfim (Pós-doutor em Ciências da Comunicação pela escola da indústria criativa-Unisinos, doutor e mestre em comunicação e informação pela UFRGS, jornalista pelo UNIBH e bacharel em história pela UFMG). Para mais informações sobre o curso e o investimento, acesse o site da UniRitter.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
A Lei Rouanet e o fomento para o setor audiovisual brasileiro
27/01/2017

A Assessoria de Comunicação do Ministério da Cultura publicou, na última semana, informações de interesse sobre a Lei Rouanet e a área do audiovisual no Brasil. De acordo com o MinC, a Lei 8.313/1991, Rouanet, é um dos mecanismos de fomento mais conhecidos pela cadeia produtiva da Cultura. O que poucos sabem é que ela também oferece a possibilidade de captação de recursos para o segmento do audiovisual. Desde 2001, quando a Lei recebeu alteração por conta da medida provisória nº 2.228-1, é possível obter incentivos para a produção de obras cinematográficas e videofonográficas de curta e média metragem, além de incentivos para projetos que tenham como objetivo a preservação e difusão do acervo audiovisual. 

"O incentivo via Lei Rouanet supre essencialmente a necessidade e a vocação da Secretaria do Audiovisual (SAv) para a inovação, difusão do produto audiovisual brasileiro e apoio aos artistas em formação", destaca a secretária do Audiovisual do Ministério da Cultura (MinC), Mariana Ribas. "A Rouanet promove com total isenção fiscal o apoio aos curtas metragens, ponta de lança de grandes cineastas, além de ser a principal apoiadora dos festivais de cinema por todo território brasileiro. Isso a torna mecanismo essencial para o fortalecimento do segmento audiovisual", completa.

 

A SAv

A Secretaria do Audiovisual é responsável pela proposição da política nacional do cinema e do audiovisual, bem como de políticas, diretrizes gerais e metas para o desenvolvimento da indústria audiovisual e cinematográfica brasileira. A Secretaria formula políticas, diretrizes e metas para formação e capacitação audiovisual, produção, distribuição, exibição, preservação e difusão de conteúdos audiovisuais e cinematográficos brasileiros.

Além do incentivo fiscal via Lei Rouanet, a SAv trabalha com mais três possibilidades de fomento para o segmento do audiovisual: editais, Termos de Execução Descentralizada (TED) e convênios. Os editais são instrumentos de seleção pública para apoio a projetos culturais, lançados de acordo com o planejamento e orçamento da Secretaria. O público-alvo pode variar, dependendo do objeto e da origem do recurso. O Termo de Execução Descentralizada (TED) é um instrumento que permite a descentralização de crédito entre órgãos e/ou entidades da União para a execução de projetos de interesse recíproco entre as instituições participantes. Enquanto isso, o convênio é o instrumento que disciplina a transferência de recursos financeiros de órgãos ou entidades do governo federal, direta ou indireta, para órgãos ou entidades de governos, consórcios públicos ou entidades privadas sem fins lucrativos, visando a execução de projeto ou atividade de interesse recíproco, em regime de cooperação mútua. 

 

Sobre a Lei Rouanet 

Sancionada em 1991, a Lei Rouanet instituiu o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), que estabelece as normativas de como o Governo Federal deve disponibilizar recursos para fomentar a cultura no Brasil. Para cumprir este objetivo, um dos mecanismos criados foi o Incentivo a projetos culturais, também chamado de Incentivo fiscal.

O incentivo é um mecanismo em que a União faculta às pessoas físicas ou jurídicas a opção pela aplicação de parcelas do Imposto sobre a Renda, a título de doações ou patrocínios, no apoio direto a projetos culturais ou em contribuições ao Fundo Nacional da Cultura (FNC). Ou seja, o Governo Federal oferece uma ferramenta para que a sociedade decida aplicar, e como aplicar, parte do dinheiro de seus impostos em ações culturais. 

Desta maneira, o incentivo fiscal estimula a participação da iniciativa privada, do mercado empresarial e dos cidadãos no aporte de recursos para o campo da cultura, diversificando possibilidades de financiamento e ampliando o volume de recursos destinados ao setor, atribuindo a ele mais potência e mais estratégia econômica. 

Todo projeto cultural, de qualquer artista, produtor e agente cultural brasileiro, pode se beneficiar desta Lei e se candidatar à captação de recursos de renúncia fiscal. O recebimento de propostas culturais no incentivo fiscal fica continuamente aberto entre 1º de fevereiro e 30 de novembro de cada ano.

No incentivo fiscal, a análise é feita a partir da determinação da Lei Rouanet, que diz, em seu Artigo 22, que os projetos enquadrados neste mecanismo "não poderão ser objeto de apreciação subjetiva quanto ao seu valor artístico ou cultural". Se um projeto cumpre todas as normas e exigências da Lei, será considerado apto a captar recursos de incentivo fiscal. 

 

Acesse a matéria completa no site do MinC.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Inscrições abertas para o 4º Icumam Lab em Goiás
26/01/2017

A 4ª edição do Icumam Lab – Laboratório de Fomento à Produção Audiovisual no Centro-Oeste está com inscrições abertas até o dia 17 de fevereiro. O evento, cujo objetivo é compreender e refletir sobre projetos audiovisuais da sinopse ao financiamento, ocorrerá entre os dias 3 e 8 de abril, na cidade de Nerópolis, Goiás.

Serão selecionados no mínimo três projetos de longa-metragem de ficção ou documentário, e outros três projetos de séries de TV, obrigatoriamente de produtores e diretores da Região Centro-Oeste, para participar do laboratório. Os interessados devem preencher a ficha de inscrição disponível no site do Icumam, e enviar seus projetos em formato PDF. A lista de selecionados será divulgada no dia 13 de março. A seleção segue critérios de qualidade artística e técnica, factibilidade e viabilidade de produção, potencial e originalidade da proposta, estágio de desenvolvimento e qualidade dos materiais obrigatórios apresentados.

 O laboratório oferece consultoria e assessoria individual e coletiva de profissionais renomados na economia do audiovisual aos projetos selecionados, buscando o amadurecimento e aprimoramento de aspectos específicos e comuns dos projetos.

Mais informações no site oficial do evento.

Com informações de Ancine.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Microcréditos e empreendimentos culturais
23/01/2017

O estado atual e sugestões de ações para empreendimentos culturais são tema de artigo no livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas, parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia do CEGOV, publicado em parceria com a Editora da UFRGS. O capítulo 3, intitulado “Microcrédito e Empreendimentos Culturais: estado atual e sugestão de ações incrementadoras”, foi escrito por Gláucia Campregher, professora do Departamento de Economia e Relações Internacionais da UFRGS, Pedro Henrique Jatobá, Mestre em Gestão e Desenvolvimento pela UFBA, e Tiago Baldasso, graduando em Relações Internacionais pela UFRGS.

O texto busca analisar a política de microcrédito no Brasil como forma de descentralização e desconcentração dentro do sistema financeiro tradicional, com valores, prazos, garantias e acompanhamento diferenciados. Apesar da inexistência de um sistema brasileiro de crédito de acesso amplo e democrático (não somando mais que 0,2% do valor e 0,4% das operações do Sistema Financeiro Nacional), são destacados as ações dos bancos de desenvolvimento e os públicos, como o Banco do Nordeste Brasileiro, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal.

Nesse sentido, considerando que não é comum que as instituições criem programas com foco na atividade realizada pelo tomador de crédito, e que os agentes de crédito estão habituados a lidar com negócios populares; pode-se imaginar que o público constituído de músicos, fotógrafos, desenhistas, atores, bailarinos, artesãos, e todo um amplo conjunto de profissionais da cultura de porte pequeno e muitas vezes informal, fica fora do microcrédito como já ficariam do crédito comercial tradicional. O artigo parte, então, ao desenvolvimento de algumas notas sobre as condições atuais da oferta e da demanda de crédito aos pequenos empreendedores, focando, ainda, na área economia da cultura/criativa. O intuito é lançar, também, algumas sugestões de medidas que poderiam gerar algum efeito propulsor no atendimento das necessidades dos segmentos dos pequenos negócios ligados à cultura para que pudessem ser atendidos pelo microcrédito.

Algumas dessas propostas são a contratação e o treinamento de agentes de crédito especializados, constituição de um fundo de aval com recursos do Fundo Nacional de Cultura e a criação de uma rede de moedas sociais virtuais desenvolvidas num contexto de aproximação entre a cultura tradicional e a cybercultura (possibilitando a integração de economias locais e o intercâmbio cultural).

Para ler o estudo completo, faça o download, na aba Publicações do site do OBEC, do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas.

 

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
Confira o edital de games do Programa Brasil de Todas as Telas
19/01/2017

A Agência Nacional do Cinema - ANCINE, em parceria com a Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura (RRNE-MinC), realizou a primeira oficina online sobre jogos eletrônicos. O objetivo do encontro virtual foi apresentar a Chamada Pública PRODAV 14/2016, edital do Programa Brasil de Todas as Telas que disponibiliza R$ 10 milhões em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual para a produção de até 24 jogos eletrônicos.

O FSA foi criado pela lei nº 11.437 de 2006, como categoria de programação específica do Fundo Nacional de Cultura, com receitas alocadas do total da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (CONDECINE) e de uma parte do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações. A partir de 2011, a CONDECINE passou a ser recolhida de concessionárias, permissionárias e autorizadas de serviços de telecomunicações que distribuem conteúdos audiovisuais, triplicando a arrecadação.

Nesse sentido, o PRODAV - Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Audiovisual Brasileiro, estabelece as diretrizes e condições para a aplicação dos recursos do FSA. O PRODAV foi incluído na Medida Provisória nº 2.228-1 pela Lei nº 11.437/2011 no rol de mecanismos nacionais de fomento de atividades audiovisuais, e é destinado ao fomento de projetos de produção, programação, distribuição, comercialização e exibição de obras audiovisuais brasileiras de produção independente.

A primeira iniciativa da ANCINE no setor de jogos eletrônicos ocorreu em 2013, quando da inclusão da possibilidade de investimento na produção de Demos Jogáveis nas linhas do FSA dedicadas ao desenvolvimento de projetos. Até o final de 2016, foram 13 projetos contemplados.

O edital PRODAV 14/2016 tem inscrições abertas até 23 de janeiro para projetos que se encontrem em quaisquer das etapas de produção, desde que o jogo não tenha sido lançado comercialmente. Ainda, serão aceitos projetos em coprodução internacional, desde que as coprodutoras estrangeiras também sejam independentes.

Como se dá a Governança do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA)

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
ANCINE PUBLICA ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE OBRAS BRASILEIRAS PELOS SEGMENTOS DO MERCADO AUDIOVISUAL
16/01/2017

ANCINE publicou no Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual - OCA o estudo Circulação de obras brasileiras pelos segmentos do mercado audiovisual (2011 a 2015), que mapeou o caminho trilhado pelos 100 longas-metragens brasileiros lançados em 2011 pelas diferentes janelas de exibição.

O trabalho apresenta o quantitativo de obras comercializadas nos segmentos de vídeo doméstico, TV Paga e TV Aberta; o número de lançamentos em cada janela, por ano, e o fluxo das obras pelos diferentes mercados. Assim, é possível extrair informações sobre que segmentos mais absorvem as obras lançadas nos cinemas, qual o intervalo mais frequente de estreia em cada janela e qual a sequência de lançamento mais comum percorrida pelas obras.

Dos 100 filmes que estrearam em 2011, 86 foram veiculados na TV Paga até o ano de 2015. A grande presença de obras brasileiras na TV Paga pode ser parcialmente atribuída à Lei 12.485, que, a partir de 2011, estabeleceu obrigações de veiculação de conteúdo brasileiro.

Um total de 21 filmes foi comercializado em todos os mercados monitorados pela pesquisa. Esses títulos, todos eles longas-metragens de ficção, representaram 93,2% do público total para os filmes brasileiros no ano da pesquisa, o que demonstra que os resultados de bilheteria influenciam na demanda pelos filmes nas demais janelas.

O estudo apresenta, ainda, um gráfico que mostra o fluxo completo entre as janelas de exibição. É possível observar quais são as janelas de exibição mais frequentes após o lançamento em salas de exibição, além de alguns padrões de circulação das obras.

Com informações de ANCINE.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
DIVULGADA LISTA DE SELECIONADOS PARA VAGAS DO GT ECONOMIA CRIATIVA, CULTURA E POLÍTICAS PÚBLICAS
16/01/2017

O Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS) selecionou os seguintes candidatos para vagas no projeto “Consumo do Audiovisual no Brasil: tendências nacionais e dinâmicas regionais”:

Assistente de pesquisa I – Graduação 
Selecionado: 
Uriel Boianovsky Kveller

Suplente: 
Karina Ruiz

 

Assistente de pesquisa II – Mestrado 
Selecionadas: 
Luciana Linhares de Andrade 
Luiza Pecis Valenti

 

Assistente de pesquisa III – Doutorado 
Selecionado: 
Leandro Vieira Lima Araújo

Suplentes: 
Virginia Caetano Baumhardt 
Isis Oliveira Bastos Matos 
Natália Araújo de Oliveira 
Elena de Oliveira Schuck

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
CARACTERÍSTICAS E DESENVOLVIMENTO DE APLS DE ECONOMIA CRIATIVA
13/01/2017

Os arranjos produtivos locais de economia criativa são tema de artigo no livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas,  parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia do CEGOV, publicado em parceria com a Editora da UFRGS. O capítulo 2, intitulado, “Características e Desenvolvimento dos Arranjos Produtivos Locais de Economia Criativa apoiados pelo MinC”, foi escrito por Ronaldo Herrlein Jr. e Ana Lúcia Tatsch, professores do Programa de Pós-Graduação em Economia da UFRGS.

O texto analisa a política de desenvolvimento territorial estabelecida pelo MinC, realizada por meio de edital para arranjos de economia criativa que se candidataram a receber apoio por meio de consultoria para a formulação de Planos de Desenvolvimento. Foram 27 APLs intensivos em cultura, em 20 estados brasileiros, acompanhados e avaliados em pesquisa pelos professores, por meio do convênio entre o OBEC e o MinC.

O primeiro passo da pesquisa foi o estudo dos planos de desenvolvimento para obter uma caracterização geral dos APLs – tais como distribuição de acordo com os estados, setores econômicos e criativos, abrangência, faturamento, empregados, orçamentos –, e uma sistematização das ações e resultados previstos nos planos. Também observou-se a indicação das fontes de custeio e financiamento das ações previstas. Nesse sentido, foi possível destacar a grande heterogeneidade setorial, de escala e de densidade econômica dos empreendimentos, dificultando a elaboração e execução de uma política de desenvolvimento territorial.

O segundo passo da pesquisa consistiu na atividade de acompanhamento, por meio de contatos e entrevistas telefônicas com os agentes responsáveis pela governança dos APLs, relatando as dificuldades, empecilhos e realizações. Em conclusão ao acompanhamento dos planos de desenvolvimento dos APLs, verificou-se que, dentre as ações previstas para se realizarem até o final de 2015 (o que representou 57% do total das ações), apenas 30% tinham se realizado, parcial ou totalmente, e 64% sequer haviam iniciado.

Para ler o estudo completo, faça o download, na aba Publicações do site do OBEC, do livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
BUENOS AIRES LAB TEM INSCRIÇÕES ABERTAS
12/01/2017

BAFICI - Festival Internacional de Cinema Independente de Buenos Aires acontece entre os dias 19 e 30 de abril, na capital argentina, e inclui em sua programação a 14ª edição do BAL - Buenos Aires Lab, que visa apoiar o desenvolvimento e produção latino-americana de cinema. Os interessados em participar podem acessar, até o dia 22 de janeiro, o formulário de inscrição na seção do BAFICI encontrada no site oficial da cidade de Buenos Aires.

Esta edição do laboratório, que acontece de 20 a 23 de abril, contará com duas seções: laboratório de produção, voltado para projetos em estado avançado de desenvolvimento, e Work in progress, que busca auxiliar na finalização de primeiras e segundas obras que tenham um primeiro corte para apresentar durante o evento.

O laboratório de produção trabalhará exclusivamente a definição de estratégias de produção, financiamento e marketing com reuniões individuais com tutores e diálogos com professionais convidados. Além disso, as obras selecionadas concorrem aos prêmios concedidos por um júri internacional. Já a seção Work in progress oferece aos representantes de cada projeto a oportunidade de desenvolver estratégias de promoção personalizadas com o auxílio de especialistas do mercado. Os produtores e diretores deverão apresentar até 8 minutos de material para profissionais da indústria, que elegerão os premiados.

Maiores informações sobre condições de ilegibilidade e inscrições estão disponíveis no site.

Com informações de Ancine.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
5ª EDIÇÃO DO CONGRESSO CIDADES CRIATIVAS OCORRE ENTRE 25 E 27 DE JANEIRO
11/01/2017

Entre os dias 25 e 27 de janeiro, ocorre o V Congresso Internacional de Cidades Criativas, na cidade do Porto. Depois de edições anteriores de grande sucesso (2009, 2011 e 2016 em Madrid; 2013 em Campinas), o Congresso está sendo organizado em parceria pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, pelo CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar “Cultura, Espaço e Memória” e pela Associação Científica ICONO14. Esta 5ª edição pretende dar continuidade a um debate multidisciplinar e multicultural que, sob este formato, existe desde 2009 e que tem envolvido participantes e assistentes de todo o mundo na construção e partilha de um conhecimento plural, transversal e diversificado das características, dificuldades, sucessos e caminhos vários para diferentes tipos e escalas de cidades. Num momento em que o Porto assume-se, de forma clara, como destino europeu e mundial a ter em conta (não apenas pelo turismo em si, mas por tudo o que o motiva: história, cultura, arquitetura, geografia, gastronomia, etc.), o Congresso pretende torná-lo também o centro deste intercâmbio científico de origens e destinos para a vida que define toda e qualquer cidade.

O Congresso Internacional de Cidades Criativas é um evento idealizado e organizado pela Associação Científica ICONO14 (Espanha) que procura abordar ações inovadoras protagonizadas dentro das cidades por diferentes tipos de agentes (públicos, privados, governamentais, não-governamentais, empresas, universidades, indivíduos ou coletividades). Pretende ser um espaço de apresentação e discussão de perspetivas e soluções inovadoras para os desafios próprios de uma cidade, de exploração de diferentes recursos e possibilidades para pequenas e grandes cidades mundiais.

 

Cidades Criativas

As cidades são uma das grandes manifestações do ser humano. São espaços construídos para vivermos e evoluirmos como pessoas, como grupos, como unidade, na procura incessante de alcançarmos os objetivos que mais nos identificam como espécie racional, emocional e social. A cidade é a cristalização da atividade criativa do Homem, a solução para os problemas que surgem no quotidiano e na expressão das ações humildes e egrégias da cultura humana. É conteúdo e continente, atividade e descanso, lugar de encontro e ponto de partida, solidão e multidão, ruído e silêncio. Nela conflui a atividade de todas as ciências, o sentido de todos os olhares, o desejo de todas as conquistas humanas e a solidariedade de toda a generosidade. É um exercício construtivo de criatividade fluída, flexível e plural. Para avançar, pede de quem a habita imaginação, trabalho, gestão, coerência, interatividade, espírito colaborativo, empatia e alegria.

Para mais informações, acesse o site do evento.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
LIVRO "ECONOMIA CRIATIVA, CULTURA E POLÍTICAS PÚBLICAS" ESTÁ DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD
10/01/2017

Está disponível, na aba Publicações do site do OBEC, o livro Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas. A publicação, parte da coleção Capacidade Estatal e Democracia, do CEGOV/UFRGS, é o resultado dos esforços contínuos, individuais e coletivos, dos projetos desenvolvidos no âmbito do Grupo de Trabalho do CEGOV/UFRGS.

A partir da produção de subsídios teóricos, avaliações aplicadas e estratégias de políticas para demarcar, busca-se compreender e propor formas de desenvolvimento do campo da economia da cultura no escopo da economia e indústrias criativas. Nesse sentido, o livro busca refletir as experiências e expertises desenvolvidas no GT por meio de seus projetos de pesquisa e extensão. Ele conta com a participação de professores da UFRGS e parceiros, nacionais e internacionais, que estiveram ativamente envolvidos nas atividades do GT e que de alguma maneira contribuíram para a sua consolidação.

Economia da cultura e economia criativa, indicadores e metodologias de avaliação, arranjos produtivos locais, microcrédito, empreendimentos culturais, comércio internacional, indústrias criativas, formas de organização do trabalho, incentivo e financiamento à cultura são temas tratados ao longo dos 13 capítulos da coletânea.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
INSCRIÇÕES PARA O PROGRAMA STARTUPRS VÃO ATÉ 22 DE JANEIRO
09/01/2017

O Programa StartupRS, principal programa de pré-aceleração de startups digitais do Rio Grande do Sul, está selecionando 15 startups digitais para participarem, durante 5 meses, de capacitações com profissionais especializados em startups, consultorias para os negócios evoluírem ao máximo durante o programa, por meio do contato com mentores de mercado e investidores, além de se conectarem de forma mais profunda com o ecossistema de empreendedorismo do estado.

Com realização do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul – SEBRAE-RS, o Programa StartupRS tem como público alvo, para a turma 5, empresas sediadas no RS, iniciantes, definidas como Startups Digitais, que exploram produtos e modelos de negócios inovadores com foco em tecnologia, nos segmentos de TI, Telecom e Digital Media.

O Programa já apoiou mais de 70 startups a validar seus modelos de negócio, estruturar vendas e ter acesso aos melhores investidores e parceiros. O StartupRS tem como objetivo transformar startups que estão em busca de resolver problemas reais do mercado em negócios reais com alto grau de inovação e grande potencial de escala. Entre seus objetivos específicos estão a promoção de capacitação empreendedora das startup digitais; a promoção do fortalecimento empresarial das startups digitais; a aproximação de possíveis investidores buscando a aceleração e captação de recursos para ampliar a capacidade competitiva das startups digitais; o fomento do empreendedorismo digital no estado; a prospecção e difusão do conhecimento sobre as melhores práticas em uso aplicáveis as startups locais; e a contribuição para a sustentabilidade da economia digital no RS por meio do investimento em capacitação das startups que participam do projeto.

As inscrições vão até o dia 22 de janeiro e podem ser realizada aqui.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
GT ECONOMIA CRIATIVA, CULTURA E POLÍTICAS PÚBLICAS SELECIONA TRÊS BOLSISTAS
31/12/1969

O Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS) está selecionando três bolsistas para diferentes vagas no projeto “Consumo do Audiovisual no Brasil: tendências nacionais e dinâmicas regionais”.

Os interessados devem enviar currículo atualizado e histórico escolar para o e-mail gtecocriativa@cegov.ufrgs.br até o dia 10 de janeiro, especificando a vaga para qual desejam participar (graduação, mestrado ou doutorado).

As informações sobre as vagas estão disponíveis nos respectivos Termos, no site do CEGOV.

 

Cronograma das seleções

Até 10 de janeiro - Envio de currículos e histórico escolar via e-mail (gtecocriativa@cegov.ufrgs.br) 
11 de janeiro - Divulgação da lista de candidatos selecionados para entrevista 
12 e 13 de janeiro - Realização das entrevistas 
13 de janeiro, após as 18h - Divulgação do resultado da seleção

 

Comissão de seleção

Prof Dr. Leandro Valiati 
Prof Dr. André Moreira Cunha 
Gustavo Möller

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
COORDENADOR LEANDRO VALIATI FALA SOBRE INDÚSTRIAS CRIATIVAS EM MATÉRIA DA REVISTA PROBLEMAS BRASILEIROS
20/12/2016

A edição 437 da Revista Problemas Brasileiros traz o texto Anseio por criatividade, escrito por Raíza Dias, sobre a indústria criativa como alternativa para o futuro da economia brasileira, bem como uma das saídas para a crise nacional e uma tendência que mudará os paradigmas sociais e de mercado.

No artigo, especialistas apresentam a cadeia de atividades criativas como alternativa que precisa de incentivo para alcançar seu potencial no Brasil. Apesar do crescimento dos setores que têm como insumos primários a criatividade, o conhecimento e o capital intelectual – publicidade; arquitetura; design; moda; expressões culturais; patrimônio e artes; música; artes cênicas; editorial; audiovisual; pesquisa e desenvolvimento; biotecnologia; e tecnologia da informação e comunicação – existem desafios. Para o coordenador do OBEC, professor Leandro Valiati, “Os grandes gargalos dessa economia, hoje, são a falta de informação setorial sobre o impacto econômico da [economia] da cultura, o mercado de trabalho e a taxa de ocupação”.

O texto também traz as contribuições de pesquisadores e especialistas sobre economia criativa e da cultura no Brasil, tais como John Howkins, Rafaela Cappai, Marcos André Carvalho, Maria Fernanda Bermúdez, João Wallig e Germana Uchoa.

Em circulação desde 1963, a Revista PB passou a ser editorada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), em outubro de 2016, em continuidade ao trabalho desenvolvido pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) no Estado de São Paulo.

O artigo completo pode ser acessado a seguir e também a partir da página 40, na Revista Problemas Brasileiros.


Anseio por criatividade, por Raíza Dias

Vista como o futuro da economia brasileira, uma das saídas para a crise nacional e tendência que mudará os paradigmas sociais e de mercado, a indústria criativa é apontada por especialistas como alternativa que precisa de incentivo para alcançar a seu devido potencial no País.

A cadeia engloba 13 atividades, as quais têm como insumos primários a criatividade, o conhecimento e o capital intelectual. São consideradas parte dela: publicidade; arquitetura; design; moda; expressões culturais; patrimônio e artes; música; artes cênicas; editorial; audiovisual; pesquisa e desenvolvimento; biotecnologia; e tecnologia da informação e comunicação.

Um dos problemas da economia criativa é a falta de informações oficiais sobre a sua dimensão no País. Um estudo que tem norteado o segmento é o Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, feito pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Sistema Firjan). O documento de 2014 mostra que, na última década, houve um crescimento de 69,1% no número de empresas dessa cadeia. Além disso, a estimativa é que, com base na massa salarial gerada por esses empreendimentos, a indústria criativa gere um Produto Interno Bruto (PIB) equivalente a R$ 126 bilhões, o que representa 2,6% do total produzido em 2013. Toda a riqueza originada por esse mercado expandiu 69,8% em termos reais em dez anos, índice bem superior aos 36,4% registrados no PIB brasileiro no mesmo período.

Os números existentes são de entusiasmar. No entanto, é preciso mais. “Os grandes gargalos dessa economia, hoje, são a falta de informação setorial sobre o impacto econômico da [economia] da cultura, o mercado de trabalho e a taxa de ocupação”, avalia o professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais e coordenador do Observatório de Economia Criativa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Leandro Valiati.

O Brasil apresenta alguns esforços espalhados pelo território nacional. No entanto, não há um trabalho, de fato, conjunto. O governo federal chegou a dar alguns passos nesse sentido. Em 2011, o Ministério da Cultura (MinC) criou a Secretaria de Economia Criativa, que se debruçaria sobre esse mercado e seu potencial. A pasta, contudo, teve menos de cinco anos de vida e atualmente o trabalho está vinculado à atuação da Secretaria de Educação e Formação Artística e Cultural (Sefac), também do MinC. A Organização das Nações Unidas (ONU) já alertou o mundo sobre a importância desse mercado. Em 2013, o Relatório das Nações Unidas sobre a Economia Criativa, intitulado Widening Local Development Pathways, apontou que o comércio de bens e serviços criativos impulsionam as economias e contribuem para o desenvolvimento social inclusivo, o diálogo e o entendimento entre os povos.

Em países desenvolvidos, o conceito está bem compreendido e a todo vapor. Por aqui, a expectativa é positiva. Questionado sobre o potencial do Brasil, o pesquisador britânico John Howkins – nome mundialmente ligado à economia criativa – é categórico: “Imenso”. E complementa. “O Brasil é um País incrivelmente criativo e é internacionalmente reconhecido por seus talentos extraordinários em design, música, cinema, arquitetura e demais. Além disso, os brasileiros têm um senso instintivo para pensamento criativo em todos os níveis da sociedade. Poucos países têm isso”, assinala.


Estratégia de desenvolvimento

Um estudo da PwC mostrou a força de parte desse mercado. Focado em negócios de mídia e entretenimento, o relatório global da consultoria mostrou que a previsão de crescimento anual dessas atividades no Brasil é de 6,4% ao ano até 2020, superior à média global, de 4,4%, principalmente porque, por aqui, são esperados gastos expressivos com publicidade na TV e acessos a internet, TV e vídeo. A expectativa é que o faturamento do setor de mídia e entretenimento no País alcance o montante de US$ 48,7 bilhões em 2020.

Entre as empresas relacionadas às 13 atividades da indústria de economia criativa, não é difícil encontrar casos de expansão, mesmo na crise que tem amargado o desempenho de muitos negócios nos últimos anos. Apesar de o mercado olhar com interesse para esse fato, a recomendação é não restringir a avaliação. “Eu vejo muita gente falando que a economia criativa é solução para a crise, e não é exatamente isso. É uma nova forma de operar. Ela não vai ser um band-aid que será colocado agora só para interromper a crise. A economia criativa é uma nova proposta de enxergar o capitalismo e as relações econômicas e financeiras no mundo. Temos, também, as economias social, colaborativa e compartilhada para sustentar novos jeitos de fazer”, alerta a especialista em economia criativa e fundadora da Espaçonave, em São Paulo, que auxilia empreendedores inventivos em seus negócios, Rafaela Cappai.

Para Valiati, da UFRGS, é preciso olhar para esses setores como fundamentais. “Falta um engajamento da visão da economia criativa como estratégia para o desenvolvimento nacional. É preciso produzir informação que qualifique o nosso potencial e conhecer o que falta para que essa economia se torne estratégica e, assim, ser atendida com políticas públicas focadas”, recomenda.

Segundo Howkins, a questão envolve transformar boas ideias em produtos de sucesso e vendidos internacionalmente. O Brasil está agora preparando startups e grandes empresas para fazer isso. “O governo precisa dar passos para auxiliar os desenvolvimentos da criatividade e da inovação no mesmo nível de suporte dado historicamente para os setores de agricultura e indústria. O futuro para a economia e a saúde da sociedade brasileira estão, cada vez mais, nas indústrias de serviços e em originalidade e inovação”, avalia.


Esforços da gestão pública

No mercado criativo, esforços isolados de municípios e Estados para incentivar essa cadeia têm sido vistos. Para especialistas, é preciso um olhar em âmbito federal na questão. “É necessário a criação de novos ajustes dos marcos legais para cultura, tanto na questão trabalhista quanto na tributária. Isso depende do Congresso Nacional. Outro ponto é aumentar os investimentos em capacitação desses novos empreendedores”, sugere Marcos André Carvalho, que já comandou a Secretaria de Economia Criativa e hoje atua como assessor especial para a economia criativa e diretor da incubadora Rio Criativo, no Rio de Janeiro.

Há na esfera federal algumas tentativas de lançar luz sobre a questão, como o Projeto de Lei nº 3396/2015, em tramitação no Congresso Nacional, que propõe a instituição da Política Nacional de Incentivo à Economia Criativa. A Lei Rouanet, criada para disponibilizar recursos que fomentem a cultura no País, também está no arcabouço de ações federais de apoio à essa economia.

Ainda assim, é nas gestões locais que essa indústria tem encontrado apoio efetivo para deslanchar. Em Porto Alegre (RS), a prefeitura envolveu 38 entidades do setor, em 2014, no Plano Municipal de Economia Criativa. Uma das ações foi o mapeamento da economia criativa na capital gaúcha, que pretende reunir os negócios locais ligados à originalidade. Um canal de diálogo com esses empreendedores foi aberto. “Eles apontaram uma série de problemas, como as faltas de incentivo do Poder Público e de organização entre eles mesmos”, cita a coordenadora, Maria Fernanda Bermúdez.

O trabalho detectou que 95% dos entrevistados não se enxergavam como empreendedores da área, o que possibilitou a construção de um arcabouço legal para ampará-los. Um território exclusivo foi destinado para a atração e o desenvolvimento desses negócios criativos. O local oferece isenção de IPTU por cinco anos e, atualmente, 25 negócios de diversas áreas. “Temos o conceito de manter a diversidade e procuramos facilitar o máximo possível, sem grandes burocracias, para que pudessem alugar o espaço”, explica o gestor do espaço, João Wallig.

Os esforços de Porto Alegre têm surtido efeito, mas os planos são ainda maiores. Segundo Maria Fernanda, é um desejo local desembolsar investimentos municipais em ações como uma incubadora, uma casa da inovação, um Fab Lab público, um espaço de coworking e demais iniciativas que pudessem dar condições para a cadeia expandir com qualidade e essa indústria impactar o PIB da cidade. No entanto, são avanços que dependem de aprovação legislativa.

No Rio de Janeiro, a percepção de antever a crise do petróleo, atividade que até meados de 2015 era o motor da economia, foi essencial para que os investimentos fossem realocados. “Buscamos outras potencialidades de vocação para desenvolvimento do Estado e, em segundo lugar, apareceu a economia criativa como um setor expressivo”, conta Marcos André Carvalho, da incubadora Rio Criativo. O espaço foi o primeiro criado no Brasil para abrigar exclusivamente empresas dos setores criativos. A iniciativa foi, então, replicada em mais 14 Estados pelo Ministério da Cultura.

O projeto no Rio entendeu parte dos gargalos dessa cadeia. “Acreditamos que deveríamos oferecer capacitação em gestão de negócios para novos empreendedores, criar uma infraestrutura física para institucionalizar os empreendimentos e oferecer atividades de formalização, já que parte dos negócios culturais é informal. Outra questão foi a ampliação das linhas de fomento, porque esse mercado era muito dependente de editais públicos e leis de incentivo fiscal, então era preciso criar alternativas, como balcão de crédito”, explica o diretor do espaço.

Na incubadora, as empresas podem ficar alocadas por 18 meses, passando por ciclos que auxiliam no desenvolvimento dos negócios. “A primeira geração de empresas que entrou na Rio Criativo chegou com faturamento total de R$ 1 milhão e saiu no fim com R$ 10 milhões”, pontua Carvalho. A ação teve ainda um papel importante na propagação da economia criativa pelo Estado. “Percebemos uma capilarização dos investimentos, que antes eram muito concentrados na capital, e hoje temos 92 municípios participando da política cultural.”


Formação e profissionalização

Os gargalos da indústria inovadora passam também pela educação. “O País precisa criar sistemas de formação mais modernos para contemplar os inventivos. Precisamos que as universidades se empenhem em criar mecanismos aplicados a esses segmentos”, sugere o professor Valiati.

A falta de formação foi a lacuna vista pela fundadora do Espaço Garimpo, em Recife (PE), Germana Uchoa, como oportunidade. A empresa hoje presta consultoria para empreendedores da economia criativa e auxilia em questões essenciais de bastidores, além de oferecer cursos e workshops.

Segundo a especialista, além de os profissionais terem dificuldades de transformar seus talentos em renda e negócio, a condução da economia emperra o crescimento da cadeia. “Quando pensamos em economia, é em gestão da escassez. Esse capital humano precisa, na verdade, ver essa abundância e fazer o contrário para gerar multiplicação”, comenta.


A nova economia

Para os especialistas, é necessário encarar a indústria criativa como o próximo passo da economia brasileira, em que o valor do intangível tenha tanto peso quanto do capital. “O principal desafio é entender a economia criativa não como uma solução de curto prazo, mas um novo paradigma para a economia mundial”, avalia a especialista Rafaela.

No entanto, alcançar esse patamar exige um processo de mudanças práticas. “A principal demanda [de quem está nesse mercado] é a conciliação dos trabalhos criativo e artístico com retorno financeiro”, analisa a fundadora da Espaçonave. Segundo ela, esses empreendedores têm em mente valores como sustentabilidade. “Podemos conquistar com a economia inovadora um modelo econômico que respeita individualidades, em que a escala não massacre o valor simbólico das coisas, em que as pessoas façam parte grande disso e o planeta seja respeitado. Acho que é o futuro.”

Ela acredita que, com a evolução da cadeia, a criatividade seja a identidade econômica que prevalecerá. “Eu espero que a economia criativa e as novas economias, no futuro, sejam chamadas apenas de economia, e a norma de o mundo operar”, o professor Leandro Valiati, da UFRGS, alerta. “A economia funciona em ciclos. Talvez seja a hora de investir em economia criativa.”

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
PUBLICAÇÃO ANALISA RECURSOS INVESTIDOS NOS SETORES CRIATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL ENTRE 2011 E 2014
15/12/2016

Os pesquisadores Cristiano Max Pereira Pinheiro, Mauricio Barth, Vanessa Amália Dalpizon Valiati e Milena Chirutt, da Universidade Feevale, publicaram o artigo “Políticas Públicas no Rio Grande Do Sul: um mapeamento sobre os recursos investidos nos setores criativos de 2011 a 2014”. A publicação na Revista Uniabeu, do Centro Universitário UNIABEU, de Belford Roxo, foi feita no primeiro semestre de 2016.

Segundo o resumo proposto pelo trabalho, “o ensaio tem como problema a falta de um panorama dos recursos investidos e disponibilizados a partir de políticas públicas regionais no formato de editais no Estado do Rio Grande do Sul. Dessa forma, o objetivo é mapear a oferta dos editais para os setores criativos do ano de 2011 a 2014. O artigo aprofunda duas hipóteses para a ausência deste panorama: a) a recente consolidação político-regional do entendimento de indústrias criativas; b) a multidisciplinariedade dos setores criativos e a generalização das políticas públicas voltadas a estes setores que dificultam o entendimento de qual setor pode usufruir”.

Em relação à fundamentação teórica sobre definições e reflexões essenciais para tratar do tema, “optou-se por uma metodologia balizada em uma pesquisa exploratória de cunho bibliográfico com base nos autores Etzkowitz (2009), Howkins (2005) e Florida (2002), que fundamentam a Indústria Criativa e a relação dos setores Educação, Governo e Mercado para o desenvolvimento econômico”. Foi realizado um procedimento documental de levantamento de dados de fontes secundárias oficiais nos portais eletrônicos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS), da Secretaria da Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico (SCIT), da Secretaria de Estado da Cultura (SEDAC) e da Agência de Desenvolvimento Industrial (AGDI).

O texto completo está disponível no site da Revista Uniabeu.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
PRÁTICAS DE DISTRIBUIÇÃO DE SÉRIES NO BRASIL É TEMA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA NA UNIVERSIDADE DE VALÊNCIA
14/12/2016

Os pesquisadores Roberto Tietzmann, Liana Gross Furini, Anaurelino Negri, André Fagundes Pase e Vanessa Amália Dalpizol Valiati, da Pontifícia Universidade Católica de Rio Grande do Sul, publicaram o artigo intitulado “Uma forma local de um fenômeno mundial: as práticas de distribuição da série de televisão Breaking Bad no Brasil”. A publicação na Dígitos, Revista de Comunicación Digital, da Universidade de Valência, foi realizada no segundo número de 2016.

De acordo com o resumo “este texto aborda uma confluência de fatores em relação à distribuição da série de televisão Breaking Bad no mercado brasileiro, o maior da América Latina. Desenvolvemos a discussão neste texto por meio da observação das práticas de distribuição dos episódios piloto e final da série entre o público brasileiro por meios tanto oficiais como extraoficiais, onde uma maior velocidade na distribuição é evidente, como também são os diferentes caminhos da circulação de ditos episódios em cada mercado como um sinal na mudança das audiências” (tradução nossa).

A publicação foca na série de sucesso mundial, sobre a trajetória de Walter White, professor de química e traficante, distribuída pela AMC e produzida pela High Bridge Entertainment, pela Gran Via Productions e pela Sony Pictures Television. Entre 2008 e 2013, o show se espalhou por canais em assinatura e locais online, a partir de vendas de DVD e Blu-rays, até chegar aos canais de TV. Em conjunto com os canais regulares, comunidades online também surgiram, acompanhadas por práticas de distribuição extraoficiais de consumo de conteúdo audiovisual. Como se deu essa distribuição no Brasil é o foco do artigo.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
BRASIL DE TODAS AS TELAS ANUNCIA INVESTIMENTOS EM NOVOS PROJETOS
09/12/2016

Agência Nacional do Cinema (Ancine) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) divulgaram nova lista de projetos para cinema e a televisão que receberão investimentos do Programa Brasil de Todas as Telas. São nove projetos no total: oito longas-metragens para as salas de cinema, sendo uma animação, e uma série de ficção para televisão por assinatura. Juntos, receberão cerca de R$ 14,3 milhões em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

Pela Chamada Pública Prodecine 02, na qual as distribuidoras apresentam projetos para produção de longas-metragens, foram cinco contemplados: Boa sorte velho, de José Alvarenga, apresentado pela Downtown Filmes; A vida sexual da mulher feia, de Vicente Amorim, apresentado pela Paris Filmes; O livro dos prazeres, de Marcela Lordy, Princesa adormecida, de Cláudio Boeckel; e Cinderela pop, de Cláudio Boeckel, sendo os três últimos projetos apresentados pela Vitrine Filmes. Já a Chamada Pública Prodecine 04/2013, que investe na complementação de recursos, selecionou a animação A cidade dos piratas, de Otto Guerra.

A operação também contemplou um projeto destinado à grade de programação das TVs por assinatura. Pela Chamada Pública Prodav 01/2013, foi selecionada a série Colônia, de André Ristum, que será exibida no Canal Brasil.

Já pela Chamada Prodecine 03/2013, que disponibiliza recursos para a fase de comercialização da obra, foram selecionados os filmes Rifle, de David Pretto, e Mulher do pai, de Cristiane Oliveira, ambos com distribuição da Vitrine Filmes.


Programa Brasil de Todas as Telas

O Programa Brasil de Todas as Telas, lançado em julho de 2014, foi moldado para atuar na expansão do mercado e na universalização do acesso às obras audiovisuais brasileiras. Trata-se de uma ampla ação governamental que visa transformar o país em um centro relevante de produção e programação de conteúdos audiovisuais. Foi formulado pela Ancine em parceria com o MinC e com a colaboração do setor audiovisual por meio de seus representantes no Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual.

Os resultados do Programa vêm superando as metas estabelecidas. Até outubro deste ano, foram 486 longas-metragens e 476 séries ou telefilmes apoiados. A aposta no investimento em desenvolvimento de projetos também foi bem-sucedida, rendendo a estruturação de 69 núcleos criativos em todas as regiões do país e garantindo o desenvolvimento de 769 novos projetos de obras audiovisuais.

Com base no texto do Ministério da Cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
ANCINE LANÇA PRIMEIRO EDITAL VOLTADO PARA O MERCADO DE JOGOS
06/12/2016

A Agência Nacional do Cinema (Ancine) anunciou no dia 05 de novembro, o lançamento de seu primeiro edital voltado ao investimento na produção de obras audiovisuais brasileiras independentes de jogos eletrônicos. A Chamada Pública Prodav 14/2016, com inscrições abertas a partir do dia 06 de novembro, vai disponibilizar R$ 10 milhões em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), que deverão resultar na produção de 24 jogos eletrônicos para a exploração comercial em consoles, computadores ou dispositivos móveis. O anúncio foi feito pelo diretor-presidente Manoel Rangel em evento na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, que contou com a presença da diretora Rosana Alcântara, da chefe do Departamento de Cultura, Entretenimento e Turismo do BNDES, Luciane Gorgulho, e do codiretor de Relações Institucionais da Abragames (Associação Brasileira das Empresas Desenvolvedoras de Jogos Digitais), Ale McHaddo.

Os investimentos do FSA serão distribuídos entre três categorias. A categoria A vai contemplar até dois projetos com R$ 1 milhão, cada; a categoria B selecionará até dez projetos, que receberão R$ 500 mil; e a categoria C oferecerá R$ 250 mil a até 12 projetos. Assim como nos demais editais do Programa Brasil de Todas as Telas, o regulamento prevê que ao menos 30% dos recursos sejam destinados para projetos de empresas sediadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e no mínimo 10% para produtoras da região Sul e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo.

"O Brasil é um importante mercado consumidor de jogos eletrônicos, mas são poucos os jogos brasileiros existentes. Com esta ação, estamos estimulando o desenvolvimento de mais jogos no Brasil e esperamos contribuir para o fortalecimento dos desenvolvedores brasileiros independentes. Os jogos eletrônicos trazem enorme impacto cultural, econômico e tecnológico. Além de entreter, eles influenciam hábitos, transmitem valores e podem contribuir para a difusão da cultura brasileira de uma forma lúdica", afirma o diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel.

Representando a Abragames, Ale McHaddo saudou a iniciativa: "Hoje é um dia histórico para quem produz jogos no Brasil. O edital é importante, mas o mais significativo é ver que os jogos foram inseridos na política pública de audiovisual do Brasil. Os jogos são um vetor importante na construção de identidade e temos muito a contribuir com a indústria criativa no Brasil". O sentimento foi compartilhado também por Luciane Gorgulho, do BNDES: "É fundamental essa entrada da Ancine oficializando a existência do setor de games dentro do segmento audiovisual e inaugurando uma era de políticas públicas para o desenvolvimento do setor que eu tenho certeza que vai trazer muitos resultados", afirmou.


Como participar do Edital

Poderão participar do edital empresas produtoras audiovisuais e desenvolvedoras de jogos eletrônicos registradas e classificadas na Ancine como agente econômico brasileiro independente.

As inscrições serão realizadas por meio do Sistema de Inscrições do Fundo Setorial do Audiovisual, com o preenchimento de um formulário eletrônico e o envio da documentação prevista no ANEXO I da Chamada Pública, de 6 de dezembro a 23 de janeiro de 2017. Podem ser inscritos projetos que se encontrem em qualquer etapa de produção, desde que o jogo não tenha sido lançado comercialmente. Cada proponente pode apresentar apenas um projeto.


Processo de seleção

Os projetos passarão por três fases de análise e avaliação. Inicialmente, as propostas passam por uma fase eliminatória de habilitação, onde serão julgadas pela compatibilidade e adequação formal às condições do edital. As propostas habilitadas seguem para a fase de seleção, de caráter eliminatório e classificatório, quando serão avaliadas por um analista da Ancine e por um profissional independente, e receberão notas de 1 a 5 para os quesitos previstos no edital.

Após a divulgação das notas e da apresentação e julgamento dos recursos dos proponentes, as propostas classificadas para a fase de decisão de investimento seguem para a defesa oral, quando serão avaliadas por uma comissão de sete membros, formada por dois representantes da Ancine, um representante da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura (SAv/MinC), um representante do BNDES, um representante da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e dois representantes da sociedade civil.

Além dos recursos oferecidos pela Chamada Pública, as empresas proponentes classificadas para a fase de defesa oral poderão se candidatar aos recursos do Procult/BNDES, pleiteando o valor mínimo de R$ 1 milhão, de acordo com as regras do Programa, no prazo de 10 dias contados da publicação da Ata de Resultado da 1ª fase de seleção. O resultado das candidaturas aos recursos do Procult/BNDES será divulgado pelo próprio órgão em um processo conduzido de forma independente à Chamada Pública Prodav 14/2016.

O edital determina que a propriedade intelectual da marca e de softwares relativos ao jogo financiado pelo Prodav 14/2016 devem permanecer com a produtora independente e que as licenças negociadas com empresas distribuidoras precisam prever o lançamento comercial do jogo em no máximo 12 meses após a conclusão da obra. Licenças de comercialização para lojas também deverão observar um período máximo de vigência de dois anos.


Consulta Pública

A Ancine colocou em consulta pública, até o dia 6 de março, uma análise de impacto regulatório sobre o setor de jogos eletrônicos no País. O estudo identificou um elevado faturamento deste setor no mercado brasileiro e uma pequena participação da produção nacional nele. O documento apresenta o detalhamento da cadeia de valor do mercado de jogos, avalia a oferta e demanda de jogos eletrônicos no mercado brasileiro, mapeia as iniciativas em políticas públicas voltadas ao setor no país, além de se debruçar sobre os aspectos tributários aos quais estão submetidas as empresas do setor e sobre as questões de propriedade intelectual inerentes ao negócio.

A Análise de Impacto Regulatório traça um panorama do mercado mundial de jogos eletrônicos, focando em exemplos de oito países (Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, França, Noruega e Reino Unido) e conclui apontando sugestões de políticas públicas para o fomento ao mercado de games em quatro eixos: fomento à produção de projetos; fomento ao desenvolvimento empresarial; fomento ao elo de distribuição; e estímulo à formação de recursos humanos.

O objetivo da Consulta Pública é reunir sugestões e percepções dos diversos agentes econômicos sobre o cenário do mercado de jogos eletrônicos no Brasil, e testar hipóteses de ação para o poder público. Para contribuir com a consulta pública, é preciso acessar o Sistema de Consultas Públicas e se cadastrar. Dúvidas sobre o funcionamento do sistema devem ser encaminhadas para o e-mail da Ouvidoria.


Programa Brasil de Todas as Telas

O Programa Brasil de Todas as Telas, lançado em julho de 2014, foi moldado para atuar na expansão do mercado e na universalização do acesso às obras audiovisuais brasileiras. Trata-se de uma ampla ação governamental que visa transformar o País em um centro relevante de produção e programação de conteúdos audiovisuais. Foi formulado pela Ancine, em parceria com o MinC e com a colaboração do setor audiovisual por meio de seus representantes no Comitê Gestor do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

Os resultados do Programa vêm superando as metas estabelecidas. Até junho deste ano, foram 437 longas-metragens e 453 séries ou telefilmes apoiados. A aposta no investimento em desenvolvimento de projetos também foi bem-sucedida, rendendo a estruturação de 69 núcleos criativos em todas as regiões do país, e garantindo o desenvolvimento de 700 novos projetos de obras audiovisuais.

Em seu terceiro ano, o Programa Brasil de Todas as Telas garante a continuidade de uma política pública vigorosa para o audiovisual brasileiro. Para dar previsibilidade às suas ações de investimento, a Ancine disponibilizou o Calendário de Financiamento para o biênio 2016/2017, que traz as datas previstas para a abertura e divulgação de resultados das chamadas públicas do Programa.


Com informações da Ancine e do Ministério da Cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
EQUIPE CEGOV/OBEC PARTICIPA DE WORKSHOP SOBRE O ATLAS ECONÔMICO DA CULTURA BRASILEIRA NO MINISTÉRIO DA CULTURA
05/12/2016

Nos dias 28 e 29 de novembro, em Brasília, ocorreu Workshop Atlas Econômico da Cultura Brasileira: formulação de metodologia, com a presença da equipe do Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS) e do OBEC. Durante a manhã do dia 28, Cláudio Lins de Vasconcelos, secretário de Economia da Cultura, realizou a abertura do evento, que contou ainda com a fala de Geraldo Horta, Coordenador-geral de Pesquisa e Novos Modelos. Em seguida, o coordenador do GT e do OBEC, Leandro Valiati, apresentou o projeto, a metodologia e os setores culturais selecionados para o Atlas Econômico da Cultura Brasileira. Ainda pela manhã, o pesquisador Pedro Perfeito da Silva expos as variáveis sugeridas pela equipe técnica do CEGOV para a mensuração do impacto da produção cultural na economia brasileira.

Pela tarde, foram realizados grupos de trabalho sobre os tópicos apresentados, com o intuito de discutir a metodologia a ser empregada no Atlas nas áreas de empreendimentos de cultura, investimento público e comércio internacional. A equipe técnica do CEGOV apresentou um documento inicial com sugestões para as discussões levando em consideração os quatro eixos temáticos propostos para o Atlas: empreendimentos culturais no Brasil; mercado de trabalho; políticas públicas de fomento à cultura; e comércio exterior de bens e serviços da economia da cultura. Nesse sentido, durante o evento, as mais de 50 variáveis sugeridas pelos pesquisadores foram discutidas a fim de definir as bases para a construção do documento.

No grupo de empreendimentos culturais no Brasil, foi debatido o aprofundamento de variáveis-chave e dos conceitos utilizados para padronização da metodologia, inclusive para alcançar comparabilidade internacional. Ainda, foram apresentados e discutidos metadados e indicadores para análises qualitativas e quantitativas. A metodologia também foi enfatizada pelo grupo de trabalho sobre investimento público em cultura, especialmente em relação ao efeito do sombreamento e à transversalidade. A conta satélite, as fontes orçamentárias nos três níveis da federação, os incentivos fiscais e o valor gerado pela tributação de atividades culturais foram, ainda, temas discutidos durante a reunião. No grupo sobre comércio internacional, o destaque foi dado à coleta de dados, com sugestões para a articulação com indicadores da APEX, do SISCONSERV e demais agências que possuam dados primários sobre exportações culturais. Foi enfatizada ainda a dificuldade do acesso a fontes para comparação internacional e acrescidas variáveis.

Na terça-feira, 29 de novembro, a programação contou com um espaço para a consolidação da discussão sobre setores culturais, sobre os eixos temáticos e sobre as variáveis a serem utilizadas nos quatro volumes do Atlas. Pretende-se que o documento esteja completo até abril de 2018, quando o Brasil será sede para a quarta edição do Mercado de Indústrias Culturais do Sul (MicSul), principal encontro da América do Sul voltado à mercados culturais e criativos da região.

O evento, encerrado pelos representantes do MinC e do CEGOV, contou ainda com a participação de pesquisadores e especialistas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), e órgãos vinculados ao MinC como o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), além de funcionários de outras secretarias do ministério e da sociedade civil, dos setores da área de música, audiovisual e games.


O projeto

O Atlas Econômico da Cultura Brasileira é um projeto realizado pelo GT Economia Criativa, Cultura e Políticas do CEGOV e pelo OBEC em parceria com a Secretaria de Economia da Cultura do MinC, com vigência até 2018. Seu objetivo é desenvolver e aplicar métricas de mensuração do impacto das indústrias culturais sobre a evolução da economia brasileira. O projeto de pesquisa organiza-se em torno de quatro eixos:

  • empreendimentos culturais;
  • mercado de trabalho;
  • políticas públicas de fomento; e
  • comércio internacional.

 

Em tais dimensões, a pesquisa pretende acionar a literatura teórica e empírica preexistente, bem como desenvolver novas estratégias, adequadas às especificidades da realidade brasileira. Entre os objetivos específicos estão (1) localizar as indústrias culturais brasileiras na situação corrente das indústrias criativas; (2) traçar um panorama da produção teórica e empírica global com foco nas especificidades da realidade brasileira; (3) apresentar uma proposta metodológica para mensuração do impacto econômico da Economia da Cultura no Brasil; e (4) sistematizar as contribuições em formato de publicações e plataforma de acesso público.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
ATLAS DA CULTURA É TEMA DE WORKSHOP NO MINC
30/11/2016

Durante os dias 28 e 29 de novembro, o Ministério da Cultura ofereceu um workshop em Brasília, com o intuito de discutir e definir as bases para a construção do Atlas Econômico da Cultura Brasileira. Algumas questões importantes para o debate foram o impacto da produção cultural na economia brasileira, a representação da cultura nas riquezas produzidas no país e o que os produtores vêm realizando na área. O Atlas será realizado a partir de dados nacionais, estaduais e municipais e vai comparar resultados com os de outros países para compreender o estado da economia da cultura no Brasil.

Realizado pela Secretaria de Economia da Cultura do MinC, em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), por meio do Grupo de Trabalho em Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV), o evento contou com a participação de professores universitários, pesquisadores e especialistas de instituições como Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), órgãos vinculados ao MinC como o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), além de funcionários de outras secretarias do ministério e da sociedade civil, dos setores da área de música, audiovisual e games.

O Atlas será composto por quatro eixos temáticos: economia da cultura; mercado de trabalho; políticas públicas de fomento à cultura; e comércio exterior de bens e serviços da economia da cultura. Com quatro volumes, o documento será lançado eixo por eixo. De acordo com Claudio Lins de Vasconcelos, "a ideia é lançar em quatro volumes. O primeiro será até abril do ano que vem. O segundo, até meados de 2017. O terceiro, até o final de 2017, e o quarto, logo no início de 2018”. Para o secretário Economia da Cultura do MinC, o ideal é que o Atlas esteja completo até a quarta edição do Mercado de Indústrias Culturais do Sul (MicSul), a ser realizado em abril de 2018, sediado no Brasil. O MicSul é o principal encontro da América do Sul voltado à mercados culturais e criativos da região, destinado a micro e pequenos empreendedores.

Para Leandro Valiati, coordenador do GT do CEGOV e do OBEC, foi dado um importante primeiro passo para que o Atlas de Economia da Cultura seja um projeto de Estado: “O Estado brasileiro precisa criar condições de aprimorar sua política pública fazendo-o com boa informação, com bons resultados e com capacidade de enxergar nossas reais potencialidades, oportunidades e também nossos gargalos", defendeu o professor. "O atlas é uma ferramenta que serve ao Estado brasileiro e, portanto, todo o setor cultural, sejam os pensadores, professores, realizadores, artistas, gestores públicos, precisam estar engajados nesse projeto. E acredito que estão, pelo que se percebeu neste workshop", completou Valiati.

 

Cadeias produtivas

Dentro das cadeias criativas a serem pesquisadas estão: Arquitetura; Artes; Audiovisual; Design; Editoração; Entretenimento; Formação; Gestão; Música e Patrimônio, e dentro de cada área, serão incluídos subgrupos. Essas cadeias já haviam sido definidas por um Grupo Executivo formado por integrantes do Ministério da Cultura e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o coordenador-geral de Pesquisa e Novos Modelos do MinC, Geraldo Horta, outras atividades poderão ser incluídas na pesquisa, em especial, em estudos qualitativos – a exemplo da gastronomia, da publicidade e de festas e festivais culturais realizados País afora.

"O primeiro passo do atlas é, de fato, consolidar as informações existentes em um documento unificado, reunindo os dados que já existem. Organizá-los e fazê-los dialogarem", destacou Valiati.

"Com essas informações, não apenas os gestores públicos poderão planejar melhorar as suas políticas, como também os atores produtivos poderão planejar melhor os seus investimentos. Este é um trabalho contínuo, complexo, estruturante e muito importante para o desenvolvimento do setor cultural brasileiro no médio e longo prazo", resumiu o secretário Claudio Lins de Vasconcelos.

Conheça mais sobre o projeto do Atlas no site do OBEC.

Com base no texto de Camila Campanerut, Assessoria de Comunicação do Ministério da Cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
CONHEÇA A COMISSÃO NACIONAL DE INCENTIVO À CULTURA
28/11/2016

A Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) é o órgão colegiado de assessoramento integrante da estrutura do Ministério da Cultura responsável por analisar e dar parecer final sobre a aprovação de projetos culturais que se candidatam à captação de recursos de renúncia fiscal via Lei de Incentivo à Cultura, mais conhecida como Lei Rouanet.

O grupo, com 21 membros, é formado por representantes dos setores artísticos, culturais e empresariais, em paridade da sociedade civil e do poder público, provenientes das cinco regiões brasileiras, representando as áreas das artes cênicas, do audiovisual, da música, das artes visuais, do patrimônio cultural, de humanidades e do empresariado nacional. A escolha dos integrantes é feita a partir de indicações de entidades representativas e habilitadas por meio de edital público e o mandato tem vigência de dois anos.

Na composição do colegiado, além dos membros indicados pelas entidades culturais, também representa a sociedade civil o presidente do Fórum de Secretários de Estado e dirigentes de Cultura. Por seu caráter paritário, os membros do Estado na CNIC são um representante de cada uma das sete áreas vinculadas do Sistema MinC e o secretário de Fomento e Incentivo à Cultura, que preside as reuniões. Os membros da Comissão se reúnem uma vez por mês para analisar os projetos apresentados, sendo que suas atividades acontecem durante três dias e o trabalho dos comissários é realizado de forma voluntária.

Em novembro, foi publicado o resultado de uma das etapas da seleção que escolherá representantes da sociedade civil para compor a CNIC durante o biênio 2017/2018. O processo seletivo busca preencher as 21 vagas (sete titulares e 14 suplentes) de membros da Comissão. O processo está ocorrendo, com entidades habilitadas que estão formando lista com nomes de representantes de cada setor cultural. Em dezembro, ocorrerá uma reunião em Brasília para definir as sete listas finais de indicados, com uma lista para os representantes do empresariado e uma lista para cada área cultural. A posse dos novos membros da CNIC acontece em fevereiro.

Os indicados devem ter compreensão dos aspectos econômicos, sociais e políticos da área cultural e artística ou do setor empresarial que representará, além de apresentar experiência em gestão ou produção cultural. Caso alguma entidade não indique representante para determinada área cultural, a indicação será direta, pelo ministro da Cultura no momento da publicação do ato de indicação dos demais membros.

Com base em texto da Assessoria de Imprensa do MinC.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
PESQUISADORES DE PONTA AJUDARÃO GOVERNO BRITÂNICO A “MODERNIZAR” ESTATÍSTICAS NACIONAIS
21/11/2016

Um dos think thanks mais respeitados do Reino Unido foi selecionado para estabelecer um novo centro de excelência em estatística econômica em parceria com o órgão governamental Office for National Statatistics (ONS).

National Institute for Economic and Social Research (NIESR), estabelecido em 1938, irá comandar um novo centro de estatística, em parceria com o King’s College London, a agência de inovação Nesta, a Warwick Business School, a Universidade de Cambridge e a Strathclyde Business School, conforme anunciado em 14 de novembro. O centro está sendo criado – a partir de recomendação de um ex-executivo do Banco da Inglaterra, Charles Bean, em seu relatório Indenedent Review of UK Economic Statitistics – para auxiliar a ONS com pesquisa de ponta em mensuração de economia moderna. A iniciativa irá ajudar a melhor definir como atividades econômicas são definidas, além de prover o órgão como novas fontes de dados.

O relatório final produzido por Bean em 11 de marco indicou que o Reino Unido necessita modernize seus dados econômicos, uma vez que o Sistema atualmente utilizado foi concebido há mais de 50 anos, antes do advento dos computadores pessoais e em uma era em que a manufatura, em vez dos serviços, dominava a economia britânica.

Bean também disse que a ONS necessita adquirir uma “cultura de autocrítica mais aberta”. Contudo, Bean é o presidente do NIESR, fato que não foi oficialmente publicado.

A revista Research Fortnight solicitou entrevista com representante do consórcio vencedor para enfatizar que é de boa prática declarar de antemão qualquer potencial conflito de interesse. O porta-voz da NIESR repassou nossa solicitação à ONS, responsável por delegar o centro de pesquisa estatística à NIESR.

Em comunicado oficial, um representante da ONS disse: “Para encontrar um parceiro adequado para seu centro de excelência, a ONS promoveu um processo aberto de concorrência, que assegurou que nenhum conflito de interesse pudesse surgir. ” O anúncio formal incluiu diversos pronunciamentos de membros do consorcio vencedor.

James Mitchell, professor de modelagem econômica em Warwick, disse que uma importante parte do trabalho no centro será minimizar o escopo para erros de interpretação nos comunicados estatísticos, outro problema ressaltado por Bean.

A diretora do novo centro, Rebecca Riley, diretora associada de pesquisa do NIESR, disse que a visão do centro envolvera uma mudança cultural na divulgação de estatística econômica. “O centro gera uma estimulante oportunidade para abrir novos caminhos no desenvolvimento e aprimoramento da estatística econômica”, disse ela.

O codiretor acadêmico do novo centro, Richard Smith, professor de teoria econométrica e estática econômica da Universidade de Cambridge, disse que a parceria com da NIESR com a ONS poderá ser um “ponto focal internacional” para pesquisa e desenvolvimento de estatística econômica e para a construção de capacidade intelectual em estatística econômica no Reino Unido.

O relatório original de Charles Bean recomendou que ONS empregasse mais pesquisadores em sua sede em Newport. O relatório ainda indica a criação de um hub ciêntifico de dados em Newport, “trazendo colaboradores tanto da academia quando do setor privado”. Um hub dessa natureza poderia também atuar como centro de treinamento sobre gerenciamento de dados para diversas áreas do setor público.

O centro está sendo estabelecido em um tempo em que diversas partes de Whitehall (centro administrativo do governo britânico) estão cortando gastos para coleta de dados. Neste mesmo novembro, o Departamento para o Meio-Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais revelou que iria iniciar uma redução planejada na coleta de dados primários, frente aos seus cortes orçamentários.

Este artigo foi modificado para incluir comentários da ONS.

Veja mais em: https://www.researchprofessional.com/0/rr/news/uk/charities-and-societies/2016/11/Top-researchers-will-help-ONS--modernise--economic-statistics.html?utm_medium=email&utm_source=rpMailing&utm_campaign=personalNewsDailyUpdate_2016-11-15#sthash.U6wHsVja.dpuf

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
EQUIPE CEGOV/OBEC PARTICIPA DE WORKSHOP NO MINISTÉRIO DA CULTURA SOBRE O ATLAS BRASILEIRO DE ECONOMIA DA CULTURA
18/11/2016

Nos dias 28 e 29 de novembro, o coordenador Leandro Valiati e a equipe do Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS) e do OBEC participam do Workshop Atlas Brasileiro de Economia da Cultura: formulação de metodologia, no Ministério da Cultura.

O encontro contará com a presença do Secretário de Economia da Cultura, Cláudio Lins de Vasconcelos, do Coordenador-geral de Pesquisa e Novos Modelos, Geraldo Horta e de especialistas convidados para tratar da metodologia a ser empregada no Atlas Brasileiro de Economia da Cultura.

Serão foco do debate os setores culturais selecionados para o Atlas, seus eixos temáticos e as variáveis para mensuração do impacto econômico e cultural no Brasil, com exposições de Leandro Valiati, do professor André Moreira Cunha e do pesquisador Pedro Perfeito da Silva. Ainda, serão formados grupos de trabalho sobre os pontos apresentados para a consolidação dos três tópicos.

 

O projeto

O Atlas Brasileiro de Economia da Cultura é um projeto realizado pelo GT Economia Criativa, Cultura e Políticas do CEGOV e pelo OBEC em parceria com a Secretaria de Economia da Cultura do MinC, com vigência até 2018. Seu objetivo é desenvolver e aplicar métricas de mensuração do impacto das indústrias culturais sobre a evolução da economia brasileira. O projeto de pesquisa organiza-se em torno de quatro eixos:

 

  • (i) comércio internacional;
  • (ii) mercado de trabalho;
  • (iii) políticas públicas de fomento; e
  • (iv) valor adicionado.

 

Em tais dimensões, a pesquisa pretende acionar a literatura teórica e empírica preexistente, bem como desenvolver novas estratégias, adequadas às especificidades da realidade brasileira. Entre os objetivos específicos estão (1) localizar as indústrias culturais brasileiras na situação corrente das indústrias criativas; (2) traçar um panorama da produção teórica e empírica global com foco nas especificidades da realidade brasileira; (3) apresentar uma proposta metodológica para mensuração do impacto econômico da Economia da Cultura no Brasil; e (4) sistematizar as contribuições em formato de publicações e plataforma de acesso público.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
ENECULT OCORRE ATÉ DIA 18 DE NOVEMBRO
16/11/2016

Até o dia 18 de novembro, ocorre o Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura – Enecult, em sua décima segunda edição, em Salvador. Evidenciando uma importante trajetória de promoção do diálogo entre diferentes áreas do conhecimento no campo da cultura, a realização do Enecult representa a consolidação de um relevante espaço de intercâmbios acadêmicos, debates e construção de conhecimento transversal e multidisciplinar para os estudiosos da área cultural.

A programação do XII Enecult engloba diversos formatos de interação entre os participantes: além das sessões temáticas de apresentação de trabalhos, estão sendo realizados minicursos, simpósios, relatos de experiência e encontros de redes.

​Passando por um processo constante de crescimento e aperfeiçoamento, o Enecult é, atualmente, o maior evento internacional de estudos em cultura realizado no Brasil. De 2005 a 201​5, foram mais de 2,​7​ mil trabalhos apresentados em diferentes eixos temáticos por pesquisadores, professores, estudantes de graduação e pós-graduação e profissionais interessados em cultura.

O XII Enecult está sendo realizado na Universidade Federal da Bahia (UFBA), por meio do Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (CULT), Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Pós-Cultura) do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos (IHAC) e Faculdade de Comunicação. O evento conta com com a parceria do Observatório do Itaú Cultural.

A programação completa está disponível no site do evento.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
MINC RECEBE PROJETOS PARA A LEI ROUANET ATÉ 30 DE NOVEMBRO
14/11/2016

O Ministério da Cultura informa que ainda dá tempo de inscrever projetos de incentivo fiscal na Lei Rouanet. As propostas que buscam autorização do MinC para captar recursos por meio do mecenato podem ser realizadas até 30 de novembro. O prazo se inicia em 1º de fevereiro de cada ano.

O cadastro da proposta cultural deve ser feito exclusivamente pela plataforma online do Sistema de Apoio às Leis de Incentivo (Salic). Caso seja a primeira inscrição no sistema, é necessário inserir os dados no campo "Não sou cadastrado". Ao inscrever a proposta, o proponente deve se atentar para o prazo de início da execução do projeto, que deve ocorrer passados 90 dias (no mínimo) da data de inscrição. Propostas que desrespeitem esse período não serão admitidas.


A Lei Rouanet

Pelo mecanismo de incentivo fiscal da Lei Rouanet, o Estado faculta às pessoas físicas ou jurídicas a opção pela aplicação de parcelas do Imposto sobre a Renda, a título de doações ou patrocínios, no apoio direto a projetos culturais. Ou seja: o Governo Federal oferece uma ferramenta para que a sociedade possa decidir aplicar, e como aplicar, parte do dinheiro de seus impostos em ações culturais.

Desta maneira, o incentivo fiscal estimula a participação da iniciativa privada, do mercado empresarial e dos cidadãos no aporte de recursos para o campo da cultura, diversificando possibilidades de financiamento, ampliando o volume de recursos destinados ao setor, atribuindo a ele mais potência e mais estratégia econômica.

Confira o vídeo feito pelo OBEC sobre o financiamento à cultura no Brasil, em nosso canal do YouTube.

Com informações de MinC.

 

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
V CONFERÊNCIA DO DIÁLOGOS EM ECONOMIA CRIATIVA TEM EMPREENDEDORISMO COMO FOCO
14/11/2016

No dia 08 de novembro, ocorreu a quinta conferência do Diálogos em Economia Criativa, na Reitoria da UFRGS. "Economia Criativa, Empreendedorismo e Novas Tecnologias Sociais" foi o tema discutido por Marcos André Carvalho (diretor da Incubadora Rio Criativo), Paul Heritage (diretor artístico do People’s Palace Project e professor da Queen Mary University of London) e Leonardo Brant (sócio-fundador da Brant Associados e diretor-associado da produtora Deusdará Filmes).

No início, o coordenador do OBEC, professor Leandro Valiati, apresentou os convidados e deu início ao debate sobre modelos de desenvolvimento setorial em Economia Criativa e novas tecnologias sociais de produção.

Marcos André Carvalho trouxe a experiência da primeira incubadora voltada para empreendimentos de economia criativa no Brasil, a Rio Criativo. Em sua fala, destacou a necessidade de diversificação em uma economia dependente do petróleo, como a da cidade do Rio de Janeiro. Nesse sentido, vem se fazendo necessária a discussão sobre um modelo de economia criativa brasileira, que esteja adequada à nossa diversidade cultural. Carvalho destacou a tropicalização da economia criativa, entendendo a cultura como o “fermento do bolo” da economia e não a cereja. Na Rio Criativo, foram definidos 20 setores para a política de economia criativa das empresas incubadas, no intuito de fomentar um encontro plural e multidisciplinar. As ações da incubadora se dão, então, pela capacitação de empreendedores de no estado do Rio de Janeiro para participar de editais, formalizar seus negócios, consolidar empreendimentos e promover produtos e serviços culturais.

Paul Heritage apresentou a situação do Reino Unido na área de Indústrias Criativas, um dos únicos setores que cresceu durante a crise econômica. Também foi dado destaque ao People’s Palace Projects, iniciativa de intercâmbio de conhecimento entre Brasil e Reino Unido, concebida por Heritage desde 1991. O conferencista idealizou projetos nas prisões brasileiras e britânicas, como na Papuda, sobre direitos humanos e AIDS. Como produtor, levou companhias brasileiras para o Reino Unido, como o Grupo Galpão (com apresentação no Shakespeare’s Globe), AfroReggae e Nós do Morro. Sua experiência conta ainda com a produção de trabalhos em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro (no complexo da Maré e no Morro do Vidigal), na Bahia e no Mato Grosso (Xingu). Entendendo a cultura como um valor não fixo, Heritage enfatizou a busca por um amplo intercâmbio entre a cultura brasileira e a britânica.

Leonardo Brant expôs sobre a Empreendedores Criativos, plataforma de pesquisa e desenvolvimento de negócios da indústria criativa no Brasil, iniciada pela Brant Associados. A experiência de Brant como pesquisador cultural independente, fora da academia, em suas pesquisas, consultorias, estudos de viabilidade de investimentos e políticas de financiamentos para empresas, proporcionou um foco maior no mercado cultural. Dessa forma, buscou métodos específicos para pensar o desenvolvimento de empreendimentos voltados para a Economia Criativa e para a geração de negócios criativos. Sua metodologia tem o intuito de transformar realidades locais a partir de empreendimentos criativos. Também foi destaque em sua fala a relação do Estado com o financiamento cultural no Brasil e a necessidade de desmistificação do investimento público à cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
EVENTO - CINEOBEC: “MADAME SATÔ AO AR LIVRE
03/11/2016

O Observatório Estadual de Economia Criativa convida para primeira edição do CineOBEC, que exibirá o filme brasileiro “Madame Satã” (2002) no Campus Centro da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

A exibição acontecerá no dia 07 de novembro, segunda-feira, às 18 horas. O filme será projetado contra a parede lateral do prédio da Rádio da Universidade, parte do Patrimônio Histórico da UFRGS que hoje abriga o Centro de Teledifusão Educativa.

O cinema nacional é uma importante fonte de conhecimento sobre a diversidade e a história do nosso país. Pensando nisso, o OBEC propõe a ocupação do espaço universitário com a finalidade de agregar mais cultura ao cotidiano da Universidade e aproveitar de forma criativa o espaço público, promovendo um espaço de aprendizado, discussão e troca acessível a todos.

O evento é de acesso livre e gratuito.


Saiba mais sobre o filme:

Direção: Karim Aïnouz 
Ano: 2002 
Gênero: Drama, Crime, Musical 
Duração: 105’ 

SINOPSE 
Rio de Janeiro, 1932. No bairro da Lapa vive encarcerado na prisão João Francisco (Lázaro Ramos), artista transformista que sonha em se tornar um grande astro dos palcos. Após deixar o cárcere, João passa a viver com Laurita (Marcélia Cartaxo), prostituta e sua “esposa”; Firmina, a filha de Laurita; Tabu (Flávio Bauraqui), seu cúmplice; Renatinho (Felippe Marques), seu amante e também traidor; e ainda Amador (Emiliano Queiroz), dono do bar Danúbio Azul. É neste ambiente que João Francisco irá se transformar no mito Madame Satã, nome retirado do filme (1932), dirigido por Cecil B. deMille, que João Francisco viu e adorou.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
A ASCENSÃO DO STREAMING NO BRASIL É DISCUTIDA POR LEANDRO VALIATI E PEDRO PERFEITO DA SILVA
31/10/2016

Boletim CEGOV 

Em outubro, foi publicado o Boletim do Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS). No texto, Leandro Valiati, coordenador do GT e do OBEC, e Pedro Perfeito da Silva, pesquisador e membro do GT, analisaram a ascensão do streaming no Brasil.



Digitalização e indústrias criativas: a ascensão do streaming no Brasil

  Leandro Valiati 
Pedro Perfeito da Silva 

O Observatório de Economia Criativa (OBEC) busca contribuir para a avaliação das políticas cultural e econômica brasileiras no século XXI, levando em conta as atuais transformações e tendências das economias desenvolvidas e dos novos padrões do comércio mundial. Nesse sentido, desenvolve estudos setoriais a respeito das indústrias criativas brasileiras. Em diversos setores, como audiovisual, editoração, jogos digitais e música, observa-se a conquista de protagonismo pelas cadeias associadas às telecomunicações, às tecnologias da informação e à digitalização, o que desembocou no fenômeno da convergência - movimento conjunto das tecnologias que proveem serviços de mídia, entretenimento, comunicação e atividade comercial (Throsby, 2002).

No setor da música, tema do presente boletim, a digitalização constituiu-se como força motriz da mudança nos processos de produção, distribuição, promoção e consumo de bens e serviços musicais (Bourreau et al., 2013). Tal processo remonta à criação do MP3, o qual viabilizou o armazenamento e a reprodução em computador, e o compartilhamento de arquivos musicais pela internet. Se, por um lado, isso gerou uma crise na indústria fonográfica devido à redução nas vendas físicas ao longo dos anos 2000, por outro lado, houve uma redução dos custos de produção, distribuição e promoção, e foram criados novos modelos de negócio como o download pago de músicas, os serviços de streaming por assinatura ou baseados em anúncios e a ascensão de novos atores portadores de economias de escopo (como empresas de telefonia móvel e tecnologias da informação).  
 


As crescentes receitas digitais do setor de música, que já superam as oriundas de vendas físicas (IFPI, 2016), colocam um desafio acadêmico à teoria econômica convencional, afinal, o mercado musical apresenta uma trajetória na qual é difícil projetar um equilíbrio tanto na estrutura de mercado anterior à digitalização quanto na resultante desta. De acordo com a UNESCO (2015), a música é o segundo setor cultural em participação das receitas digitais, atrás apenas de games, e à frente de audiovisual e editoração (livros, revistas e jornais). No Brasil, as consequências da digitalização começam a aparecer em 2005, porém ganham força em 2012, quando passa a representar mais de um quarto das receitas da indústria fonográfica (ABPD, 2013). 
 


Nesse contexto, há que se destacar algumas especificidades da evolução do mercado musical brasileiro. Em primeiro lugar, nota-se que, entre 2005 e 2012, a ascensão das receitas digitais seguiu um ritmo lento, abaixo do crescimento mundial. A partir de 2012, verifica-se um forte crescimento das receitas digitais, as quais cresceram mais de quinze vezes desde 2006, e representaram, em 2015, 61% do combinado entre receitas físicas e digitais, concluindo o catching-up com o mercado global, dado que as receitas digitais possuem participação superior à média global, sendo capazes de impulsionar não só a estabilização, mas também o crescimento do setor de música desde 2012.

Em segundo lugar, sublinha-se também a força do streaming, responsável por mais da metade das receitas digitais desde sua primeira mensuração em 2012, chegando a dois terços em 2015, e sob a liderança da modalidade por assinatura. Outra especificidade diz respeito ao peso da telefonia móvel, decrescente, mas bem acima da média mundial com 14% em 2015. 
 


Por fim, nos termos de Moreau (2013), o protagonismo do streaming tende a engendrar uma nova rede de valor, na qual as majors (grandes gravadoras como Sony/BMG, Universal, Warner e, no Brasil, Som Livre) apresentam dificuldades em formular novas rotinas, perdendo parte do controle sobre a intermediação para novos atores como os agregadores digitais (empresas como The Orchard, OneRPM, Tratore, Believe Digital, dentre outras). Segundo Galuszka (2015), tais atores têm como principal função a intermediação entre artistas (ou selos) independentes e plataformas de distribuição digital (streaming e lojas para downloads), de modo que o crescimento do mercado digital coloca uma situação de potencial disputa entre agregadores e majors, as únicas duas formas de acesso aos canais de distribuição digital, de modo que o crescimento dos primeiros passa pela conquista de artistas emergentes ou consolidados do portfólio das últimas.


REFERÊNCIAS

Associação Brasileira dos Produtores de Disco (2013). Mercado brasileiro de música. Rio de Janeiro: ABPD.

Associação Brasileira dos Produtores de Disco (2016). Mercado brasileiro de música. Rio de Janeiro: ABPD.

Bourreau, M.; Gensollen, M.; Moreau, F.; Waelbroeck, P. (2013). “Selling less of more?” The impact of digitization on record companies. Journal of Cultural Economics, 37, 327–346.

Galuzska, P. (2015). Music Aggregators and Intermediation of the Digital Music Market. International Journal of Communication, 9, 254–273.

International Federation of the Phonographic Industry (2012). Recording industry in number: the recorded music market in 2011. London: IFPI.

International Federation of the Phonographic Industry (2016). Global music report. London: IFPI.

Throsby, D. (2002). The music industry in the new millennium: global and local perspectives. Paris: UNESCO.

UNESCO (2015). Cultural times: The first global map of cultural and creative industries, December. Paris: United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
CONHEÇA A REDE INCUBADORAS BRASIL CRIATIVO
27/10/2016

Em 2013, o Ministério da Cultura lançou a Rede Incubadoras Brasil Criativo, para ofertar aos agentes culturais cursos e consultorias, modelo de negócios e planejamento estratégico, assessoria contábil, jurídica e de comunicação, direito autoral, marketing, elaboração de projetos e captação de recursos, e acompanhamento contínuo.

As incubadoras presentes na rede sediam balcões de crédito, formalização, formação técnica e realização de cursos. São espaços de convívio e interação multisetorial entre empreendedores criativos e multinstitucional que podem reunir governos, bancos, universidades e sociedade civil, promovendo o compartilhamento de experiências e fortalecimento de redes e coletivos. Dessa forma, incubadoras tornaram-se centros de inovação, formação, fomento e promoção para empreendedores criativos, com foco nas micro e pequenas iniciativas.

O programa contou com orçamento de R$ 40 milhões e tem como princípios norteadores a diversidade cultural e inclusão social. Em 2014, oito incubadoras da rede já estavam em funcionamento no país, no Rio de Janeiro, no Acre, na Bahia, em Goiás, no Mato Grosso, no Pará, em Pernambuco e no Rio Grande do Norte.

A primeira incubadora no país, a Rio Criativo, criada em 2009, passou a fazer parte da rede em 2014. Seu primeiro edital foi lançado em 2010, e contemplou 17 empresas das 3 mil inscritas. No mesmo ano, a iniciativa foi citada pela Organização das Nações Unidas como uma das experiências mundiais mais relevantes de fomento à economia criativa.

Em 2015, ocorreu o 2º Encontro da Rede, em Brasília, com foco no tema da sustentabilidade por meio de palestras, apresentações de casos de sucesso, rodas de negócio e debates sobre empreendedorismo e inovação. O evento foi realizado pela Secretaria de Políticas Culturais do MinC em pareceria com Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae) e a Secretaria de Cultura do Distrito Federal. Até a ocasião, haviam sido criados convênios entre o MinC e as secretarias estaduais de Cultura no AmazonasCearáDistrito FederalMinas Gerais e Rio Grande do Sul, totalizando 13 incubadoras da rede. Por meio das Incubadoras, já foram realizados mais de 30 mil atendimentos a agentes criativos, promovendo e fomentando o empreendedorismo e a inovação na área de Economia da Cultura, a partir das vocações de cada território.

Fontes:

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
EVENTO - V EDIÇÃO DO DIÁLOGOS EM ECONOMIA CRIATIVA OCORRE EM 08 DE NOVEMBRO
24/10/2016

A V edição do Diálogos em Economia Criativa ocorre no dia 08 de novembro, a partir das 19h, no Salão de Festas da Reitoria da UFRGS, com o tema Economia Criativa, Empreendedorismo e Novas Tecnologias Sociais. A conferência visa debater a cultura contemporânea como um recurso que gera e atrai investimentos.

Marcos André Carvalho, diretor da Incubadora Rio Criativo, Paul Heritage, diretor artístico do People’s Palace Project e professor da Queen Mary University of London, e Leonardo Brant, sócio-fundador da Brant Associados e diretor-associado da produtora Deusdará Filmes apresentarão um panorama do desenvolvimento econômico e social por meio da cultura, bem como as mediações tecnológicas hoje operantes nesses processos, levando em consideração instrumentalidade e performatividade.

A inscrição pode ser realizada no site do Diálogos.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
MICSUL 2016 COMEÇA COM UM PASSEIO PELA CULTURA COLOMBIANA
18/10/2016

A segunda edição do Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul) começou na noite de segunda-feira, 17 de outubro, com uma cerimônia no Teatro Colón, em Bogotá, marcada por apresentações culturais de diferentes estilos, provenientes de diversas regiões da Colômbia. Até a próxima quinta-feira, 20 de outubro, empreendedores de 10 países sul-americanos participam de debates, oficinas e rodadas de negócios com o objetivo de internacionalizar seus produtos e serviços.

"É uma alegria termos contato com a cultura colombiana. Tivemos aqui uma mostra de vários locais do país. Eles nos deixaram com uma responsabilidade muito grande, porque daqui a dois anos será a nossa vez. Teremos a responsabilidade de mostrar a cultura brasileira em toda a sua riqueza e isso não vai ser fácil", destacou o ministro da Cultura, Marcelo Calero, que participou da cerimônia. Em 2018, a terceira edição do Micsul será realizada no Brasil.

O fomento aos empreendedores criativos é uma das prioridades da atual gestão do Ministério da Cultura (MinC), que criou recentemente uma área exclusiva para isso: a Secretaria da Economia da Cultura, coordenada pelo advogado Cláudio Lins de Vasconcelos. Calero ressaltou que a participação brasileira na edição sediada na Colômbia refletirá a diversidade e a importância da economia criativa como eixo estratégico de desenvolvimento socioeconômico para o Brasil.

Presente na cerimônia, o gerente de Exportação da Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Christiano Braga, destacou o critério usado pelo Ministério da Cultura (MinC) e pela Apex-Brasil na escolha dos 61 empreendedores brasileiros que participarão do Micsul. "Isso possibilitará ampliar as possibilidades de realização de negócios e de parcerias com os participantes de outros países", observou.

A ministra da Cultura da Colômbia, Mariana Garcés Cordoba, também prestigiou o evento. E por meio de um vídeo, destacou que o fortalecimento das indústrias criativas é uma prioridade para o governo de seu país. "O impulso da cultura é pedra angular para arraigar a identidade nacional e fortalecer o tecido social, chave na construção deste novo país que busca dar às suas novas gerações um futuro de paz", afirmou.

 

Apresentações culturais

A cerimônia de abertura contou com quatro apresentações culturais. A primeira foi do Coletivo Danza Región & Cámara de Danza Comunidad, de Necoclí, da região colombiana de Antioquia. O grupo trouxe ao público um espetáculo que representa a tradição caribenha: a mistura entre um clima social adverso, tradições ancestrais e dançarinos que se juntaram para criar novas linguagens.

Na sequência, apresentou-se o grupo Cimarrón, com um show baseado em distintos aspectos da música e da dança da planície da região do Orinoco. Composta por vocal, harpa, cuatro, bandola llanera, contrabaixo elétrico e percussões, a banda trouxe seções instrumentais, músicas tradicionais e dança de sapateado.

A terceira apresentação foi feita pela Corporación Cultural Afrocolombiana Sankofa, de Medellin, cidade com expressiva população afrodescendente. Com participação de 18 jovens, o espetáculo de dança abordou a problemática das novas diásporas afro na Colômbia e das dinâmicas emergentes na construção de vínculos culturais entre as comunidades afrodescendentes no contexto urbano.

O encerramento ficou por conta do grupo musical Bambarabanda, da cidade de Pasto, no sul do país. O show trouxe uma fusão de rock e música regional andina com encenações que ressaltaram a teatralidade nos movimentos, nas cores e nos figurinos. O grupo foi criado em 1999 como resultado da fusão entre um coletivo teatral e a banda que musicava suas apresentações.

 

Sobre o Micsul

Criado com o intuito de promover intercâmbio de conhecimento, produtos e serviços culturais e criativos, o Micsul é uma iniciativa dos ministérios da Cultura de Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Paraguai, Uruguai e Venezuela. Durante o evento, são realizados negócios entre empreendedores, empresas ligadas à área cultural, produtores e artistas. O Brasil está representado por 61 empreendedores dos setores de design, artes cênicas, audiovisual, moda, música, editorial e games.

Destinado a micro e pequenos empreendedores, o Micsul é o principal encontro regional voltado a mercados culturais e criativos da América do Sul. O mercado incentiva o consumo e a circulação de bens culturais na região, além de impulsionar venda e comercialização de bens e serviços. A expectativa é que, este ano, o evento reúna mais de 3000 pessoas dos 10 países que promovem o evento, além de compradores da América do Norte, Europa, Ásia e África.

O Micsul conta com espaços para rodadas de negócios, cafés setoriais, desfiles de moda, showcases de música e artes cênicas e estandes institucionais, além de construção de redes de contatos por meio de fóruns de discussão.

Com base na matéria da Assessoria de Comunicação do Ministério da Cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
A ARTE DO INTERCÂMBIO CULTURAL OCORRE EM 20 DE OUTUBRO
14/10/2016

No dia 20 de outubro, o seminário A Arte do Intercâmbio Cultural, realizado pelo People's Palace Projects em parceria com o British Council, ocorre no Museu de Arte do Rio. Estarão presentes dezenas de palestrantes entre líderes culturais, jovens artistas e produtores do Reino Unido e do Brasil, para realizar um debate público sobre práticas de intercâmbio, experiências de transformação, política cultural e os grandes desafios para o futuro. O coordenador do OBEC, professor Leandro Valiati, estará presente na mesa Intercâmbio com o Futuro, mediada por Paul Heritage e Ilana Strozenberg.

Abordando práticas produzidas nos centros e periferias de cidades como Londres e Rio de Janeiro, assim como no interior e em aldeias indígenas, o seminário traça um grande panorama e aprofunda as principais questões enfrentadas por produtores, artistas, financiadores e organizações culturais nos últimos quatro anos que marcaram a transição entre as Olimpíadas de Londres e do Rio de Janeiro.

As inscrições e a programação completa podem ser acessadas aqui.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
AVALIAÇÃO DO MICSUL É REALIZADA PELA UFRGS
14/10/2016

A Universidade Federal do Rio Grande do Sul, por meio do Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo e do OBEC, está realizando a avaliação do evento Mercado de Indústrias Culturais do Sul (MicSul) que ocorre entre os dias 17 e 20 de outubro, em Bogotá, na Colômbia.

A iniciativa está inserida no projeto Estudos e Pesquisas em Economia Criativa - Desenvolvimento Territorial e Fortalecimento da Economia Criativa, iniciado em 2014 pela parceira entre o CEGOV/UFRGS e o Ministério da Cultura. O EPEC II tem como objetivo prestar assessoria e consultoria técnica para subsidiar a implementação, o acompanhamento e a avaliação das políticas de Economia da Cultura do MinC. 

Uma das vertentes do projeto é a avaliação de feiras de negócios internacionais, com foco na internacionalização da cultura. Por meio da análise do evento, observando as necessidades e capacidades do público-alvo, bem como os objetivos do edital proposto, será possível produzir informações para estabelecer os contornos necessários das políticas públicas desenvolvidas. A avaliação de impacto do Micsul 2016 representa a consolidação da metodologia desenvolvida para a Feira Internacional do Livro de Guadalajara de 2015 e o Museum Connections de 2016. 

Combinando análises quanti e qualitativas, a avaliação de impacto, além de contribuir para a formulação das políticas públicas de internacionalização da Economia da Cultura no Brasil, fornecerá subsídios para a organização da terceira edição do evento, sob responsabilidade do Ministério da Cultura brasileiro, em 2018.

Mais que uma feira de negócios internacionais, o MicSul é um importante espaço para o intercâmbio de conhecimento, produtos e serviços culturais e criativos na América Latina. Em Bogotá, os 61 empreendedores brasileiros, selecionados por meio de edital lançado em parceria pelo MinC e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex-Brasil), terão a oportunidade de promover seus negócios – nos setores de artes cênicas, audiovisual, editorial, animação e games, música, design e moda – e contribuir para o fortalecimento da cultura brasileira no exterior.  

 

Preparação

Nos dias 05 e 06 de outubro, ocorreu o Workshop de Capacitação para o Micsul 2016 com os empreendedores brasileiros. Na ocasião, a delegação pode contar com consultoria para a preparação das apresentações de negócios para o MicSul. Durante a oficina, o coordenador do OBEC, professor Leandro Valiati, e a pesquisadora Mariana Steffen apresentaram a metodologia de avaliação de impacto do evento.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
COMO FUNCIONA O FINANCIAMENTO À CULTURA NO BRASIL: O VALE-CULTURA
13/10/2016

Em 2012, por meio da Lei 12.761, foi instituído o Vale-Cultura, um benefício de R$ 50 mensais concedido pelo empregador para seus funcionários, garantindo o acesso dos trabalhadores à cultura e benefícios fiscais para a empresa.

O Vale-Cultura é um benefício trabalhista e não tem caráter obrigatório (como ocorre com o Vale-Alimentação, por exemplo). As empresas que aderem ao programa reforçam o compromisso com o bem-estar de seus trabalhadores, agregando valor ao salário, sem incidência de encargos sociais e trabalhistas. Com o Vale-Cultura, as empresas tributadas em lucro real podem deduzir – a título de investimento no programa – até 1% do imposto de renda.

O valor é cumulativo, sem prazo de validade e é utilizado exclusivamente na compra de produtos ou serviços culturais. A ideia do Vale-Cultura é permitir maior usufruto de produtos ou serviços culturais por trabalhadores registrados, com remuneração de até cinco salários mínimos. Os recursos podem ser gastos com produtos e serviços ligados à cultura em geral, como ingressos para teatro, cinema, museus, shows, circo, compra de CDs, DVDs, livros, revistas e jornais, compra de instrumentos musicais e mensalidades de cursos de artes.

Atualmente, 41.017 estabelecimentos aceitam o benefício, usado por 504.663 trabalhadores de 1.351 empresas. Apenas nos primeiros nove meses deste ano, os trabalhadores brasileiros consumiram mais de R$ 330 milhões com o Vale-Cultura. 

Previsto para terminar em 31 de dezembro deste ano, o Programa de Cultura do Trabalhador (Vale-Cultura) pode ser prorrogado até 2021. O projeto de lei sobre o tema está atualmente em tramitação na Câmara dos Deputados.

De acordo com a deputada federal Mara Gabrilli (PSDB-SP), que apresentou o proejto, "os benefícios do Vale-Cultura são evidentes na promoção da inclusão social e da cidadania (...). Apesar dos números, a democratização do acesso à produção e fruição dos bens e serviços culturais ainda não foi concretizada. Garanti-lo por mais tempo vai possibilitar a continuidade do processo de democratização do acesso a bens e serviços culturais pelos brasileiros", avaliou a parlamentar.  

No site do Ministério da Cultura, estão disponíveis mais informações sobre o Programa.

Com informações de Ministério da Cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
CONFIRA A ENTREVISTA COM CLÁUDIO LINS DE VASCONCELOS, SECRETÁRIO DA ECONOMIA DA CULTURA DO MINC
11/10/2016

No início do mês de outubro, a Assessoria de Comunicação do Ministério da Cultura entrevistou Cláudio Lins de Vasconcelos, recém-nomeado secretário da Economia da Cultura. Vasconcelos é graduado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), mestre pela Universidade de Notre Dame (EUA) e doutor pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Em um de seus maiores desafios profissionais, o advogado mineiro tem a missão de contribuir para o desenvolvimento de um setor cultural forte, coeso, capaz de levar o produto cultural brasileiro aos principais mercados do mundo. 

 

"Este é um cargo que me honra bastante. Qualquer um que trabalhe com economia da cultura, como é o meu caso, gostaria de estar nesse lugar. Em um país do tamanho do Brasil, com todo esse potencial cultural, é uma possibilidade de fazer um trabalho histórico, de ajudar no desenvolvimento desse setor que eu amo tanto", afirma Vasconcelos – que é fã de filosofia e MPB. Em entrevista ao portal do MinC durante evento de capacitação de empreendedores para o Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul), o secretário fala sobre os principais projetos que serão realizados pela Secretaria da Economia da Cultura. "Estou muito animado. Estamos com um projeto redondinho, pronto pra ser implementado. Um projeto que faz sentido, que respeita a dimensão econômica da cultura, sem perder a dimensão simbólica, e a indústria de alta performance, sem perder as raízes", destaca.

 

Confira a entrevista:

[Assessoria de Imprensa MinC] Entre os dias 17 e 20 de outubro, será realizada em Bogotá, na Colômbia, a segunda edição do Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul). O Brasil estará presente com 60 empreendedores selecionados, via edital, pelo MinC e pela Apex-Brasil. Qual é a importância da participação brasileira nesse evento?

[Cláudio Lins de Vasconcelos] O Micsul é muito importante porque nos abre um mercado para o qual não demos muita atenção ao longo da nossa história, que é o mercado sul-americano. São nossos vizinhos, temos tanta coisa em comum, tanto conteúdo pra trocar, e muitas vezes ficamos voltados apenas aos mercados norte-americano e europeu. O evento na Colômbia é uma oportunidade não apenas para os 60 empreendedores selecionados, que vão mostrar seus produtos e buscar novos negócios, mas para toda a economia da cultura brasileira, porque abre novos horizontes. 

 

[MinC] O que o senhor achou do workshop de capacitação para empreendedores? 

[Vasconcelos] Foi um encontro produtivo, com foco nos resultados que esses empreendedores poderão alcançar no Micsul. Houve grande concentração de pessoas (palestrantes) com conhecimento prático. Foi muito positivo como troca de experiência, de como transformar os contratos em negócios.

 

[MinC] O mercado sul-americano é consumidor de nossos produtos. O Micsul abrirá mercado? 

[Vasconcelos] O Micsul soma várias linguagens, isso é importante para a convergência das línguas. Os nossos vizinhos sul-americanos gostam do nosso produto cultural, consomem a música brasileira com muito vigor. Já nós consumimos pouco a cultura deles, tem espaço para crescer. Por isso, acho que o Micsul é importante pra abrir uma nova fronteira para esse mercado, tanto para exportar como para importar, internacionalizar a produção cultural brasileira, para que possamos finalmente atingir todo nosso potencial de mercado.

 

[MinC] O fomento à economia da cultura é uma das prioridades da gestão do ministro Marcelo Calero. Por isso, foi criada a Secretaria da Economia da Cultura, que está sob seu comando. Qual é o objetivo inicial da secretaria?

[Vasconcelos] Nossa secretaria tem como objetivo principal contribuir para o desenvolvimento de uma economia da cultura forte, coesa, solidária, internacionalizada, de vanguarda, capaz de levar o produto cultural brasileiro, a mensagem dos produtores culturais brasileiros, aos principais mercados do mundo. A economia da cultura é um dos setores em que o Brasil é mais competitivo. É um setor em que temos efetivamente condições de atingir os patamares mais altos dos mercados internacionais. Além de ser a cara do Brasil, é um setor que não polui, emprega muita gente, depende muito do trabalho humano, é pouco sujeito à substituição de pessoas por máquinas,porque o principal produto, o principal insumo é o cérebro humano, o pensamento humano, a criatividade humana. Então, independentemente do estágio tecnológico em que estivermos, sempre haverá necessidade da criatividade humana. Um roteiro bem feito, uma obra de artes visuais agradável visualmente, uma composição agradável aos ouvidos, tudo é trabalho exclusivo do cérebro humano, então, é uma indústria que tem crescido em capital intelectual, que não depende dos ciclos de altos e baixos das commodities, enfim, uma indústria que nós temos que desenvolver. Essa vocação para a economia da cultura é um dos grandes ativos do Brasil.

 

[MinC] Como será, inicialmente, o trabalho da secretaria?

[Vasconcelos] Nosso trabalho se desenvolverá em quatro grandes áreas: segurança jurídica; pesquisa e desenvolvimento; qualificação da oferta e incentivo à demanda; e direitos intelectuais.

 

[MinC] E o que será feito em cada uma dessas áreas?

[Vasconcelos] Na área de segurança jurídica, nós teremos a Coordenação-Geral dos Marcos Legais da Cultura. O objetivo será fazer propostas de alterações legislativas, de aperfeiçoamento do ordenamento jurídico, de forma a dar ao setor cultural um ambiente mais favorável, mais atraente pra investimentos, tanto nacionais como internacionais.

 

[MinC] E como está a criação deste marco regulatório?

[Vasconcelos] Ainda estamos começando o trabalho. Iremos inicialmente ouvir o setor cultural, para mapear as demandas regulatórias. Precisamos ouvir todos os pontos das cadeias produtivas, ver o que está atravancando processos, saber como podemos contribuir pra fazer com que o setor tenha mais investimento, mais qualidade, mais força. Um exemplo claro na questão do marco legal da cultura é a estrutura tributária. Nosso setor é formado, em grande parte, por pequenas e médias empresas e, a cada transação entre essas empresas, incide tributos específicos, que vão incidindo em cascata um após o outro, até que, ao final do processo, há um acúmulo de tributação que pode comprometer, em longo prazo, a competitividade do produto cultural brasileiro em um mercado muito competitivo. Porque o mercado cultural, ainda mais na era da internet, da distribuição digital, é efetivamente global. As barreiras à entrada de produtos estrangeiros são muito pequenas, então, nós temos que ser competitivos e, para isso, a estrutura de custos é importante. É claro que precisa haver qualidade e outras coisas mais, mas a estrutura de custos também é importante. Então, esse marco legal da cultura será resultado de várias conversas com o setor e de um mapeamento de demandas, para que, então, possamos fazer algo que, de fato, faça sentido e atenda às legítimas expectativas de todos os grupos das cadeias produtivas.

 

[MinC] Essas conversas com o setor cultural começam quando?

[Vasconcelos] Na verdade, elas já começaram. Estamos ouvindo algumas pessoas e as associações representativas de diversos setores irão agendar conversas no ministério e fazer suas propostas formalmente. Todas serão analisadas de forma republicana, honesta, transparente. Todos poderão dizer se concordam ou não. Vamos buscar pontos de convergência. Em qualquer cadeia produtiva, de qualquer setor econômico, há divergência de interesses. Mesmo na agricultura,quem planta soja tem interesse divergente de quem coloca soja no caminhão, que tem interesse divergente de quem coloca soja no navio,mas, no fundo, todo mundo entende que faz parte da mesma cadeia produtiva. Então, se temos uma ambição com o Marco Legal da Cultura, é construir essa consciência de setor. Apesar de divergências de interesses, o setor cultural tem objetivos compartilhados, então acho que esta é a chave.

 

[MinC] E na área de pesquisa e desenvolvimento, como será o trabalho?

[Vasconcelos] Temos nesta área a questão do fomento às atividades culturais debase e de vanguarda, às novas linguagens, tudo que precisa do apoio mais forte do Estado para decolar. Na área de pesquisa, iremos desenvolver o Atlas Econômico da Cultura Brasileira. Ele permitirá, finalmente, vermos o tamanho desse setor. Vamos mapeá-lo no Brasil inteiro, ver o impacto no PIB local e nacional, quantos empregos gera, em que áreas, como é que flui em outras cadeias produtivas,saber para onde exporta e importa, mapear as forças e as oportunidades, para sabermos para onde estamos navegando. Afinal, senão tivermos um mapa de navegação, não temos como saber para onde estamos indo.

 

[MinC] E em qualificação da oferta e incentivo à demanda, o que será feito inicialmente?

[Vasconcelos] Hoje, o controle dos meios de difusão cultural está cada vez mais difícil. Em portais e aplicativos de streaming de música e vídeo,por exemplo, não há qualquer ingerência ou imposição de cotas para garantir o espaço do produto cultural brasileiro, ao contrário de salas de exibição e canais de TV, em que há certo controle.Muitas dessas empresas estão totalmente fora da nossa jurisdição.O produto cultural brasileiro precisa ser objeto de desejo do mundo todo e nós temos condições para isso. Na área da música, por exemplo, podemos dizer tranquilamente que a MPB, em termos de música popular, é a mais importante do último século depois da música americana e da britânica, que são os donos da língua franca. Isso não é pouca coisa, tanto em termos de cultura, de mercado cultural,quanto em termos simbólicos. E isso também vale para a moda, o design, o audiovisual, as artes visuais, o mercado editorial. Eu acredito de fato no potencial que o produto cultural brasileiro tem de ganhar os mercados do mundo. Então, precisamos qualificar a oferta, identificar e resolver os gargalos de produção ou pelo menos contribuir para que o impacto deles seja o menor possível.

 

[MinC] E na área de direitos intelectuais, que também ficará a cargo da Secretaria da Economia da Cultura?

[Vasconcelos] A área de direitos intelectuais é absolutamente essencial para a economia da cultura. O valor econômico de um bem cultural nada mais é do que a soma do valor econômico dos direitos adquiridos ao longo da sua cadeia de produção e é o direito intelectual que preserva o elemento humano dessa cadeia cada vez mais tecnológica. O criador é a base de tudo, sem ele não temos cultura. São os criadores,roteiristas, diretores, atores, compositores, produtores culturais que estão com a mão na massa, criando, desenvolvendo, investindo seu talento, seu tempo, seus recursos. A preservação dos direitos intelectuais é absolutamente fundamental e será tratada com muito respeito, porque disso depende a sustentabilidade, em longo prazo, de toda essa cadeia produtiva. É essencial para a construção de um setor econômico forte, coeso, solidário, internacionalizado e de vanguarda.

 

[MinC] Em relação às indústrias culturais de alta performance, qual vai ser o trabalho da secretaria?

[Vasconcelos] Esta é uma indústria que, historicamente, tinha pouca relação como Ministério da Cultura, mas que agora estamos trazendo porque precisamos construir um setor unificado, precisamos que todo mundo participe da cadeia produtiva se compreenda como parte do mesmo setor. Sabemos que existem divergências de interesses, mas isso não é uma exclusividade do setor cultural, acontece em qualquer setor econômico e nosso trabalho é equilibrar o jogo e fazer com que todo mundo entenda que, apesar das divergências, há interesses convergentes que precisam ser trabalhados. Essas indústrias de alta performance também sofrem com gargalos: às vezes falta, por exemplo, mão de obra especializada. O audiovisual é um caso clássico, sempre tem demanda de profissionais qualificados e nem sempre encontra. Então, nós teremos programas de capacitação voltados às demandas do mercado em parceria com outras instituições,como Sesc (Serviço Social do Comércio), Sesi (Serviço Social da Indústria), Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) e MEC (Ministério da Educação). Também é preciso investir na formação de gestores culturais, no fortalecimento e reconhecimento dessa categoria profissional. É isso que vai dar o salto de qualidade para o nosso produto, porque talento a gente tem,o que falta às vezes é um pouco de organização e método, e é aí que a secretaria vai atuar.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do Ministério da Cultura

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
CONHEÇA OS OBEC
07/10/2016

Em junho de 2012, foi lançado o Observatório Brasileiro de Economia Criativa pela Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cultura, como instância responsável pela produção e difusão de informações quantitativas e qualitativas sobre a área no Brasil. O OBEC passou a ser, dessa forma, um instrumento eficiente e eficaz para mitigar a ausência de pesquisas, dados e informações sobre a economia criativa, desempenhando um papel estratégico nas reflexões sobre o desenvolvimento no país.

Ao longo destes quatro anos, foram implantados seis observatórios estaduais, nas cinco regiões do país. Os observatórios estaduais de Amazonas (UFAM), Bahia (UFBA), Brasília (UnB), Goiás (UFG), Rio de Janeiro (UFF) e Rio Grande do Sul (UFRGS) respondem às demandas do MinC por subsídios necessários à formulação de um modelo de desenvolvimento baseado na criatividade, inovação, diversidade cultural e inclusão social.

Hoje sob o escopo da Secretaria de Educação e Formação Artística e Cultural (SEFAC), a Economia Criativa e os OBEC congregam uma rede para mapear as diversas dimensões da economia criativa brasileira. Entre suas atribuições estão a identificação dos agentes envolvidos na economia criativa, tanto nos fluxos macro quanto microeconômicos; o subsídio ao MinC na criação e disponibilização de bancos de dados sobre a área, para integrar o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais; a formulação de indicadores para mapeamento do mercado de bens e serviços criativos; a organização e difusão de pesquisas nacionais e internacionais, por meio de debates, seminários e intercâmbios; o incentivo à participação dos estados e municípios para a construção de uma rede vinculada à dinâmica nacional e internacional sobre a área; a facilitação de fluxos de informação e o estabelecimento de espaços de troca de conhecimento sobre a economia criativa.


Conheça os OBEC

Em novembro de 2013, a Universidade Federal do Amazonas lançou o OBEC AM, primeiro observatório estadual de Economia Criativa do Brasil. Como objetivos principais estão a formulação, a implementação e o monitoramento de políticas públicas para o desenvolvimento local e regional, apoiando ações criativas de profissionais e de micro e pequenos empreendimentos com ênfase no estado do Amazonas.

OBEC DF, concebido em 2013, vem atuando em dois vetores: desenvolvimento e monitoramento; e empreendedorismo, gestão e inovação. Por meio de atividades ligadas aos temas de territórios criativos, articulação de artistas e empreendedores, indicadores culturais, formação e potencialização de cooperativas e redes, o OBEC DF promove pesquisas e debates sobre a economia criativa, e busca colaborar com o empoderamento social local, por meio de formação orientada.

Inaugurado em maio de 2014, o OBEC RJ vem desenvolvendo pesquisas, divididas em três eixos: economia dos processos e práticas culturais; territorialidade, arranjos expressivos e práticas sociais; e direitos culturais e políticos. Carnaval de rua, festivais audiovisuais, o Porto Maravilha, turismo cultural, gastronomia, manifestações culturais tradicionais e sustentabilidade são alguns dos temas de interesse dos pesquisadores da Universidade Federal Fluminense.

Criado em 2014, no escopo da Universidade Federal da Bahia, o OBEC BA estrutura suas ações de mapeamento e pesquisa a partir de três vetores: estudo do desenvolvimento de estratégias para a gestão da criatividade, voltadas para a solução de problemas da sociedade; análise da sustentabilidade mercadológica das iniciativas criativas; e mapeamento da capacidade de articulação de pessoas e grupos visando à atuação em rede dos setores criativos no estado da Bahia.

Ao longo dos últimos anos, o OBEC GO definiu metodologias, desenhou as cadeias produtivas locais, realizou levantamento de dados e lançou seus resultados com a Coleção Dimensões, na qual foram pesquisados 19 setores criativos regionais. No estado, o OBEC tem sede no Laboratório de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Mídias Alternativas (Media Lab) da Universidade Federal de Goiás.

Na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em agosto de 2014, foi lançado o OBEC RS, na busca de um espaço para o debate e a formação de massa crítica sobre a Economia Criativa no Brasil, levando em conta seu impacto na dinâmica social e econômica do país. Os projetos realizados pelo OBEC RS estão divididos em iniciativas de extensão e de pesquisa. Comércio internacional, indústrias criativas, economia da cultura, fomento à cultura brasileira, fluxos internacionais e globalização de bens criativos, mercados tradicionais de cultura, gestão pública e privada na área e a Economia Criativa são foco desses estudos desenvolvidos.

Fontes:

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
UNISINOS PROMOVE CURSO SOBRE CRIATIVIDADE EM PARCERIA COM AS NAÇÕES UNIDAS
06/10/2016

A Universidade do Vale do Rio dos Sinos promove, juntamente ao Instituto das Nações Unidas para Formação e Pesquisa (UNITAR) e à Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), o curso online Creativity for Development.

O curso Crea4Dev é gratuito, está aberto ao público e pode ser concluído em qualquer dia até 23 de dezembro. As atividades terão como propósito conscientizar sobre o valor da criatividade e da cultura como pilares do desenvolvimento sustentável.

O Crea4Dev é em inglês, com quatro horas de duração e composto pelos módulos de conteúdo: Creativity & Creative Economy; Places, Networks and Connectivity; The Characteristics of the Creative Labour Market e Creative Business.

A colaboração com a UNITAR e a UNCTAD foi iniciada pela professora Ana Maria Guimarães, quando decana da Escola da Indústria Criativa da Unisinos, e pela professora Cristiane Schnack, coordenadora do MBA em Mercados Criativos.

O Crea4Dev também incentivará a criação de uma comunidade online, na qual os participantes poderão trocar ideias e manter contato mesmo após a conclusão das atividades.

Mais informações no site do curso.

Com informações de Unisinos.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
UNESCO E CISAC LANÇAM MAPEAMENTO GLOBAL DAS INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS
04/10/2016

Em dezembro de 2015, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e a Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores (CISAC) lançaram o estudo intitulado “Cultural Times – O Primeiro Mapeamento Global das Indústrias Culturais e Criativas”.

Por meio de survey, foi possível quantificar a contribuição econômica e social global desse importante setor. O estudo analisa onze setores de Indústrias Culturais e Criativas (CCI): publicidade, arquitetura, livros, games, filmes, música, jornais e revistas, artes cênicas, rádio, televisão e artes visuais.

Alguns dos achados do estudo revelam que as CCI têm uma receita de US$ 2,250 bilhões por ano, contabilizando 3% do PIB global. Esse mercado garante ainda um total de 29,5 milhões de empregos, 1% da população economicamente ativa, sendo as artes visuais, música e livros os três principais empregadores.

Como primeiro mapa de abrangência global, o objetivo da publicação, realizada pela EY, é o de destacar e valorizar o estudo da economia nessa área, considerando a comunidade criativa como um motor de inovação para um desenvolvimento mais sustentável.

É possível realizar o download do estudo no site, onde estão disponíveis mais informações sobre a iniciativa.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
EVENTO - EMPREENDEDORES BRASILEIROS PARTICIPAM DO MICSUL 2016
03/10/2016

 Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul), evento que será realizado entre os dias 17 e 20 de outubro, em Bogotá, na Colômbia, é o mais importante encontro voltado a mercados culturais e criativos da América do Sul.

Criado com o intuito de promover intercâmbio de conhecimento, produtos e serviços culturais e criativos, o Micsul é uma iniciativa dos Ministérios da Cultura de Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Paraguai, Uruguai e Venezuela. A primeira edição foi realizada em maio de 2014, em Mar del Plata, na Argentina. Em 2018, o Brasil sediará o evento em seu terceiro encontro.

Neste ano, o Micsul contará com a participação de 61 empreendedores brasileiros, que terão oportunidade de promover seus negócios e contribuir para o fortalecimento da cultura brasileira no exterior.

"O Micsul é a principal plataforma de promoção da dimensão econômica da cultura na América do Sul. Sua consolidação como evento de referência regional e internacional, já nesta segunda edição, nos inspira a intensificar esforços para ampliar mecanismos e recursos necessários ao incremento da inserção de bens e serviços culturais brasileiros no mercado global", destaca o ministro da Cultura do Brasil, Marcelo Calero.

Nesta edição, o Brasil terá uma participação expressiva contando com empreendedores dos setores de artes cênicas, audiovisual, editorial, animação e games, música e design, e moda. Os 61 empreendedores foram selecionados por meio de edital lançado em parceria pelo Ministério da Cultura (MinC) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Para o presidente da Apex-Brasil, Roberto Jaguaribe, a participação no Micsul integra a estratégia de consolidar a imagem do Brasil no exterior como um país que oferece ao mundo produtos e serviços criativos e diversificados. "A presença brasileira no evento contribui para induzir investimentos no aprimoramento da produção para novos mercados, ampliar a circulação de artistas e outros profissionais da cultura no exterior e gerar emprego e renda", avalia.

Além dos 61 empreendedores, como Anna Helena da Costa Politschuk, de São Paulo, e Romero Sousa, de João Pessoa, o Brasil também levará ao Micsul apresentações culturais de música, dança e circo. Os shows serão realizados dentro das programações oficial e paralela do evento. Irão se apresentar o cantor e compositor pernambucano Siba, o duo Nina Wirtti e Luís Barcelos, a São Paulo Companhia de Dança, o espetáculo #Passinho e o Circo Girassol, de Porto Alegre (RS).

Com informações de Alessandra de Paula, assessora de Comunicação do Ministério da Cultura.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
EVENTO - CONFERÊNCIA NO KINGS COLLEGE LONDON OCORRE EM OUTUBRO, COM LEANDRO VALIATI
29/09/2016

No dia 25 de outubro ocorre a conferência Creative Economy, Culture and Development in Brazil: an overview of the academic and public policy agenda, com Leandro Valiati, coordenador do OBEC e do Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS). O evento faz parte da série de seminários do Brazil Institute Research, da King’s College London e terá lugar no K3.11 King’s Building Strand Campus, a partir das 17h30.

A conferência do professor Valiati dará uma ampla visão sobre as pesquisas acadêmicas e aplicadas produzidas mais recentemente no OBEC e no GT, enfatizando pontos teóricos centrais sob um ponto de vista do desenvolvimento. Na ocasião, também serão apresentadas as parcerias firmadas junto ao Ministério da Cultura, à Erasmus Universidade de Rotterdam, à Universidade de Valencia e à Universidade Sorbonne. Os principais bancos de dados, indicadores e análises produzidas; a descrição das principais tecnologias transferidas para os governos locais e federal; e os desafios das políticas públicas relativas ao estado da arte na Economia Criativa e da Cultura também serão tema do encontro.

O evento é gratuito e não demanda inscrição.

Mais informações em King’s College e pelo e-mail brazil-institute@kcl.ac.uk.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
CONHEÇA O APLICATIVO CULTURI
28/09/2016

O Ministério da Cultura (MinC), em parceria com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), por meio do Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital (Lavid), lançou o Culturi, uma rede social que busca divulgar a cultura nacional para brasileiros e estrangeiros.

O aplicativo é gratuito é já está disponível para plataformas Android e IOS. Além de mapear os principais eventos culturais e turísticos, os internautas também poderão mostrar o seu olhar e colaborar com a cobertura, ao enviar fotos, vídeos, ou registrar a experiência cultural da rua, bairro e cidade.

O secretário do audiovisual do Ministério da Cultura, Alfredo Bertini, elogiou a iniciativa, que aproxima ainda mais a Cultura das pessoas. "É importante o MinC estar atento às demandas da sociedade. Nós disponibilizamos esse aplicativo, que contribui para isso", disse. Thaís Gaudencio do Rêgo, coordenadora de desenvolvimento do Culturi e professora da UFPB, explica que registro e consulta são feitos por qualquer usuário e foi idealizado para acompanhamento de atividades culturais, shows e exposições de arte. “O circuito de audiovisual Brasil 2016, por exemplo, tem toda a sua programação registrada no aplicativo, inclusive sobre sessões com audiodescrição e legenda, apropriadas para pessoas com deficiência visual e auditiva", explicou.

Por meio da ferramenta, o próprio usuário, além de ter informações disponíveis, poderá acrescentar outros dados culturais. O interessado também poderá curtir, avaliar, compartilhar e convidar outros usuários para os eventos cadastrados.

Para motivar e estimular os usuários a colaborarem e avaliarem todo o seu conteúdo, a rede social usa um ranking de pessoas e cidades que mais interagem, divulgam e contribuem com a cultura no Brasil, que estará disponível no aplicativo. Além disso, artistas, produtores, organizadores de eventos culturais e empresas podem divulgar gratuitamente qualquer tipo de atividade e manifestação ligadas à cultura. O Culturi utiliza, ainda, bases de dados do Ministério da Cultura, como o Mapas Culturais, que faz parte do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (Sniic).

Acesse o vídeo para mais informações sobre o Culturi.

Com informações de MinC.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
FINANCIAMENTO À CULTURA NO BRASIL
27/09/2016

Denúncias de corrupção envolvendo a Lei Rouanet somaram-se a efervescência política do país e reavivaram o debate sobre o financiamento à cultura no Brasil. No mês de maio, a operação boca-livre da Polícia Federal revelou uma fraude de R$ 180 milhões desviados da Lei Rouanet. Mas como se dá o apoio público à cultura no Brasil?

Desde a década de 1990, a partir das reformas de enxugamento do Estado, a Lei de Incentivo à Cultura (LIC), mais conhecida como Lei Rouanet, tem sido predominante no fomento cultural público do país. Com a LIC, o Estado abdica da arrecadação de uma parcela do imposto de renda para que os contribuintes privados se engajem em mecenato, no financiamento direto aos agentes executores de atividades e bens culturais. Nessa modalidade, a captação de recursos para o fomento à cultura fica sob deliberação do mercado. O funcionamento dessa renúncia fiscal inicia-se com a seleção, por parte do Ministério da Cultura, da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, composta por representantes da sociedade civil. A ela cabe a seleção de projetos em que identifiquem valor cultural, para que esses possam ir a público captar recursos passíveis de dedução no imposto de renda. Quando o valor é aprovado para o proponente e a sua carta de concessão, emitida, a busca de incentivadores privados (especialmente no meio empresarial) pode ser iniciada. O valor investido pode ser abatido em até 4% do imposto de renda de pessoas jurídicas e em 6% da tributação de pessoas físicas.

Com esse mecanismo, a sociedade civil ganha protagonismo no processo, poupando custos administrativos e criando novos canais para a facilitação e ampliação do investimento privado. Contudo, esse mesmo benefício reside em uma lógica de sociedade como mercado, abstendo-se da função da política pública como espaço de arbítrio social. Dessa forma, em última análise, termina cabendo ao empresariado a decisão final sobre as atividades culturais subsidiadas pelo Estado.

Mesmo embebida da lógica do mercado, a Lei Rouanet tem se mostrado ineficaz na dinamização e pluralização da Economia da Cultura, com pouco mais de 50% dos projetos aprovados captando apenas 20% do valor total concedido. Ademais, a concentração regional também deve ser enfatizada: no acumulado dos mais de vinte anos de Lei, 80% dos recursos foram captados por projetos na região Sudeste, em especial, do eixo Rio-São Paulo, de forma desproporcional, mesmo considerando os padrões demográficos. O poder de veto do empresariado sobre os projetos culturais efetivamente pode estar no seio dessas distorções. Nem mesmo o fortalecimento e pluralização das atividades do MinC nas últimas décadas reduziu o protagonismo da Lei Rouanet no sistema nacional de fomento. Em 2015, o MinC investiu R$ 320 milhões em projetos, enquanto abdicou de R$ 1,8 bilhão por meio da Lei Rouanet.

A corrupção que surge dentro desse instrumento se revela no poder adquirido pelos grandes incentivadores privados na efetivação do fomento público cultural. Em 2015, as 10 empresas que mais financiaram pela Rouanet empregaram 20% do total subsidiado pelas mais de 3 mil incentivadoras, refletindo uma assimetria de que derivam perniciosas barganhas. Dessa forma, pode-se afirmar que as contradições do sistema de fomento surgem do distanciamento das políticas da diversidade e da pluralidade, que são inerentes à cultura, subvertendo-as ao cálculo publicitário de um reduzido de mecenas. Ainda assim, o subsídio à cultura não está nem próximo de isenções fiscais como para as igrejas, para o setor automotivo ou para as Olimpíadas. Desse modo, a atenção recebida pelo tema abre uma importante janela de oportunidade para a reflexão sobre formas de aprimorar os recursos públicos investidos na área no Brasil.

Com base na matéria “Financiamento em Debate”, de autoria de Leandro Valiati e Lucas de Oliveira Paes, publicada no Jornal da UFRGS, em agosto de 2016.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
COORDENADOR LEANDRO VALIATI PARTICIPA DE EVENTO NA UNIVERSIDADE PARIS 13
23/09/2016

Entre os dia 21 e 23 de setembro, ocorreu a quarta edição do evento Universidade de Verão do Laboratório de Excelência sobre Indústrias Culturais e Criação Artística da Universidade Paris 13.

Na ocasião, o professor Leandro Valiati, apresentou os projetos de pesquisa em andamento no Grupo de Trabalho Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo (CEGOV/UFRGS) e no Observatório de Economia Criativa (OBEC/UFRGS), ambos sob sua coordenação. Durante o evento, foi possível um amplo intercâmbio científico com pesquisadores internacionais da área, sobre temas como comércio internacional, indústrias criativas, fomento à cultura e Economia da Cultura.

O Labex ICCA é um laboratório de pesquisa interdisciplinar focado na prática e no mercado da cultura e da arte. Fundado em 2011, os principais objetivos do ICCA são a pesquisa sobre novos modelos de negócio e de regulação, bem como o estudo de novos usos e mercados emergentes e a transformação de estruturas legais, tanto em atividades tradicionais quanto no mundo digital.

Para mais informações sobre o evento, acesse https://icca.univ-paris13.fr/universite-dete-2016-pre-inscription/.

Leia mais
Leia menos
NOTÍCIA
IV CONFERÊNCIA DO DIÁLOGOS EM ECONOMIA CRIATIVA FOCA NO SETOR AUDIOVISUAL
21/09/2016

O Observatório de Economia Criativa (OBEC) vem promovendo o ciclo de debates Diálogos em Economia Criativa, durante o ano de 2016. Até o mês de dezembro, o projeto de extensão promoverá um espaço qualificado de discussões com pesquisadores e realizadores nacionais e internacionais da área.

No dia 13 de setembro, foi realizada a IV Conferência, sob o tema Economia da Música e do Audiovisual: uma visão do mercado a partir dos realizadores. Na ocasião, os professores Alfredo Bertini e Carlos Gerbase debateram sobre o panorama do setor musical e audiovisual no Brasil, bem como os principais entraves e vantagens para a produção cultural contemporânea, mediados pelo professor Leandro Valiati.

Questionados pelo professor Valiati foi sobre a conjuntura econômica do setor no Brasil e no mundo, os realizadores expuseram sobre a grande quantidade de consumo econômico gerado pelo campo das indústrias criativas de audiovisual, em um mercado já estabelecido no Brasil. No entanto, também foram tema as transformações pelas quais a área atravessa, com mudanças tecnológicas e convergência digital.

Alfredo Bertili, secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura, ex-diretor do Cine PE - Festival do Audiovisual e economista, enfatizou o papel do streaming afetando brutalmente no setor audiovisual.

Carlos Gerbase, professor titular da PUCRS e diretor de cinema na Prana Filmes produtora de audiovisual, deu destaque para a necessidade de subsídios para o audiovisual ao relembrar que boa parte do cinema no Brasil não é industrial, concebida de maneira artesanal, como atividade artística por cineastas no país.

Assim, os gargalos apontados pelos professores estão ligados à necessidade de regulação do mercado cultural para enfrentar pressão econômica. O término da Lei do Audiovisual e a Lei Rouanet foram enfatizadas como incentivos importantes para a área da cultura, uma das grandes atividades econômicas no Brasil.

A transmissão da conferência do Diálogos em Economia Criativa está disponível no Youtube.

No mês de outubro, a V Conferência ocorre no dia 04. Mais informações e inscrições em ufrgs.br/obec/diálogos.

Leia mais
Leia menos
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
Nov
08

Diálogos: Economia Criativa, Empreendedorismo e Novas Tecnologias Sociais, com Marcos André Carvalho (Rio Criativo) e Paul Heritage (Queen Mary University of London).

Local:Salão de Festas – Reitoria UFRGS (Av. Paulo Gama, 110)
Horário: 19h

Mais informações

Oct
25

Creative Economy, Culture and Development in Brazil: an overview of the academic and public policy agenda, com Leandro Valiati.

Local:King’s College London
Horário: 17h30

Mais informações

Oct
17

Mercado de Indústrias Culturais do Sul (MICSUL 2016).

Local:Bogotá, Colômbia
Horário: de 17 a 20

Mais informações