Panorama CulturalLeituras OrientadasEstudos Literários

Sobre o SiteProcurarFale ConoscoDownloadCD-ROM do Site

 
Gonçalves Dias Canção do Tamoio

 

V

E pois que és meu filho,

Meus brios reveste;

Tamoio nasceste,

Valente serás.

Sê duro guerreiro,

Robusto, fragueiro,

Brasão dos tamoios

Na guerra e na paz.

 

VI

Teu grito de guerra

Retumbe aos ouvidos

D'imigos transidos

Por vil comoção;

E tremam d'ouví-lo

Pior que o sibilo

Das setas ligeiras,

Pior que o trovão.

 

VII

E a mãe nestas tabas,

Querendo calados

Os filhos criados

Na lei do terror;

Teu nome lhes diga,

Que a gente inimiga

Talvez não escute

Sem pranto, sem dor!

 

VIII

Porém se a fortuna,

Traindo teus passos,

Te arroja nos laços

Do inimigo falaz!

Na última hora

Teus feitos memora,

Tranqüilo nos gestos,

Impávido, audaz.

Página anterior - 6 - - 7 - Próxima página