Ir para o conteúdo Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial Notícias UFRGS tem tripla conquista no prêmio O Futuro da Terra

UFRGS tem tripla conquista no prêmio O Futuro da Terra

Os professores Sergio Luiz Vieira e José Luiz Rodrigues, além da startup Bioin, irão receber a premiação em cerimônia virtual amanhã
08/09/2021 17:24

A vigésima-quinta edição do prêmio O Futuro da Terra, cuja cerimônia de entrega deve ocorrer nesta quinta, 9 de setembro, a partir das 15h, com transmissão online, reconheceu o trabalho de dois professores e de uma startup ligada à UFRGS.

Sergio Luiz Vieira, José Luiz Rodrigues e a empresa Bioin Biotecnologia foram agraciados na edição 2021 da distinção que presta reconhecimento a pessoas e projetos que se destacam no desenvolvimento da pesquisa e da tecnologia agropecuária no Rio Grande do Sul.

Ao todo, são treze homenageados, distribuídos dentre as categorias: Cadeia de Produção e Alternativas Agrícolas; Inovação e Tecnologia Rural; Preservação Ambiental e Startup do Agronegócio, além do Prêmio Especial. Os vencedores foram selecionados por um colegiado especial, composto por membros do Comitê de Assessoramento Científico e Tecnológico da Área de Ciências Agrárias da FAPERGS.

 

Semeando profissionais pelo mundo

Titular do Departamento de Zootecnia e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia, Sergio Vieira foi laureado na categoria “Cadeia de Produção e Alternativas Agrícolas”, tendo por base suas relevantes contribuições na formação de recursos humanos, pesquisa e extensão na área de produção animal, especificamente na avicultura, com significativos impactos à respectiva cadeia produtiva. Seu foco de pesquisa é o avanço no conhecimento das exigências nutricionais quanto a aminoácidos, enzimas e microminerais e seu uso nas dietas de aves.

Sergio – que neste ano já havia recebido um prêmio da American Feed Industry Association (AFIA) – considera a agricultura superimportante para o país e para o estado. “O fato de ter publicado e viajado bastante, participando de congressos, acabou criando uma boa vibração em direção ao que fazemos aqui. Na minha área, todo mundo conhece a UFRGS por conta do trabalho realizado em nosso laboratório”, observou. Segundo ele, uma das melhores coisas que realizou na vida foi semear profissionais por todos os cantos do mundo: “Graças a energia do pessoal que vem estudar aqui, e que quer se projetar. É um processo de transformação induzida, porque conseguimos orientar nossos alunos de acordo com seus perfis. Eu pelo menos, tento conhecer a personalidade do aluno e procuro interpretar as caraterísticas positivas e talentos de cada um. E acho que tive um acerto muito alto nesse processo, tanto para os que foram para o meio acadêmico quanto para os que seguiram na inciativa privada. Há duas semanas, por exemplo, quando participei de uma reunião em uma empresa de médio porte, encontrei dois ex-alunos”, lembrou.

 

Trabalho em equipe e foco na graduação

O professor José Luiz Rodrigues é Titular do Departamento de Patologia e Clínica Veterinária e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias da FAVET/UFRGS. Foi premiado na Categoria “Inovação e Tecnologia Rural” por conta de suas contribuições na área de Reprodução de Bovinos, com foco na Biotecnologia da Reprodução Animal. Ao longo de sua carreira, recebeu inúmeros destaques nacionais e internacionais, como o Prêmio Jovem Cientista em 1985. José Luiz dedicou-se à formação de recursos humanos de alto nível e tem linha de sucessores espalhados pelo mundo, desenvolvendo pesquisas na área da embriologia experimental, crioconservação e micromanipulação de gametas e embriões mamíferos.

Tendo sido um dos primeiros bolsistas de iniciação científica, quando CNPq e FAPERGS iniciaram esse programa, o docente acredita que sua atividade como servidor, e depois como aluno da Veterinária, lhe possibilitou um convívio muito próximo com os responsáveis pelos laboratórios: “A Faculdade foi a primeira a fazer um convênio com a Escola de Veterinária de Hannover, na Alemanha. Por conta disso, tive contato com pesquisadores alemães e acabei cursando o doutorado com uma bolsa do DAAD em 1981”, recorda.

Ele afirma que sempre tratou com carinho da formação de recursos humanos, por entender que é dali que sai a formação dos novos profissionais. “Formei mais de 50 mestres e doutores. Essa é uma retroalimentação que me traz a sensação de trabalho bem conduzido. Por isso, recebo esse prêmio em nome de uma equipe. A FAPERGS, apesar das barreiras que enfrenta, sempre foi uma estimuladora da pesquisa no estado, e a UFRGS tem um papel muito importante nessa trajetória.”

Avaliando as dificuldades atualmente enfrentadas pelas agências financiadoras de pesquisa no país, que se encontram com verbas muito reduzidas para o fomento de projetos, o professor considera que esse cenário torna muito mais difícil a carreira para o jovem pesquisador. “Apesar disso, vejo a nossa universidade como uma liderança, com um corpo docente extraordinário, com uma inserção nacional e internacional. E o que quero é que isso continue. Aquele que adota a universidade como a sua casa tem essa visão de que o mais importante é formarmos bem, é dar condições para que nossos alunos cresçam e se tornem ótimos profissionais. Isso é o principal na universidade e não a pós-graduação”, conclui.

 

Startup com o DNA da UFRGS

Sediada na Incubadora Empresarial do Centro de Biotecnologia (IECBiot) da UFRGS, a Bioin Biotecnologia Ltda. foi premiada na categoria "Startup do Agronegócio”. A empresa foi fundada em 2018 pela egressa do PPG em Fitotecnia Camila Correa Vargas e pela engenheira química Fernanda Borges, técnica do Departamento de Fitossanidade da Faculdade de Agronomia. Busca atender a demanda dos agricultores gaúchos por tecnologias de controle de pragas mais adequadas ao manejo sustentável do ambiente. O propósito da Bioin é facilitar o acesso a ferramentas de controle biológico, especialmente para a agricultura familiar. Em função disso, atua na disseminação do uso do controle biológico na agricultura, visando cultivar alimentos mais saudáveis, além de proteger a saúde do produtor rural. 

O prêmio O Futuro da Terra é promovido pelo Jornal do Comércio em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS) e concedido anualmente, desde 1997. A solenidade de premiação ocorrerá em evento virtual durante a 44a. Expointer, e pode ser acompanhada através do canal do evento no YouTube.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Av. Paulo Gama, 110 - Bairro Farroupilha - Porto Alegre - Rio Grande do Sul
CEP: 90040-060 - Fone: +55 51 33086000