Pesquisar

As causas do TOC

Causas do TOCA ciência tem conseguido esclarecer vários fatos em relação ao TOC embora não consiga ainda identificar suas verdadeiras causas. Provavelmente concorrem vários fatores para o seu aparecimento: de natureza biológica envolvendo a predisposição genética, alterações funcionais e da neuroquímica cerebrais, e fatores psicológicos como aprendizagens de formas erradas de lidar com medos e ansiedades, como por exemplo, fazer rituais para livrar-se de uma aflição ou evitar o contato com objetos, pessoas ou situações que provocam medos, em vez de enfrentá-los. Também está bem estabelecido que os indivíduos com TOC cometem erros na forma de perceber e interpretar a realidade (exagerar o risco e a responsabilidade, dificuldade de conviver com a  incerteza, exagerar as consequências de cometer ou ser  reponsável por uma falha, acreditar  no poder do pensamento, etc.), que acabam contribuindo para o surgimento e a persistência dos sintomas obsessivo-compulsivos.

FATORES BIOLÓGICOS

Sintomas obsessivo-compulsivos em doenças neurológicas

É de longa data a observação de que sintomas OC podem ocorrer depois de traumatismos craniencefálicos, derrames ou acidentes vasculares cerebrais em certas regiões do cérebro. Também foram descritos associados a uma variedade de doenças neurológicas como encefalites, doença de Parkinson, em quadros neuropsiquiátricos associados a infecções pelo estreptococo beta hemolítico como a febre reumática, a Coreia de Sydenham,  a um grupo de transtornos neuropediátricos  da mesma forma associado a infecções pelo estreptococo e denominados de PANDAS. É comum  ainda a associação de TOC com tiques e  a Síndrome de Tourette.

Medicamentos que ativam a função serotonérgica reduzem os sintomas OC

Existem evidências bastante consistentes de um papel importante de um neurotransmissor – a serotonina na modulação dos sintomas OC. Medicamentos que inibem a recaptação da serotonina pelo neurônio aumentando a disponibilidade desse neurotransmissor na fenda sináptica e incrementam neuro-transmissão nas vias nervosas serotonérgicas, reduzem os sintomas OC e são antiobsessivos: reduzem os sintomas do TOC. São eles: a clomipramina, a fluoxetina, a paroxetina, a sertralina, o citalopram, escitalopram e a fluvoxamina. Mais recentemente tem sido sugerido que a dopamina e o glutamato também exerçam algum papel no TOC, o que não está esclarecido.

Medicamentos que provocam os sintomas OC

Outras evidências da participação da neuroquímica cerebral no TOC advém de relatos de caso que associam o aparecimento de sintomas OC com o uso de várias substâncias, inclusive de medicamentos psiquiátricos, como risperidona, clozapina, olanzapina, quetiapina e o topiramato. Esses medicamentos são usados atualmente no tratamento de pacientes  com esquizofrenia e com transtorno do humor  bipolar. Curiosamente alguns deles tem sido utilizados para potencializar o efeito dos antiobsessivos, como a risperidona e a quetiapina. Os sintomas OC também foram observados durante o uso do interferon no tratamento da hepatite C e do melanoma maligno.

Mudanças na fisiologia cerebral

Técnicas como a tomografia computadorizada por emissão de fóton único (SPECT), tomografia por emissão de pósitrons (PET) e, em especial, a ressonância magnética funcional (RMf) possibilitaram a visualização do cérebro em funcionamento. Permitiram também comparar o metabolismo cerebral de indivíduos com TOC, com aqueles que não apresentam  a doença (controles), em situações de provocação dos sintomas (por exemplo: solicitando que tocassem em coisas contaminadas), antes e depois do tratamento com medicamentos ou com terapia. Esses estudos em sua maioria apontam para um aumento do fluxo sanguíneo e portanto da atividade cerebral em indivíduos com TOC no córtex orbito-frontal (OFC) e em regiões mais profundas do cérebro, nos chamados de gânglios basais, em comparação com os controles. Esta hiperatividade tende a se normalizar tanto com o tratamento farmacológico como com a terapia cognitivo-comportamental. No entanto nem todos os pacientes com TOC apresentam essa hiperatividade ou a sua diminuição com o tratamento.

Genética e o TOC

As evidências de uma predisposição genética para o TOC advém da constatação de um risco aumentado para a ocorr6encia  do transtorno em familiares de indivíduos com TOC e, sobretudo, em gêmeos monozigóticos. O risco de familiares de primeiro grau de indivíduos acometidos pelo TOC de apresentarem o transtorno aumenta 4 a 5 vezes em comparação  com a população em geral. O risco é mais elevado especialmente quando o TOC é de início precoce e quando a manifestação (dimensão) predominante é o colecionismo, mas a natureza da alteração genética, os genes envolvidos e o mecanismo de sua transmissão ainda não foram esclarecidos.

FATORES PSICOLÓGICOS: APRENDIZAGENS E CRENÇAS ERRADAS

Existem evidências bastante consistentes para a participação de fatores psicológicos na origem e, sobretudo, na manutenção do TOC. Uma das evidências de maior peso é o fato de os sintomas OC poderem ser eliminados através de meios psicológicos: as terapias de exposição e prevenção de rituais bem como através de técnicas cognitivas que em conjunto constituem a terapia cognitivo-comportamental (TCC). A eficácia desses tratamentos de natureza psicológica, é no mínimo semelhante à dos medicamentos, e para alguns sintomas, como as compulsões é superior.Ao redor de 70% dos pacientes tratados com TCC melhoram dos  sintomas obsessivo-compulsivos e muitos deles podem ter  remissão completa, com o uso portanto, de meios exclusivamente psicológicos.

Certas estratégias como realizar compulsões, evitar o contato com objetos ou situações que representam ameaças provocam  alívio da ansiedade e do desconforto e são utilizadas por praticamente todos os indivíduos que apresentam TOC. Acredita-se que o alívio obtido por tais estratégias contribua para a manutenção dos sintomas (reforça) e impede o seu desaparecimento natural. Essa é uma aprendizagem errada, que contribui para perpetuar o TOC.

Pacientes com TOC costumam perceber, avaliar e interpretar a realidade de forma negativa ou catastrófica. Eles tendem a supervalorizam a gravidade dos riscos e das ameaças (pode-se contrair AIDS usando um banheiro público) e as possibilidades de ocorrerem eventos desastrosos como contrair doenças, perder familiares, ou a casa incendiar, se não fizerem certos rituais. Tendem a superestimar a própria responsabilidade quanto a provocar ou prevenir eventos negativos futuros - acreditam que uma ação pode influenciar o futuro (por exemplo: alinhar os chinelos ao pé da cama vai impedir que aconteça algo de ruim para um familiar). São perfeccionistas, preocupando-se exageradamente em fazer as coisas bem feitas e em evitar possíveis falhas ou imperfeições. Acreditam que pensar num determinado fato aumenta as probabilidades de que aconteça (pensar num acidente aumenta a chance de acontecer) ou ainda, de que ter um determinado pensamento inaceitável (violento, sexual impróprio) equivale a praticá-lo. Embora não específicas do TOC essas crenças parecem ter um papel importante na modulação  da intensidade dos sintomas OC.

Em resumo: evidências consistentes fazem supor que para o surgimento e a manutenção do TOC concorram diversos fatores, e em diferentes graus, que englobam desde uma predisposição genética, alterações funcionais cerebrais, aprendizagens e crenças erradas adquiridas na interação com o ambiente ao longo da vida, especialmente na infancia e adolescência.

LEIA MAIS...

FacebookTwitterGoogle BookmarksLinkedin

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

..................................


Departamento de Psiquiatria - UFRGS

..................................

Hospital de Clínicas de Porto Alegre

..................................

Faculdade de Medicina - UFRGS