Inserção Social

O PPGE3M tem forte interação com o setor industrial e de serviços, preocupado não só com a formação de recursos humanos qualificados, mas no desenvolvimento científico e tecnológico que permita a produção de bens e serviços de maior valor agregado, consonante com a competitividade exigida pela globalização da atividade econômica e com a sustentabilidade ambiental. Neste contexto, o PPGE3M tem destacável participação em um grande número de projetos demandados pelos Fundos Setoriais, em especial CT-PETRO (Redegasenergia) e CT-ENERG (Aneel). Porém, pode-se ainda enfatizar exemplos pontuais da inserção social das atividades desenvolvidas no PPGE3M, nas áreas de materiais para aplicações em saúde pública e meio-ambiente:

MATERIAS PARA APLICAÇÕES SAÚDE PÚBLICA: A atuação do Laboratório de BioMateriais (LABIOMAT), coordenado pelo Prof. Luís Alberto dos Santos, reportada na imprensa regional: i) UFRGS faz prótese de mandíbula que traz conforto (Zero Hora, Porto Alegre - RS, p. 30, 11 out. 2005); ii) Material inédito é usado com sucesso em prótese de mandíbula (Jornal do Comércio, Porto Alegre, p. 25, 06 out. 2005) e iii) UFRGS desenvolve prótese inédita e mais barata. Jornal da Universidade, Porto Alegre, p. 11, out. 2005. Outro exemplo, na mesma área, é o projeto patrocinado pela ANVISA, coordenado pelo prof. Telmo Strohaecker. O PPGE3M estabeleceu, em 2006, um convênio de cooperação com o Grupo Hospitalar Conceição de Porto Alegre, vinculado ao Ministério da Saúde. Nesse convênio implantes removidos de pacientes são analisados em laboratório visando avaliar se atendem requisitos exigidos em normas técnicas específicas. Adicionalmente, amostras de implantes novos são enviadas para serem analisados, se antecipando a problemas associados à má qualidade de implantes. Esse tipo de cooperação, com apoio da ANVISA e do Ministério da Saúde, será levado a outros hospitais no país, passando a ser uma ferramenta importante de apoio as ações de fiscalização e de controle da ANVISA. A ênfase é na análise de placas, hastes de fêmur, joelhos e implantes de coluna.

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: A inserção social do PPGE3M está relacionada também à sustentabilidade ambiental das atividades industriais. Vários grupos de pesquisa trabalham na redução da geração de resíduos (Tecnologias Limpas) e na reciclagem de materiais descartados após uso. A questão da água industrial é tema de pesquisa (cuja excelência tem sido reconhecida por premiações). Pode-se destacar também o projeto Controle da Poluição pela Drenagem Ácida de Minas", tanto no Rio Grande do Sul (região do baixo Jacuí) como em Santa Catarina (região Carbonífera de Criciúma). A relevância do tema está no fato de que a região carbonífera de Criciúma é considerada uma das 14 áreas mais poluídas do Brasil. O problema da poluição ambiental afeta o meio urbano e rural em larga escala. Os principais problemas decorrem pela contaminação dos recursos hídricos pela drenagem ácida de minas, que afeta atividades pastoris, agrícolas e industriais; com impacto marcante na economia da região. O grupo de trabalho do Prof. Ivo Schneider (Laboratório de Estudos Ambientais para Metalurgia) está abordando o tema sob vários aspectos, tais como: desenvolvimento de tecnologias para evitar a geração de drenagem ácida de minas, desenvolvimento de tecnologias para tratar a drenagem ácida de minas, formação de recursos humanos especializados para lidar com o problema. Conta com apoio financeiro de: Sindicato da Indústria da Extração de Carvão do Estado de Santa Catarina, Carbonífera Criciúma, Copelmi Mineração, Empresas Rio Deserto, Fapergs, CNPq.

Na mesma área e com foco bem preciso na questão sustentabilidade ambiental e inserção social está o projeto em andamento ECODESIGN E SELEÇÃO DE MATERIAIS NA INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES DE MATERIAIS, iniciado em 2005 e coordenado pelo Prof. Wilson Kindlein Jr., cujo objetivo principal contribuir para a inclusão social dos catadores de materiais reciclados, promovendo de forma adequada um sistema de identificação dos materiais oriundos da coleta dos resíduos descartados pela comunidade e distribuídas pelos centros de triagem. Prevê o desenvolvimento de metodologias de projeto baseadas nos fundamentos do Ecodesign como fator diferencial competitivo na geração de renda e de inclusão destes trabalhadores na sociedade; Designers e indústrias conscientes da produção de resíduos tornar-se-ão mais sinérgicos e se movimentarão mais facilmente na direção da sustentabilidade econômica e ambiental.

Busca

Topo