Ir para o conteúdo Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial Notícias Suicídio e preconceito na juventude brasileira

Suicídio e preconceito na juventude brasileira

Pesquisadores analisam a ligação entre os estigmas da sexualidade e a tendência ao suicídio
29/06/2017 15:44

As relações entre as tentativas de suicídio de jovens brasileiros e o estigma que carregam por conta de sua orientação sexual foram objeto de análise da pesquisa de pós-doutorado, realizada no Instituto de Psicologia da UFRGS, de Angelo Brandelli Costa, professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUCRS. O estudo gerou o artigo The experience of sexual stigma and the increased risk of attempted suicide in young brazilian people from low socioeconomic group (A experiência do estigma sexual e o aumento do risco de tentativa de suicídio em jovens brasileiros de baixo nível socioeconômico, na tradução em português), o primeiro sobre o tema com abrangência nacional e que apontou o preconceito como um fator muito próximo à tendência ao suicídio. O trabalho, feito em conjunto com pesquisadores do Instituto de Psicologia da UFRGS, da PUC de Campinas e da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, foi baseado na Pesquisa da Juventude Brasileira, comandada pela professora do Instituto de Psicologia da UFRGS Silvia Koller, que buscou mapear os jovens de classe baixa do país.

Antes, o maior estudo feito no Brasil com esse enfoque era limitado à cidade de Campinas. Por esse motivo, os pesquisadores decidiram aproveitar a oportunidade contida na base de dados coletados pelo trabalho de Koller, que recolheu amostras de cidades de todas as regiões do país através de um questionário feito com jovens de 11 a 24 anos em dois períodos: entre 2004 e 2006 e entre 2010 e 2012. Das informações obtidas, foram analisadas então as interseções entre os fatores “baixa renda”, “experiência de estigma sexual” e “tentativas de suicídio”. Os resultados mostraram que, entre esses dois períodos, embora as tentativas de suicídio tenham diminuído 20% entre os participantes que não experienciaram estigma sexual, houve um aumento de 60% entre aqueles que sofreram discriminação.

A matéria completa pode ser lida no UFRGS Ciência.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Av. Paulo Gama, 110 - Bairro Farroupilha - Porto Alegre - Rio Grande do Sul
CEP: 90040-060 - Fone: +55 51 33086000