SEMINÁRIO EM CIENCIA DO SOLO

 Data: 09/MAIO/2018            Horário: 14 horas      Sala: PG08  FAGRO/UFRGS

CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS EM TOPOSSEQUÊNCIAS NO SUDOESTE DO MATO GROSSO

 

Eng. Agrª (M.Sc) Ana Paula Barbosa Lima

 

Orientador: Paulo César do Nascimento

 

 

Resumo:

Estudos pedológicos em topossequências permitem observar diferenças entre processos de formação e solos que ocorrem em posições diferentes da paisagem. Por se tratar de conjunto de solos que ocupam níveis diferentes no relevo (maior ou menor altitude, maior ou menor declividade), a influência dos fatores de formação como clima, material de origem e relevo ocorre em níveis diferentes, formando solos distintos na mesma sequência topográfica. O objetivo neste trabalho é caracterizar, classificar e avaliar a influência dos fatores e processos de formação de solos em duas topossequências: a Chapada dos Parecis, formação arenítica localizada na divisa dos municípios de Campo Novo dos Parecis e Tangará da Serra, e a Serra Tapirapuã, formação basáltica localizada na divisa entre Tangará da Serra e Nova Olímpia, Mato Grosso, Brasil. Procedeu-se às observações em treze pontos, do topo da Chapada dos Parecis ao sopé da Serra Tapirapuã. Observou-se que em regiões mais planas ocorrem solos mais profundos, bem drenados e intemperizados como Latossolos e Argissolos. Já em posições mais inclinadas das topossequências, a tendência é que se formem solos menos intemperizados, como Neossolos, e que haja afloramento do material de origem. Em algumas áreas, apesar do relevo declivoso, os processos de formação avançaram mais, com formação de perfis relativamente profundos. Ressaltam-se indícios de podzolização na Serra dos Parecis, com formação de solos com características de Espodossolos, e de lessivagem na Serra Tapirapuã, com formação de Chernossolos e/ou Nitossolos, classes estas que não estão apontadas nas cartas de solos existentes para a região. A discrepância entre a distribuição de solos citados nos levantamentos disponíves e os observados em campo pode ser considerada normal, devido à pequena escala dos mapas existentes, reforçando a necessidade do levantamento detalhado para classificação e confecção de mapas com escala maior. A sequência dos trabalhos, com descrições morfológicas completas, coleta de amostras e análises laboratoriais permitirá a caracterização e classificação desses solos, bem como estimar processos de formação envolvidos e estabelecer padrões na relação solo-paisagem.