Primeiro estudo da biologia reprodutiva de Justicia brasiliana Roth (Acanthaceae) no Pampa brasileiro

Giovanna Boff Padilha, Renata Trevizan Telles de Souza, Raquel Lüdtke

Resumo


Justicia brasiliana Roth (Acanthaceae) ocorre em habitats na região sul da América do Sul, a qual não possui seu sistema de reprodução conhecido. Este trabalho objetivou descrever a biologia reprodutiva de J. brasiliana, bem como determinar a viabilidade polínica, receptividade do estigma, analisar os frutos formados e testar a viabilidade das sementes. O estudo foi realizado no Horto Botânico Irmão Teodoro Luís, município de Capão do Leão, Rio Grande do Sul, Brasil. Para o sistema reprodutivo foram realizados cinco tratamentos que contemplam alogamia e autogamia, além do grupo controle. A viabilidade polínica foi estabelecida através da coloração dos grãos com Carmim Acético 2% e a receptividade do estigma através da deposição de peróxido de hidrogênio sobre as papilas estigmáticas. Os frutos foram analisados acerca do número de sementes e estas submetidas ao teste de germinação a fim de testar sua viabilidade. Os dados obtidos foram analisados nos programas estatísticos Bioestat e SPSS 20.0. J. brasiliana apresentou frutificação em todos os tratamentos de autogamia e alogamia, concluindo-se que a planta possui um sistema de reprodução misto. As sementes formadas nos tratamentos apresentaram-se viáveis, com exceção do grupo controle. A taxa de viabilidade polínica não apresentou diferença significativa entre os estágios de botão floral e antese, bem como a receptividade do estigma.

Palavras-chave


Polinização; Rio Grande do Sul; Sistema de cruzamento; Reprodução; Justicia brasiliana.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.