Atribuições

NAU
Na vigência da primeira edição do PAIUFRGS, foram constituídos os Núcleos de Avaliação das Unidades (NAU’s), aos quais foram atribuídas as seguintes competências:

  1. implantar o processo de avaliação dos Cursos/Unidades, segundo o Projeto PAIUFRGS, envolvendo a comunidade de alunos, professores, e técnico-administrativos no processo;
  2. responsabilizar-se pela análise do diagnóstico de sua Unidade/Curso/Departamentos, realizando a Avaliação Interna;
  3. promover as condições necessárias à Avaliação Interna;
  4. providenciar a avaliação de disciplinas em ação integrada com a Reitoria;
  5. organizar relatórios consolidando dados de Diagnóstico e Avaliação Externa;
  6. receber os avaliadores externos e facilitar a Avaliação Externa;
  7. discutir as realidades dos cursos com as comissões externas de avaliação, aproveitando a qualificação desses profissionais para reflexões de interesse das Unidades e de seus cursos;
  8. utilizar o processo de avaliação como caminho para o estabelecimento de fóruns permanentes de debates com a comunidade externa à Universidade, quais sejam entidades profissionais, entidades científicas, egressos, usuários ou outros provedores de informações;
  9. contribuir para o planejamento do futuro, como decorrência do olhar crítico e analítico da realidade interna do(s) curso(s), considerando as recomendações das comissões externas e a visão da comunidade do(s) próprio(s) curso(s)/unidade(s).

CPA

A Comissão Própria de Avaliação – CPA, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, tem por atribuição a coordenação dos processos internos de avaliação da instituição, de sistematização e de prestação das informações solicitadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. À CPA compete:

  1. coordenar os processos internos de avaliação a serem executados pela SAI e pelos NAU’s;
  2. coordenar o trabalho, desenvolvido pela SAI e pelos NAU’s, de sistematização e prestação de contas quantos às informações solicitadas pelo INEP;
  3. delegar à SAI a competência da execução do processo de avaliação, que será desenvolvido em conjunto com os NAU’s;
  4. manter-se sistematicamente informada sobre todos os procedimentos desenvolvidos pela SAI e pelos NAU’s;
  5. estabelecer calendário de reuniões sistemáticas para acompanhar o desenvolvimento do processo avaliativo.


SAI

A Secretaria de Avaliação Institucional (SAI) possui as seguintes atribuições:

  1. organizar e articular a reparação dos processos de avaliação institucional externa;
  2. orientar os trabalhos de preparação à avaliação de cursos de graduação externa;
  3. orientar a preparação dos cursos de graduação à avaliação por exames externos aplicados aos estudantes (como o ENC e ENADE)
  4. organizar e controlar os procedimentos institucionais de avaliação do docente pelo discente;
  5. organizar e controlar os procedimentos institucionais de avaliação da produção publicada dos docentes, articulada à Biblioteca Central;
  6. dar suporte aos trabalhos da Comissão Própria de Avaliação (CPA);
  7. orientar o trabalho dos Núcleos de Avaliação das Unidades Universitárias (NAU’s);
  8. articular os trabalhos da CPA com as atividades dos NAU’s;
  9. definir os indicadores de desempenho para avaliação das atividades institucionais (materializados no sistema de avaliação institucional informatizado disponibilizado através do portal eletrônico da Universidade).

Ações

As ações praticadas pelos NAU’s, extraídas dos seus relatórios anuais, sistematicamente divulgadas via página eletrônica da SAI, incluem:

  1. elaboração e alteração de regimento interno da unidade universitária;
  2. proposição e implantação de novo sistema de avaliação dos docentes;
  3. elevação da produção de trabalhos acadêmicos;
  4. continuidade ao planejamento das modificações curriculares, (Projeto Pedagógico de Curso), visando adequar o currículo às Diretrizes Curriculares Nacionais;
  5. atualização e tratamento de dados referentes aos processos acadêmico-administrativos;
  6. divulgação de ações e trabalhos produzidos nas unidades;
  7. articulação de todo o pessoal acadêmico e administrativo com avaliação;
  8. prática de registros de ações da unidade universitária;
  9. realização de diagnósticos das diversas situações enfrentadas pelas unidades e seus cursos;
  10. realização de reuniões para ajustes dos conteúdos e cargas horárias de disciplinas;
  11. realização de reuniões com o Diretório Acadêmico para apresentação das atribuições e atividades;
  12. discussão com os alunos sobre resultados da avaliação externa (ex: resultados do ENADE);
  13. reuniões com órgãos da Reitoria com vistas à proposição de melhorias e resolução de problemas inerentes ao funcionamento das unidades universitárias e de seus cursos.

Na Faculdade de Agronomia, várias destas ações são realizadas em parceria com a Comissão de Graduação, com a colaboração do Núcleo de Apoio Pedagógico (NAP).

Como resultados das ações dos NAU’s, contam-se as seguintes conseqüências relacionadas ao funcionamento das unidades e de seus cursos:

  1. aumento do interesse de docentes e técnico-administrativos pela qualificação e capacitação a partir da avaliação discente;
  2. melhor percepção das situações enfrentadas pelos discentes;
  3. incremento da interação com discentes, através da avaliação, permite buscar alternativas de solução para os problemas encontrados;
  4. maior preocupação com relação à integridade e acurácia aos dados inerentes ao funcionamento da unidade;
  5. preocupação com uma maior integração das disciplinas dos ciclos básicos e profissionais ao longo dos cursos de graduação;
  6. propostas de alteração de currículos;
  7. proposição de novos sistemas internos de avaliação dos docentes;
  8. produção de dados, informações e de indicadores, muitas vezes, solicitados pelas próprias Unidades.

Ainda como reflexo deste processo auto-avaliativo, as unidades universitárias apontam as seguintes necessidades a serem atendidas para melhor funcionamento das suas atividades:

  1. aumento do espaço físico destinado às aulas e demais atividades;
  2. melhorias e adequação da infra-estrutura dos próprios NAU’s;
  3. necessidade de aumento do quadro de pessoal administrativo.
  4. reformulação dos projetos pedagógicos de cursos, visando melhor integração das disciplinas com o currículo;
  5. provimento de maior número de equipamentos, principalmente, de informática;
  6. previsão de tempo específico na carga de trabalho para os membros de comissões;
  7. reforço da colaboração com os diferentes segmentos administrativos e acadêmicos no provimento de dados;
  8. provimento de maior integração entre os NAU’s e a CPA;
  9. provimento de reforço à estrutura funcional das Comissões de Graduação (ComGrad’s);
  10. reforço do acervo e da infra-estrutura física das bibliotecas.