Comportamento fenológico da liana Pyrostegia venusta (Ker Gawl.) Miers (Bignoniaceae) em área de cerradão na Estação Ecológica de Assis, SP, Brasil

Davi Rodrigo Rossatto, Rosana Marta Kolb

Resumo


O cerrado brasileiro é caracterizado por uma evidente sazonalidade, com presença de duas estações marcantes, uma seca e uma chuvosa. Pyrostegia venusta é uma liana comumente encontrada nas diferentes fisionomias do cerrado e, portanto, a espécie deve apresentar características que permitam sua adequação a esses ciclos sazonais. A fenologia dos eventos vegetativos e reprodutivos foi estudada para a espécie nos anos de 2004 e 2005. O objetivo do estudo foi verificar quais variáveis climáticas determinam os padrões fenológicos da espécie. A floração foi inversamente relacionada com a temperatura média e com o comprimento do dia, enquanto a frutificação foi inversamente relacionada com o fotoperíodo e diretamente relacionada com a velocidade do vento. A dispersão das sementes foi diretamente relacionada com a velocidade do vento. A floração ocorreu no final da estação chuvosa, próximo ao inverno, prolongando-se até o final da estação seca. A frutificação e a maturação dos frutos ocorreram durante o período da seca, sendo suas sementes dispersas no final desse período. A dispersão das sementes no final da estação seca, comum a outras espécies anemocóricas do cerrado, permite uma rápida germinação no início da estação chuvosa, favorecendo a propagação da espécie nesse ambiente.


Palavras-chave


cerrado; fenologia; floração; frutificação; Pyrostegia

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.