Cretáceo

Nos mares cretáceos, havia abundância de esponjas, moluscos cefalópodes amonóides, equinodermos, como os ouriços, e crustáceos; recifes eram formados, principalmente, por bivalves rudistas, muito semelhantes aos extintos corais rugosos, além dos corais escleractíneos. Os braquiópodes declinaram em diversidade. Os moluscos gastrópodes modernos, os neogastrópodes, surgiram no Cretáceo, assim como os peixes ósseos modernos (teleósteos) e os tubarões modernos. Os ictiossauros estavam em declínio, mas os mosassauros (lagartos marinhos) eram predadores vorazes. Plesiosauros de pescoços muito longos são registrados. no Cretáceo que surgem as primeiras plantas com flor, as angiospermas que passaram a conviver com as bem estabelecidas gimnospermas. Muitos grupos de insetos com representantes atuais surgiram neste período, desenvolvendo estreitas relações ecológicas com as angiospermas. Dentre os tetrápodes abundam as tartarugas, os crocodilos, lagartos e anfíbios anuros. Os três grupos de mamíferos atuais - monotremos, marsupiais e placentários - têm sua origem no Cretáceo. Novas famílias de dinossauros surgiram, como os ceratopsídeos. Convivendo com as aves, estavam várias espécies de dinossauros terópodes com penas. Formas gigantes de pterossauros se desenvolveram, apesar do grupo estar em declínio no Cretáceo.

O final do período é marcado pelo evento de extinção em massa que eliminou os dinossauros não-avianos, os répteis marinhos, os pterossauros, entre outras espécies marinhas.

Próximo período geológico