Ir para o conteúdo Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial Notícias Pesquisa da UFRGS e UEA aponta que fungos da casca-preciosa podem ser capazes de degradar plástico

Pesquisa da UFRGS e UEA aponta que fungos da casca-preciosa podem ser capazes de degradar plástico

Resultados inéditos indicam que cinco fungos que vivem em uma árvore amazônica conhecida como casca-preciosa conseguem crescer sobre plástico PET, o que sugere que eles podem ser capazes de degradar o polímero
08/04/2021 09:52

O celular ou computador que você está usando agora, a roupa que está vestindo, a embalagem da tele-entrega de comida que pediu ontem, a garrafa em que toma água todos os dias, o painel do carro que usa para se locomover… Não é difícil encontrar exemplos de coisas comuns do nosso dia a dia que têm algum tipo de plástico na composição. Pela praticidade e baixo custo, esse material está cada vez mais presente na vida da população. No entanto, esse uso massivo também gera enormes problemas ambientais e de saúde. Uma das formas de reduzir o impacto do plástico no meio ambiente é a degradação, mas esse ainda é um processo caro e de difícil realização.

Pensando nisso, pesquisadores da UFRGS e da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) estão estudando como fungos encontrados na casca-preciosa (Aniba canelilla), uma planta encontrada na Amazônia, podem atuar nesse processo. Os resultados inéditos apontaram que cinco fungos que vivem no interior da casca-preciosa conseguiram crescer sobre pellets (pequenos fragmentos) de plástico PET – e um deles ainda cresceu sobre outros tipos de polímero – o que leva a crer que os micro-organismos são capazes de degradar esses materiais.

Um dos principais diferenciais do trabalho é a utilização de fungos inteiros e não de enzimas produzidas em laboratório, explica Rosiane Matias, a doutoranda em Biotecnologia e Biodiversidade da UEA que está desenvolvendo o estudo. “Nós queríamos colocar esses micro-organismos em contato com os polímeros para observar quais enzimas eram produzidas e como ocorria essa degradação, até porque a ação sobre o plástico pode ser provocada por uma enzima apenas, ou por várias delas”, esclarece.

Confira a matéria completa no UFRGS Ciência.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Av. Paulo Gama, 110 - Bairro Farroupilha - Porto Alegre - Rio Grande do Sul
CEP: 90040-060 - Fone: +55 51 33086000