EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL I

Nível: Mestrado Acadêmico

Carga Horária: 30     Créditos: 2

Professor: Michele Drehmer

Ementa: definição e aplicações da epidemiologia nutricional. Utilização dos métodos epidemiológicos para investigação do papel da alimentação e nutrição nos processos de saúde e doença. Métodos empregados em epidemiologia nutricional para investigação do estado nutricional de grupos populacionais. Antropometria: padronização e erro técnico da medida. Diagnóstico nutricional em populações. Indicadores aplicados aos distúrbios nutricionais específicos. Metodologias de estudos de composição corporal em populações. Validade e confiabilidade dos métodos. Monitorização e vigilância nutricional. 

Conteúdo Programático:

  • Conceitos básicos de epidemiologia nutricional e investigação do papel da alimentação e nutrição nos processos de saúde e doença.
  • Avaliação nutricional em estudos epidemiológicos.
  • Antropometria, padronização e erro técnico de medidas.
  • Diagnóstico nutricional em populações: interpretação dos indicadores e uso de curvas de referência de medidas antropométricas.
  • Composição corporal em populações.
  • Validade e confiabilidade dos métodos.
  • Monitorização e vigilância nutricional. 

Metodologia de trabalho: aula magistral. Leitura crítica e participação em aula.

Avaliação: avaliação individual final.

Bibliografia:

  • Willett W. Nutritional Epidemiology 3rd edition. Oxford University Press, New York, 2013.
  • Kac G. Epidemiologia Nutricional. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/Editora Atheneu; 2007. 580 pp.
  • Willett W. Epidemiologia Nutricional. In: Rothman KJ, Greenland S, Lash TL. Epidemiologia Moderna. 3a edição, Porto Alegre, Artmed, 2008.
  • BagniI UV; BarrosII DC. Capacitação em antropometria como base para o fortalecimento do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional no Brasil. Rev. Nutr. vol.25 no.3 Campinas May/June 2012.
  • Addo, O. Y., and J. H. Himes. 2010. Reference curves for triceps and subscapular skinfold thicknesses in US children and adolescents. American Journal of Clinical Nutrition 91(3):635-642.
  • Bassali, R., J. L. Waller, B. Gower, J. Allison, and C. L. Davis. 2010. Utility of waist circumference percentile for risk evaluation in obese children. International Journal of Pediatric Obesity 5(1):97-101.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde : Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. 76 p.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012.      272 p.
  • Cameron N, The measurements of Human growth. Croom Helm. London, 1984.
  • Castro V et al. Variabilidade na aferição de medidas antropométricas: comparação de dois métodos estatísticos para avaliar a calibração de entrevistadores. Rev Bras Epidemiol 2008; 11(2): 278-86.
  • Cole, T. J., M. C. Bellizzi, K. M. Flegal, and W. H. Dietz. 2000. Establishing a standard definition for child overweight and obesity worldwide: International survey. British Medical Journal 320(7244):1240-1243.
  • De Onis M1, Onyango A, Borghi E, Siyam A, Blössner M, Lutter C; WHO Multicentre  Growth Reference Study Group. Worldwide implementation of the WHO Child Growth Standards. Public Health Nutr. 2012 Sep;15(9):1603-10.
  • De Onis. Defining obesity risk status in the general childhood population: Which cut-offs should we use? International Journal of Pediatric Obesity, 2010; Early Online, 1–3.
  • De Onis. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescentes. Bulletin of the World Health Organization 2007;85:660–667.
  • Flegal KM. Childhood Obesity: Are We All Speaking the Same Language? American Society for Nutrition. Adv. Nutr. 2: 159S–166S, 2011.
  • Gomes FS. Antropometria como ferramenta de avaliação do estado nutricional coletivo de adolescentes. Rev. Nutr., Campinas, 23(4):591-605, jul./ago., 2010.
  • Guo, S. S., W. Wu, W. C. Chumlea, and A. F. Roche. 2002. Predicting overweight and obesity in adulthood from body mass index values in childhood and adolescence. American Journal of Clinical Nutrition 76(3):653-658.
  • Kac G, Sichieri R, Gigante DP (orgs). Epidemiologia Nutricional. Fiocruz/Atheneu: Rio de Janeiro, 2007.
  • Lohman TG, Roche AF, Martorell. Anthropometric Standardization Reference Manual.  Human Kinetics. Illinois, 1988.
  • Reilly, J. J., A. R. Dorosty, N. M. Ghomizadeh, A. Sherriff, J. C. Wells, and A. R. Ness. 2010. Comparison of waist circumference percentiles versus body mass index percentiles for diagnosis of obesity in a large cohort of children. International Journal of Pediatric Obesity 5(2):151-156.
  • Schlickmann F. et al. Padronização e confiabilidade das medidas antropométricas para pesquisa populacional / Standardization and reliability of anthropometric measurements for population surveys.Arch. latinoam. nutr; 57(4):335-342, dic. 2007.
  • WHO. Waist Circumference and Waist-Hip Ratio Report of a WHO Expert Consultation GENEVA, 8–11 DECEMBER 2008.
  • World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic.  Report of a WHO Consultation. Geneva: WHO; 2000. WHO Technical Report Series, 894.