Você está aqui: Página Inicial A PROGESP Manual do Servidor Manual Adicional por Tempo de Serviço Adicional por Tempo de Serviço

Adicional por Tempo de Serviço

PROCESSO PELO SEI (Sistema Eletrônico de Informações)

Em 04/04/2016 entrou em funcionamento o Sistema Eletrônico de Informações (SEI), para processamento eletrônico de diversos processos, entre eles o de Adicional por tempo de serviço.

A solicitação deverá ser encaminhada somente por meio eletrônico, através do SEI (SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES), com acesso através do link https://sei.ufrgs.br/sei/.

Para informações sobre a utilização do SEI (SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES), entrar em contato com a Divisão de Protocolo Geral através do ramal 3088 (fone 3308-3088).

 

Adicional por Tempo de Serviço

Definição:


Benefício pago sobre o vencimento básico, correspondente a 1% (um por cento) do seu valor por ano de efetivo exercício no serviço público federal até 08/03/1999, para os servidores estatutários, ou a 5% (cinco por cento) a cada qüinqüênio de efetivo exercício no serviço público federal para os servidores celetistas.

Esclarecimentos:

O artigo 67 da Lei nº 8.112/90, em seu texto original, previa:

“Art. 67. O adicional por tempo de serviço é devido à razão de 1% (um por cento) por ano de serviço público efetivo, incidente sobre o vencimento de que trata o art. 40.

Parágrafo único. O servidor fará jus ao adicional a partir do mês em que completar o anuênio.”

A Medida Provisória nº1.480-19, DOU de 05/07/1996 e suas reedições, transformada na Lei nº9.527, DOU de 11/12/1997, alterou sua redação, em seu Art. 1º:

“Art. 1º Os arts. 9º, 10, 11, 13, 15, 17, 18, 19, 20, 24, 31, 35, 36, 37, 38, 44, 46, 47, 53, 58, 61, 62, 67, 80, 81, 83, 84, 86, 87, 91, 92, 93, 95, 98, 102, 103, 117, 118, 119, 120, 128, 129, 133, 140, 143, 149, 164, 167, 169, 186, 203, 230 e 243 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, passam a vigorar com as seguintes alterações:

‘Art. 67. O adicional por tempo de serviço é devido à razão de cinco por cento a cada cinco anos de serviço público efetivo prestado à União, às autarquias e às fundações públicas federais, observado o limite máximo de 35% incidente exclusivamente sobre o vencimento básico do cargo efetivo, ainda que investido o servidor em função ou cargo de confiança.

Parágrafo único. O servidor fará jus ao adicional a partir do mês em que completar o quinqüênio.”

O Art. 6º, da Lei nº 9.624, DOU de 08/04/1998, regulamentou:

“Art. 6º Fica resguardado o direito à percepção do anuênio aos servidores que, em 5 de julho de 1996, já o tiverem adquirido, bem como o cômputo do tempo de serviço residual para concessão do adicional de que trata o art. 67 da Lei nº 8.112, de 1990.”

A Medida Provisória nº 1815 de 05 de março de 1999 e publicada no D.O.U. de 08 de março de 1999, extinguiu a referida vantagem, sendo reeditada através da Medida Provisória nº 2.088-40, de 24/05/2001 (D.O.U. de 25/05/2001), dispondo em seu artigo 7º:

“Art. 7º Revogam-se:

I - .........................................................................................;

II - o inciso III do art. 61 e o art. 67 da Lei nº 8.112, de 1990, respeitadas as situações constituídas até 8 de março de 1999.”

Este texto foi mantido pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 04 de setembro de 2001 e publicada no D.O.U. de 05 de setembro de 2001, alterado apenas para o Art 15 daquela MP.

 

Assim, o período a ser considerado para pagamento do adicional por tempo de serviço sob a forma de anuênios encerrou-se efetivamente em 08 de março de 1999, o que gerou pagamento de passivo referente ao período entre 05 de julho de 1996 e 08 de março de 1999, conforme Ofício-Circular nº 36/SRH/MP e Portaria Conjunta nº 1, de 05 de dezembro de 2000.

Aos servidores regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - C.L.T. (celetistas), entretanto, aplica-se o disposto no artigo 35 do Decreto nº 94.664, de 23/07/1987, publicado no D.O.U. de 24/07/1987:

“Art. 35. Após cada cinco anos de efetivo exercício, o servidor fará jus à gratificação adicional por tempo de serviço correspondente a 5% do vencimento ou salário do respectivo emprego ou cargo de carreira, até o máximo de 35%.

Parágrafo único. Para efeito do disposto neste artigo, a apuração do tempo de serviço far-se-á a partir da data do ingresso inicial em qualquer IFE ou no Serviço Público Federal.”

Logo, como os servidores celetistas encontram-se ainda abrangidos pelo Decreto 94.664/87, fazem jus a alteração do valor de seu adicional a cada cinco anos de efetivo exercício.

Caso o percentual constante no comprovante de pagamento (contra-cheque) do servidor, no campo “T.S. (%)”, seja diferente do correspondente aos anuênios devidos até 08/03/1999 aos estatutários, ou aos qüinqüênios atualmente devidos aos celetistas, deverá ser protocolado requerimento de revisão à PRORH, com o devido encaminhamento da chefia imediata, juntando-se cópia do último comprovante de pagamento (contra-cheque).

NOTA: deverá ser observado todo o tempo de serviço público federal para verificação dos anuênios devidos até 08/03/1999, tendo em vista a resolução nº 35, de 1999, do Senado Federal, publicada no D.O.U. de 03/09/1999.


FLUXO:

Passo Setor Procedimento
1 ORIGEM Junta requerimento de revisão
2 PROTOCOLO Abre processo
3 DAF Analisa o processo: se correto encaminha; se não, devolve à origem
4 Pró-Reitor Autoriza a correção
5 DPR Altera percentual do adicional por tempo de serviço no SIAPE
6 DCR Atualiza o registro funcional
7 ORIGEM Toma ciência
8 ARQUIVO Arquiva o processo
FORMULÁRIO:   (   )   SIM   ( X )   NÃO PROCESSO:   ( X )   SIM   (   )   NÃO
Sobre o site | Diretivas de conteúdo | Intranet | Administração do site

Av. Paulo Gama, 110 - Reitoria - 4º andar - Campus Central - Porto Alegre/RS - CEP: 90046-900 - Fone: (51) 3308.3003
© 2010 PROGESP/UFRGS - Todos os direitos reservados.