1.5 O USO DE TÉCNICAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NAS MAIORES INDÚSTRIAS DO VALE DO TAQUARI-RS

Luiz Fernando Andres

Cada vez mais as empresas tem se preocupado em utilizar de forma mais adequada os recursos naturais. Pensando nisso decidimos pesquisar as maiores indústrias do Vale do Taquari. A pesquisa envolveu 72 indústrias, das quais, obteve-se respostas de 54. Estas indústrias encontram-se instaladas em 9 dos 40 municípios da região do Vale do Taquari. Apesar desta diminuição, ainda é significativa a representatividade do número de trabalhadores industriais, 71,4%, distribuídos nos municípios do Vale do Taquari.

A grande concentração de trabalhadores se encontra nos setores, calçadista e alimentício, devido ao processo produtivo muito intenso em mão-de-obra. As indústrias quando perguntadas sobre o que entendem por gestão ambiental, 29,6% demonstraram desconhecimento sobre o assunto. Por outro lado 35,2% entendem a gestão ambiental como forma de preservação ambiental. Outras entendem como melhoria de processos e redução da poluição. Muitas indústrias manifestaram preocupação com recursos naturais, legislação ambiental, menor impacto, tecnologia e economia. Apenas uma indústria se encontra certificada pela norma ISO 14000.

Quanto ao Sistema de Gerenciamento Ambiental(SGA), das indústrias entrevistadas, 24,1% nunca tiveram contato com o tema. Das indústrias restantes, 29,6% estão planejando a implantação e 24,1% já implantaram. As outras 22,2% indústrias apenas participaram de algum evento ou leram a respeito. As implantações de SGA nas indústrias, vem crescendo de forma acentuada, demonstrando preocupação com o tema.

De modo geral as indústrias são pressionadas pela legislação ambiental a fim de se enquadrar dentro das normas vigentes. Quando perguntadas sobre a atuação da FEPAM, a grande maioria se manifestou favorável, como forma de pressionar as indústrias no tratamento dos resíduos gerados. Algumas indústrias, 12,9%, acreditam serem muito rígidas, e apenas 3,7% dizem serem ineficientes. Maior agilidade, mais fiscalização, menos burocracia e suporte técnico foram algumas das sugestões das indústrias para uma melhor eficácia na atuação da FEPAM.

Para a maioria das indústrias as funções dos órgãos de controle ambiental deveriam atuar como facilitadores na solução de problemas referentes a área, representando 87,0% dos entrevistados. Fiscalizar e gerar informações também seriam importantes. Outra função estaria em aproximar as empresas geradoras de resíduos das que possuem a solução para o seu destino.

As melhorias ambientais acontecem nas empresas devido a pressão de movimentos ambientalistas voltados para a sua preservação. Os órgãos públicos que mais pressionam as indústrias pesquisadas, são por ordem, a FEPAM, de âmbito estadual e a promotoria municipal. Para que as empresas pratiquem atos que preservem o ambiente, ainda são necessários as pressões dos órgãos fiscalizadores. Em torno de 80% das empresas recebem sistematicamente a visita dos fiscais. Destas visitas 42,6% uma vez por ano. As indústrias do gênero alimentício são as mais visitadas, podendo até chegar a três vezes por ano.

Os primeiros sintomas do descaso com o meio ambiente são percebidos pela população que reside nas proximidades da empresa. Das indústrias pesquisadas apenas 19% receberam reclamações. Os tipos de reclamações ambientais denunciadas incluem o tratamento indevido dos resíduos industriais, o ruído excessivo e o mau cheiro.

A utilização dos recursos naturais como forma energética se torna cada vez mais caros e escassos, principalmente quando não renováveis. Se por um lado a população consumidora de produtos industrializados exige menores preços, por outro, é necessário que os custos sejam diminuídos. As indústrias perguntadas a respeito do consumo de energia elétrica, manifestaram-se comprometidas com a sua utilização de forma racional.

Mais de 75% das empresas adotam medidas para economizar energia. Dentre as medidas destacam-se o uso de máquinas e equipamentos mais eficientes, melhor aproveitamento nos horários fora de pico, geradores de energia elétrica, uso de lâmpadas mais eficientes e de menor consumo. Também foram utilizados recursos naturais, como: o uso de iluminação natural e substituição de energia elétrica por outro tipo de energia.

As normas de preservação ambiental regem as ações dos industriais frente ao uso dos recursos naturais. Quando por algum motivo estas normas são burladas, podem haver punições. As indústrias quando perguntadas se tiveram alguma infração, e que esta levou ao pagamento de multas, ou processo judicial, responderam afirmativamente um pequeno número, representando 14,8%, desta forma demonstrando empenho no cumprimento da legislação.

Das infrações cometidas pelas indústrias, o depósito de resíduos de forma indevida são as mais comuns. Também o dimensionamento inadequado do equipamento de tratamento de efluentes, pois este envolve investimentos que por vezes não são possíveis de serem executados por falta de recursos.

O governo pouco tem contribuído com incentivos para a preservação ambiental, beneficiando apenas 3,7% das indústrias do Vale do Taquari. Os segmentos industriais beneficiados com estes incentivos são o setor alimentício e calçadista. Um terço das indústrias são pressionados pelos clientes por melhorias ambientais. Das exigências dos clientes, as mais solicitadas envolvem o atendimento a legislação ambiental, o controle de resíduos, e procedimentos de conformidade com a norma ISO 14000. Apesar das exigências por parte dos clientes, nenhuma perda de mercado ocorreu em decorrência do não emprego de práticas ambientais.

O setor alimentício é o mais pressionado por parte do governo estadual para a proteção ambiental, apesar de também tomar algumas iniciativas próprias. Já o setor calçadista, por iniciativa própria encontra-se adiante nesta questão.

Melhorias ambientais foram efetivadas por 74% das empresas nos últimos três anos. Além disto melhoraram seus produtos e processos. As indústrias que mais participaram foram as dos setores, alimentício e calçadista. Dentre as melhorias mais citadas, estão a diminuição de geração de resíduos, o tratamento de efluentes e o uso de materiais atóxicos. Do ponto de vista econômico as indústrias reutilizam a água, diminuem o desperdício de matérias primas e energia.

Como forma de normalizar as práticas ambientais, as empresas buscam a certificação das normas ISO 14000. Quando questionadas sobre o assunto as indústrias do Vale do Taquari se manifestaram interessadas na sua implantação. Destas apenas uma indústria do setor gráfico possui a certificação ISO 14001. Das restantes, 75,9%, não pretendem implantar.

Para que se utilizem os recursos naturais de forma adequada e que cause o menor impacto possível, são necessárias algumas precauções. A partir desta, algumas dificuldades surgem. Para 30% das indústrias as dificuldades inexistem. A grande maioria encontra dificuldades para a diminuição dos impactos. A maior dificuldade está na destinação dos resíduos gerados e dificuldades para reciclar. A não absorção dos custos ambientais pelos consumidores e a falta de recursos financeiros também constituem dificuldades para a redução dos impactos ambientais.

Toda e qualquer preocupação relativa a gestão ambiental, necessita de um aporte de pessoas capacitadas e treinadas para as boas práticas ambientais. Desta forma as organizações incorporam em seus quadros de recursos humanos profissionais capazes de conduzirem o programa da melhor e mais eficiente forma possível.

A responsabilidade do programa ambiental nas indústrias, na sua maioria, está por conta dos gerentes de produção, ou de áreas ligadas ao processo, como: químico industrial, técnico de segurança do trabalho ou grupo de controle de qualidade. Poucas indústrias, 14,8% não possuem responsável pelo programa ambiental, conforme.

Ter apenas um responsável para dar conta do programa ambiental da organização não é suficiente. É necessário que se implante um sistema de gestão ambiental onde todos os integrantes da organização se engajem nesta luta pela preservação ambiental.

Também os responsáveis pela disseminação do programa de conscientização ambiental estão a cargo, dos gerentes de produção, dos técnicos de segurança do trabalho e dos supervisores ambientais.

Por não ser reconhecido pelos consumidores os investimentos das empresas na preservação ambiental, pois representa custos, as mesmas, na sua grande maioria, não investem. Apesar deste não reconhecimento por parte da população, algumas empresas investem. Das empresas que investem, salienta-se o desenvolvimento de produtos com apelo ecológico, o selo ecológico e o marketing ecológico

Se de alguma forma os investimentos se transformam em custos, não reconhecidos pela sociedade consumidora, por outro lado, existem investimentos que trazem retorno, tanto para o meio ambiente, como para os resultados da empresa.

Mais de 55% das indústrias do Vale do Taquari realizam estudos visando a utilização de matérias primas ou tecnologias menos poluentes. As indústrias do setor calçadista são as que mais se utilizam das práticas de preservação ambiental, como o uso de vernizes e colas a base de água, portanto menos poluentes. Além da utilização de insumos menos poluentes, as indústrias procuraram reduzir os recursos naturais e passaram a reaproveitar alguns resíduos gerados pelo processo produtivo.

Além das indústrias investirem na utilização de matérias primas menos agressivas ao meio ambiente, outros investimentos se fazem necessários. A utilização de tecnologias, máquinas e equipamentos com a finalidade de desenvolver produtos ou processo mais limpo são práticas de mais de 45% das indústrias do Vale do Taquari.

Outra forma de contribuir para o desenvolvimento sustentável refere-se a questão da redução de insumos na produção do mesmo produto. A diminuição no consumo de energia e também a diminuição no consumo de matérias-primas para a produção do mesmo produto é prática da maioria das indústrias. A redução dos insumos na produção, foram conseguidos através da minimização dos desperdícios, na melhoria das máquinas e equipamentos e processos. Também as matérias primas mais eficientes e a conscientização dos funcionários contribuíram para a redução dos insumos.

A utilização das técnicas da produção mais limpa se caracteriza pela minimização dos impactos ambientais, e podem apresentar vantagens financeiras as organizações. Mais de 45% das indústrias apresentam resultados financeiros positivos quando da aplicação dos procedimentos da produção mais limpa. Para a maioria das indústrias os ganhos contabilizados se caracterizam por valores intangíveis, pois se torna difícil mensurar o quanto custaria para repor os danos causados a natureza. O setor que mais tem se beneficiado em ganhos econômicos é o setor calçadista, pois este está mais suscetível as pressões de seus clientes, o caso consumidores internacionais.

Através da pesquisa conclui-se que as indústrias do Vale do Taquari demonstram preocupação referente ao tema, “gestão ambiental”. Apenas 30% das indústrias desconhecem o assunto, porém acham que se faz necessário uma rigorosa fiscalização para obrigar as indústrias a seguirem as normas já pré-estabelecidas.

Como forma de preservação ambiental as indústrias de modo geral tem procurado diminuir o uso dos recursos naturais, optando por fontes alternativas, principalmente de insumos energéticos. Estas atitudes na maioria das indústrias da região são tomadas por iniciativa própria.

Das dificuldades encontradas pelas indústrias, podem ser citados: o destino dos resíduos industriais, as dificuldades na reciclagem e os custos não absorvidos pelos consumidores.

Também há dificuldades em encontrar profissionais habilitados para orientar os empresários, principalmente nas empresas de menor porte.

Como práticas de preservação ambiental, alguns setores já se encontram bem adiantados, inclusive com ganhos econômicos contabilizados, desta forma caracterizando vantagens no uso das técnicas de produção mais limpa. As vantagens aparecem na medida em que passam a consumir menos energia, menos matérias-primas e reduzindo substancialmente os resíduos danosos a natureza, passando a elimina-los já na concepção de seus projetos.

Para a maioria das indústrias os ganhos contabilizados se caracterizam por valores intangíveis, pois se torna difícil mensurar o quanto custaria a reposição dos danos causados a natureza.

Algumas indústrias já contabilizam seus ganhos obtidos no processo de produção mais limpa. Estes ganhos variam de indústria para indústria. O setor calçadista é o que mais tem se beneficiado com ganhos econômicos, pois este está mais suscetível as pressões internacionais por práticas que envolvem estas questões.

Apesar dos ganhos econômicos não abrangerem a totalidade das maiores indústrias do Vale do Taquari, as mesmas demonstram preocupação, pois estas práticas poderão ser no futuro a chave para se tornarem mais competitivas num mercado cada vez mais globalizado.

Trabalhar na geração de produtos: de longa vida útil, seguros e atóxicos, para o homem e o ambiente, cujos restos (inclusive as embalagens) tenham reaproveitamento atóxico e energia-eficiente e reciclagem (na planta industrial ou fora dela), como substitutivo para as opções de manejo ambiental representadas por incinerações e despejos em aterros.

Obs. O artigo “O Uso de Técnicas de Produção Mais Limpa nas Maiores Indústrias do Vale do Taquari-RS”, de autoria de Luiz Fernando Andres; Luis Felipe Machado do Nascimento, foi publicado nos anais do VI Encontro Nacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente – ENGEMA 2001.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>