Ir para o conteúdo Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial Calendário de eventos Sala Redenção - Cinema Universitário

Sala Redenção - Cinema Universitário

TRÊS OLHARES -> Em dezembro, a Sala Redenção – Cinema Universitário dedica sua programação a três importantes cineastas brasileiros: Eduardo Coutinho, Sandra Werneck e Beto Brant. A Sala Redenção apresenta, então, parte da produção destes três cineastas que, “cada um com seu cinema”, têm seu lugar marcado na cinematografia brasileira.
Quando 01/12/2011 a 15:00 a
21/12/2011 a 18:00
Onde Sala Redenção
Nome do Contato
Telefone do Contato (51) 3308-4081
Participantes Aberto ao público com entrada franca.
Adicionar evento ao calendário vCal
iCal
Eduardo Coutinho é um dos nomes de referência do documentário brasileiro, destacando-se por apresentar um trabalho marcado pela profundidade e sensibilidade com que aborda o universo marginalizado tanto das favelas, do sertão como o das grandes cidades. Nos anos 50, Coutinho estudou cinema no Institut des Hautes Études Cinematographiques (IDHEC) de Paris e quando retornou ao Brasil, em 1960, e se engajou no Cinema Novo. Autor de um dos filmes mais importantes do cinema documental brasileiro, Cabra marcado para morrer (1984) – chegou a ter suas filmagens interrompidas pelo golpe militar de 64 –, que ganhou prêmio da crítica internacional do Festival de Berlim, melhor filme no Festival du Réel, em Paris, e no de Havana. Dirigiu documentários para o Globo e, a partir dos anos 80, passou a dedicar-se quase que inteiramente a este gênero. A programação conta com Edifico Master (2007), O fim e o princípio (2006) Jogo de cena (2007). Sandra Werneck começou também dirigindo documentários, explorando temáticas de cunho social. Foi, entretanto, com dois longas de ficção que seu nome ficou mais conhecido: Pequeno dicionário amoroso (1996) – prêmio de melhor fotografia e melhor montagem no Festival de Brasília – e Amores possíveis (2000), prêmio de melhor filme latino-americano no Sundance Film Festival. Dividiu com Walter Carvalho, em 2004, Cazuza – o tempo não para, maior bilheteria nacional naquele período. Dirigiu Meninas (2006) e, em 2009, lançou Sonhos roubados – ambos contemplados nesta mostra. Beto Brant inicialmente foi diretor de videoclips e de curta-metragens. Em 1997, lança Os matadores, seu primeiro longa-mentragem, que recebeu prêmio de melhor diretor, no Festival de Gramado e no Festival de Cinema Brasileiro de Miami. Seu terceiro longa, O invasor(2001), recebeu os prêmios de melhor diretor e melhor trilha sonora no Festival de Brasília. Lança Crime delicado, em 2004, e Cão sem dono, em 2006 –, sendo este uma adaptação do livro de mesmo nome do gaúcho Daniel Galera. Dotado de um estilo próprio, Brant apresenta narrativas provocadoras – seja pelo conteúdo, seja pela forma de contá-las –, que geralmente deixam os espectadores em suspenso, impactados com os desfechos apresentados. Acesse também www.salaredencao.com

Mais informações sobre esse evento…

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Av. Paulo Gama, 110 - Bairro Farroupilha - Porto Alegre - Rio Grande do Sul
CEP: 90040-060 - Fone: +55 51 33086000