Ir para o conteúdo Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial Notícias Pesquisa aborda obras de mulheres compositoras para o violão e discute a desigualdade de gênero na música

Pesquisa aborda obras de mulheres compositoras para o violão e discute a desigualdade de gênero na música

Artes | Dissertação revela que o repertório das provas para ingresso nos cursos de Música das universidades públicas brasileiras é inteiramente composto por obras de homens
31/03/2022 09:55

Uma dissertação de mestrado defendida na última terça-feira, 29, no Programa de Pós-Graduação em Música da UFRGS, retrata a desigualdade de gênero no campo musical ao mesmo tempo que apresenta a trajetória profissional e pessoal de compositoras violonistas de diferentes estilos e períodos históricos. Realizado pela pesquisadora Thaís Nascimento Oliveira, com orientação da professora Isabel Nogueira, o trabalho mostra que o repertório das provas específicas para a entrada no curso de Música das universidades estaduais e federais do Brasil é formado inteiramente por obras de autoria masculina.

Ainda durante o bacharelado, Thaís se deparou com a notícia do feminicídio sofrido pela violonista Mayara Amaral, morta no dia 25 de julho de 2017, em Campo Grande (MS). A musicista havia defendido uma dissertação pioneira na pesquisa sobre mulheres violonistas da década de 1970, o que sensibilizou e motivou Thaís a continuar pesquisando o assunto. “Gerou uma desconstrução muito profunda em mim a notícia, não que eu não soubesse de violências até o momento, mas a gente acaba naturalizando, infelizmente. E aí eu passei a desnaturalizar [a violência] com esse caso, também por ter-me identificado. Foi uma mulher violonista que à época tinha a minha idade”, relata.

Logo nos primeiros capítulos da dissertação, Thaís apresenta uma discussão sobre música e gênero, sobre o que é feminismo e por que os movimentos feministas na sua pluralidade originaram o campo dos estudos de gênero. Mas o trabalho vai muito além disso: para a musicista, além de debater o assunto, também é preciso conhecer as compositoras e incentivar que suas obras sejam tocadas. “Eu sempre quis focar nessa discussão de gênero, mas trazendo exemplos para provar que existem [compositoras para violão] porque eu acho que a gente tem de interpretar o repertório para transformar essa realidade”, explica Thaís. Por isso, a pesquisa apresenta a trajetória e obra de cinco compositoras para violão: Mademoiselle Bocquet, Emilia Giuliani, Catharina Pratten, Clarisse Leite e María Luisa Anido.

Confira a matéria completa no JU Ciência: www.ufrgs.br/ciencia/pesquisa-aborda-obras-de-mulheres-compositoras-para-o-violao-e-discute-a-desigualdade-de-genero-na-musica

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Av. Paulo Gama, 110 - Bairro Farroupilha - Porto Alegre - Rio Grande do Sul
CEP: 90040-060 - Fone: +55 51 33086000