Ir para o conteúdo Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial Notícias UFRGS ingressa em projeto da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN)

UFRGS ingressa em projeto da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN)

Assinado na tarde de hoje acordo internacional para a participação de pesquisadores da Universidade no projeto ALICE, um dos mais importantes desenvolvidos no maior acelerador de partículas do mundo
16/11/2015 17:16

Galeria de imagens

A partir do acordo internacional firmado na tarde de hoje, dia 16, a UFRGS ingressa oficialmente no ALICE (A Large Ion Collider Experiment), um dos quatro principais projetos desenvolvidos no Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês: Large Hadron Collider). O LHC, máquina da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN), constitui-se de um anel de 27km de extensão destinado a colisões próton-próton e nêutron-nêutron. Essas colisões reproduzem em laboratório condições de densidade altíssima de matéria, permitindo estudar interações fundamentais, particularmente a interação forte, responsável pela constituição de prótons, nêutrons, núcleos, mésons e demais hadrons.

A colaboração ALICE estuda como o plasma quark-glúon (partículas que formam os prótons e nêutrons) se expande e esfria, observando como ele progressivamente dá origem às partículas que constituem a matéria do nosso universo hoje. O objetivo é recriar em laboratório condições similares ao Big Bang, que perduram por um curtíssimo tempo. O projeto tem cunho colaborativo, contando com centenas de pesquisadores de mais de 40 países entre os integrantes. A UFRGS passa a ser a primeira universidade brasileira de fora do eixo Rio-São Paulo a integrar o projeto.

Os coordenadores do projeto ALICE Paolo Giubellino e Yves Schutz estão na UFRGS para assinar o acordo e divulgar para a comunidade acadêmica as potencialidades do projeto. Pela Universidade, a proposta de colaboração partiu do Grupo Experimental de Física de Altas Energias do IF-UFRGS, cuja origem foi motivada pelo interesse de coordenadores do ALICE em trabalhos recentes do Grupo de Fenomenologia de Partículas de Altas Energias (GFPAE) do Instituto de Física, que tiveram sucesso em predizer/reproduzir resultados experimentais. Agora no ALICE, entre outras atividades, o grupo experimental da UFRGS vai trabalhar no desenvolvimento de instrumentação científica, primeiramente com detectores de silício para trabalhar com taxas de luminosidade jamais alcançadas em nenhum experimento. A UFRGS se associa em caráter pleno ao ALICE, possibilitando acesso a informações coletadas na pesquisa e a equipamentos.

Segundo Giubellino, um quantitativo de 500 cientistas de mais de 100 instituições trabalha em instrumentos para analisar e reconstituir as colisões. O coordenador de ALICE disse que o projeto, além de desenvolver o conhecimento, busca educar e treinar recursos humanos para operação dos equipamentos. Líder do Grupo de Fenomenologia de Partículas de Altas Energias, a professora Maria Beatriz Gay pontou que este é o momento de início de pesquisas experimentais em altas energias pela UFRGS.

Em sua fala, o reitor Carlos Alexandre Netto destacou a sintonia do acordo com a política de internacionalização da Universidade, desenvolvida nos últimos anos. Segundo ele, o vínculo com o CERN mostra o quão madura está a internacionalização da UFRGS.

Após a recepção no Salão Nobre da reitoria, os convidados seguiram para um colóquio de apresentação da pesquisa ALICE para a comunidade . Hoje, Paolo Giubellino palestra no Instituto de Física (Sala 0201 – Campus do Vale), sob o tema “The Big-Bang at the Laboratory: results and prospects of the ALICE experiment at the LHC”. Na fala, serão apresentados os resultados dos três anos de coletas de dados do experimento ALICE, concebido para estudar as fortes interações nas energias geradas pelo mais poderoso acelerador de partículas do mundo: o LHC. Giubellino também falará sobre o futuro do projeto, que tem uma grande atualização proposta, que permitirá um estudo quantitativo detalhado das propriedades do quark-gluon plasma no LHC: graças ao upgrade, ALICE será capaz de analisar, com maior detalhe, mil vezes a quantidade de dados coletados até agora.

Amanhã, terça, dia 17, às 9h15, Yves Schutz ministra a palestra, no mesmo local, com o título “An introduction to heavy-ion physics (seen through ALICE’s eyes)”. Schutz delineará as propriedades básicas da forte interação que liga as partículas elementares (quarks) para formar os tijolos (nucleons) da matéria de hoje e estenderá essas propriedades básicas para as propriedades estatísticas da matéria primordial criada durante a infância do Universo. O pesquisador irá, então, descrever como ALICE estuda as propriedades fundamentais da matéria primordial e sua evolução na matéria de hoje. Será também apresentada a possibilidade de formação no doutoramento no experimento ALICE.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Av. Paulo Gama, 110 - Bairro Farroupilha - Porto Alegre - Rio Grande do Sul
CEP: 90040-060 - Fone: +55 51 33086000