Você está aqui: Página Inicial A PROGESP Manual do Servidor Manual Exoneração de cargo efetivo Exoneração de cargo efetivo

Exoneração de cargo efetivo

Exoneração de Cargo Efetivo

Definição:

Forma de vacância de cargo público efetivo, formalizada mediante publicação de portaria no diário Oficial da União, a pedido ou de ofício, sem caracterização de natureza disciplinar.


Documentação Necessária para instruir o processo:

  1. Para exoneração a pedido:  Requerimento e demais instruções disponíveis no Sistema Eletrônico de Informações - SEI/UFRGS
  2. Para exoneração de ofício:
    1. Relatório de avaliação de desempenho em estágio probatório;
    2. Comunicação de que o servidor não entrou em exercício no prazo legal;
    3. Declaração de bens e valores atualizada (para a hipótese de exoneração por reprovação no estágio probatório);
    4. Cópias da Identidade(RG) e CPF (para a hipótese de exoneração por reprovação no estágio probatório).

 

Informações Gerais:

  1. Exoneração a pedido: é a manifestação unilateral e expressa de vontade do servidor em deixar de ocupar o cargo na instituição.
  2. Exoneração de ofício: dá-se em duas situações:
    • quando o servidor não é aprovado no estágio probatório, e não possui caráter punitivo.
    • quando o servidor for empossado no cargo, e não entrar em exercício no prazo estabelecido na lei (não possui caráter punitivo).
  3. O servidor exonerado terá direito à:
    1. gratificação natalina proporcional aos meses de exercício no ano civil, calculada com base na remuneração do cargo no mês de exoneração (a fração igual ou superior a 15 dias será considerada como mês integral);
    2. indenização relativa ao período de férias a que tiver direito e ao incompleto (base ano civil), na proporção de 1/12 (um doze avos) por mês de efetivo exercício ou fração superior a 14 (quatorze) dias, calculada com base na remuneração do cargo no mês em que for publicado o ato exoneratório.
  4. Ao servidor beneficiado com afastamento para estudo ou missão no exterior não será concedida exoneração antes de decorrido período igual ao do afastamento, ressalvada a hipótese de ressarcimento da despesa havida durante esse período.
  5. O servidor que responde a processo disciplinar só poderá ser exonerado a pedido após a conclusão do processo e o cumprimento da penalidade, acaso aplicada.

 

Previsão Legal:

Artigos 20, parágrafo 2º, 34, 65, 95, parágrafo 2º, 172 da Lei nº 8.112, de 11/12/90, com a redação alterada pela Lei nº 9.527, de 10/12/97.


FLUXO EXONERAÇÃO A PEDIDO:

Passo Setor Procedimento
1 ORIGEM Servidor abre processo no SEI
2 SEI Abertura processo eletrônico
3 DAF Analisa o pedido, se correto, encaminha
4 DPR Cancelar pagamento
5 NAD Verifica se responde inquérito administrativo
6
7
8
9
DSSU
DIMA
EDUFRGS
DCF
Verifica se o servidor percebe contrapartida plano saúde
Toma ciência do pedido
Verifica se o servidor percebe incentivo educacional
Verifica débitos
10 DAF Faz portaria
11 PROGESP Assina portaria de técnico
12 GABINETE REITOR Assina portaria de Professor
13 SDE Data e numera a portaria

14 DAF Publica a portaria e verifica parcelas rescisórias, SISAC 
15 DPR Providencia pagamento de rescisórias
16 DCR Registra na pasta funcional
17 ORIGEM Toma conhecimento e conclui processo



FORMULÁRIO:   (X )   SIM   (  )   NÃO  PROCESSO:   ( X )   SIM   (   )   NÃO
Sobre o site | Diretivas de conteúdo | Intranet | Administração do site

Av. Paulo Gama, 110 - Reitoria - 4º andar - Campus Central - Porto Alegre/RS - CEP: 90046-900 - Fone: (51) 3308.3003
© 2010 PROGESP/UFRGS - Todos os direitos reservados.