Ir para o conteúdo Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial Notícias Unimúsica 2019: samba e choro pedem passagem em 12 de dezembro

Unimúsica 2019: samba e choro pedem passagem em 12 de dezembro

Ingressos serão distribuídos a partir desta segunda-feira
09/12/2019 08:26

Cheguei no samba agora / Mas antes chegou vovó / e por isso eu peço a benção / porque nunca canto só”

Nunca Canto Só, de Pâmela Amaro

Os versos da codiretora do próximo espetáculo do Unimúsica ilustram a essência por trás do show que reverenciará as diferentes gerações de sambistas e chorões de Porto Alegre. Pâmela e o compositor Mathias Pinto idealizaram o concerto Samba e Choro Pedem Passagem, que reúne vertentes dos dois gêneros e compositores locais no dia 12 de dezembro, às 20h, no Salão de Atos da UFRGS.

A trajetória dos diretores aparece na construção do concerto. Mathias, coordenador da Oficina de Choro, leva ao palco a linha da orquestra e da escrita. Já Pâmela, cantora e compositora, traz a onda do carnaval e da batucada ao repertório. No desafio de narrar a história da música através de canções, a coleção de arranjos visa perambular pelas diferentes origens do samba e do choro. “O universal sem sair do quintal”, como define Mathias, revela o caráter multifacetado desse ritmo acolhedor. Do regional, com Mestre Paraquedas, ao nacional, com Pixinguinha, o espetáculo busca ir ao encontro da universalidade do choro e do samba.

A dupla sugere no título do concerto, Samba e Choro Pedem Passagem, a solicitação aos ancestrais da música-raiz do Brasil para contar a história dos gêneros que carregam mais de 200 anos de trajetória. Como um ato simbólico de pedir licença aos mais velhos que já passaram por esse caminho, o respeito e a honra são o real significado para a expressão usada nas tradicionais rodas de samba. O dito referencia, também, o pedido para introduzir o som aos ouvidos do público, uma apresentação da música que descende de muitas origens – territoriais e sonoras.

Com desejo – e com a licença – para contar a história da música brasileira nascida no século XIX, Mathias e Pâmela buscaram personalidades que contribuíssem para incorporar a narrativa. Convidando ao palco 12 artistas, entre eles sambistas e chorões, a dupla procurou compositores de diferentes áreas e atuações, com diferentes instrumentações. “Chegamos à conclusão de que era impossível representar na totalidade essa música. Então, a gente resolveu levar ao palco pessoas que pudessem contar algumas das histórias do samba e do choro”, destaca Mathias.

Aos que anseiam pelo concerto, podem descansar na certeza de um espetáculo forte. “É um show que não vai ser suave. Será impactante!”, garante Mathias. A estética percussiva do concerto, característica marcante do samba, somada à orquestra de sopros, contempla o conceito global do arranjo idealizado pelo músico. “A força da percussão e a força do naipe de sopros falam sobre a construção dessa música, sobre de onde ela vem”, dimensiona.

As saudações à ancestralidade e à herança musical do samba e do choro se unem para compor o último espetáculo da edição Cidade presente: a cidade que se vê, a cidade que se escuta. Seja na avenida, na roda de samba ou no quintal de casa, o acolhimento e a efervescência sempre se fazem presentes. Em um dos sambas-enredo da Imperadores, se canta: “Orgulho da cultura popular / Vem ‘povo meu’ comemorar / Que ainda resta um lugar na nossa escola / Desça da arquibancada e caia na folia”. Assim como a letra, Samba e Choro Pedem Passagem convida o público a celebrar os gêneros que unem gerações e contam histórias, sem segregar. Não importa quem, sempre há lugar para mais um.

Sobre Pâmela Amaro

Pâmela Amaro é atriz, cantora, compositora, música e arte-educadora de intensa produção artística em Porto Alegre. Nascida no bairro Medianeira, desde a infância foi influenciada pela família – com avós, pais e tios/tias tocadores, cantores, compositores – a escolher pelo caminho das artes. Cursou Licenciatura em Teatro na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Compreendendo a arte como espaço de transformação e luta política, encontrou artistas e militantes do Movimento Negro gaúcho. Na música, começou a compor com o cavaquinho, tocava pandeiro e cantava em rodas de samba e com grupos musicais em casas de show. É cofundadora e colaboradora do Sarau Sopapo Poético-Ponto Negro da Poesia, organizado pela Associação Negra de Cultura (ANdC). Toca cavaquinho, canta e compõe no grupo musical Três Marias e prepara-se para lançar seu primeiro EP solo, chamado Casa de Versos. Seu repertório destaca o samba, o jongo e o ijexá; nas letras expõe a exaltação da ancestralidade africana que carrega.

Sobre Mathias Pinto

Mathias Pinto é músico, violonista, compositor e arranjador. Estudou musicoterapia na Faculdades EST e transferiu-se para o Curso de Licenciatura em Música do IPA. Nesta época de estudante da EST fundou a banda Carne de Panela, para divulgar suas canções. Logo passou de violão 6 cordas para violão 7 cordas e começou a tocar bandolim também. É um dos arranjadores do projeto Tom Chico e Vinicius, participa dos projetos Resgate e Central do Samba, participa do Grupo Isto é Nosso e em 2010 fundou o grupo Choro do Rio Grande, no qual os integrantes fazem um projeto de pesquisa sobre os chorões do século passado, como Otávio Dutra. Mathias, um dos principais violonistas de sete cordas e choro do Sul do país, foi coordenador pedagógico da Oficina de Choro do Santander, agora no Instituto Ling. Atualmente, é presidente da Orquestra de Choro de Porto Alegre (OCPA). No ano de 2017, lançou seu disco de estreia, chamado Falso Folião, e compôs o disco Valentia da cantora Nani Medeiros, neste mesmo ano participou do festival Internacional de Choro em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Elenco

  • Carol Milan (sax)
  • Eliseu Rodrigues (clarinete e clarone)
  • Fábio Azevedo (cavaquinho)
  • Guilherme Sanches (percussão)
  • Lucian Krolow  (sax e flauta)
  • Marcelo Amaro  (percussão)
  • Maria do Carmo Carneiro (voz)
  • Mathias Pinto (violão 7 cordas)
  • Pâmela Amaro (voz)
  • Pingo Borel (percussão)
  • Samuca do Acordeon (acordeom)
  • Tutti Rodrigues (percussão)
  • Wilson Ney (voz)
  • Participação especial: Oficina de Choro

Serviço

Unimúsica – Samba e Choro Pedem Passagem I Mathias Pinto e Pâmela Amaro

  • Data: 12 de dezembro (quinta-feira), às 20h
  • Local: Salão de Atos da UFRGS (Av. Paulo Gama, 110)
  • Ingressos: 1 kg de alimento não perecível por ingresso retirado
    • de 9 a 12 de dezembro, das 9h às 18h, no Centro Cultural da UFRGS (Campus Centro)
    • 9 de dezembro, das 9h às 17h, no ILEA (Campus do Vale).

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Av. Paulo Gama, 110 - Bairro Farroupilha - Porto Alegre - Rio Grande do Sul
CEP: 90040-060 - Fone: +55 51 33086000