Paleotocas, Crotovinas e Abrigos Subterrâneos

Paleotocas são tocas cavadas por animais extintos que viviam em parte em abrigos subterrâneos. Assim como atualmente os tatus, as corujas buraqueiras e outros animais se abrigam em tocas que eles mesmos escavam, no passado existiram animais que cavaram abrigos. Portanto, o termo paleotocas se aplica apenas a tocas de animais extintos. Quando as paleotocas estão preenchidas por sedimentos, chamam-se "crotovinas" ( ou "krotovinas", do russo).

A pesquisa de paleotocas se insere na Paleontologia, já que se trata de estruturas cavadas por animais de épocas geológicas passadas. Na Paleontologia, as paleotocas fazem parte da Icnologia, já que não se trata de ossos fossilizados de animais extintos, mas sim de feições deixadas por eles, da mesma forma que pegadas, fezes fossilizadas (coprólitos) e outros. As paleotocas são, portanto, os maiores e mais bem preservados icnofósseis do mundo.



Uma paleotoca exposta em uma excavação. A forma é típica; a largura pode chegar a 4 metros e a altura a 2 metros.


Uma crotovina exposta em uma excavação. Normalmente o preenchimento do túnel possui cor, textura e granulometria diferente da rocha hospedeira da crotovina.


A pesquisa das paleotocas e crotovinas que a equipe do Projeto Paleotocas vem desenvolvendo está mostrando que estamos, na realidade, lidando com restos de abrigos subterrâneos de animais pré-históricos. Um abrigo subterrâneo deve ser entendido como um complexo de túneis e câmaras interconectados, desenvolvendo-se em vários "andares", com várias entradas e saídas para a superfície. Os túneis sobem e descem dentro da montanha. Os túneis individuais podem atingir 100 metros de comprimento e o abrigo, como um todo, tem um raio de pelo menos 100 metros. Quando uma escavação expõe restos de um abrigo subterrâneo, alguns dos túneis são encontrados abertos (e chamados de paleotocas) enquanto a maioria dos túneis é encontrada preenchida por areias e argilas que foram lavadas para dentro pelas águas da chuva (e que serão chamadas de crotovinas).

Os abrigos, pelos dados disponíveis no momento, são formados por túneis com pelo menos três tamanhos. A definição de "tamanho" de um túnel só pode ser feita com segurança se o túnel apresenta paredes originais, sem erosões, desabamentos, etc. Os túneis mais impressionantes tem ao redor de quatro metros de largura e dois metros de altura, como algumas das paleotocas de Santa Catarina. A grande maioria dos túneis possui em torno de um metro e trinta centimetros de diâmetro. Alguns túneis apresentam um terceiro tamanho, de apenas 80 centímetros. Somando os comprimentos individuais dos túneis que compõe um abrigo subterrâneo se chega facilmente a 100 ou 200 metros.

Em muitos casos as paleotocas apresentam o fundo erodido e o teto colapsado. Nestes casos, podem ter 2, 3 ou quase 4 metros de altura, como a Paleotoca da Estação Amaral Ribeiro (Sapiranga) e a Paleotoca de Agudo. Originalmente, os diâmetros destas tocas eram muito menores, algo em torno de 1 metro e meio.

Quanto ao comprimento, temos encontrado paleotocas com mais de 40 metros de comprimento, como a Paleotoca do Arroio da Bica (Nova Hartz). Há paleotocas de 2 metros de comprimento, 10, 20 ou 35 metros, mas sempre são restos de túneis, os túneis originais provavelmente chegaram a 100 metros de comprimento.




Voltar à Página Principal