Perguntas Frequentes

Ciência na Sociedade Ciência na Escola

O Programa atende todas as Áreas do Conhecimento com ações desenvolvidas, em desenvolvimento e/ou a serem desenvolvidas na popularização e/ou difusão do conhecimento científico.

Para a solicitação de quota o cadastramento no Sistema Pesquisa não é obrigatório.

O pesquisador deverá solicitar uma cota por projeto inscrito limitando-se a uma quota BIENC e uma BIPOP.

Serão verificados os arquivos recebidos e o retorno se dará em resposta ao e-mail encaminhado.

Será informado por e-mail que a inscrição não será aceita. Estando dendo do prazo o pesquisador poderá corrigir e reapresentar a inscrição.

A maioria dos editores de texto (Word, Libre Office etc.) possuem a opção de salvar o arquivo diretamente como PDF em Arquivo> Salvar como e selecione em o formato PDF.

O cadastramento na Plataforma Lattes deve ser realizado no site.

A bolsa será definida, primeiramente, pelo pesquisador no formulário e após analisada, no mérito, pela Comissão Assessora.

O Programa prevê a indicação do(s) estudante(s) bolsista (s) no formulário. Caso não possa ser indicado na inscrição o pesquisador terá 30 dias para fazê-lo.

Sim, a PROPESQ dará orientações sobre o termo na divulgação dos resultados.

Não. Conforme normativa do Programa o aluno não poderá estar vinculado à outra bolsa remunerada ou não, quando da assinatura do Termo de Compromisso.


CT-Infra

CT-INFRA - Fundo Setorial de Infraestrutura Os Fundos Setoriais de Ciência e Tecnologia, criados a partir de 1999, são instrumentos de financiamento de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação no País. Há 16 Fundos Setoriais, sendo 14 relativos a setores específicos e dois transversais. Destes, um é destinado a apoiar a melhoria da infraestrutura de Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs), o CT-INRA.

O objetivo do Fundo de Infraestrutura (CT-INFRA) é financiar projetos de implantação e recuperação da infraestrutura de pesquisa em ICTs.

Foi criado para viabilizar a modernização e ampliação da infraestrutura e dos serviços de apoio à pesquisa desenvolvida em instituições públicas de ensino superior (IES) e de pesquisas brasileiras, por meio de criação e reforma de laboratórios e compra de equipamentos, por exemplo, entre outras ações.

Executores: Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

As instituições passíveis de utilização de recursos do Fundo de Infraestrutura - CTINFRA são as seguintes:

  • Instituições públicas de ensino superior e pesquisa e instituições públicas de pesquisa, que poderão ser representadas por Fundações de Apoio criadas para tal fim ou por entidades sem fins lucrativos que tenham por objetivo (regimental ou estatutariamente) a pesquisa, o ensino ou o desenvolvimento institucional, científico e tecnológico;
  • Instituições qualificadas como Organizações Sociais cujas atividades sejam dirigidas à pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico (de acordo com a Lei nº 9.637, de 15 de maio de 1998) e que tenham firmado Contrato de Gestão com o Ministério da Ciência e Tecnologia ou com o Ministério da Educação.

A participação se dá por meio da submissão de propostas de apoio financeiro, por ocasião do lançamento dos instrumentos de convocação. A convocação de propostas poderá ser feita de três maneiras distintas, dependendo do tipo de demanda em questão e das diretrizes e orientações dos Comitês Gestores: por meio de Edital Público, Carta-Convite ou Encomenda.

Lei nº 10.197, de 14 de fevereiro de 2001 Acresce dispositivos ao Decreto-Lei nº 719 (criação do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT), de 31 de julho de 1969, para dispor sobre o financiamento a projetos de implantação e recuperação de infraestrutura de pesquisa nas instituições públicas de ensino superior e de pesquisa, e dá outras providências.

Decreto nº 3.807, de 26 de abril de 2001 Regulamenta a Lei nº 10.197, de 14 de fevereiro de 2001, que acresce dispositivos ao Decreto-Lei nº 719, de 31 de julho de 1969, para dispor sobre o financiamento a projetos de implantação e recuperação de infraestrutura de pesquisa nas instituições públicas de ensino superior e de pesquisa, e dá outras providências.

Portaria Interministerial MCT/MEC nº 509, de 24 de agosto de 2000 Nomeia membros para compor o Comitê Gestor do CT-INFRA.

Fonte de Financiamento: 20% dos recursos destinados a cada Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT.

O recurso total disponibilizado varia. Na última chamada de 2014, o valor total disponibilizado para todo Brasil foi de R$ 400.000.000 (quatrocentos milhões de reais) originários do FNDCT/CT-INFRA, dos quais a UFRGS poderia se qualificar para pedir R$ 15.000.000 (quinze milhões de reais).

Após a divulgação da Chamada Pública pela FINEP, a Secretaria do Projeto CT-INFRA prepara uma Chamada Interna convocando pesquisadores a apresentarem pré-propostas e estabelecendo o cronograma para a elaboração da Proposta Institucional da UFRGS. Esta Chamada Interna é divulgada para os diretores de unidade e pesquisadores através da Lista de E-mail dos Pesquisadores e através do site.

A proposta a ser enviada à FINEP, também conhecida como Proposta Institucional da UFRGS, poderá ser desmembrada em subprojetos, observando-se a relação entre o número de pesquisadores doutores do quadro de pessoal permanente da instituição executora e o número máximo de subprojetos.

Na Chamada Pública MCTI/FINEP/CT-INFRA - PROINFRA de 2014 o número máximo de subprojetos a ser dividido o Projeto Institucional da UFRGS foi 10 (dez).

As pré-propostas inicialmente enviadas pelas direções em resposta ao Edital Interno da UFRGS, se aprovadas pela Comissão Avaliadora nas reuniões de seleção, serão distribuídas entre os subprojetos, sendo 1 (um) subprojeto para MANUTENÇÃO de infraestrutura multiusuária e os outros para INVESTIMENTOS em infraestrutura multiusuária.

No último edital, CT-14, foi estabelecido o limite mínimo de R$ 300.000,00 (trezentos mil reais) e máximo de R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais) para cada subprojeto. Subprojetos com valores inferiores deverão ser, na medida do possível, agregados a outros semelhantes.

As Reuniões de Preleção dos Pré-projetos são realizadas para selecionar as pré-propostas dos subprojetos a serem inseridos na Proposta Institucional da Universidade. Caso a soma das pré-propostas recebidas ultrapasse o valor máximo estipulado, serão feitas reuniões para deliberação de quais itens ou subprojetos serão preteridos.

Os argumentos expostos nessas reuniões deverão ser considerados na decisão pela aprovação ou não das pré-propostas, bem como as necessidades de cada unidade. Contudo, em última instância, quem definirá os subprojetos a serem incluídos na proposta institucional será o Coordenador Geral do Projeto.

As despesas apoiadas pelo CT-INFRA 2014 UFRGS foram:

Despesas correntes:

  • Despesas acessórias de importação;
  • Serviços de terceiros (pessoa jurídica) - desde que diretamente relacionados com a manutenção dos equipamentos a serem adquiridos no projeto e dos já existentes;

Despesas de capital:

  • Equipamentos de médio e grande porte multiusuários (acima de R$ 100 mil), podendo ser nacionais ou importados;

A busca por cotações dos equipamentos e serviços é atribuição dos pesquisadores responsáveis pela aquisição de cada item, pois eles detêm o conhecimento técnico de como o equipamento será utilizado.

O Resultado Preliminar da seleção de pré-propostas e a apresentação preliminar da Proposta Institucional da UFRGS são divulgados após a fase de reuniões de seleção. É estipulado um período para a interposição de recursos sobre o resultado da decisão da Comissão Organizadora de aproximadamente 10 dias. Todos os resultados são divulgados pelo site.

A data de publicação do resultado preliminar é informada na chamada pública. Depois que o resultado preliminar é publicado no site da FINEP, esse é repassado aos pesquisadores participantes através de um e-mail enviado para cada professor informando o resultado, também publicado no site do CT-INFRA, e a possibilidade de recurso. Neste resultado os subprojetos podem ser contemplados integralmente ou parcialmente, ou ainda ser integralmente negados. Caso a proposta não tenha sido integralmente contemplada será possível entrar com recurso. Qualquer das partes interessadas poderá tomar essa iniciativa (pesquisadores, coordenadores de subprojetos, diretores de unidades ou coordenador geral do projeto).

Depende exclusivamente da FINEP. Assim que os recursos forem liberados pela Financiadora, todos os responsáveis serão informados para dar início à execução dos projetos.

Licitação é um procedimento administrativo formal para aquisição de bens e serviços. Os seguintes documentos são necessários:

  • Termo de referência;
  • Tabela de pesquisa de preços;
  • Três orçamentos de empresas diferentes, dentro da validade, assinados com nome, cargo e assinatura original do representante de cada empresa.
A aquisição por Dispensa de Licitação é destinada a apenas equipamentos nacionais ou importados cuja finalidade seja voltada exclusivamente para pesquisa. Nesse processo de aquisição, o responsável deve apresentar os seguintes documentos:
  • Formulário de aquisição por dispensa de licitação;
  • Tabela de pesquisa de preços;
  •  Orçamentos:
    • Preferencialmente, três orçamentos (ou proformas) de empresas diferentes, dentro da validade, assinados com nome, cargo e assinatura original do representante de cada empresa;
    • Alternativamente, três notas fiscais de empresas diferentes, de fornecimentos equivalentes, assinadas com nome, cargo e assinatura original do representante de cada empresa;
    •  Em última instância, é tolerada uma negativa formal explicando a impossibilidade dos anteriores.
Observação: Serviços de Pessoa Jurídica (ex. manutenção de equipamentos) não podem ser dispensados.

A aquisição por Inexigibilidade de Licitação, também conhecida como Inexigibilidade de Licitação por Inviabilidade de Competição é destinada para equipamentos e serviços, nacionais ou importados, que sejam ofertados por fornecedor exclusivo. Nesse processo de aquisição, o responsável deve apresentar os seguintes documentos:

  • Formulário de aquisição por inexigibilidade de licitação;
  • Um único orçamento (ou proforma) do fornecedor exclusivo, dentro da validade, assinados com nome, cargo e assinatura original do representante da empresa;
  • Três notas fiscais do fornecedor exclusivo, de fornecimentos equivalentes, assinadas com nome, cargo e assinatura original do representante de cada empresa;
  • Atestado de exclusividade (original ou cópia autenticada), assinado, dentro da validade, emitido por instituição que abranja o Estado do Rio Grande do Sul ou o Brasil.

Uma carta de exclusividade (declaração de exclusividade, atestado de exclusividade, atestado de fornecedor exclusivo) atesta que somente uma determinada empresa fornece um serviço ou produto. É necessário que o documento seja de um órgão de registro comercial do LOCAL onde se realizará a compra. Entende-se como LOCAL: Porto Alegre, RS, Brasil. Dessa forma, se a empresa for de fora do RS (como geralmente é) precisamos necessariamente de uma carta de exclusividade NACIONAL. Não será aceita uma carta de exclusividade do estado de SP, por exemplo. Tampouco esta carta pode ser emitida pela própria empresa.


Comissão de Ética no Uso de Animais

A resposta à diligência no sistema UFRGS pode ser realizada seguindo as etapas abaixo:
  1. Responder às questões do relator e inserir as modificações no projeto de pesquisa (destacar as modificações realizadas no projeto;
  2.  Acessar o projeto de pesquisa no sistema UFRGS, a fim de realizar a substituição do arquivo “projeto de pesquisa”, seguindo as etapas abaixo:
  • No portal de serviços da UFRGS, clicar em Pesquisa
  • Clicar em Pesquisador
  • À esquerda existe uma ABA Projetos de Pesquisa, clicar
  • Selecionar projetos em análise
  • Identificar o projeto em diligência
  • Clicar em Editar
  • Já no projeto de pesquisa, clicar em Anexos, e substituir o arquivo do projeto de pesquisa com as alterações solicitadas pela CEUA
  • Clicar em Retornar
  • Visualizar novamente o projeto de pesquisa em diligência
  • Clicar na ABA Avaliações
  • Escrever ou colar a carta resposta à diligência no campo Comentários
  • Clicar em Enviar
  1. Acessar o portal do servidor da UFRGS (somente o orientador do projeto tem acesso);
  2. Clicar em PESQUISA à PESQUISADOR à PROJETOS DE PESQUISA (do lado esquerdo, em azul);
  3. Selecionar “Projetos atuais - pesquisa aprovada”;
  4. Clicar no botão “Localizar projetos – Coordenação”;
  5. Na tela estarão todos os projetos atuais aprovados na CEUA;
  6. Selecionar o projeto desejado clicando no botão “Visualizar”;
  7. Os dados do projeto estarão em tela;
  8. Em “Avaliações”, a carta de aprovação estará disponível para acesso e impressão.

Iniciação Científica

Estão habilitados a solicitar quotas de bolsas de Iniciação Científica todos os docentes do quadro permanente da UFRGS ou Docentes Convidados – no caso de professores aposentados – com titulação mínima de doutor ou perfil equivalente.

O pesquisador poderá solicitar: até 02 (duas) quotas de bolsa de Iniciação Científica nos programas BIC UFRGS; PIBIC CNPq UFRGS; e PROBIC FAPERGS UFRGS; até 01 (uma) quota de bolsa de Iniciação Científica no programa PIBIC-AF CNPq UFRGS; até 01(uma) quota de bolsa no programa BIC MULTIDISCIPLINAR

Não existe renovação de bolsas. O orientador deve solicitar novas cotas e, se vier a ser contemplado, pode indicar o mesmo bolsista.

Sim, o pesquisador poderá solicitar quotas de bolsas de Iniciação Científica para projetos de pesquisa diferentes ou para o mesmo projeto de pesquisa. No entanto, os planos de atividade não poderão ser iguais. Deve ser elaborado um plano de atividade diferente para cada solicitação a ser enviada.

Antes de iniciar o preenchimento do formulário eletrônico de Solicitação de Bolsa, é necessário: Verificar, no Portal do Servidor, (em , , ), se o Projeto de Pesquisa a ser submetido ao processo de seleção está cadastrado no Sistema Pesquisa da UFRGS; se o tempo de vigência do Projeto de Pesquisa é igual ou superior ao período de vigência da quota de bolsa; se possui arquivo do tipo Projeto Completo anexado; se foi aprovado pela Comissão de Pesquisa da Unidade ou, quando necessário, pelos respectivos Comitês de Ética da Universidade; Dispor de arquivo, em formato PDF, contendo o plano de atividades do bolsista que ocupará a quota; No caso de renovação de quota, dispor do relatório de atividades elaborado pelo último bolsista a ocupar a quota, em formato PDF; Os formulários de solicitação de bolsa estarão disponíveis no Portal do Servidor (, , , ) no período. A solicitação poderá ser alterada durante todo o período de inscrição.

Não. A PROPESQ não exige um modelo específico para o plano de atividades do bolsista, apenas solicita-se que seja em formato PDF.

A PROPESQ não exige um modelo específico para o relatório de atividades do bolsista. O estudante poderá consultar as orientações contidas nas apresentações dos Seminários Temáticos sobre Como Elaborar um Relatório Científico oferecidos pela PROPESQ. As apresentações estão disponíveis na página da PROPESQ, em , , .

O projeto de pesquisa pode ser cadastrado, visualizado e/ou atualizado pelo seu coordenador por meio do Portal do Servidor .

O formulário exibe uma relação com todos os projetos de pesquisa em que o pesquisador participa, possibilitando EDITAR aqueles nos quais é coordenador. No caso de ser PARTICIPANTE de projeto de pesquisa, não haverá possibilidade de atualização dos dados do projeto, devendo isto ser feito apenas pelo coordenador do projeto de pesquisa. São informações obrigatórias do projeto a ser submetido ao processo de seleção dos Programas de Bolsas de Iniciação Científica: Título; Objetivo; Data de início; Data de previsão de conclusão; Unidade de origem; Área de conhecimento; Palavra(s) Chave(s) – No mínimo 1 e no máximo 6 palavras chaves; Anexo: Projeto Completo. É recomendável informar também: Equipe/participantes internos e externos; Apoio externo (agências de fomento e/ou outras instituições). No caso da participação do solicitante não estar registrado no Projeto de Pesquisa, poderá solicitar ao coordenador que faça a sua inclusão na relação de participantes do projeto.

É um documento no formato PDF contendo as informações essenciais para análise do projeto de pesquisa: título, autores, introdução, objetivos, metodologia (materiais e métodos), referências bibliográficas e cronograma de execução.

Acessando . Procedimentos: 1º) Seleção do botão Editar associado ao projeto; 2º) Seleção do botão Incluir Anexo na aba Anexos; 3º) Seleção do botão Selecionar associado ao Projeto Completo; 4º) Localização do arquivo PDF no seu computador através do botão Procurar ou, dependendo do navegador, Arquivo; 5º) Seleção do botão Enviar.

O projeto de pesquisa deve ser encaminhado eletronicamente pelo seu coordenador para avaliação através do Portal do Servidor (, , ). Procedimentos: 1º) Seleção do botão Avaliações associado ao projeto; 2º) Seleção do botão Encaminhar à Comissão de Pesquisa; 3º) Descrever a finalidade do encaminhamento (para avaliação); 4º) Seleção do botão Confirmar Encaminhamento.

Através do botão Incluir/substituir Plano de Atividades, disponível após o registro da solicitação durante todo o período de inscrições.

Através do botão Exibir solicitação, disponível após o registro da solicitação e durante todo o período de inscrições, que exibe página com todas as informações da solicitação: dados do pesquisador solicitante; dados do projeto de pesquisa selecionado, com possibilidade de exame do conteúdo do arquivo anexado como projeto completo; dados do pedido, com possibilidade de exame do conteúdo do arquivo anexado como plano de atividades e, quando renovação, do conteúdo do arquivo anexado como relatório de atividades; e situação atual da solicitação.

Quando o solicitante for servidor ativo da UFRGS deve solicitar à Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (PROGESP) que faça a atualização. Quando o solicitante for Docente Convidado, deve solicitar à PROPG que encaminhe a atualização.

Sim, é permitida a substituição do projeto de pesquisa durante o período de solicitações de quotas de bolsas de Iniciação Científica, desde que o pesquisador refaça o preenchimento e, para isto, precisa antes desfazer a solicitação encaminhada.